segunda-feira, 10 de novembro de 2014

OS SETE SACRAMANETOS - Sinais sagrados visíveis da ação do Espírito Santo

O QUE SÃO OS SACRAMENTOS?

Sacramento são sinais sagrados, instituídos por Jesus Cristo para salvação dos fiéis.   
São 07 Sacramentos ao todo:

1 - Batismo
2 - Eucaristia
3 - Crisma
4 - Confissão 
5 - Unção dos Enfermos
6 - Ordem
7 - Matrimônio 


Jesus, na sua infinita misericórdia para facilitar a salvação do seu povo instituiu os Sacramentos que são degraus para a santidade. Cada um possui sua afinidade. Desses 07 sacramentos apenas 01 é destinado aos pastores da sua Igreja (os padres ou presbíteros, e os bispos) é o Sacramento da ORDEM. 

Os demais todos nós devemos recebê-los em nossa vida. 

Deus que através de Jesus criou esse meio pelo qual nos torna mais fácil trilhar o caminho da salvação. Esses Sacramentos nos assiste a vida toda de modo especial.

Por que precisamos dos Sacramentos?
Precisamos porque somos pecadores, eles existem para nos dar coragem força e ao mesmo tempo para nos santificar através da ação do Espírito Santo.
Eles são canais aberttos da graça santificante e nos dão força na caminhada como cristãos. 

Jesus sabendo disso quis nos oferecer esse benefício, pelos qual através de sua Igreja possamos viver de maneira especial a nossa vocação cristã. 
A única e verdadeira Igreja de Cristo é capaz de nos conduzir e nos santificar através dos Sacramentos que são como "chaves" da porta do Céu.   
Eles são sinais da presença do Espírito Santo em nossa vida e todos são importantes e necessários.

As igrejas protestantes possuem apenas 02 sacramentos reconhecidos pela Igreja: Batismo e Matrimônio, os demais não são válidos porque os seus pastores dessas igrejas não tem autoridade apostólica para conferí-los. Embora muitos sejam bons homens de Deus esses homens e mulheres não possui o Sacramento da Ordem.  

Quando se separaram, desligaram-se da Igreja verdadeira de Cristo, alguns foram excomungados (tirados do seio da Igreja de Cristo porque não viviam mais o que a Igreja determinava), como Martinho Lutero; e sendo assim o papa  tirou-lhes a autoridade para conferir esses Sacramentos.

Antigamente a Igreja nem reconhecia o batismo e o casamento das igrejas protestantes, somente depois de muitos anos o Papa passou a admití-los como válidos tendo em vista que muitos católicos se casam com cristãos de outras denominações e reconhecendo que embora tenham se desligado da Igreja Mãe, eles foram batizados na Igreja Católica (já que a Igreja Mãe é a Igreja Católica) e sendo assim ainda possui vínculos com o sacerdócio real de Cristo e portanto, podem conferir o batismo. Mas não possuem a Ordem para celebrar a Eucaristia, consagrar e dar a Comunhão, fazer a Unção dos Enfermos, Crismar, Ordenar sacerdotes e dar absolvição dos pecados pela Confissão. 
Nas Igrejas protestantes não existe a Missa nem a Eucaristia.
Por isso, elas celebram apenas um "memorial ou lembrança" da Santa ceia de Jesus e nada mais.

Os Sacramentos são administrados pela Igreja mediante uma preparação. Isto é, o cristão precisa estar consciente do que vai recebê-lo,  preparado é capaz de viver o que o Sacramento oferece que vai servir para a vida toda. 
Para isso a Igreja oferece a catequese e os cursos de preparação, necessitam de uma preparação. Conhecer o valor dos sacramentos é muito importante. Mesmo depois de recebê-los é necessário que o cristão católico aprofunde seus conhecimentos na plavra de Deus, na doutrina da Igreja e sobre eles. Existem muitos livros, vídeos e cursos de catequese para adultos. Devemos aprender ao máximo sobre a palavra de Deus e a doutrina a fim de que estejamos sempre conscientes de ossa vida cristã. A maioria dos católicos são influenciados pelos protestantes e por doutrinas erradas e contrárias a santa religião porque não se interessam em meditar sobre a palavra de Deus e aprender sobre a doutrinada Igreja. Hoje as cartas, as encíclicas do Papa, a catequese está acessível até pela internet, você pode baixar vídeos, materiais para aprender mais sobre a doutrina e a Igreja. 
   
Receber os Sacramentos é dever de todo cristão católico e missão da Igreja.
Nenhum sacerdote pode se negar em administrar dos Sacramentos "se" o cristão estiver preparado e disposto, dentro das condições estabelecidas pela Igreja para recebê-los. 
Uma vez recebido eles não podem ser desfeitos porque é ação direta do Espírito Santo.
Quem dá dos Sacramentos? Quem dá é Jesus.
Quem os confere? Os ministros da Igreja (padre, bispos e diáconos)

O que é Rito Sacramental?

É a forma celebrativa em que são administrados os Sacramentos pela Igreja dentro de uma cerimônia própria, pelo qual se utiliza os *sacramentais para conferir os Sacramentos.

* Sacramentais = são objetos sagrados que são usados detro e fora da Liturgia: terços, velas, água benta, óleo, sal ... 

Não existe o mais e o menos importante entre os Sacramentos. Todos são essenciais e indispensáveis para nossa vida cristã. Pois, cada um deles Deus nos oferece as graças necessárias para vivermos bem em estado de graça. E o principal objetivo deles é fazer com que nos apresentemos de maneira pura e santa diante de Deus. Ou seja nos conduz diretamente para o Céu. Isto significa que os Sacramentos que recebemos aqui pela Igreja de Cristo também são válidos após a morte pois o principal objetivo deles é nos levar a salvação. 

VAMOS ESTUDAR UM POUCO SOBRE OS 07 SACRAMENTOS?



01 - O BATISMO - O batismo era sinal de arrependimento e conversão, o batismo aparece antes de Jesus nascer ministrado por João, o Batista. Ao qual ele preparava o povo para receber a salvação através da vinda do Messias, isto é Jesus Cristo. João usava a água como sinal da força do Espírito Santo. Jesus mesmo para cumprir a lei e iniciar a sua missão quis ser batizado por João. Mas Jesus dá um novo sentido ao Batismo, quando nos diz que após sua morte e ressurreição um novo batismo aconteceria, agora o batismo se torna o Batismo da Igreja, pelo qual além de apagar o pecado original, (desde Adão e Eva que nos impedia de estar no Paraíso), ele faz com que pela Unção e ação do Espírito Santo, a pessoa se torne membro da Igreja de Cristo e participante do Sacerdócio Real de Jesus. Não existe cristão que não seja batizado, toda pessoa para se tornar um cristão tem que ser batizado. O batismo nos purifica, nossa alma se torna alva, limpa da culpa original e nos devolve a graça de filhos de Deus. Por isso Jesus o instituiu e mandou que os fizesse batizar a todos. A partir do batismo somos marcados com o selo da eternidade, esse selo é a Cruz, que é o sinal da nossa Redenção. Por isso que ele é o primeiro dos sete Sacramentos, nos dá uma vida nova e todos os demais depende dele.
O Rito batismal, isto é a forma com que ele é dado em todas as igrejas, a maneira pela qual ele é administrado não muda a essência do Sacramento e é válido seja por imersão ou por derramamento da água sobre a cabeça na pia batismal como existe na Igreja Católica.   

Sua instituição e preceito estão positivamente marcados nos seguintes textos: "Em verdade vos digo, disse Jesus a Nicodemos, quem não renascer da água e do Espírito Santo, não pode entrar no reino de Deus" (Jo 3, 5). "Ide, ensinai todas as gentes, disse Jesus a seus discípulos, batizando-as, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo" (Mt 28,19). "O que crer e for batizado, será salvo", (Mc 16, 61). "Recebe o batismo e lava os teus pecados", disse Ananias a Saulo (At 22, 16). Os Apóstolos administravam o batismo a todos os que desejavam alistar-se na religião nova. Três mil pessoas receberam o batismo das mãos de S. Pedro, no dia de pentecostes (At 2, 38-41). 


02 - A CRISMA OU CONFIRMAÇÃO - quando recebemos o batismo, na maioria das vezes o recemos quando pequeninos. Sem tomar consciência deste Sacramento que nos introduz na Igreja como filhos de Deus. Nossos pais e padrinhos assumem o papel de nossos guardiões na Fé até que quando chegamos a fase adulta voltamos a Igreja para confirmar que queremos ser discípulos verdadeiros de Cristo. Então neste momento através da Crisma o Bispo nos Crisma, isto é confirma em nós esse desejo, nos unge com o óleo santo, como fazia os sacerdotes do Antigo Testamento ao consagrar os sacerdotes e reis. Pois, através da Crisma o Espírito Santo que habita em nós age para que nos tornemos verdadeiros discípulos de Jesus, participantes de seu ministério e de seu sacerdócio real. E a partir da Crisma somos chamados e enviados ao anúncio do Evangelho. Por isso que a Crisma é o Sacramento do jovem, do adulto. A partir daí o compromisso de ser verdadeiro missionário discípulo de Jesus se torna maior. O Crisma é esta adesão total ao discipulado de Jesus. 

Os atos dos apóstolos provam que o seu rito exterior consiste na imposição das mãos, diferente do batismo que utiliza a água. Os apóstolos Pedro e João, enviados a Samaria, "punham as mãos sobre os que tinham sido batizados", e recebiam estes o Espírito Santo (At 8, 12-17). Do mesmo modo, S. Paulo, vindo a Éfeso, batizou, em nome de Jesus Cristo, discípulos de João e a "eles impôs as mãos, para que o Espírito Santo baixasse sobre eles" (At 19, 1-6). Para que S. Paulo imporia as mãos sobre quem já era batizado se a Crisma não fosse um sacramento que confirmasse o Batismo, completando os dons do Espírito Santo? Segundo estes textos, compreende-se claramente que Pedro e João de um lado, e Paulo de outro, deram o Espírito Santo, pela imposição das mãos. Ora, uma tal prática seria ridícula, se eles o fizessem fora da vontade e das prescrições do Mestre. A Crisma é, pois, um sacramento instituído por Nosso Senhor. 



03 - A EUCARISTIA - Instituído por Jesus na última Ceia, Jesus se dá em alimento para nossa Salvação. Ele também quis ficar presente em nosso meio nas sagradas espécies do pão e do vinho consagrados. Sua presença é real ao todo: Corpo, Sangue, Alma e divindade. A Eucaristia é remédio do corpo e o alimento da alma. É Jesus presente vivo e ressuscitado em nosso meio. Somente na Igreja Católica Romana e Ortodoxa há Eucaristia, as outras igrejas cristãs apenas celebram um memorial, isto é uma lembrança da última ceia de Jesus.
A referência maior da Eucaristia está no Evangelho de João quando ele fala sobre "O Pão da Vida" ou seja, Jesus antecipa o que aconteceria antes de sua morte, ele disse: "Eu sou o Pão da vida, quem comer deste Pão jamais morrerá" ... Vale a pena ler todo o Capítulo6 de João para entender; mas há várias referências no Novo Testamento sobre ela, por exemplo: Quando Jesus conta a Parábola do grão de trigo ... "É preciso que o grão de trigo morra e assim ele dará frutos cem por um". A multiplicação dos pães, etc.
Nesse capítulo Jesus diz que não só sua palavra é alimento, mas também seu Corpo seu Sangue é vida pela salvação do mundo, o Pão descido do céu para quem comer dele não morra. (Jo6, 50) 



Logo, em Jo6, 50-51 - Jesus diz que quem não comer sua Carne e beber o seu Sangue não terá a vida eterna.
Então como excluir a Eucaristia da vida cristã como nossos irmãos evangélicos fazem? Como dizer que Jesus na última ceia estava fazendo um memorial, um "teatro" daquilo que ele mesmo anunciou?! teria Jesus mentido então?
A resposta é, por não possuerem o Sacramento da ORDEM (porque estão desligados do Corpo Místico de Cristo a Igreja Mãe)  os pastores evangélicos por mais bem preparados e bem intencionados não podem celebrar a Eucaristia. Sendo assim a "santa ceia" de suas "igrejas" é sim um simples memorial, uma lembrança da última ceia de Jesus.
Quanto que na Igreja Católica que é a verdadeira Igreja a Eucaristia é o Corpo e Sangue de Jesus Cristo, porque o sacerdote possui o Sacramento da ORDEM, dada pelo Bispo, legítimo sucessor dos Apóstolos e pelas mãos do sacerdote Jesus se faz presente na Eucaristia.

COMO ENTENDER O SACRAMENTO DA EUCARISTIA? - Aos olhos humanos não podemos entender. Este Sacramento é um mistério divino. E como é mistério só Jesus pode explicar. Embora em alguns casos em que foi preciso Jesus se manisfestou visivelmente na Carne e no sangue, como em Lanciano (Itália) onde no séc. XII esse milagre aconteceu. Mialagre Eucarístico de Lanciano. 
A Eucaristia é um grande milagre, é a prova máxima do amor de Jesus por nós. Pela Eucaristia Jesus continua vivo e presente no nosso meio, cumprindo o que ele mesmo disse: "Eis que estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos!" (Mt28, 20)
O milagre da transsubstanciação, ou seja, da mudança do Pão e do Vinho para o Corpo e Sangue de Cristo não podemos ver senão pelos olhos dá fé. Mas é crendo nas palavras de Jesus que temos essa certeza. 
Por outro lado, ninguém teria coragem de comer a carne e beber o sangue de Jesus na forma real, isso seria canibalismo, então o desejo de Jesus não seria realizado, por isso que se olharmos com nossos olhos humanos o Pão e o Vinho não  vamos ver a carne e o sangue propriamente dito, mas, se olharmos com os olhos da fé vamos perceber a diferença pois a presença substancial nas espécies é feita através do Espírito Santo na hora da consagração. 

