sábado, 18 de fevereiro de 2012

SACRAMENTOS E SACRAMENTAIS - qual a diferença?

Muito ouvimos falar dos sacramentos. Mas... o que são os Sacramentos e o que eles significam? - Sacramento, do Latim Sacramentum que significa: sinal (sagrado) visível da graça (que é invisível) de Deus. A Igreja destaca 07 Sacramentos, que foram instituídos por Jesus, são eles

1 - Batismo : Introduz o cristão no seio da Comunidade de Jesus (a Igreja). Passamos a pertencer ao povo de Deus, nos tornamos filhos de Deus dentro de uma comunidade de fé. Jesus mesmo mandou que batizasse em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo (Mt 28, 19). O Batismo nos faz filhos de Deus e herdeiros do Céu
2 - Crisma ou Confirmação - porque fomos batizados quando crianças, nossos pais e padrinhos assumiram para nós a missão o compromisso de sermos cristãos, isto é, de seguir a Jesus, fazendo parte de seu povo, a Igreja. Na Confirmação ou Crisma, já adultos, confirmamos, assumindo nós mesmos este mesmo compromisso do Batismo de sermos discípulos de Jesus. Não encontramos referências deste sacramento na Bíblia mas ele está ligado ao Batismo um é complemento do outro. 
3 - Eucaristia: Este Sacramento tão especial, foi instituído por Jesus, onde ele se dá em alimento  seu Corpo e Sangue. Jesus o instituiu na véspera de sua paixão para ser alimento e remédio para nossa alma. "Isto é meu Corpo"..., "Isto é meu Sangue"... Mt26, 26-28
4 - Penitência ou Confissão - Jesus instituiu esse Sacramento para que nós, enquanto pecadores que somos possamos alcançar a misericórdia de Deus pela graça do perdão, através do arrependimento de nossos pecados. Nos dirigimos ao sacerdote que em nome de Cristo nos perdoa e nos devolve a graça da reconciliação com Deus. Confessar significa buscar viver a graça do perdão, perdoar e ser perdoado. Esse Sacramento permite que ao longo da vida busquemos sentir a graça do amor de Deus.  "Os pecados a quem perdoardes serão perdoados os que retiverdes serão retidos"... Jo20, 23 e Mt18, 19-20
5 - Unção dos Enfermos - Com a unção do Óleo, pela graça do Espírito Santo, através da oração do sacerdote, Jesus concede concede aos enfermos e moribundos a graça de restabelecerem e primeiro lugar a saúde, senão, uma morte santa. Mas... Unção dos Enfermos não é para ninguém morrer, mas é para que se restabeleça a saúde, portanto é direito do enfermo o sacramento da Unção enquanto estiver consciente. Tg 5, 13-16 - Este Sacramento também pode conceder ao enfermo a absolvição dos pecados. 
 Mas, se for da vontade de Deus e chegada a hora, que o cristão tenha uma boa e santa morte.    
6 - Ordem - Sacramento instituído por Jesus, ao qual designa seus eleitos para governar a Igreja, dirigir a Comunidade, celebrar o Santo Sacrifício e proclamar a Palavra de Deus. Ele mesmo criou sua Igreja, pôs nela o Espírito Santo, entregou a Pedro e os Apóstolos seu governo. O Sacramento da Ordem é dado aos Presbíteros (padres). Mt 16, 18-19 e Jo21, 15-17.    
7 - Matrimônio - Sacramento que une homem e mulher a fim de que pela graça de Deus se unam, formam uma família e eduquem seus filhos. Gên2, 24; Mc10, 1-11; 1Cor7, 3-7; Ef5, 21-33


OS SACRAMENTOS SÃO PONTES OU DEGRAUS QUE NOS FAZEM ALCANÇAR A SANTIDADE. SOMENTE A VERDADEIRA IGREJA DE CRISTO, A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, POSSUI OS SACRAMENTOS E O DIREITO DE ADMINISTRÁ-LOS, COM ELES E POR ELES CHEGAMOS A DEUS. ELES FORAM CRIADOS POR JESUS PARA NOS AJUDAR NA CAMINHADA PARA DEUS. 


