segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A Presença dos Valores na FAMÍLIA

A família é a célula básica natural da comunidade humana. Como valor não se discute. Não tem substituto. É a fonte do amor e da vida, o berço e a escola natural dos valores da vida, a Igreja doméstica para nós cristãos. Pela família passa o futuro da vida, da Igreja e da própria humanidade. Sempre que a família como célula base da sociedade na história da humanidade se debilitou, os povos e as nações perderam sua solidez, adoeceram e ao mesmo tempo desapareceram.

Os estudos das ciências humanas nos mostram que a qualidade de vida das pessoas, das famílias, das relações humanas na comunidade, na sociedade e na própria humanidade dependem de quatro pilares insubstituíveis:

  1. SOLIDEZ FAMILIAR - na base de tudo sempre deve se situar a solidez da família afetiva: isto é, a relação sadia entre homem e mulher, pais e filhos, avós e parentes. Entretanto, por solidez familiar, não se trata apenas de entender a prioridade da saúde da célula familiar afetiva mas se trata de entender a forma consciente do viver e do existir em comunidade, na sociedade e uma pátria onde ninguém é se sente excluído não importa a idade, as classes, cor, raça e religião. 
  2. ORDEM DE VALORES - numa família, sociedade ou pátria onde não se cultiva a presença dos valores básicos da vida o caos com facilidade acontecerá a nível pessoal, afetivo e de sadia convivência humana entre as pessoas. Vivemos a era da tragédia existencial onde se prioriza o ter, o possuir, o gozar, a esperteza o egoísmo e o individualismo em detrimento dos valores éticos, da moral, do ser, do existir, do viver, do conviver, da justiça e da substancial igualdade de direitos. Sem a presença dos verdadeiros valores o amor e a justiça com todos e entre todos não se tornam norma de comportamento humano.
  3. SENTIDO DA VIDA - perder a consciência do valor maior da vida humana é esvaziar o dinamismo maior da família em sua essência. Sem essa consciência o próprio amor vira comércio, uma troca de interesses e de compensações e não uma experiência de vida que gera vidas. O desconhecimento do sentido maior da vida humana gera destruição das relações afetivas. Infelizmente vivemos num tempo em que se ensina a finalidade de tudo, menos da vida, do existir, do amor e do amarmo-nos. É muito não ensinar o porquê e o para que da existência humana, isto é: responder as perguntas de onde viemos, porque viemos, para que vivemos e para onde vamos.
  4. SIGNIFICADO E SENTIDO MAIOR DO AMOR -  nenhum tema em nossos dias é tão falado, aspirado e desejado como o amor. Mas sejamos sinceros. Nada mais se encontra esvaziado, manipulado e mesmo instrumentalizado do que o amor. Qual é mesmo o verdadeiro significado e sentido do amor, do amar e do deixar mar que realiza, que gera, promove e salva a vida a nível pessoal, de afetos de casamento, de família e de sociedade? .... sem a presença dos valores do humano e do divino amor virá instrumento de gozo, de uso, de posse e não o caminho de realização humana.  Na verdade sem a presença dos valores humano e do divino o amor se esvazia no sentido ao invés de libertar e salvar.  
Querer que nossas famílias se realizem, que sejam felizes e se transformem em fontes geradoras de vida e de amor, em igrejas domésticas vivas, sem primeiro ensinar o valor e o significado maior da vida e da existência humana é deixarmos nossas famílias sem um horizonte maior para sua sobrevivência na realização de suas aspirações e de seus sonhos.

Acreditem! - Não é a família em si que está em crise. É a vida sem seu sentido e razão de ser maior que está em crise. O esvaziamento do verdadeiro sentido e da razão de ser da existência humana na dimensão dos valores do humano e do divino é a grande ausência que tanto debilita os sonhos em realização de um amor amadurecido a nível pessoal, de família, de comunidade e de sadia convivência na humanidade.

O que precisamos saber é que a transmissão dos verdadeiros valores da vida humana não é uma questão apenas de ensinamento mas particularmente de coerência e testemunho de vida. A Paixão pela vida não se ensina com palavras mas com a própria vida.

(texto de Pe. Evaristo DeBiasi - mestre de Teologia dogmática da Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma e professor do ITESC) 

      

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, em breve será respondido.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.