A palavra "Eucaristia" provém de duas palavras gregas "eu-cháris": "ação de graça", e designa a presença real e substancial de Jesus Cristo sob as aparências de pão e vinho. 

Essa presença não foi contestada nem mesmo por Lutero. Em carta a seu amigo Argentino (De euch. dist. I, art.) falando sobre o texto evangélico "Isto é o meu corpo", ele diz: "Eu quereria que alguém fosse assaz hábil para persuadir-me de que na Eucaristia não se contém senão pão e vinho: esse me prestaria um grande serviço. Eu tenho trabalhado nessa questão a suar; porém confesso que estou encadeado, e não vejo nenhum meio de sair daí. O texto do Evangelho é claro demais". 

Eis, em S. João, os termos de que Jesus Cristo se serviu, falando a primeira vez deste grande sacramento: "Eu sou o pão da vida; vossos pais comeram o maná no deserto e morreram. Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra. Eu sou o pão vivo, que desci do céu. Se alguém comer deste pão, viverá eternamente, e o pão que eu darei é a minha carne, para a vida do mundo" (Jo 6, 48-52). 

Que clareza nessas palavras! Que quer dizer isso: "Eu sou o pão vivo - o pão que eu darei é a minha carne". É ou não é a carne de Cristo? É ou não é Cristo que será o pão que deve ser comido? Será que Deus não saberia se expressar direito se desejasse fazer uma simples alegoria? 

E não é só isso! Nosso Senhor continua, cada vez mais positivo e mais claro: "Se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. O que comer a minha carne e beber o meu sangue terá a vida eterna. Porque a minha carne é verdadeiramente comida, e o meu sangue é verdadeiramente bebida. "O que come a minha carne e bebe o meu sangue, ficará em mim e eu nele". "O que come minha carne... viverá por mim". Este é o pão que desceu do céu... O que come este pão, viverá eternamente!" (Jo 6, 54 - 59). 

Eis um trecho claríssimo, que não deixa margem à dúvidas. Nosso Senhor afirma categoricamente: "... minha carne é verdadeiramente comida". É impossível negar algo tão claro: a carne de Cristo, dada aos homens para remissão dos pecados, é para ser comida; e quem comer desta carne "viverá eternamente". 

Cristo afirma, repete, reafirma, e explica que o pão que ele vai dar é o "seu próprio corpo" - que seu corpo é uma "comida" - que seu sangue é uma "bebida" - que é um pão celeste que dá a vida eterna. 

Ao negar a presença eucarística, se nega as palavras de Cristo. 

Cristo diz: "Este é o meu corpo". 

Cristo ajunta: "Minha carne é verdadeiramente comida". 

Cristo completa: "O que me come... viverá por mim.". 

Cristo repete: "O que come a minha carne, fica em mim". 

A posição daqueles que rejeitam as verdades dos sacramentos, é igual a posição que tomaram os fariseus: "Como pode este dar-nos a sua carne a comer?" (Jo 6, 53). Retiram-se murmurando: "É duro demais, quem pode ouvir uma tal linguagem!" (Jo 6, 67). 

Que fará Jesus, dissipa o equívoco e explica que é simbólico o que Ele acaba de dizer, para que não se perdessem os que se retiravam? 

Não! Vira-se para seus Apóstolos e, num tom que não admite réplica, pergunta: "E vós também quereis abandonar-me?" (Jo 6, 68). É como se afirmasse: quem não desejar aceitar a verdade, que retire-se com os outros! A verdade é essa e não muda. 

E S. Pedro lança este sublime brado de fé: "Senhor, para quem havemos de ir? Tu tens as palavras de vida eterna. E nós cremos e conhecemos que tu és Cristo, o Filho de Deus" (Jo 6, 67-70). 

É a cena da promessa da eucaristia, que ia sendo preparada por Nosso Senhor em seus Apóstolos, que acreditavam e amavam mesmo sem entender! 

Aos que não acreditam nessa graça, cabe uma pergunta muito objetiva: Seria possível Cristo ser tão solene e tão claro, utilizando palavras tão majestosas e escandalizando a tantos incrédulos, apenas para prometer-nos um "pedaço de pão", que devemos comer em sua lembrança? 

Seria impossível. 

Agora, examinemos a instituição da Eucaristia. 

O dia escolhido é a véspera da morte do Messias. Em meio das ternuras lacerantes do adeus, neste momento onde, deixando aqueles que se amam, fala-se com mais coração e com mais firmeza, porque, estando para morrer, não se estará mais para explicar ou interpretar as próprias palavras. Neste momento, pois, num festim preparado com solenidade (Lc 22, 12), impacientemente desejado (Lc 22, 15), eis que se passa: 

" Tomou em seguida o pão e depois de ter dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. " (Lc 22, 19). 

" Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos, porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados. " (Mt 26, 27-28) 

Que magnífica simplicidade e previsão nos termos! 

O original grego é mais forte ainda: "Isto é o meu corpo, meu próprio corpo, o mesmo que é dado por vós - Isto é meu sangue, meu próprio sangue da nova aliança, o sangue derramado por vós em remissão dos pecados". 

E no texto siríaco, tão antigo como o grego, feito no tempo dos Apóstolos, diz-se: O que se nos dá "é o próprio corpo de Jesus, seu próprio sangue". 

Não há outro sentido possível nesses textos. É a presença real afirmada, inequivocamente, pelo Messias, Redentor nosso, que derramou seu sangue na Cruz por nossos pecados. 

Que precisão nas palavras e que autoridade! Quanto poder nestas palavras: "Lázaro, sai do sepulcro!" E Lázaro sai imediatamente. "Mulher, estás curada!" E ela fica curada. "Isso é meu corpo!" E esse é o corpo do Cristo. 

E S. Paulo, na sua epístola aos Coríntios (11, 23 - 30): "Eu recebi do Senhor... que, na noite em que foi traído, tomou o pão. E tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei: isto é o meu corpo que será entregue por vós; fazei isto em memória de mim. Do mesmo modo, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Esta é a nova aliança no meu sangue, fazei isto, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a morte do Senhor, até que venha. Portanto, qualquer que comer este pão ou beber o cálice indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo... Porque o que come e bebe indignamente, como e bebe para si mesmo sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes e muitos que dormem (o sono da morte)" (I Cor 11, 23 - 30). 

S. Paulo diz, com esta lógica que lhe é peculiar: "Quem comer este pão ... indignamente, será culpado do corpo do Senhor" (1 Cor 11, 27) - e ainda no mesmo sentido: "O que come indignamente, come a sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor" (1 Cor 11, 29). 

Ou seja, S. Paulo afirma que, comungando indignamente, somos culpados do corpo de Jesus Cristo. Ora, como é que alguém pode ser culpado do corpo de Cristo se este corpo não estiver no pão que come? 

Comer um pedaço de trigo, sem devoção e com a alma manchada, pode ser um crime, o qual a vítima "come sua própria condenação"? 

Aliás, o que S. Paulo afirma acaba condenando o protestantismo: É culpado do corpo do Senhor e come sua própria condenação, quem não discerne o corpo de Cristo de um vulgar pedaço de pão, e come este pão indignamente. 

Eis a verdade irrefutável da Eucaristia. 


04 - A CONFISSÃO - permite-nos que sejam perdoados os pecados mediante a confissão ao Ministro ordenado, que fará a absolvição mediante a um gesto profundo de arrependimento do pecador, ao qual reconhece sua culpa e faz o propósito de não mais pecar. Jesus oferece este Sacramento de forma que através do Sacerdote ele mesmo perdoa-nos e nos livra de toda culpa. É dever do cristão confessar-se ao menos 01 vez por ano por ocasião da celebração da Páscoa como manda do Mandamento da Igreja.   Instituído por Jesus Cristo no qual o sacerdote perdoa os pecados cometidos depois do batismo. O Sacramento da confissão é inviolável isto é, o sacerdote não pode revelar a ninguém o que você diz. 
Somente em casos gravíssimos ou raríssimos o sacertdote pode revelar um seggredo de confissão. Por exemplo: nos países em que existe pena de morte. Uma pessoa está condenada inocente à morrer, o padre recebe uma confissão de que do verdadeiro culpado, então ele pede permissão ao bispo para fazer a revelação e isto é feito de forma sigilosa às autoridades que vão agir de forma a livrar a pessoa inocente da pena. 

Mas quem perdoa os pecados? Quem perdoa é Jesus através das palavras do sacerdote.

Por que confessar ao sacerdote os pecados? - porque Jesus assim determinou, além do mais quando pecamos ofendemos a Deus, ao próximo e à Igreja. 
Não existe confissão direta com Deus como dizem os nossos irmãos protestantes, pois, para isso Jesus instituiu este sacramento dando aos Apóstolos o poder de perdoar em seu nome os pecados.
Sobre o sacramento da Confissão, devemos analisar o seguinte: 

Todos nós pecamos, como seres humanos que somos estamos sujeitos ao pecado.

Jesus conhece nossas limitações humanas, por isso instituiu esse Sacramento sabendo precisamos sempre buscar essa reconciliação com Deus.

Vamos pensar o seguinte:

Quando você procura a Justiça para conseguir algo em um processo, o perdão ou negociação de uma dívida, ou ainda uma causa justa ou uma reconciliação entre o agressor e a vítima; você conversa diretamente com o Juiz ou pede a intercessão do seu advogado para que o Juiz possa te fazer justiça?

Claro que a segunda é a melhor opção. O Juiz ouvirá melhor você na presença de seu advogado, pois, é ele que está a par de tudo para te defender, não é assim?
Jesus é nosso advogado no Céu. É ele e só através dele que Deus nos concede o perdão. Então, se fosse como os protestantes, que acham que devem se confessar diretamente com Deus, excluindo a autoridade de Jesus pelo seu sacerdócio, estaremos passando em cima da autoridade de Jesus. Isto é grave. Muito grave! É desconhecer a autoridade de Cristo no perdão dos pecados, uma heresia.

E foi o Jesus mesmo que antes de subir para o céu delegou à Igreja pelos seus Apóstolos o dever de administrar esse Sacramento. Quando nos dirigimos ao sacerdote não é ele que perdoa por si, mas ele perdoa em nome de Jesus. É sim irmãozinho! É Jesus que perdoa através do sacerdote que no momento da confissão está representando nosso maior advogado, Jesus Cristo. [Cf. Jo20,22-23]   

É necessário obter o perdão dos pecados, mas para isso é necessário que nós também perdoemos aqueles que nos ofendeu, do contrário Deus Pai não nos perdoará. "Pois, se perdoardes os pecados o vosso Pai celeste vos perdoará!" disse Jesus quando nos ensinou a rezar o Pai Nosso. [Cf. Mt 6, 15: 18, 35:11, 28-30]

Perdoar é necessário tão necessário que certa vez perguntaram a Jesus:
"-Senhor, quantas vezes devemos perdoar, sete vezes?"
Jesus respondeu:
"- Não só sete vezes, mas setenta vezes sete!"

Isso quer dizer que devemos perdoar sempre, quem nega o perdão está sendo egoísta com Deus e com o próximo. Se dizemos que amamos Deus, mas não amamos o nosso irmão então estamos sendo mentirosos com Deus. Também é nosso dever ajudar o irmão a se reconciliar com Deus. [Cf. Mt18, 15-22]

Hoje, os consultórios de psicologia estão cheios porque os confessionários estão vazios. O pscólogo pode até ajudar você, mas, ele nunca fará por você o que o Jesus fará através do sacerdote. Aliviar a sua alma através da absolvição. Lembre-se disso! 

Nosso Senhor instituiu um sacramento para a remissão dos pecados. 

A confissão deve ser feita a um Padre. 

Diferença entre "atrição" e "contrição" 
A comfissão requer humildade. (Cf. Lc18, 13) Reconhecer que somos pecadores e que necessitamos do perdão de Deus.

Requer também mudança de vida e propósito de emenda; conforme buscamos a justiça de Deus devemos também sermos justos e benevolentes para com os nossos irmãos. Foi o que aconteceu com Zaqueu, o publicano, que, depois de conhecer Jesus procurou ser justo para com todos e a salvação veio até ele e ele o recebeu. (Cf. Lc19, 8-10) 
E um propósito: Não pecar mais! Jesus perdoa mas, é necsessário que não voltemos ao mesmo erro. (Cf. Jo8, 11)   

É eficaz uma confissão? 

Sim, por que Jesus nos ama e não quer que nos percamos no caminho da salvação. [Cf. Mt 18,11-14]

Vamos às respostas:

1) Os homens pecam: 

Diz a Sagrada Escritura: "O justo cai sete vezes por dia" (Prov 24, 16). E se o próprio justo cai sete vezes, que será do pobre que não é justo? 

"Não há homem que não peque" (Ecl 7, 21). 

"Aquele que diz que não tem pecado faz Deus mentiroso" (1 Jo 1, 10). 

O "Livre Arbítrio" humano permite ao homem realizar atos contrários ao seu criador. 

2) É necessário obter o perdão desses pecados: 

"Nesta porta do Senhor, só o justo pode entrar" (Sl 117, 20). 

"Não sabeis que os pecadores não possuirão o reino de Deus?" (1 Cor 6, 9). 