Os sacramentais  objetos ou sinais  que foram criados pela igreja para indicar a presença da graça de Deus , aos quais são usados nos ritos sacramentais (na administração dos Sacramentos) ou nas bênçãos litúrgicas. Eles nos ajudam a vivenciar melhor os Sacramentos.


Por exemplo:


VELA - sinal de nossa fé fé que deve sempre se manter acesa como a chama da vela. Também simboliza Jesus Ressuscitado cujo fogo representa o Espírito Santo. Cristo disse: "Eu sou a Luz do mundo, quem me segue não andará nas trevas mas terá a luz da vida!" Jo8, 12  - assim, sendo discípulos de Cristo, devemos ser luz para o mundo. Jesus disse: "Vós sois a luz do mundo"... "Assim brilhe a vossa luz diante dos homens..." Mt5, 14.16


SAL - O sal dá sabor aos alimentos, assim deve ser a nossa vida sinal da presença de Deus no mundo. Jesus mesmo disse: Jesus disse: "Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o seu sabor, com que lhe será restituído? para mais nada serve se não for para ser jogado fora e pisado pelos homens". Mt5,13


ÁGUA - Elemento essencial para a vida, nada pode existir sem a água. Ela representa o próprio Deus. A água enxarca, inunda, lava, tira as impurezas. Assim devemos ser sempre inundados pelo amor de Deus. Deus nos lava, nos purifica pela água do Batismo. Jesus disse: Jesus disse: "Em verdade, em verdade eu vos digo: quem não renascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus" (Deus é esta água que nos lava e nos santifica pelo Espírito Santo) - O que nasceu da carne é carne , o que nasceu do Espírito é espírito." - é por isso que a água simboliza esta força de Deus que através do Espírito Santo nos lava a alma e nos dá uma vida nova, por isso a água representa a força de Deus que nos limpa e nos purifica.
- Jesus é a "Água Viva" que nos mata a sede e nos garante a fonte da vida eterna. Como disse à Samaritana: "Se  conhecêsseis o dom de Deus, e quem é que te diz, certamente pedirias tu mesma e ele te daria a água viva!" Jo4, 10
 
CINZA - Nos faz voltar as nossas origens (Lá no Livro do Gênesis) para lembrar que somos criaturas de Deus, fomos tirados do pó desta terra, e um dia voltaremos ao pó. Portanto nada somos sem a graça de Deus.  Gên1,7: 3,19 - Por isso ela é usada como sinal de penitência na Quarta-feira de Cinzas. Para nos lembrar que somos pecadores, frágeis, sem a graça de Deus, somos apenas pó.


PÃO - O pão simboliza a unidade da Igreja, bem como a própria Eucaristia. Um alimento tão antigo conhecido em todo mundo, nos remete a pensar na comunhão que devemos ter uns para com os outros, a sermos solidários. O pão é sinal das bênçãos que Deus nos dá por meio de seu Filho Jesus, cujo é o Pão da Vida. Jesus  disse: "Eu sou o pão da vida,  aquele que vem a mim não terá fome, aquele que crê em mim jamais terá sede.. Eu sou o Pão vivo que desceu do Céu quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu hei de dar, é minha carne e meu sangue, pela salvação do mundo... Esse é o pão que eu hei de dar. Não como o maná que vossos pais comeram e morreram. Quem come deste pão viverá eternamente!" Jo6,35.51.58 - O pão representa a unidade da Igreja, da Família em torno do Pão da Vida que é Jesus. At 2, 44


Os sacramentais podem sempre serem usados ou criados pela Igreja para fins que nos levam a melhor aproximação da graça de Deus, vivência e participação dos Sacramentos. Jesus Cristo mesmo, usou dos sacramentais, quando curou o um cego, usou saliva e terra e fez um barro que passou na vista do cego e mandou que o mesmo se lavasse na piscina de Siloé, onde ficou curado. Jo9, 6-12    


OS SACRAMENTAIS SÃO SÍMBOLOS QUE NOS PERMITE ENTENDER E VIVENCIAR MELHOR OS SACRAMENTOS EM NOSSA VIDA, AJUDAM A ENTENDER OS RITOS SACRAMENTAIS. AJUDAM E FORTALECEM, ENRRIQUECENDO A LITURGIA.  