Portanto, para entrar no Reino de Deus, é necessário obter o perdão dos pecados. 

3) Nosso Senhor instituiu um sacramento:

Qual é o meio que existe para alcançar o perdão dos pecados? 

Nos diz S. João: "Se confessarmos os nossos pecados, diz o Apóstolos, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e purificar-nos de toda injustiça" (1 Jo 1, 8). 

Todavia, "aquele que esconde os seus crimes não será purificado; aquele, ao contrário, que se confessar e deixar seus crimes, alcançará a misericórdia" (Prov. 38, 13). "Não vos demoreis no erro dos ímpios, mas confessai-vos antes de morrer" (Ecl 17, 26). 

A confissão não é nova, já existia no Antigo Testamento, mas foi elevada à dignidade de Sacramento por Nosso Senhor, que conhecia a fraqueza humana e desejava salvar seus filhos. 

No dia da ressurreição, como para significar que a confissão é uma espécie de ressurreição espiritual do pecador, "apareceu no meio dos apóstolos... e, mostrando-lhes as mãos e seu lado... lhes disse: A paz esteja convosco. Assim como meu Pai me enviou, eu vos envio a vós. ... soprando sobre eles: recebei o Espírito Santo... Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados, e àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos" (Jo 21, 21 - 23). O mesmo texto encontra-se em S. Mateus (Mt 28, 20). 

Como tudo é claro! Nosso Senhor tinha o poder de perdoar os pecados, como se desprende de S. Mateus (Mt 9, 2-7). Ele transmite esse poder aos seus Apóstolos dizendo: "assim como o Pai me enviou", isto é, com o poder de perdoar os pecados, "assim eu vos envio a vós", ou seja, dotados do mesmo poder. E para dissipar qualquer dúvida, continua: "soprando sobre eles: Recebei o Espírito Santo..." como se dissesse: Recebei um poder divino... só Deus pode perdoar pecados: pois bem... "Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados, e àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos" (Jo 21, 21 - 23). 

A conclusão é rigorosa: Cristo podia perdoar os pecados. Ele comunicou este poder aos Apóstolos e por eles aos sucessores dos Apóstolos: pois a Igreja é uma sociedade "que deve durar até o fim do mundo" (Mt 28, 20). 

O livro dos Atos dos Apóstolos refere que quem se convertia "vinha fazer a confissão das suas culpas" (At 19, 18). 

Aqui nós começamos a refutar uma argumentação dos protestantes: cada um se confessa diretamente com Deus. 

4) A confissão deve ser feita a um padre:

Pelo próprio livro dos Atos dos Apóstolos, quando se afirma que o convertido "vinha fazer a confissão", fica claro que era necessário um deslocamento da pessoa para realizar a confissão junto aos Apóstolos, pois o verbo "vir" é usado por quem recebe a visita do penitente. 

Se a confissão fosse direta com Deus, bastaria pedir perdão de seus pecados, sem precisar 'ir' até a Igreja.

Aliás, S. Tiago é explícito a esse respeito: "confessai os vossos pecados uns aos outros, diz ele, e orai uns pelos outros, a fim de que sejais salvos" (Tgo 5, 16). Isto é, confessai vossos pecados a um homem, que tenha recebido o poder de perdoá-los. 

De qualquer forma, a instituição do Sacramento deixa claro o poder que Nosso Senhor conferiu à sua Igreja. 

Sem a vontade de se confessar com um outro homem, o pecador demonstra que seu arrependimento não é profundo, pois ele não se envergonha mais de ofender a Deus do que de expor sua honra. No fundo, ama a si mesmo mais do que a Deus e pode estar cometer um outro pecado, ainda mais grave, contra o primeiro mandamento: Amar a Deus sobre todas as coisas. 

Mas, em não existindo um Padre, como confessar-se? E como ficam os homens no Antigo Testamento? 

5) Contrição e Atrição 

A Contrição consiste em pedir o perdão de seus pecados por amor de Deus. A atrição, por sua vez, consiste em pedir o perdão dos pecados por temor do inferno. 

A primeira, contrição (chamada de contrição perfeita), apaga os pecados da pessoa antes mesmo da confissão. Todavia, só é verdadeira se há a disposição de se confessar com um padre. Foi desta forma que se salvaram os justos do Antigo Testamento. 

A atrição só é válida através do sacramento da confissão, o qual é eficaz mesmo se há apenas "medo do inferno". 

Ninguém duvida de que o sincero arrependimento dos pecados, com firme propósito de não pecar mais, e satisfação feita a Deus e aos prejudicados, eram, no Antigo Testamento, condições necessárias e suficientes para obter o perdão de Deus. O mesmo vale ainda hoje para todos os que desconhecem Nosso Senhor Jesus Cristo e seu Evangelho (desde que sigam a Lei Natural) e para os que não têm como se confessar (desde que tenham um ato de contrição perfeita). Mas quem, em seu orgulho, não acredita nas palavras de Cristo Ressuscitado, com as quais ele instituiu o sacramento da penitência, e por isso não quer se confessar, não receberá o perdão, pois não ama à Deus verdadeiramente. 

Cada pecado é um ato de orgulho e desobediência contra Deus. Por isso "Cristo se humilhou e tornou-se obediente até a morte, e morte na Cruz" (Flp 2, 8) para expiar o orgulho e a desobediência dos nossos pecados, e nos merecer o perdão. Por isso ele exige de nós este ato de humildade e de obediência, na Confissão sacramental, na qual confessamos os nossos pecados diante do seu representante, legitimamente ordenado. E, conforme a sua promessa: "Quem se humilha, será exaltado, e quem se exalta, será humilhado" (Lc 18, 14). 

Alguns protestantes aliciam os católicos para sua seita com a promessa de que, depois do batismo (pela imersão), estariam livres de qualquer pecado e nem poderiam mais pecar! Conseqüentemente, concluem que não haveria necessidade de confissão. Apóiam esta afirmação nas palavras bíblicas de (1 Jo 3, 6 e 9). Todavia, basta confrontar essa passagem com outra, do próprio João Apóstolos (1 Jo 1, 8-10), para perceber que a conclusão é precipitada: "Se dissermos que não temos pecado algum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, e nos perdoa os nossos pecados, e nos purifica de toda a iniqüidade. Se dissermos que não temos pecado, taxamo-Lo de mentiroso, e a sua palavra não está em nós". 

Portanto, todos os homens necessitam de misericórdia divina; e os sinceros seguidores da Bíblia recebem-na, agradecidos, no sacramento da Confissão. 

6) O que é necessário para ser eficaz uma confissão? 

exame de consciência 

ter arrependimento (atrição ou contrição) 

propósito de não recair no pecado e de evitar as circunstâncias que o favoreçam 

confessar-se sem omitir nada 

cumprir a penitência estabelecida pelo confessor 


05 - A UNÇÃO DOS ENFERMOS - é destinado aos enfermos, possui em um primeiro momento a graça de restabelecer o doente mediante a oração pelas mãos do sacerdote ação do Espírito Santo age de forma a perdoar os pecados e restituir a saúde do enfermo. Em último caso pode prepará-lo para uma santa morte. Depois de ministrado este Sacramento o enfermo entra em estado total de graça podendo se restabelecer completamente ou em caso de morte ser conduzido diretamente para Deus. É recomendável e necessário a todo cristão que vai passar por uma cirurgia de risco, ou está em estado grave ou de doença grave. É dever da família cristã zelar pelos seus fazendo com que a pessoa ou o amigo receba este Sacramento tão importante e indispensável. 

É o quinto sacramento instituído por Jesus Cristo, sem que saibamos em que época o instituiu. A Sagrada Escritura, como para a Crisma, nos transmite apenas o rito exterior e o efeito produzido. O Evangelho diz que "à ordem do Senhor... os apóstolos expeliam muitos demônios e ungiam com óleo a muitos enfermos, e os curavam" (Mc 6, 13). Eis um fato, é a ordem do Senhor. 

A instituição da extrema-unção decorre destas palavras de S. Tiago: "Está entre vós alguém enfermo? Chame os sacerdotes da Igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. E o Senhor o aliviará, e se estiver em algum pecado ser-lhe-á perdoado" (Tgo 5, 14-15). 

Nunca o Apóstolo teria prometido tais efeitos a uma unção, na enfermidade, sem firmar-se na autoridade divina da instituição deste sacramento. A extrema-unção é, pois, verdadeiramente um sacramento. 


06 - A ORDEM - é destinado aos ministros da Igreja, os diáconos, que através dos bispos que são sucessores dos Apóstolos os consagram para serem sacerdotes ministros da Palavra e da Eucaristia. Ele permite que o eleito ao sacerdócio possa consagrar o seu povo, oferecer o Santo Sacrifício da Missa, ministrar os 07 sacramentos, zelar pela Palavra de Deus e celebrar a Eucaristia. 

A Ordem é o sacramento que dá o poder de desempenhar as funções eclesiásticas, e a graça de fazê-lo santamente. Em outros termos, é o sacramento que faz os sacerdotes, ou ministros de Deus. Muitos textos da Sagrada Escritura provam a existência do sacerdócio e indicam o rito de ordenação sacerdotal. Lemos de fato que Nosso Senhor fez uma seleção entre os discípulos: "Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi", diz Ele (Jo 15, 16). Aos discípulos eleitos, chamados apóstolos, o divino Mestre confia as quatro atribuições particulares do sacerdócio: 

Oferecer o santo sacrifício: "Fazei isto em memória de mim" (Lc 22, 19). É a ordem de reproduzir o que ele tinha feito: mudar o pão em seu corpo e o vinho em seu sangue divino. 

Perdoar os pecados: Os pecados serão perdoados aos que vós os perdoardes (Jo 20, 23). 

Pregar o Evangelho: Ide no mundo inteiro, pregando o Evangelho a todas as criaturas (Mc 16, 15). 

Governar a Igreja: O Espírito Santo constituiu os bispos para governarem a Igreja de Deus (At 20, 28). 

Eis os poderes dados por Nosso Senhor Jesus Cristo a seus ministros ou sacerdotes, representados pelos primeiros sacerdotes, que foram os apóstolos. 

Quanto ao rito de ordenação, não é menos claramente indicado: Consiste ela na imposição das mãos. S. Paulo escreve: "Não desprezes a graça que há em ti e te foi dada por profecia pela imposição das mãos do presbitério" (1 Tim 4, 14). Chama-se presbitério a reunião dos bispos e padres que concorreram para a ordenação de Timóteo, de que S. Paulo foi o principal ministro, como se vê claramente na segunda epístola dirigida ao mesmo discípulo. "Por este motivo, diz ele, te admoesto que reanimes a graça de Deus, que recebestes pela imposição de minhas mãos" (2 Tim 1, 6). 

O exemplo dos apóstolos nos mostra a transmissão dos poderes sacerdotais pela ordenação. E por onde Paulo e Barnabé passavam, "ordenavam sacerdotes para cada Igreja" (At 14, 22). 

Tudo isso prova, claramente, que os apóstolos tinham recebido de Jesus a divina investidura de poderes, que iam assim distribuindo pela imposição das mãos; e esta investidura é o sacramento da Ordem. 


07 - O MATRIMÔNIO - é destinado ao casal homem e mulher que queiram se casar. Une e santifica o casal e os dois se tornam uma só carne, afim de fortalecê-los para levar viver juntos, criar e educar os seus filhos e levar uma vida de casal santa diante de Deus. 
É o último na série dos sacramentos. O casamento que era antes de Jesus Cristo mero contrato, é um verdadeiro sacramento da nova lei. Não sabemos exatamente o tempo nem o lugar em que Jesus Cristo instituiu este sacramento; pensam os teólogos que foi nas bodas de Caná. Outros pensam que foi na ocasião em que o Salvador restaurou a unidade e a indissolubilidade primitivas. Interrogado a respeito do divórcio, Cristo responde que não era lícito por nenhum motivo, que nem o direito de separar-se tem o homem e a mulher, exceto o caso de adultério (Mt 19, 3-9). 

Outros, ainda, pensam que foi instituído depois da ressurreição, e promulgado por S. Paulo, na epístola aos efésios (5, 25-33). 

Pouco importa o tempo e o lugar, o certo é que o matrimônio foi por Jesus elevado à dignidade de sacramento, como resulta positiva e irrefutavelmente da Sagrada Escritura: "Não separe o homem o que Deus uniu" (Mt 19, 6). Ou seja, Deus uniu os noivos! 

Este mistério, ou sacramento, é grande em relação a Cristo e à Igreja, diz S. Paulo (Ef 5, 32). Isso é grande, em relação a Cristo, porque é instituição divina; grande em relação à Igreja, que deve mantê-lo na sua unidade e indissolubilidade. 

O rito externo foi indicado por S. Paulo: é a mútua tradição e aceitação do direito sobre os corpos, em ordem aos fins do casamento, formando uma união santa, como é "santa a união do Cristo com a sua Igreja" (Ef 5, 25). 



terça-feira, 4 de novembro de 2014

A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO DO ROSÁRIO

Primeiramente devemos conhecer como foi o surgimento da devoção Mariana de se rezar o Rosário.
Em 1917, no dia 13 de maio, Nossa Senhora veio ao encontro de três pastorinhos: Lúcia, Jacinta e Francisco. Em um lugar chamado Cova da Iria, em Fátima, Portugal. Apareceu sobre uma árvore, uma azinheira.

Os videntes curiosos, e, querendo saber sobre aquela Senhora, qual era o seu nome lhe perguntaram como deveriam chamá-la. E ela se apresentou dizendo: "Eu sou a Senhora do Rosário." E pediu que eles rezassem o Rosário, pela paz no mundo, pela conversão dos pecadores e pela salvação das almas, pois segundo Nossa Senhora, muitos vão para o inferno porque não se converteram.

Naturalmente não foi Nossa Senhora que inventou o Rosário, alguém, não sabemos, já tinha descoberto essa maravilhosa maneira de rezar o que agradou muito a Jesus e principalmente à Mãezinha do Céu. Sabemos que o maior propagador da reza do Rosário Foi São Domingos de Gusmão na idade Média. Maria Santíssima apenas veio trazer a aprovação do Rosário, nas mãos ela o oferece à toda humanidade para que se torne conhecido e pede fidelidade na oração do Rosário e promete a salvação à quem rezá-lo todos os dias. 

Antes do Terço Mariano, já existia o Terço Bizantino, (surgido na Igreja do Oriente), que consistia em repetir uma pequena oração várias vezes. Esse terço era desconhecido até então por nós, mas no Brasil, foi divulgado pelo Padre Marcelo Rossi, onde atrai inúmeros fiéis. Foi muito bem aceito  entre nós católicos ocidentais e americanos. Também é uma fonte de bênçãos.

Sabe-se que uma boa palavra de incentivo, inclusive a Palavra de Deus ou uma oração, se repetida várias vezes, produz um efeito positivo tanto na alma, como no nosso psicológico fazendo muitos efeitos saudáveis, inclusive pela fé, a graça da cura.

O Rosário traz duas particularidades de suma importância: 

1) Pelas mãos de Nossa Senhora são distribuidas muitas graças dadas por Jesus por seu intermédio. 
2) Quando se reza o Rosário de maneira correta, meditando os mistérios da Rendenção estamos ao mesmo tempo ligados ao próprio Evangelho aos Mistérios da Encarnação e da Redenção e sempre lembrando do amor de Deus Pai por nós.
O Rosário também coroa continuamente Nossa Senhora com as palavras do Anjo Gabriel no momento da encarnação. Cumprindo o que foi dito pelo Magnificat, "Doravante todas as gerações hão de chamar-me de bendita, porque o Senhor me fez maravilhas!" ... Com a oração das Ave-Marias exaltamos a grande obra do amor de Deus por toda humanidade na pessoa de Nossa Senhora medianeira de todas as graças.

Certamente o Rosário não foi inventado por Nossa Senhora. Os relatos das aparições dão a entender que ele já existia. Em um dos relatos de Ir. Lúcia, uma das videntes  perguntou o que a Virgem Maria desejava deles, e ela disse que queria que rezassem o Rosário. Em nenhuma das narrações de Ir. Lúcia achamos nada que diz que Nossa Senhora tenha inventado o Rosário. Pelo contrário, segundo as narrativas dá para entender claramente que ele fazia parte da devoção popular. Nossa Senhora disse: "Quero que rezem o Rosário todos os dias!" - "Querer" dá o sentido de que, eles já sabiam rezar o rosário, ou pelo menos viu seus pais ou outras pessoas rezarem ao mesmo tempo que aprenderam sabiam do que se tratava.

O que aconteceu é que Nossa Senhora aprovou a Oração do Rosário e pediu que eles divulgassem essa devoção. Pois, certamente o Rosário é uma das formas mais belas de Oração, porque inclui o Filho à Mãe e a Mãe ao Filho e juntos a Santíssima Trindade, traçando um elo contemplativo do mistério da nossa Salvação. Ou como dizemos na jaculatória: "Tudo por Jesus, nada sem Maria!"       


Deus com certeza através de Nossa Mãezinha do Céu aprovou este tipo de Oração, porque certamente é uma das formas mais completas de se contemplar todo o mistério da nossa Redenção, vida, paixão e morte de Nosso Senhor e além disso as doces palavras pronunciadas pelo Anjo Gabriel a Nossa Senhora no momento da Anunciação. É a forma de Oração que mais agrada Nossa Senhora e o segredo para quem quer alcançar inúmeras graças. Pois através de Nossa Senhora louvamos e adoramos a Trindade Santa e somos agradecidos pela graça da salvação. É na Oração do Rosário ou do Terço que cumprimos a profecia onde Nossa Senhora disseno canto do Magnificat: "Por isso, de agora em diante, todas as gerações me chamarão bem-aventurada!" (Lc1, 48).

A chamamos bendita entre todas as mulheres e bendito o fruto que nasceu do seu ventre, Nosso Senhor Jesus. Por isso o Rosário foi trazido por Maria para ser uma fonte inesgotável de graças.
Nós alimentamos do Pão da vida que é Jesus, o alimento e sustento da nossa alma. Digo que o Rosário é como um complemento alimentar de fé que inunda a nossa alma e nossa vida e nos nutre de seu Filho Jesus. Pois Nossa Senhora  através do Rosário nos dá o meio de obter a santificação das famílias e a salvação. Quem reza do Rosário ou o Terço tem a promessa de Nossa Mãezinha de ser assistido na vida e na morte. Conforme Ela prometeu aos pastorinhos em Fátima.   

Nossa Senhora traz o Rosário, como um presente aprovado por Deus, e cujo, deveria atrair muitas graças sobre quem rezasse com fé. Sobretudo a graça da paz e de ser assistido na hora da morte pela Mãezinha do Céu. Pela oração do Rosário as graças prometidas são inúmeras, mas as mais importantes são: 
1 - Livrar-nos- da condenação eterna, quando rezamos: "ó meu Jesus, livrai-nos do fogo do inferno!"
2 -  Aliviar as almas que padecem no purgatório, quando rezamos: "levai as almas todas para o céu principalmente as que mais precisarem!"
3 -  Conceder por meio dos imaculados corações: de Jesus e Maria a paz no mundo e principalmente a conversão dos pecadores. Segundo Nossa Mãezinha, muitos vão para o inferno, isto é a morte eterna por não se converterem a Jesus seu filho.
4 - Obter a paz no mundo e a santificação das famílias por meio da consagração ao Imaculado Coração de Maria.  

COMO É O ROSÁRIO?

O Rosário é composto de 20 mistérios contemplativos, 203 ave-Marias, 20 Pai-Nossos.
Para facilitar o Oração do Rosário ele foi divido em 4 Terços.
Cada terço possui:
1 Oração do Creio (oração inicial do terço, na Cruz do terço)
5 Pai-Nossos (rezado e meditado nas 5 contas separadas a cada dez ave-Marias)
18 - 3 ave-Marias em honra da Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo  (nas 3 primeiras contas juntas) e as outras nas dez contas juntas subseqüentes. 
5 meditações dos mistérios do nascimento, vida, paixão e morte de Jesus, isso também Nossa Senhora. Porque ela se alegou e sofreu por nós com seu Filho por nossa salvação. (rezado e meditado depois das dez ave-Marias) 
1 Salve-Rainha. (Rezado geralmente na medalha que une as 3 pontas do terço. Veja as explicações na ilustração baixo:


COMO SE DEVE REZAR O ROSÁRIO DIVIDIDO EM TERÇOS?







Você pode rezar o Rosário completo de uma só vez, mas é recomendável que se reze 4 vezes ao dia, dividindo-o em terços ou partes de 05 Mistérios cada um, por exemplo:

O primeiro pela manhã, o segundo ao meio do dia, o terceiro as três ou seis oras e o último à noite.
Mas também se preferir, para não ficar cansativo pode-se rezá-lo um terço em cada dia da Semana. Para isso a Igreja orienta os dias em que cada mistério deverá ser contemplado:

DOMINGO - Mistérios que contemplam a Ressurreição, Ascensão, a vinda do Espírito Santo, a Assunção de Maria e a sua Coroação. São chamados de Mistérios GLORIOSOS.

SEGUNDA-FEIRA - Contemplam-se os mistérios que se refere a Anunciação e Encarnação de Jesus. Chamados de Mistérios GOZOSOS OU DE ALEGRIA.

TERÇA-FEIRA - Contemplam-se os mistérios que se refere a paixão de Nosso Senhor. Chamados de Mistérios DOLOROSOS OU DE SOFRIMENTO.

QUARTA-FEIRA - Contemplam-se novamente os mistérios GLORIOSOS

QUINTA-FEIRA - Contemplam-se novamente os mistérios LUMINOSOS OU DA LUZ. Que se refere a Manifestação de Jesus como Filho de Deus.

SEXTA-FEIRA - Contemplam-se novamente os mistérios DOLOROSOS.

SÁBADO - Contemplam-se novamente os mistérios GLORIOSOS ou pode se quiser Contemplar os da LUZ.

Então agora podemos entender que o Rosário a união dos 4 Terços.

QUAIS SÃO OS MISTÉRIOS?

Chamamos de mistério a história da encarnação, paixão e morte de Jesus. E esses mistérios estão ligados à Nossa Senhora, como já disse. Sendo assim podemos distingui-los em 05 partes meditativas que são:

Mistérios Gozosos ou da alegria (segunda e sábado)

1.Mistério - A anunciação do Anjo Gabriel à Nossa Senhora. ((Lc1, 16-38)
2.Mistério - A Visita de Nossa Senhora a Isabel, sua prima. (Lc1, 39-56)
3.Mistério - O Nascimento de Jesus em Belém. (Lc2, 1-21)
4.Mistério - A apresentação do Menino Jesus no Templo. (Lc2, 22-40)
5.Mistério - A perca e o encontro do Menino Jesus. (Lc2, 41-52)

CLIQUE NA FOTO ABAIXO PARA VER OS DEMAIS MISTÉRIOS DO ROSÁRIO





PARA REZAR TODO O ROSÁRIO, DEVE-SE CONTEMPLAR TODOS OS MISTÉRIOS.

O Terço deve ser uma oração contemplativa e meditativa, deve ser rezado devagar, com consciência e devoção. Procurando meditar cada palavra desta oração inclusive os mistérios. Se preferir poderá fazer a leitura na Bíblia de cada uma das passagens dos referidos Mistérios. Rezar o Terço de forma correta é muito importante e frutuoso.  
Quantos Terços ou Rosários já rezamos sem nos darmos conta da beleza desta forma de Oração?
O Rosário se não for rezado pensando e vivenciando cada palavra proferida, não passa de um simples repetir de frases e palavras. Mas ele deve ser vivenciado, meditado e contemplado. De modo que possamos absorver todo valor desta Oração e consequentemente os frutos que ela produzirá. 

Se você não consegue rezá-lo sozinho, ou ainda não adquiriu o hábito, pode recorrer à Oração do Terço em coletividade; nas Paróquias  e Capelas existem grupos que Oram o Terço todos os dias. Recentemente foi criado em muitas paróquias o Grupo do "Terço dos Homens e das Mulheres". Mas existem ainda outros grupos como o "Tarde com Maria" e os próprios canais de TV e Rádios católicos também oferecem esta Oração durante seu quadro de programação, basta você acessar o site destas emissoras ou telefonar para saber em que horário acontece a reza do Terço ou então ficar atento ao Canal que você assiste. A TV Vida por exemplo o faz pela manhã, pelo meio dia e à tarde, também de madrugada. Mas em todos os canais de TVs e rádios católicos (por exemplo: Rádio Nove de Julho e Canção Nova) acontecem a Oração do Terço.    
 
 

     
  

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

SÃO GERALDO MAGELA - Um Missionário da Perseverança




Muitas coisas poderia falar desse santo. Mas vou limitar em contar-lhe um pouco de sua história para entendermos bem a reflexão.

Geraldo Magela, filhos de pais católicos, Domingos Magela e Benedita Magela  que era lavadeira. Família do sul da Itália e sem muitos bens. Geraldo nasceu em 6 de abril de 1726. Era uma criança admirável e na juventude um jovem estudioso. Possuía desde a infância um caráter de santidade era bondoso e muito piedoso.


Por causa da situação pobre em que viviam, seus pais logo trataram de ensinar uma profissão à Geraldo. Se tornou alfaiate por profissão, aprendendo o ofício com seu professor Martin Pannuto.
Depois trabalhou para o bispo D. Albino, foi aí que Geraldo sofreu as mais profundas privações. Pois o bispo era possuído de caráter temperamental e maltratava muito Geraldo, fazendo-o trabalhar como um escravo, sob muitos xingamentos. Ele tudo suportou e ao contrário tratava o bispo com respeito e amor, oferecendo seus sofrimentos a Jesus. Oferecia jejuns e orações sempre.
Sua humildade e bondade surpreendia a todos. Depois montou uma alfaiataria, foi bem sucedido mas não ganhava muito dinheiro. O que desejava era ir para o convento mas não tinha idade e era franzino.
         
Desde pequeno queria ter uma profunda união com Jesus. Sempre estava com seus pais na igreja e desde pequeno desejava comungar Jesus na Eucaristia.


De um nobre coração e de alma elevada, Geraldo sempre fazia visitas periódicas ao Santíssimo Sacramento. E conta-se que foi em uma dessas visitas que que recebeu a Eucaristia das mãos do próprio Cristo, que lhe apareceu em forma de menino. Tamanho era seu desejo de fazer a primeira comunhão, mas não tinha adquirido a idade necessária. Conta-se que várias vezes quando era criança não saía da Igreja e quando perguntava o que ele fazia de tanto na igreja, Geraldo respondia que estava brincando com o menino Jesus. 