SACRAMENTOS UNIVERSAIS

Texto de Ir. Gregório D. Bastos, obl.OSB
Revista Brasil Cristão/ ed. no. 176, 03/12-ano15



"Porque estais mortos e a vossa vida está escondida com Cristo, em Deus". São Paulo, grande conhecedor dos Sacramentos da Igreja, consegue de forma simples e objetiva, resumir a força e a vitalidade dos Sacamentos por meio desta Carta dos Colossenses. (Cl 3,3).


Esta afirmação, "Porque estais mortos", revela a dádiva da iniciação cristã, o Sacramento do Batismo, pelo qual morremos com Cristo para vida antiga, de erros e de pecado, somos introduzidos à Novas vida de Cristo,uma vida de fé. "Com efeito, o batismo é de maneira especial 'o Sacramento da fé', uma vez que é a entrada sacramental na vida de fé"(CIC 1236).


No entanto, a continuação da frase revela algo ainda mais lindo e grandioso: "e a vossa vida está escondida com Cristo, em Deus". Ou seja, embora no Batismo recebamos a vitalidade e os frutos do Espírito Santo, a totalidade de nossa vida está escondida no Cristo. Deus em sua infinita bondade e sabedoria,permitiu que nossa vida fosse escondida no Cristo,que é a cabeça da Igreja, detentora dos Sacramentos, a fim de nos guiar à plenitude do Evangelho, a Boa Notícia.


São Tomáz de Aquino aprofunda o ensinamento afirmando que a comunicação do Povo de Deus com seu Filho Jesus Cristo, se dá através dos Sacramentos: "O bem de Cristo é comunicado a todos os membros, e essa comunicação se faz através dos sacramentos da Igreja"
Essa afirmativa de São Tomáz de  Aquino é o reflexo do ensinamento de nosso Catecismo: " A palavra grega mysterion foi traduzida para o latim por dois termos: mysterium e sacramentum. O termo sacramentum exprime mais o sinal visível da realidade escondida da salvação, indicada pelo termo mysterium.
Neste sentido, Cristo mesmo é o mistério da salvação... Os sete Sacamentos são sinais e os instrumentos pelos quais o Espírito Santo difunde a graça de Cristo, que é a cabeça, na Igreja que é seu Corpo. A Igreja contém, portanto, e comunica a graça invisível que ela significa. É neste sentido analógico que ela é chamada de Sacramento". (CIC 774)  


Isso pontua a necessidade de vivermos bem, buscando a regularização e descoberta de nossa vida através dos Sacramentos. É um impulso a buscar a totalidade de nossas vidas, a exemplo de um pecador que sai mais leve de um confessionário, porque se livrou do fardo através do Sacramento e descobriu uma parte da sua vida que lhe faltava . Ou aquele jovem que vivia sem o Crisma... quando recebe aquele "tapinha" singelo do Sr. Bispo, o faz acordar para a vida, a sua vida de fé, até que então estava escondida no Cristo!     




segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

SÃO MARCOS - nos apresenta: Jesus o Filho de Deus! Aquele que Cura, Liberta e Salva

Texto de: Elmando V. de Toledo

A cada ano celebramos um Ano Litúrgico, a Igreja nos propõe de maneira organizada viver a realidade evangélica da vida de Jesus. São doze meses divididos em tempos litúrgicos onde se celebra o memorial de Jesus Cristo e também a memória dos Santos. Sendo assim ele não acompanha o ano civil, pois ele começa termina com o primeiro domingo do Advento e termina com a Solenidade da Festa de Cristo Rei do Universo. Diferente do ano civil, que comemoram datas passadas, o Ano Litúrgico se atualiza no doa a dia em nossas vidas. O Evangelho sempre se renova, nunca desatualiza. E sendo assim ele está dividido, em três categorias: A, B e C - cada ano tem suas leituras próprias. Veja o mapa abaixo:




Esse ano celebramos o ano "B", cujo nos convida a orar, ler e meditar sobre o Evangelho de São Marcos.