Nas missas gostava de escutar atentamente às pregações que o padre fazia, era muito dedicado. Mas seu chamado vocacional começou quando houve as Santas Missões, feitas pelos missionários redentoristas na região em que vivia.  
Desde menino queria entrar para o seminário, mas não tinha idade suficiente, por várias vezes foi recusado, por causa da sua condição física, Geraldo era muito fraquinho. 
Foi então que ele decidiu fujir para o seminário, de onde mais tarde se tornou irmão redentorista. SeU formador de noviciado foi o padre Céfaro.
Deram a Geraldo os cargos mais humildes, inclisive de cuidar da portaria do convento. Nessa sua humilde missão ele converteu muitas pessoas. Geraldo também era um grande pregador. Meditador sobre a paixão de Jesus Cristo e a salvação. 

Foi muito maltratado pelos seus superiores. As pessoas que na época ouviam-o pregar diziam que ele parecia levitar quando falava de Jesus e de Nossa Senhora. Geraldo gostava de Jesus na Eucaristia. 
Sofreu calúnias. Conta-se que uma moça, Mera Caggiano, a qual ele a atendia, não gostando da disciplina do convento, começou a caluniar muitas freiras e até caluniou Geraldo de a assediar. Isto gerou um processo disciplinar que levou Geraldo até Santo Afonso fundador da Ordem e superior geral. O qual o privou de receber à comunhão. Geraldo tudo suportou. Mesmo sabendo que aquele era o pior castigo, ficar sem o que ele mais gostava de receber, a Eucaristia.
Mais tarde foi absolvido, porque às pressas, na hora da morte, a mulher confessando-se contou toda a verdade.

Serviu como ajudante de alfaiate no convento. 
Conta que certa vez houve uma grande fome na região, faltava dinheiro, e o convento passava por muitas dificuldades pois não tinha alimento para os pobres e para eles. Foi então que Geraldo correu até o Sacrário, bateu na porta do Sacrário e disse: "Senhor eu sei que estás aí dentro, veja que não temos dinheiro para socorrer os pobres então eu conto com tua ajuda!"

Misteriosamente no outro dia quando levantaram para as orações matinais encontram um saco com muito dinheiro.

Ainda é de espantar a fé deste santo, quando cuidava dos doentes terminais, ele rezava e pedia a Jesus que passasse a dor do paciente para ele para que os mesmo pudessem amenizar sua dor, e Jesus lho concedia que sofresse com seus doentinhos. Geraldo se entregava a dor por amor aos doentes.E ficava feliz.

Por uma calúnia que lhe levantaram, Geraldo foi privado de receber a Eucaristia e isso lhe causou muito sofrimento até que as coisas fossem esclarecidas. Mas nunca desistiu, nunca se revoltou, nunca desobedeceu, somente amou. Confiava sempre na misericórdia de Deus e era alcançada por ela.

E nas tentações, era fortemente assistido por esse amor; sempre cuidadoso  com os pobres. Grande devoto de Nossa Senhora. Quando pregava, diziam que sua voz era tão doce como um anjo.
Muitas lendas cercam a história dos santos mas, os relatos aqui descritos são tirados de sua biografia feitas pela própria Congregação dos Missionários Redentoristas, aos quais, também se registra muitos testemunhos. 

Morreu muito jovem, em 16 de outubro de 1755, vítima de tuberculose. A maioria de seus milagres foram testemunhados já quando era vivo. E depois de sua morte muitos foram os milagres ocorridos pela intercessão de São Geraldo.  Rapidamente se tornou um dos santos mais populares. 


Foi declarado Venerável pelo Papa Pio IX em 1893, depois declarado Beato logo pelo Papa Laão XIII e canonizado em 11/12/1904 pelo papa Pio X com o nome de São Geraldo Magela.


É difícil não recorrer a São Geraldo em alguma necessidade e não ser atendido. E o número de pessoas com seu nome cresceu rapidamente.

No dia de seu falecimento, 16 do mês de outubro celebramos a sua festa, mês dedicado às missões temos esse exemplo de missionário. Geraldo mais pregava com a vida, com suas atitudes de amor. Com sua autêntica caridade. Por isso é colocado como nosso modelo. São Geraldo é esse modelo de missionário, mesmo diante dos sofrimentos em tudo amou a Nosso Senhor e confiava sempre na proteção de Nossa Senhora. De sua boca só saiam palavras santas. Nunca blasfemava, mas louvava. Sua vida foi um canteiro de exemplo de amor, firmeza nas provações e esperança. Quando enfrentava suas dificuldades ele dizia "seja tudo para a vontade de Deus!"


Invocado à inúmeras causas, ele também é padroeiro e modelo da juventude, dos estudantes, dos alfaiates e costureiras e dos porteiros.


Preferiu desprezar as riquezas e amar a Jesus.




SÃO GERALDO MAGELA!
 ROGAI POR NÓS! 

HINO DE SÃO GERALDO MAGELA


DOCUMENTÁRIO EM VIDEO DE SÃO GERALDO
          

terça-feira, 14 de outubro de 2014

CATÓLICO ONDE ESTÁ SUA FÉ? - No Cristo do Evangelho que liberta e salva? ou em "Cristo" que dá prosperidade de bens e riquezas deste mundo?

Vamos começar nossa reflexão falando sobre um tema que talvez poucos cristãos ou adeptos ao cristianismo tem coragem de falar.
Porque me dirijo aos "católicos"? A resposta é: não me dirijo aos Católicos de certa forma sim aqueles que estão na Igreja, foram batizados nela, mas de certa forma já estão desligados dela porque não participam da vida da Igreja, nem põem em prática a fé e a doutrina que receberam dela e de seus pais. São pessoas senão células doentes dentro do Corpo vivo de Cristo que é a Igreja. 
O assim como o corpo humano, o Corpo Místico de Cristo dá a chance da célula que está doente se regenar, ou então se não se regenerar o fim é um problema maior, adoencem todo corpo e aconsequência é a morte. Estes católicos ou devem rever sua fé ou então devem tomar atitudes de se deligarem de uma vez, pois o ser humano é dotado de total liberdade. A pergunta é: Você quer ser um cristão, um Católico de verdade? Se sim procure viver a sua fé de acordo com o que recebemos dos Apóstolos. Se não, meu amigo, o melhor a fezer é sair de vez.

Jesus usa uma palavra para explicar sobre isso e de forma clara diz: "seja frio ou quente, porque morno eu te vomitarei!" - Isso quer dizer ou você toma uma atitude pra valer que vá te levar a salvação ou então fica no seu mundinho e perca a chance de entrar para o reino de Deus.

Há uma chuva de "igrejas", na verdade são seitas cristãs, porque não tem Eucaristia nem bispos. Ou mesmo em algumas que por si só se intitulam "bispos", esses não tem poder algum legalmente, pregam o que querem de acordo com seus interesses. Mas o problema maior não são eles somos nós, os católicos relxados que permitem com que essas coisas aconteçam.    
     
As seitas cristãs, (e são inúmeras) aliadas da teologia da prosperidade, tem deturpado a função do Evangelho que é a salvação para anunciar em primeiro, um Jesus milagreiro e disposto a nosso favor. Um Jesus capaz de stisfazer os interesses diveros: tá quebrado procura o templo tal, na hora tal. Tá solteiro, endividado, saiu da cadeia e não tem nada pra fazer vai virar "pastor" - O casamento vai mal, Jesus é obrigado a resolver. É sim, a palavra certa é obrigado, Deus agora não é nosso Pai é nosso empregado, segundo pregam estas seitas. Tudo em troca de poder e dinheiro.  
Em segundo, pregam um Jesus descompromissado com a obra da redenção, (que ele é objeto próprio), para anunciar um Jesus que agora dá prosperidade, bens e riquezas. Enquanto o Evangelho prega que a salvação é definitiva mas deve ser buscada dia a dia, as seitas querem resolver colocando Jesus na frente de uma batalha, agora, não é mais a vontade de Deus que conta é a determinação, eu determino em nome de Jesus que você vai ficar rico, vai sair da pobreza, vai ganhar muito dinheiro, porque tá determinado em nome de Jesus. Deus não é mais Nosso Senhor, para estas seitas, somos Senhores de Deus. É corrente daquilo, corrente daquil'outro ...   

Os católicos que ainda não aprofundaram sua fé ou a verdadeira catequese da Igreja tem maiores facilidades e contribuem para que essas seitas propaguem um falso "Jesus" que agora não quer mais salvar nem libertar as pessoas do pecado e da morte, mas, um Jesus que diferente daquele que conhecemos no Evangelho é capaz de nos dar prosperidade e riquezas. Como se Jesus fosse o salvador das nossas incompetências, dos nossos negócios falidos. Agora ,Jesus parece ressurgir não para os pobres e pecadores, mas para uma classe de empresários falidos que correm atrás de Jesus para salvar suas empresas.

Prova disso é a ostentação de seus templos e seus cultos, onde Jesus é a solução de tudo até mesmo para tirar a homem a responsabilidade de resolver seus próprios problemas. 
No passado, quando Lutero e outros reformadores se desligaram da Igreja Católica para fundarem as seitas, a desculpa era porque a Igreja era contra os pobres, perseguia os humildes, vendia indulgências e lugares no céu, etc. E que os católicos adoravam Jesus morto e adoravam imagens, era preciso refazer o pensamento cristão, onde o ser humano tivesse a livre interpretação da Bíblia. Tiraram de foco a Eucaristia, visto que ela é o ápice do cristianismo da verdadeira Igreja. Se permanecessem unidos a Ela não poderiam nunca se separar da única Igreja de Jesus. Agora estas mesmas seitas começam a por em prática as coisas que eles no passado eram contra. 
Vendem de tudo, rosas, água, óleos, sabonetes, lenços, chaves... e dizem que isso é para dar prosperidade. 
Deturpam a Bíblia criando um Jesus para cada tipo de solução. Um Jesus que agora não é mais o Senhor e Salvador, mas é o Jesus das necessidades, das riquezas e das prosperidades.
Vamos passear um pouco e constataremos o que eu digo, não é difícil provar que os falsos pastores estão reunindo uma multidão de pessoas interessadas em que Jesus os tornem ricos e prósperos. Fato disso é a IURD, organizada pelo Edir Macedo, que antes se dizia "pastor", depois se intitulou "bispo" agora se diz "sacerdote" do seu falso templo de Salomão e se agora veste como um judeu do AT. Não sabemos mais se essa seita é judia ou cristã...

Construiu uma caixa que diz ser a "arca da aliança" tudo falso; tudo em nome do poder. para arrecadar dinheiro, para enquanto você irmaozinho anda de buzão, enfrenta o trem e o metrô, o Edir Macedo voa de helicóptero, tanto que no falso templo de "Salomão" há um heliporto!
Mas... alguém diria, mas aquela costrução é para todos os credos. Mentira! Ali não é um templo "ecumênico" nem é um templo de Salomão de verdade, o verdadeiro templo foi destruído porque ele já não tem oportância mais segundo as próprias, Jesus mesmo disse: vocês verão o dia em que não ficará aqui pedra sobre pedra e não ficou o Templo de Salomão foi destruído de vez pelos romanos restando apenas um muro (Muro das Lamentações) onde os judeus oram lamentando até a hoje a sua destruição, (Cf. Mt24, 12)
Jesus depois nos adverte que muitos passariam por falsos profetas, (os anticristos), seduzirão a muitos. (Mt24, 4-5)

Jesus Cristo o verdadeiro sacerdote, altar e cordeiro e o verdadeiro santuário de Deus como afirma o Apocalipse.
E como confirmado o anticristo reinando aí no Brás: O falso templo de "Salomão" é da maçonaria seita do diabo. Nunca foi nem será um templo que se diga cristão. Católico veja aí, veja você que vai frequentar esse falso templo. Esse templo está consagrado ao diabo e ele, Edir Macedo é maçônico! Para lembrar que o "G" é o símbolo da maçonaria. 
Isaías 29, 13 "Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. É vão os preceitos e o seu culto porque ensinam o que vem dos homens! 
São cegos e guias de cegos, no final levará a muitos pro inferno.



Agora atrai para si um número de empresários falidos. Com o proprósito de que ali está o segredo para dar riquezas e prosperidades. Tudo para arrancar dinheiro das pessoas em nome de uma falsa fé em Jesus.
E não são poucos os "católicos" atraídos pelo desejo de riqueza, atentam contra seu batismo e sua fé, atentam contra Jesus Cristo verdadeiro pastor e Senhor da Igreja única verdadeira.

Mas agora vamos ver na Bíblia qual a diferença do Jesus da Bíblia Sagrada.
E qual a diferença do "Jesus" das riquezas e prosperiades que eles anunciam em seus templos. Depois disso tire você mesmo suas conclusões:

No Evangelho de Lucas, (Lc2, 6-16), encontramos a passagem do nascimento de Jesus Cristo. Onde Jesus nasceu? Em um palácio, num berço de ouro? Não! nasceu pobre o Rei da Glória, em uma estrebaria (lugar onde dorme os animais), seus pais Maria e José também eram pobres. Ele, o Rei Jesus, estava ali despojado na humildade, dormindo numa manjedoura (lugar onde dá de comer aos animais), envolto não em vestes de rei, como os príncipes deste mundo mas enrolado em faixas.  Eis o primeiro exemplo de pobreza e humildade do Senhor Jesus. Refletida toda a glória na humildade e na fraqueza Jesus se iguala aos pobres, humildes e sofredores.
Ao longo da vida de Jesus Cristo, ele quis sentar-se à mesa com os pobres e marginalizados. Ele mesmo deu exemplos de que nossa missão aqui neste mundo não é buscar as glórias, poder e riquezas, mas, é anunciar o Reino de Deus a todos os povos. E proclamar o amor de Deus que salva e liberta. É anunciar a salvação através da porta estreita, isto é da sua Cruz.

Jamais vamos encontrar Jesus obtendo para nós riquezas e fellicidades vãs, pelo contrário Jesus quer que o sigamos na humildade e que deixemos os bens deste mundo para o mundo vivamos unicamente para Ele em justiça e santidade. O amor de Deus não se encontra na ostentação e no poder mas na loucura de um amor extremo pelos homens. Foi no alto no madeiro que Ele nos resgatou. Jesus pagou nosso preço com sua vida e seu Sangue e não com ouro, prata e dinheiro. Para nos ensinar que o ser humano vale mais que tudo isso.

Para Jesus o importante não é os bens deste mundo, não é os cofres cheios de tesouros, mas, que busquemos o reino de Deus e a sua justiça. Os ricos devem ajudar os pobres. Sem essas duas coisas é impossível entrar no reino de Deus. 
Ainda encontramos Jesus dizendo que devemos pedir ao Pai tudo, mas, esse "tudo" de Jesus se refere às graças e coisas pelas quais servirão para que amamemos mais a Deus e cresça e nossa fé. Não simplesmente bens e riquezas, mas coisas necessárias para nossa salvação.

Jesus nos diz que: que adianta  ao homem ganhar tudo nesta vida se vier a perder a coisa mais preciosa que é sua alma? As riquezas, o sucesso, a fama, as glórias de nada servirá quando de fato estivermos de fato diante de Deus. 
Em Mateus, encontramos o momento em que Jesus foi tentado pelo diabo no deserto. Mateus diz que o diabo colocou todas as riquezas e reinos da terra diante de Jesus e disse: "Tudo isto será seu se me prostrares e adorares!"
Como pode o diabo ter tanta ousadia?
Porque Jesus como Deus era dono de tudo. Mas, ali naquele momento estava a presença humana de Jesus, pois, era preciso como parte do plano de salvação que ele se igualasse a nós em tudo, menos no pecado. Mas, Jesus usa a Palavra para dizer: o Mandamento diz: "Somente a Deus devemos servir e adorar!" - Nós temos a Palavra e ainda hoje precisamos adorar aos falsos deuses, as riquezas, a sede de poder, o desejo de ser poderosos nos faz adorar o diabo e não a Deus.
As seitas estão contribuindo para que um "poder paralelo" contrário ao Reino se instale no mundo. Jesus preferiu a humildade, a pobreza, a negação de si mesmo, a morte na Cruz por nós!  E você católico de que lado você está? Qual é a sua fé?

(Mt6, 9 -13.14-16) Jesus também ensina a orar e nessa Oração de Jesus 04 coisas se distinguem:

1) Jesus ensina que Deus é nosso Pai, portanto, temos uma família e somos irmãos.
2) Devemos pedir o pão de cada dia, o pão material, (sobretudo trabalho para ganharmos o pão) e o pão espiritual, é preciso que o Espírito Santo nos abasteça e nos ilumine através da Palavra de Deus e da Santa Eucaristia. Quando passamos para a seitas, o Pão espiritual nos é tirado, ou seja a Eucaristia, restando somente o pão do corpo, rejeitamos a Eucaristia para celebrar um memorial fajuto da santa ceia. Sem a Eucaristia a alma se enfraquece e morre eternamente.
3) Perdoar e sermos perdoados, a condição para que obtenhamos o perdão de Deus por nossas faltas é também que saibamos perdoar as faltas dos nossos irmãos mesmo que seja difícil, é preciso dar o perdão.
4) Que Deus Pai nos livre da tentação e do mal. A tentação está ao nosso redor a todo momento mas é com a graça de Deus que nós resistimos a ela.

Note caro leitor que Jesus não ensina a ninguém pedir mais que o necessário, Deus não é um empresário, e nem cria vagabundos, Ele quer que também trabalhemos para ganhar o nosso próprio sustento de maneira simples e honesta sem ficar esperando por milagres. Quem corre atrás de milagres é gente incapaz de lutar e superar suas limitações.  
Deus não dá riqueza e prosperidade a ninguém, somos nós que devemos trabalhar e conquistar por nós mesmos. E aquilo que conseguimos por nossos méritos deve ser colocado à disposição dos mais necessitados. Lembre-se de que Deus também trabalha.   

Nessa Oração do "Pai Nosso" - Jesus ensina a encontramos com Deus Pai e pedir somente o necessário, nunca riquezas, poder, dinheiro, prosperidades. Nem que nos faça ricos para construir falsos templos onde não se ostenta a glória de Deus mas a glória dos homens. Como o falso templo de Salomão, onde existe até um heliporto e aonde a IURD através do Edir Macedo engorda seus cofres para morar e Myame enquanto muitos pobres moram nos barracos em favelas em condições subhumanas. Fazendo deste templo abrigo para os empresários falidos que de certa forma após uma lavagem cerebral, injetam dinheiro para crescer ainda mais o reino de blasfemadores e dertupadores da Palavra de Deus. 
Enquanto que as pessoas se ludibriam com falsos depoimentos de sucessos, gravados por atores, que se passam por pessoas pobres e miseráveis para pessoas prósperas e de sucesso. Tudo mentira! Nunca vi nenhum pobre ser ajudado e reerguido finaceiramente por estas seitas. Pelo contrário o que se vê é seus falsos pastores pedindo mais e mais, dízimo, trízimo, milhões para comprarem fazendas. Enquanto a Igreja Católica leva de 05 a dez anos para fazer uma capela para atender 100 pessoas, esses mercenários constroem seus templos em meses com o dinheiro que sugam dos pobres na promessa de dar-lhes prosperidade e riquezas.
Aí colocam falsos depoimentos na mídia de gente que foi lá, no templo tal e agora ficou rico derrepente como se Deus fosse premiador de loteria. Pura mentira e enganação. E o pior os católicos e as pessoas menos preparadas acreditam. 

Se no Templo Verdadeiro no AT em Jerusalém, nunca houve heliporto e muito menos sessões de exorcismo ou do descarrego (ritual do candomblé).
É esse Jesus que você quer seguir caro católico? Você foi batizado para se sujeitar a isso? A um Jesus de "beira de praia" que atende uma parcela da minoria dessas seitas?

Sobre a falsa arca da aliança de Edir Macedo, ela não existe mais, porque Jesus veio trazer um novo Mandamento e uma nova Lei. E o Templo de Salomão construído em Jerusalém,  foi destruído, foi novamente reerguido, esse templo não é mais de pedra, é o próprio Cristo vivo ressuscitado;  por isso, João descreve que não viu o Templo na cidade celeste, pois ele é o próprio Jesus. E Jerusalém não é mais a cidade lá de Israel, o verdadeiro templo (Jesus Cristo) está Vivo no Paraíso. Jesus disse à Samaritana: 

Jo 4, 20-24 "Nossos pais adoraram a Deus neste monte, mas vós dizeis que é em Jerusalém que deveis adorar. Jesus respondeu: Mulher! acredita, chegará a hora em que não adorareis o Pai, nem neste mointe nem em Jerusalém. Vós adorais o que não conheceis, nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus, mas, vem a hora, e já chegou em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e verdade, e são esses os verdadeiros adoradores que o Pai procura. Deus é espírito e verdade e seus adoradores deve adorá-lo em espírito e verdade! " 

Quem serve a Jesus  é a verdadeira Igreja esposa de Jesus o Cordeiro Santo Imaculado, a Igreja verdadeira fundada sobre os 12 apóstolos e não a igreja fundada pelo Edir Macedo. (Ap21, 9-27) Jesus disse que a verdadeira cidade celeste, nunca fechará as suas portas, mas nela não entrará nenhuma abominação.
A Arca da Aliança agora não é mais uma caixa onde no AT se guardava os dez mandamentos, mas é Maria Santíssima que carregou o próprio Filho de Deus, Jesus. Essa Arca viva está no céu junto de Deus. A veraddeira Igreja de Jesus Cristo, é composta de uma Igreja terrestre, e uma celeste onde habita Deus, os anjos e os santos. 
O verdadeiro santurário possui o tabernáculo do Deus vivo, não governado por Edir Macedo, mas, pelo próprio Leão de Judá, ou seja, Jesus Cristo. (Ap21, 3-4).     

 Jesus no Evangelho Diz que:

1) Se o quisermos seguí-lo devemos renunciar a nós mesmos. Tomar a Cruz de cada dia.
2) Não podemos ajuntar tesouros aqui, onde a traçae a ferrugem consomem. Mas devemos ajuntar tesouros no céu. 
3) Não podemos servir a Deus e ao dinheiro.
4) Que é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha ou o rico entrar no reino de Deus?
5)Se pedirmos a Deus coisas para este mundo ele nos dará, mas em contra partida vamos perder na eternidade, e, essa perca á a própria alma.
6) Em Atos dos Apóstolos os ricos que se convertiam ao cristianismo doavam todos seus bens aos Apóstolos e eles os ditribuiam aos pobres; de modo que ninguém passasse necessidade.
7) Pedro e João ao curar o coxo na porta do Templo disse: "Eu não tenho ouro nem prata, mas o que tenho te dou (isto é seu bem mais precioso a fé em Jesus), em nome de Jesus levante-se e ande!" O que Pedro e João tinham? Riquezas, glória, poder de si mesmos? Não ! tinham o maior de todos os bens o poder de Jesus e a Fé!  


Citações Bíblicas:

Mt6, 19-20 Não ajunteis riquezas neste mundo e sim, no Céu!
Mt7, 15 - sobre os falsos pastores
Mt7, 13-22 Se queremos o Céu temos que passar pela porta estreita, ou seja ninguém entra no céu sem as cruzes, sem os problemas da vida, sem as perseguições, sem a morte. É preciso passar pela cruz assim como Jesus passou e no fim ressuscitou!
Mt10, 8-9 Não se deve cobrar pela cura pois ela é graça de Deus 
Mt12, 1.6-7 Jesus é superior ao dia de Sábado 
Mt16, 24 Única condição para quem quer seguir a Jesus, a renúncia de si mesmo 
Mt 6, 9-15 - A Oração Pai Nosso  só tem sentido se perdoamos para sermos perdoados
Mt19, 16-23 O as riquezas  afasta o homem de Deus, o rico não entra no céu
Lc12, 22-33 Busquem primeiro o reino de Deus e a sua Justiça e o resto vem por acréscimo
Jo4, 20-26 Devemos adorar a Deus em Espírito e verdade. Deus habita dentro do homem 
Jo6, 53-58 Jesus fala sobre sua presença na Eucaristia
At2, 42-45Os primeiros cristãos distribuiam os bens que tinham com os pobres
At4, 32-35 União e desapego das riquezas
At3, 1-7 Pedro e João não precisavam das riquezas para curar, eles tinham Jesus
1Cor1, 17 A Verdadeira Igreja prega Cristo Crucificado e Ressuscitado
1Cor11, 23-26 Sobre a Eucaristia
Gl1, 7-9 Quem semeia confusão não pode pertencer à Igreja de Cristo   
Ef2, 19-22 A verdadeira Igreja edificada na doutrina dos Apóstolos
Ef4, 3-6 devemos conservar união com a Igreja
Fl3,1-3  Sobre os falsos profetas 
Cl2, 4 Sobre as falsas doutrinas
Tg5, 1-6 Sobre as riquezas
2Pd2,1-4 Sobre os falsos pastores
1Jo 2, 15.18-20 Sobre o apego às coisas do mundo e os anti-cristos
2Jo1, 7-9 - Falsa doutrina e negação do anti-cristo sobre  Encarnação de Jesus 

CONTINUANDO ....

Assim são vários exemplos do verdadeiro Jesus que a Igreja, única e verdadeira prega e que a seitas renegam agora porque esse JESUS é o Jesus da Cruz, da Paixão, da morte da entrega total por nós pecadores. Eles pregam o Jesus das riquezas que cura liberta e salva "se" pagarem altos dízimos, nós pregamos Jesus que cura, e salva liberta  gratuitamente. Eles pregam Jesuso  milagreiro oportunista. Nós pregamos e anunciamos Jesus Cristo que cura definitivamente sem exigir nada em troca que senão o amor.

As seitas pregam que devemos fazer tudo para buscar sucesso e prosperidade, mesmo que isto significa pisar em cima de tudo que Jesus ensinou sobre a humildade e a pobreza.
Se no passado eles noa acusavem de que a Igreja Católica detinha os bens, exploravam a fé, vendiam indulgências, vendiam lugares no céu e era aliada dos ricos, dos reis, poderosos senhores feudais. Desvirtuando o caminho da salvação (e foi isso a causa da reforma emcabeçada por Martinho Lurtero), hoje as seitas estão fazendo a mesma coisa ou pior. Estão vendendo, óleo, água, sabonetes, lenços, rosas, lugares no céu ... 

Nós católicos adoramos Jesus presente na Eucaristia, guardado no Sacrário ou comungado diariamente nas santas Missas. Adoramos um único Deus Uno e Trino.
Mas os católicos estão indo no Templo de Salomão para adorar uma caixa de madeira que é uma réplica da "arca da aliança" e portanto, não tem poder algum. 
Que fé é a sua caro católico?

E por fim, Jesus da Bíblia morreu nu, despojado de tudo abandonado na Cruz, sofreu, morreu e ressuscitou.
Mas o Jesus das seitas nunca teve mãe, nunca morreu e ressucitou. Porque pregar Jesus Crucificado lhes tira a ostentação das riquezas e eles terão que se sujeitar ao Jesus que aceitou a humildade e a morte para depois ser vitorioso no terceiro dia.
Também não querem passar pela Cruz, porque assim como o diabo, a cruz é demais para quem quer ser orgulhoso. 
Não suportam a idéia de anunciar o Cristo Crucificado por nossos pecados porque estão preocupados em expulsar seus demômios, lotar seus falsos templos e arraecadar mais e mais enquanto que o verdadeiro propósito que é   centro do cristianismo está deixado de lado: o amor para com os pobres e necessitados, o anúncio da salvação. Não suportam  ateologia da Cruz porque os ricos nem aceitam morrer assim...