CONHECENDO MARCOS: - o nome certo é: João Marcos. Ele foi Apóstolo de Jesus e foi discípulo de Pedro, primo do Apóstolo Barnabé(Cf. At12,12:12, 25:13,5); Ele é  filho de Maria de Jerusalém ; também foi companheiro de Paulo em sua primeira viagem missionária. Apresenta os ensinamentos de Pedro, (64 d.C). Assim podemos dizer simbolicamente que o Evangelho segundo São Marcos, é o "Evangelho de Pedro", pois, ele nos garante um testemunho direto da vida e da atividade de Jesus. Marcos escreveu o seu Evangelho para os que estavam se convertendo ao cristianismo, ou seja, os pagãos. Apresenta-nos Jesus servo incansável de Deus. Jesus que veio para servir. Descreve as boas obras de Jesus, inclusive descreve também dezenove milagres que atestam o poder de Jesus, sendo que oito deles se referem à curas de enfermidades, outros cinco atestam o poder de Jesus sobre a Natureza, quatro deles o poder sobre os demônios e dois atestam o poder de Jesus Cristo sobre a morte.     
São Marcos, diferente de Mateus e Lucas, começa seu Evangelho narrando o início da vida pública de Jesus, mas antes de entrar no conteúdo, ele descreve a importância do testemunho de João Batista, para dizer que Jesus é o Filho de Deus. Mostra-nos que é esse Jesus, que cura e liberta e ensina com autoridade. Autoridade de Jesus que vem do Pai do Céu. 

MARCOS MOSTRA JESUS O SALVADOR, LIBERTADOR DA HUMANIDADE

Marcos nos ensina através de seus escritos que a salvação do homem passa em primeiro lugar pela restauração da dignidade humana. Por isso ele nos apresenta Jesus como aquele que vem trazer-nos uma nova vida através da restauração do "ser" pelo Espírito Santo. 

Mostra que Jesus antes de começar sua missão foi primeiro se preparar, retirando-se no deserto, (isto é um encontro consigo mesmo), lá venceu as tentações e voltou com a decisão de salvar os pecadores. Logo quis chamar seus primeiros colaboradores: Pedro, André, Tiago e João, (Cf. Mc 1, 7.14-20).
Depois desse primeiro chamado começou a missão de Jesus: pregar, libertar e curar, mostrando que ele era realmente o Cristo de Deus. 

Esse Jesus de que Marcos apresenta é o libertador de Israel, o Messias. Jesus que tem e age com autoridade, ensinar, para cura, para expulsar os demônios (liberta-nos do mal). Ele liberta e cura todas as pessoas.

Toda autoridade de Jesus está acima das outras deste mundo, pois ele é o Filho de Deus. Jesus tinha autoridade nos seus ensinamentos, não era como faziam os escribas. (Cf. Mc1, 21-22)

Os escribas eram responsáveis pelo ensinamento das Leis de Moisés, (eram como  professores de religião), mas ensinavam por ensinar, sem fazerem as pessoas sentirem e experimentarem o amor de Deus. Ensinavam as pessoas para que tivessem a obrigação de fazer cumprir a Lei de Deus. Mas não lhes ensinavam a sentir amar o próprio Deus.

Jesus não, ele ensinava que: mais que decorar, conhecer e praticar a Lei, antes era necessário pô-la em prática amando a Deus. Então Jesus começa mostrando que para amar a Deus era preciso amar ao próximo, dar aos pequeninos a dignidade da vida, restaurar-lhes e fazê-los experimentar o amor que Deus tem por cada um. Para Jesus é importante restaurar o ser humano por inteiro, libertá-los das correntes que impede o homem de alcançar e sentir esse amor. Por isso Jesus cura e liberta.

Marcos também mostra Jesus sempre atuante. Jesus que não fica fechado nas sinagogas, mas que vai ao encontro das pessoas. É ele quem toma a inciativa de ir ao encontro de todos que precisam sentir a presença do Reino de Deus. Precisam de uma nova esperança. Para Jesus fazer cumprir a vontade de Deus é muito mais importante do que ficar só no cumprimento das Lei. É preciso amar. O amor está acima de tudo. E somente amando o próximo é que se pode amar a Deus. Por isso Jesus chega a desprezar alguns ritos da Lei de Moisés, como: não buscar alimento no dia de sábado, fazer a purificação etc. (Cf. Mc 2, 13-24.27). Pois para Jesus de nada adianta ao homem purificar o corpo se a alma está suja pelo pecado. Para Jesus, fazer cumprir a vontade de Deus é mais importante. 