Preocupados com seus diabos, suas sessões de descrrego, e seus cofres deixam de lado o verdadeiro sentido evangélico para tentar acusar aqueles que levam a sério o Evangelho e atentar cada vez mais contra a Santa Igreja de Cristo.

Mas, o mais grave é que os católicos ( se posso dizer que são), são os maiores propagadores destas seitas, cujos correm atrás de falsos cultos, falsas pregações e esse falso Jesus que as seitas pregam sobretudo, a IURD, que possui um verdadeiro reino construído com a exploração da fé das pessoas. Dizem pregar em nome de Jesus e no entanto, mantém um canal de TV aberta que divulga cenas violência, pornografia, filmes, novelas e pornografia, que vão contra os valores do Evangelho e das famílias cristãs. Quantos católicos negam sua fé para buscarem nas seitas o Jesus milagreiro?! Onde está o Jesus que salva e liberta? Onde está o Jesus que a Bíblia mostra que ensina que o que recebemos de graça, de graça devemos dar? Onde está o Jesus da Bíblia que diz que para anunciar o Evangelho deve ser desapegado dos bens materiais. Onde está o Jesus da Bíblia que nos diz que estamos no mundo, mas o mundo não é nossa morada definitiva e portanto, não devemos nos preocupar com o que comer e vestir, se Deus alimenta os pássaros e vestem os lírios dos campos, quanto mais fará com seus filhos neste mundo? Qual Jesus você, caro católico está tendo fé? Ou será que você prefere o "Jesus" da enganação, das riquezas, e da fácil prosperidade como pregam as seitas?     

A Igreja verdadeira de Jesus, fundada por Ele sobre o governo de Pedro e os demais Apóstolos, mesmo nos tempos de crises, nunca se afastou dos veradeiros valores. Mesmo quando alguns de seus líderes tentavam deturpá-la ela se manteve firme sobre a rocha que é Pedro. Com a assistência do Espírito Santo. Assim, nela também surgiram grandes homens santos como: Santo Ambrósio, Santo Agostinho, São Bento, Santo Antônio de Pádua, Santo Irineu, São Bernardo de Claraval, São Geraldo Magela, Santo Antônio Maria Vianey, Santo Afonso Maria de Liguori, São Padre Pio, São João Bosco, São Francisco de Sales, São João Damasceno, São Tomás de Aquino, São Vicente de Paulo (apóstolo da caridade), São João Paulo II,  etc.
E hoje o próprio papa Francisco com seus exemplos para tantos pessoas. E as seitas, o que elas tem a lhe oferecer? Qual seu legado na história?  O que elas contribuem para sua santidade? 


AS SEITAS CRISTÃS E A VIRGEM MARIA

As seitas também deturpam a Bíblia e o Evangelho quando o assunto é sobre a Virgem Maria. Longe do que diz os chamados primeiros reformadores, eles afronatam os católicos em sua fé atentando contra a virgindade e a pureza de Maria Santíssima. Mas veja o que alguns dos reformadores protestantes dizem sobre a Mãe de Deus:

CALVINO ESCREVEU: "Não podemos reconhecer as bênçãos que nos trouxe Jesus, sem reconhecer ao mesmo tempo quão imensamente Deus honrou e enriqueceu Maria, ao escolhê-la Mãe de Deus!" - Percebam o quanto são fortes as palavras de Calvino. 
CHARLES WESLEY (fundador do Metodismo) escreveu páginas sublimes sobre nossa Senhora”Creio que [Jesus] foi feito homem, unindo a natureza humana à divina em uma só pessoa; sendo concebido pela obra singular do Espírito Santo, nascido da abençoada Virgem Maria que, tanto antes como depois de dá-lo à luz, continuou virgem pura e imaculada.” (John Wesley, fundadador da Igreja Metodista, em carta dirigida a um católico em 18.07.1749)
LUTERO ESCREVEU: "O que são as servas os servos, os senhores, as mulheres, os príncipes, os reis, osmonarcas da terra, em comparação à Virgem Maria, que além de nascer de uma estirpe real, é também Mãe de Deus, a mulher mais importante da Terra? No meio de toda cristantadade ela é a jóia mais preciosa depois de Cristo, a qual nunca pode ser suficiente exaltada; a Imperatriz, Rainha dígna, elavada acima de toda nobreza, sabedoria e santidade. Por justiça teria sido necessário encomendar-lhe um carro de ouro econduzí-la com 4.000 cavalos, tocando uma trombeta e anunciando: Aqui viaja a Mulher entre todas as mulheres, a sabedoria de todo gênero humano". (Comentário sobre o Magnificat-Lc1, 46-55)
 ”O Filho de Deus fez-se homem, de modo a ser concebido do Espírito Santo sem o auxílio de varão e a nascer de Maria pura, santa e sempre virgem .(Martinho Lutero, ”Artigos da Doutrina Cristã”)  
Peçamos a Deus que nos faça compreender bem as palavras do Magnificat… Oxalá Cristo nos conceda esta graça por intercessão de sua Santa Mãe! Amém.( Martinho Lutero, ”Comentário do Magnificat”).  

”Ser Mãe de Deus é uma prerrogativa tão alta, coisa tão imensa, que supera todo e qualquer intelecto. Daí lhe advém toda a honra e a alegria e isso faz com que ela seja uma única pessoa em todo o mundo, superior a quantas existiam e que não tem igual na excelência de ter com o Pai Celeste um filhinho comum. Nestas palavras, portanto, está contida toda a honra de Maria. Ninguém poderia pregar em seu louvor coisas mais magníficas, mesmo que possuísse tantas línguas quantas são na terra as flores e folhas nos campos, nos céus as estrelas e no mar os grãos de areia.” (idem, cf. escritora evangélica M. Basilea Schlink, revista ”Jesus vive e é o Senhor”)  

Agora eu pergunto: Será que os fundadores do protestantismo eram contra a Mãe de Deus?
Porque os "crentes" agora querem esconder da Bíblia o que lhe é real e verdadeiro?
Porque tanto ódio contra a Mãe de Deus? Porque não aceitá-la como tal é Mãe e Rainha do cristianismo? 
Então será preciso mudar a história e rasgar a Bíblia porque em nenhum momento a Bíblia afasta de nós a presença e a proteção de Maria, pelo contrário, nós católicos de verdade sentimos e somos abençoados e coroados com as inúmeras graças de sua proteção. Quem de nós com fé já não recorreu a ela em tempos difíceis e não foi atendido? Já dizia São Bernardo de Claraval.
Mas, sabe porque que as seitas não honram Nossa Senhora? 
1) Porque na verdade possuem um imenso ódio por ela, tendo em vista de que foi ela que pisou e esmagou o dragão infernal. Em muitos templos dessas seitas, eles mais pregam o diabo do que Jesus Cristo. Se falam duas palavras sobre Jesus, falam 98 do diabo. Enquanto a Bíblia fala que Maria serviu a Deus na humildade sendo serva, pobre e humilde. As seitas ostentam riquezas e poder, e diga de passagem vindas não de Cristo, mas do próprio diabo.
2) O protestantismo em todos seus ramos pentecostais ou não, conspirou contra a verdadeira Igreja de Cristo em disputa de um "Poder" paralelo, se intitulando mais tardes donos e senhores da Bíblia, aos quais, para apagar de vez a figura da Virgem Maria eles tiraram vários livros que fazem alusão ou profecias a ela, só não tirou-a do Novo Testamento porque não seria possível uma vez que os Evangelhos especialmante Lucas pussui singulares citações sobre a ação da Virgem Maria, senão tirariam também. Esse "poder" conspirado contra a Igreja Católica, cujos líderes escondidos nas trevas  são os mesmos que um dia crucificaram Jesus. Nos seus templos estão mais preocupados com o poder de satanás que o poder de Jesus. Os mesmos fariseus das sinagogas que expulsaram Jesus e porque não dizer, ainda que não relatados nos evangelhos, expulsaram também a sua Mãe, pois onde não cabe a Mãe também não cabe o filho! 
3)  Esses líderes que até hoje interessados na divisão do cristianismo financiam as seitas e incidem grande ódio pela Igreja Católica afastando ainda mais da verdadeira fé renegam até os ensinamentos se seus fundadores, por que na sede pelo "poder" se julgam os donos da verdade, mesmo que esta verdade seja atentar contra Jesus e Mãe Maria Santíssima.
São monopolistas da verdade da única razão pela qual são fundamentalistas ao extremo ao ponto de ler apenas o que lhes interessa nas Escrituras para depois se armarem contra a verdadeira Igreja de Cristo.
É a esse "Jesus" das seitas que você quer seguir caro católico?
4) O protestantismo e seus ramos (os evangélicos) se desligaram a muito do cristianismo é uma seita judaica. Prova disso:
a) Eles esquecem as leis de Cristo e seguem as leis de Moisés, como por exemplo guardam o sábado ao invés do domingo dia da ressurreição de Cristo.
b) Agora de forma mais clara podemos ver o falso templo de Salomão, ou melhor de Edir Macedo, (no Brás-SP) O verdadeiro Templo de Salomão (em Jerusalém) no passado pertencia aos judeus. Quantas vezes ali Jesus entrou e censurou os fariseus por serem hipócritas e não pregarem a verdade... Jesus era judeu sim, mas ele veio trazer uma nova doutrina, uma nova Lei, por isso o Verdedeiro Templo não é de barro ou pedra e sim de corações abertos ao Evangelho. Por isso Deus habita nos corações dos homens.  
c) Não aceitam a Virgem Maria, porque assim como os judeus, a mulher até hoje é desprezada no Oriente Médio, e marginalizadas, tidas como impuras e pecadoras. No tempo de Jesus uma mulher viúva e sem filhos era tida com maldita e impura. Não aceitam Maria, porque se julgam maiores que Deus que a fez sua Mãe e assim, ela exaltou a figura feminina na humanidade cristã. Se sujeitar a uma mulher?? Mesmo que esta seja a Mãe de Jesus seria demais para eles. Como quiseram fazer com Madalena, do mesmo jeito atentam jogando  pedras contra Nossa Senhora acusando-a com suas inúmeras blasfêmias.  
d) E o mais grave: Não possui a Eucaristia, porque para eles Jesus estava brincando quando disse que o pão e o vinho depois de consagrados é seu corpo e Seu Sangue. Para eles Jesus estava querendo apenas celebrar um simples memorial. Mas esse  memorial é atualização da Paixão, Morte e Ressureição de Jesus para nós, anunciado em todas a Missas até que Ele venha outra vez.
f) E por fim seu ódio Maior contra  a Mãe de Deus é porque ela, assim como seu Filho e o Espírito Santo, dão assistência a Igreja e não permitirão jamais que o inferno nem eles a derrubem. 


QUANTO AS IMAGENS DE JESUS E DOS SANTOS


As seitas procuram atacar os católicos despreparados. Porque despreparados? Porque católicos preparados sabem muito bem que isso nãO passa de provocações e acusações levianas e maldosas com a finalidade de fazer-nos  desacreditar na doutrina da Igreja. 
Mas vou dar-lhe uma explicação razoável sobre as imagens e o que elas tem de importante para o uso da fé católica:

Todos nós que enxergamos, dotados desse órgão vital, os olhos servem para quê? Para enxergar as imagens. Daria pra usar o computador se monitor não contesse imagens daquilo que executamos: as tarefas e os programas? Mesmo os deficientes visuais, contam com um teclado especial que lhes permitem ver em braile e sons que ajudam e faciltam o trabalho. 

Tudo que vemos é imagem e até você mesmo é uma imagem. Sua imagem no espelho é o reflexo de você emum vidro. O foto é a luz que captada reflete sua imagem na lente da câmera.
A Bíblia diz no Livro do Gênesis que somos imagem e semelhança se Deus. Percebem o grande significado dessas duas palavras? O ser humano é imagem e semelhança de Deus. Isso que dizer que temos semelhança com Deus. Você já viu a teologia falar a mesma coisa dos anjos? Porque os anjos não tem corpos, são espíritos. O homem é feito de corpo, alma e espírito. Por isso, Deus nos criou à sua imagem e semelhança!      

Mesmo os deficientes visuais, podem enxergar através do sentido do tato. Ele toca e vê as formas através de suas mãos.
As imagens servem para dar um toque especial em nossa vida, mas você pode ou não fazer uso delas, mas, se elas existem é porque precisamos delas e elas erriquecem nosso ambiente e nosso espírito. Como é bom você admirar o pôr-do-sol, o brilho das estrelas, a névoa na colina, a flor no jardim... Tudo isso são imagens que Deus nos dá para que possamos ser felizes. 
Quando lemos um livro, sobretudo as crianças, temos mais interesses e curiosidades pelas imagens e gravuras contidas nos livros, jornais e revistas. A própria TV, internet, o celular, a mídia em geral só tem valor comercial porque exploram as imagens.
Mas existem livros que não possuem nenhuma imagem, no entanto possuem o mesmo valor e o que você não vê com os olhos consegue ver com a imaginação. Era assim também com as novelas de rádio antigamente... os atores falavam e a gente ficava imaginando como seriam os personagens das histórias.
O mesmo acontece quando você admira uma fotografia que contém momentos especiais registrados, ou de um parente que já não está mais conosco na terra. Quem na vida já  não conversou com uma fotografia de uma pessoa querida seja ela falecida ou não? No entanto você sabe que a foto não irá responder mas ela é apenas uma lembrança. 

Mas, e na Igreja qual o sentido das imagens?
Elas tem o sentido de nos aproximar de Deus. Elas não tem poder, não fazem nada não tem poder algum, as imagens na Igreja servem para nos lembrar a história de um santo e até do próprio Cristo. Mas sabemos bem que elas não são objetos de adoração muito menos não tem vida. São usadas para honrar a mémoria de Cristo e dos santos.
Elas também são objetos de arte que servem para adornar os templos, mas são apenas lembrança. O que devemos ver é o que está além dela, o que ela representa para nós. 
São apenas pinturas ou imagens feitas de gesso, pedra, barro. Não tem outro significado senão nos ajudara entender melhor a catequese, é um algo a maism elas nos ajudam a ter lembranças das pessoas queridas que um dia estiveram entre nós, no caso os santos.
No passado, quando muitos criatãos não sabiam ler nem escrever elas foram usadas para catequisar as pessoas mais facilmente. 
Mas isto não significa que você crer ou não nas imagens, aliás, as imagens católicas por si só não represetam nada se você não perceber o teor do por quê que ela está ali. Elas são objetos de devoção, nos ajudam, mas não é obrigatório a um cristão ter ou não imagens. 
Então é uma idéia errada de que alguns pensam que precisamos delas. Mas se elas existem é com um propósito especial.

No entanto o termo: imagem possui um significado ainda maior, quando percebemos Jesus dizer que Ele é a imagem viva do Pai. 
Quando os dissípulos pedriam a  Jesus: "Senhor mostra-nos o Pai!" - Jesus respondeu: "Quem vê a mim vê o Pai, a muito tempo estou com vocês e não me conhecem?"
Então eles viram Deus Pai na pessoa de Jesus.

O católico paraticante de verdade sabe que ninguém adora as imagens, pois elas não são deuses. E nós cremos em um só Deus em três pessoas a nós reveladas: O Pai, o Filho e o Espírito Santo.
Mas o que acontece quando estamos diante das imagens ou oramos diante delas? Devemos perceber o que está mais além da imagem... ali não está uma pessoa mas uma lembrança. Alguém que pega uma fotografia e conversa com a foto de um parente falecido, na verdade, não está querendo conversar diretamente com a fotografia mas com o que está além da fotografia... E é assim que acontece.

Quando contemplamos a imagem de Cristo Crucificado, por exemplo, Jesus está ali de verdade pregado na Cruz? Claro que não! ele já morreu e ressuscitou. Mas quando fazemos isso estamos contemplando o que Jesus fez por nós na Cruz, o significado do Crucifixo é nos mostrar o mistério da Redenção e o amor de Deus por nós. E assim acontece com as outras imagens.

Católico não precisa das imagens. Mas elas nos ajudam, nos revela algo mais, algo que no momento contribui com nossa fé. 
Vemos no Antigo Testamento que Deus mandou colocar sobre a Arca da Aliança duas imagens de dois querubins de ouro. Como você acha que os hebreus fizeram as imagens desses anjos se anjos nãoo possuem corpo, são espíritos? Como Deus daria essa ordem se ele mesmo antes havia proibido aos hebreus de fazerem imagens?
A melhor explicação é que eles imaginaram como seria um anjo, uma figura humana de asas. Eles foram além da criatura para imaginar como deveria representar uma figura de um anjo. E essa figura é usada até hoje pela igreja porque é a mehor aceitação possível.  
Deus não queria que eles fizessem imagens porque era uma povo ligado ainda as suas antigas raízes pagãs, antes adoravam vários deuses e não o único Deus.
Mas agora para Deus era preciso que eles tivessem outra idéia. Deus permite a confecção das imagens dos anjos porque elas teriam um propósito, manifestar o seu poder.
Quando veneramos a pessoa da Virgem Maria numa imagem sabemos que aquela estátua não é ela de verdade, mas na verdade fazemos através dela memória da Santa Mãe de Deus. Assim acontece com as outas imagens.  
No Novo Testamento não encontramos nenhuma referência sobre as imagens no entanto, encontramos o próprio Cristo usando de duas matérias, duas imagens o pão e o pinho para se tornar a Eucaristia, seu Corpo e Sangue. E agora? Nós adoramos a Eucaristia porque ela é Jesus. Mas quando olhamos vemos apenas pão e vinho. Mas conseguimos ver Jesus não na matéria mas na Fé. A fé é o suplemento que nos permite ver com os olhos da alma.

Então o que as seitas pensam de nós é que somos adoradores de imagens,  não é verdade e sabemos disso. Então isso só cola para os católicos de última hora, que não aprofundam a fé da Igreja. Que vão à igreja apenas em ocasiões especiais. Por que o Católico de verdade não cai nessa conversa dos "crentes". 
Outra coisa que devemos saber é que não adoramos os santos nem mesmo Nossa Senhora, a eles damos veneração, adoração somente damos a Deus, certo? 
Não se pode ajoelhar diante de uma imagem, quem faz isto está errado, ou possui uma catequese errada sobre as imagens, pois, elas sao objetos sagrados não tem poder e nem vida.  
Quando veneramos os santos representados nas imagens, veja bem! Representados a li não está a pessoa, na verdade veneramos a pesssoa dos santos no Céu onde esles estão de verdade em comunhão com Deus, como professamos no Creio (Credo) - "Creio na Comunhão dos Santos". "Creio na vida eterna." Se cremos estamos afirmando que acreditamos nesta verdade de que os santos estão junto de Deus intercedendo por nós.
As imagens são porque não dizer, significativas neste aspécto, para nos lembrar desta comunhão dos Santos com Deus e ao mesmo tempo conosco, pois se eles intercedem por nós, é porque estão emcomunhão com a Igreja Peregrina neste mundo. A Igreja peregrina e a Igreja celeste é uma só e as duas estão em comunhão isto é feito através de Jesus na pessoa do Espírito Santo.
Os "crentes" varreram esta doutrina da Igreja quando se separaram, eles acreditam que morreu, acabou, e a alma fica esperando, como numa espécie de dormição o segundo julgamento de Jesus que acontecerá na sua volta.  Acontece que o corpo humano, o ser vivente pecisa dormir, descansar, a alma não, pois, ela não tem corpo e já contempla a glória de Deus. A Bílblia nos revela no Livro do Apocalipse que os santos,os justos, já foram lavados no Sangue do Cordeiro (JESUS) e que eles estão orando incensantemente a Deus. (Ap6, 9-11: 14, 1.4: 20. 4.6); Aqui  em Ap 6, 9ss - Nota-se o erro de interpretação dos "crentes" porque quando se diz que "eles deveriam aguardar um pouco" - se refere na verdade que eles aguardassem a justiça divina julgar aqueles que os martirizaram e não seu próprio julgamento. Os santos apenas pasaram pela primeira ressurreição, e na segunda já não mais haverá julgamento e sim, o Apocalipse (Cap. 14ss);  é claro ao dizer que eles serão sacerdotes junto com Jesus.   
O próprio Cristo já adiantou quando falava que na Casa do Pai há muitas moradas, (Jo14,1- 3) você já viu um morto possuir casa para morar? Se no reino de Deus há muitas moradas é porque lá vivem todos os que forem salvos com Jesus.  No entanto às vésperas de se entregar por nós Ele diz: "Eu vou para preparar-lhes um lugar, voltarei, tomar-vos-ei comigo, para que onde estiver, vós estejais!" - Como é bom, nós católicos acreditarmos nas palavras de Jesus onde temos a certeza de que Jesus nos reserva um lugar e não que estaremos dormindo no Céu, como preguiçosos  à espera da promessa de Jesus. Mas a santidade não é uma imagem fixa no altar é uma realidade verdadeira! Crer na santidade é crer na própria realidade do Céu. Deus, antes de tudo é Santo!

Você caro católico pode crer ou não na intercessão dos santos, a Igreja te dá todo direito. Como te dá o direito de fazer uso ou não das imagens, isso não é errado nem pecado. Viva sua fé, creia mais na Igreja e dela participe. A Igreja possui uma tradição e os ensinamentos,não de homens qualquer, mas dos Apóstolos a mais de 2000 anos, porque ensinaria aos fiéis a serem idólatras se a função da Igreja é conduzir a todos a salvação? 

 07 VERDADES CRISTÃS DA NOSSA FÉ QUE AS SEITAS PROSTETANTES NEGAM


  1. Negam autoridade do santo Padre o Papa, bispo de Roma, sucessor de Pedro e representante visível de Cristo na Terra   - os protestantes e evangélicos negam a autoridade do santo padre o Papa. Desde a reforma eles são cada um por si em suas denominações. Não reconhecem a autoridade do Papa conforme Cristo estabeleceu quando fundou a Igreja. (Cf. Mt16,17-18) e (Cf. Jo21, 1517) E a estratégia deles quando querem arrabanhar um católico é dizer que os papas surgiram na Idade Média após Constantino o Imperador romano que se converteu ao cristianismo ter declarado o catolicismo religião oficial de todo Império Romano. Só que qualquer pessoa entendida sabe que nãoé verdade os papas seguem uma sucessão desde Pedro até os dias de hoje. Deixaram tudo, família, profissão, as redes, as barcas para seguir Jesus. (Mt4, 20)
  2. Negam o celibato - isto é eles negam a tradição da Igreja em que os padres desde os tempos dos Apóstolos não se casaram para servir ao Cristo e propagar o Evangelho. É bem verdade que Pedro foi casado e alguns dos Apóstolos, mas, após o chamado de Jesus Cristo eles deixram tudo para seguir Jesus. E com ele todos os outros da mesma maneira. O celibato é uma consagração, é uma negação de si mesmo para servir somente a Cristo.  Mt10, 37 - "Quem ama seu pai e sua mãe mais que a mim não é digno de mim". A atitude de Jesus não foi de egoímo, apenas quer que seus verdadeiros discípulos dêem em tudo prioridade à missão de anunciar o  Evangelho. Para eles os seus "pastores" podem sim, se casar constiruírem família, etc.  
  3. Negam a intercessão dos Santos - para os protestantes morreu acabou. Para eles os a alma está em segundo plano aguardando julgamento. Quanto que a palavra de Jesus é clara: "Sede santos como vosso Pai do é santo!" Céu deixou de ser uma promessa de Jesus. Quanto que nós acreditamos que depois dessa passagem por este mundo a alma vai para o Céu, lá recebe o primeiro julgamento e a primeira ressurreição. O Livro do Apocalipse nos revela a realidade do Céu e é bem claro ao dizer que os santos estão diante de Deus, já passaram pela ressurreição, foram limpos, lavados no Sangue de Cristo e estão diante de Deus orando incessantemente. Jesus veio para nos conduzir à santidade.  
  4. Negam a presença real de Jesus na Eucaristia - para eles Jesus apenas Jesus mandou celebrar um simples memorial da santa ceia. Quanto que na verdade, Jesus é claro ao afirmar isto é o meu Corpo! Isto é o meu Sangue! - a santa ceia não é apenas um memorial mas é a atualização perpétua da Paixão morte e ressurreição de Jesus até que ele volte de novo. Depois São Paulo Apóstolo em 1Cor11ss. Vai confirmar a Eucaristia e como se deve participar dela. O católico que vive sem a Eucaristia está sujeito a própria condenação eterna. Jesus não criou ese sacramento à toa não.   
  5. Negam a pureza virginal de Nossa Senhora - sendo contrário até mesmo de seus fundadores... para eles Maria foi uma mulher qualquer e depois que concebeu Jesus teve outros filhos. Negam a Imaculada Conceição. Para eles a Mãe de Jesus é uma pecadora qualquer que abandonou a sua missão no meio do caminho. Quanto que a palavra de Deus, no Evangelho de São João nos diz que Nossa Senhora foi com Jesus até a Cruz e São Lucas testemunha que ela estava com os Apóstolos no Cenáculo à espera do Espírito Santo. (Jo19, 25-27 e At 1, 12-14) Assim sendo estas seitas negam o próprio Espírito Santo que esteve presente na vida de Nossa Senhora o qual a assistiu e a cobriu com sua sombra  e  a fez plena de graça aos olhos de Deus. (Lc1, 28.35.48) Nós proclamamos que a Virgem Maria é Bendita entre todas as mulheres. E cremos e veneramos sua Imaculada Conceição.    
  6. Negam 05 dos 07 Sacramentos Dos 07 Sacramentos da Igreja só dois eles reconhecem, o Batismo e o Matrimônio.
  7. Negam o Saramento da Confissão e absolvição através dos sacerdotes -  para eles se deve confessar diretamente com Deus sem a autoridade do sacerdócio de Cristo para perdoar. Para eles, a autoridade de Cristo nos seus sucessores Apóstolos não conta mais. Contrariando as palavras de Jesus em Jo20, 22-23 sobre o sacramento da confissão.  "A quem perdoardes os pecados lhes serão perdoados e aos que retiverdes ser-lhes-ão retidos!" Nós católicos aceitamos reconhecemos o Sacramento da Confissão e todos os demais instituídos por Jesus à Igreja; os quais são Sinais Visíveis da força e ação do Espírito Santo e são canais da graça divina e portais da Salvação. 



VOCÊ QUER APRENDER MAIS? ASSISTA AOS VÍDEOS ABAIXO.
DEUS TE ABENÇOE!

            








CATÓLICO ONDE ESTÁ SUA FÉ?