Jesus é aquele que considera sua família todos os que ouvem suas palavras e as põe em prática. Jesus faz de todos nós uma só família, a família dos remidos. Por isso vem nos mostrar que o Reino de Deus deve ser com a semente lançada ao solo. Ela deve ser semeada em todos os campos, ou seja, em todos os corações. Essa semente o proto-Evangelho deve nascer em terrenos bons e dar frutos. 

Esse Jesus de que fala Marcos é um Jesus que liberta,  cura e salva, é aquele que opera sinais e faz prodígios, expulsando os demônios, curando os enfermos e até intervindo na natureza. É Jesus que mata a fome espiritual do povo,mas também a fome material. É Jesus misericordioso que sente compaixão pelo povo que sente fome.  É o Filho de Deus. A autoridade de Jesus não está fora  de Deus porque ele é Deus. Para Jesus, a única forma de amar é libertar as pessoas, é torná-las dignas de serem filhos de Deus. É dar-lhes dignidade para viver, é acolher, perdoar e servir.
Jesus veio curar os corações, mostrou para os fariseus e mostra para nós hoje que não podemos fechar nossos olhos para os mais necessitados. Todos precisam serem salvos. Também não podemos agir com desumanidade e com preconceitos. Jesus nos mostra que os mais humildes antes de nós nos precederão no Reino de Deus. Por isso é muito importante que não deixemos ofuscar a luz de Cristo e o amor de Deus que brilha em nós. (Mc10, 17-25)

Também não podemos querer algo que não for da vontade de Deus. (Mc10, 35-38)
Marcos nos mostra que:

Se quisermos ser felizes a resposta está em Jesus "o Mestre, o libertador", devemos sempre buscar viver o amor de Deus, sentir esse amor sempre. Pois Jesus é o Filho de Deus, que cura, liberta e salva.

São Marcos é representado pelo Leão, porque seu Evangelho começa com a narrativa de João (o batista) no deserto. No deserto habitam animais selvagens. 
Seu Evangelho também é conhecido como o "Evangelho do catecúmeno", isto é, aquele que está sendo evangelizado, ou que se prepara para receber o Batismo.
Para São Marcos, Jesus é o Filho de Deus, aquele que veio para nos libertar de toda espécie de mal. Sendo este Evangelho destinado aos que se preparavam para se tornarem cristãos, era preciso que fosse bem elaborado de modo a dar o maior testemunho possível de que Jesus realmente é o Filho de Deus.

Assim o seu Evangelho está dividido:


  1. Jesus é o Filho de Deus. Quem afirma não é Marcos mas o próprio Deus. (Mc1, 11). "Tu és meu Filho amado"...
  2. Os demônios reconhecem a autoridade de Jesus porque sabe quem ele é. (Mc1, 23-25.27).
  3. Jesus começa a ensinar na Galiléia mas seu trabalho se estende além fronteiras. (Mc1, 28).
  4. Jesus chama seus primeiros discípulos. (Mc1, 16-20).
  5. Jesus anunciava, pregava na Galiléia, nas sinagogas, à margem do lago, na cidade, em casa, em praças públicas, nas vizinhanças. (Mc1, 14-39).
  6. Jesus chama Mateus (Levi) o cobrador de impostos e também junto aos discípulos censura seus adversários. (Mc2, 13-14:2, 15 e 3,6).
  7. Jesus escolhe os doze e os envia em missão. (Mc Caps. 3:13:6,6: 6, 7-13:3,14-19).
  8. Jesus junto com seus discípulos prega à multidão. (Mc Caps. 4,1 a 5, 43.
  9. Jesus ensina por parábolas. Mc4, 1-20.21-25.26-29.30-34.
  10. Jesus tem autoridade sobre os demônios e a natureza. (Mc5, 1-20)
  11. Jesus cura doenças e tem poder sobre a morte. (Mc5, 25-34:5, 21-24.35-43)
  12. Os discípulos fazem o que Jesus fez, eles proclamam a mensagem e realizam os mesmos sinais e voltam maravilhados com a autoridade que receberam. (Mc6, 12-13.30-32).
  13. A notícia do poder de Jesus chega até Herodes que pensa que Jesus é João Batista ressuscitado e fica espantado com o poder de Jesus. (Mc6, 14-29).
  14. Jesus os Apóstolos e a multidão, aqui Jesus sacia a fome de milhares de pessoas manifestando a sua misericórdia. (Mc6, 30-44).Jesus envia os Apóstolos e lhes ensina como deve ser ser o verdadeiro apostolado. O Apóstolo deve sempre ser semelhante ao Cristo o Bom Pastor. E como tal, organiza, alimenta com o pão material e espiritual (a Eucaristia) o seu povo.
  15. Jesus tem compaixão daqueles que não tem o que comer, os discípulos ajudam a multidão. Pessoas que vieram de longe para participar da refeição eucarística. Aqui representa todos nós que não pertencemos ao povo de Israel, ou seja, os gentios. (Mc8, 1-9).
  16. Uma mulher pagã manifesta sua fé no Cristo. (Mc7, 24-30).
  17. Os discípulos não compreendem os ensinamentos de Jesus, foi preciso que Jesus explicasse à parte. (Mc7, 14-23)
  18. Jesus é atacado pelos fariseus porque os discípulos não purificavam as mãos antes de comer. Jesus mostra que o que torna o home puro é um coração limpo voltado pra Deus e o próximo (Mc7, 1-23).
  19. Os discípulos são repreendidos por Jesus porque eles estavam preocupados com o que comer sendo que Jesus já tinha os caiado a fome uma vez. (Mc8, 14-21).
  20. Jesus faz uma pergunta: quem sou eu? Pedro responde. Jesus anuncia como deve ser sua morte. (Mc8, 27-38).
  21. Quem quer seguir a Jesus deve carregar sua cruz como ele carregou. Jesus foi verdadeiro em tudo, provou com palavras e obras. (Mc 8, 24-38).
  22. Jesus manifesta sua glória aos discípulos na Transfiguração. E cura um menino epilético ( Mc9, 2-3).
  23. Jesus anuncia pela segunda vez sua paixão. (Mc9, 30-50).
  24. O maior no reino dos Céus deve ser o menor de todos, deve receber os pequeninos. Deve saber receber as pessoas, deve evitar o escândalo, deve viver em fraternidade, deve ser humilde, deve conservar seu casamento, deve ser pobre, deve observar os valores do Reino. (Mc9, 33-40.41.42-50:10, 2, 12.13-16.17-31)
  25. Jesus anuncia pela terceira vez sua paixão. (Mc10, 32-34).  
  26. Os filhos de Zebedeu  fazem um pedido especial a Jesus: sentar-se à esquerda e à direita de Jesus na glória. Porém não cabe a Jesus decidir tal pedido e sim o Pai do Céu. (Mc10, 35-45).
  27. Quem quiser ser discípulo de Jesus seja como Bartimeu,que mesmo sem ver Jesus creu em seu nome e por isso foi curado. (Mc10, 46-52).
  28. Aproxima-se os dias em que Jesus seria entregue, ele vai à Jerusalém, entra na cidade, ali purifica-se no Templo. Mas, Jesus se entristece porque a Casa do Senhor está sendo usada como comércio e lugar de ladrões. Sendo a Casa de Deus uma casa de Oração.  (Mc11, 1-19)
  29. Pedro admirado, mostra a Jesus a figueira que tinha amaldiçoado, ela estava seca. Jesus então mostra que tudo é possível pelo poder da fé. Mas para Marcos essa figueira somos nós templos de Deus. E quando falta-nos a fé então ficamos secos. A fé consiste em confiar, depender e crer em Jesus. (Mc11, 12-14.20-26)
  30. Jesus conta a parábola dos lavradores criminosos. Jesus sendo o filho do dono da vinha, isto é, Deus Pai, foi entregue pelos empregados da vinha. Hoje essa mesma vinha continua tendo muitos trabalhadores, (que somos nós), e também muitos entregam suas vidas por ela ou são mortos. Quando Jesus vier pedirá conta aos que não deixaram o Evangelho crescer e a vinha (a Igreja) prosperar. (Mc12, 1-12). Aqui Jesus fala daqueles que impedem o Reino de Deus crescer. Primeiro mataram os profetas, depois veio Jesus o filho de Deus , o mataram também, mataram os Apóstolos e os Santos, agora muitos são perseguidos e mortos por causa do reino de Deus.
  31. Jesus ensina que o bom discípulo de Jesus deve ser leal as leis de Deus, e também as leis do seu país.  (Mc12, 13-17)
  32. Jesus explica o que é a ressurreição. (Mc12, 18-27)
  33. Jesus resume toda Lei de Deus, ou seja os 10 Mandamentos em dois: amar a Deus e ao próximo. Nisto consiste todos os outros. O amor é a base, sem amor não se pode cumprir a Lei. Também aqui Jesus deixa claro que Ele é o Senhor, porque Jesus é o Filho de Deus.  (Mc12, 28-34.35-37)
  34. Os doutores da Lei gostavam de aparecer, de serem admirados, Jesus porém disse que eles serão punidos porque o servo de Deus deve ser humilde não precisa se mostrar. Nem ser elogiado. (Mc12, 38-40)
  35. Ninguém é tão pobre que não possa dar algo pelo Reino de Deus. As vezes o pouco temos, nossos testemunhos, nossos trabalhos, nossas orações, nossas pequenas, mas boas atitudes para Deus é o bastante para converter muitas pessoas. Para Deus, o que interessa não é a quantidade mas a qualidade de nossas ações. (Mc12, 41-44).
  36. Jesus falava da destruição do Templo de Jerusalém, mas ele usa esse simbolismo para dizer que pela sua Ressurreição um novo templo iria se erguer. Jesus viria morar em um novo Templo o nosso coração. Para isso era preciso que o Templo velho fosse destruído, em Pentecostes Jesus restaura esse Templo (que é cada um de nós batizados) e vem morar em nosso meio. Assim juntos, formamos uma só casa do Senhor, a Igreja. // Depois Jesus ensina como deverá ser os sinais quando vier em sua glória. Jesus virá de surpresa, chegará o dia, que pode ser o dia de nossa morte e também o Juízo final; também aqui Marcos relata os primeiros passos da paixão de Nosso Senhor. Começa a trama para matar Jesus. (Mc13, 1-37:14, 1-2.10-11)
  37. Jesus participa de um jantar em Betânia e ali recebe antecipadamente o carinho de Madalena que tendo sido perdoada por Jesus, ela, chora unge os pés do Mestre com perfume e enxuga com os cabelos. E Jesus reconhece que ela num pequeno instante ela o reconhece como Senhor e Salvador, aprendeu a lição, enquanto que eles passaram uma vida ao lado de Jesus e não aprenderam a lição de humildade. Nossas orações e gestos de arrependimento  devem ser como o perfume deve agradar o Senhor. (Mc14, 3-9)
  38. Jesus prepara a Ceia Pascal, profetiza a traição de Judas Iscariotes. Come com os Apóstolos a ceia. Profetiza a negação de Pedro. Agoniza no Getsêmani. É preso, condenado, flagelado, e crucificado e morto e sepultado. (Mc14, 12-72)
  39. A Ressurreição. As mulheres, discípulas do Mestre, encontram o túmulo vazio. Elas recebem a notícia da Ressurreição; O túmulo está vazio... as mulheres que eram menosprezadas pelos homens por Jesus são valorizadas, são elas que tem o privilégio de se encontrar em primeiro lugar com Jesus Ressuscitado. (Mc 15, 42-47:16, 8)  
  40. O anúncio de uma nova era, Jesus queria encontrar seus Apóstolos e discípulos na Galiléia. Jesus aparece aos Apóstolos. É a alegria da Ressurreição.      
  41. Jesus envia sua Igreja começa então a caminhada da Igreja. Jesus continua  presente e cooperando com ela (Mc 15:16)