domingo, 25 de maio de 2014

CELEBRANDO CORPUS CHRISTI - POR AMOR A NÓS JESUS SE FAZ PÃO

Estamos mais uma vez nos preparando para celebrar a festa de Corpus Christi. Ela acontece na quinta-feira após o domingo que marca a solenidade da Santíssima Trindade. A Liturgia da Igreja é belíssima e cheia de acontecimentos, um deles é a festa de Corpus Christi. Isto é a festa do Corpo e Sangue de Cristo. 
Na quinta-feira santa, celebramos de modo especial a instituição da Eucaristia, isto é, Jesus presente nas espécies do pão e do vinho consagrados. Celebramos o memorial da última ceia de Jesus com a missa do "Lava-pés". Onde Jesus instituiu a Eucaristia e um sacerdócio ministerial, inaugurando uma Nova Aliança que se daria com seu Sangue na Cruz em remissão dos pecados. Esse é o sacramento do amor que é Jesus presente, que se doa, que se dá de comer é a Eucaristia. 

A Igreja através dos santos padres resolveu criar um dia especial para celebrar o Corpo e Sangue de Cristo. Um dia todo voltado a Jesus vivo e presente na Eucaristia. Um dia especial e louvor e adoração ao Senhor Jesus Eucarístico.

É bom não se esquecer que Ele mesmo, o Senhor Jesus quis estar presente em nosso meio após sua ressurreição e ascensão. Para isso, para estar conosco, caminhar conosco é que Jesus instituiu a Eucaristia. Ela é a festa da união que foi instituído justamente em um jantar, o jantar da Páscoa judaica. Jesus sentiu um grande desejo de celebrar a ceia com seus discípulos. Não podia mais adiar, pois Ele queria de tal forma instituir esse grande sacramento por amor a nós.



Vamos recordar quando o Evangelho segundo João relata o discurso de Jesus sobre o "Pão da Vida". Ele afirma:
"Eu sou o Pão da vida!" ... "Eu sou o Pão da vida: quem vem a mim não terá fome e aquele que crê em mim jamais terá sede."  ... "Eu sou o pão que desceu do céu"... , "... Se não comerdes da carne e beberdes o meu sangue não tereis vida em vós mesmos."   (Cf. Jo 6, 35.53) 
Naquela ocasião os discípulos e os fariseus ficaram escandalizados porque pensavam como ele se dá se comer? Pois isso seria canibalismo. Diziam: Isto é muito duro, quem pode admitir tal coisa?  (Cf. Jo 6, 60).
Não era possível isso e achavam que Jesus estivesse louco. Não entenderam o que Jesus queria dizer. Mas, na verdade, Jesus não tinha ainda concluído sua obra ele apenas estava profetizando o que faria depois antes de morrer e ressuscitar. Falava da Eucaristia. 

Jesus instituindo a Eucaristia quis fazer uma Nova Aliança conosco. Então ela é o centro da vida cristã, sinal desta Aliança nova que Jesus fez com seu sangue derramado na Cruz. Jesus que doou sua vida por nós continua se doando neste Sacramento por amor aos homens, para entrarmos sempre em comunhão com Ele.


Ele deixa bem claro: Ao pão: "Isto é o meu Corpo!" ; Ao vinho:  "Isto é o meu Sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós em remissão dos pecados!"; O Mandamento: "Fazei isto em minha memória!" (Mt 25, 26-28)
Então a Eucaristia é o memorial da Páscoa de Jesus? - Sim é. Mas nela está presente o próprio Cristo. Este "É" indica o tempo presente, o agora, Jesus se faz presente na Eucaristia.

Vamos recordar na Primeira Aliança de Deus com Moisés no monte Horeb, quando, perguntando qual nome era o seu Deus disse:


Eu sou Javé (e não Jeová), que significa AQUELE QUE "É" ou: EU SOU AQUELE QUE SOU. Deus usa o presente do indicativo. Deus é o agora a realidade presente. (Cf. Ex3, 13-15)
Jesus sendo o Filho Unigênito de Deus, usa o mesmo termo no presente do indicativo: "É" na hora de instituir a Eucaristia. Jesus é Deus e como Deus É eterno. Em outras palavras Jesus quer dizer: "sou Eu neste Pão e neste Vinho!"  "O que vocês vão receber agora estão presente meu Corpo e meu Sangue". 


UM ESCLARECIMENTO

Os nossos irmãos separados, por não possuírem o sacramento da Ordem, celebram apenas o memorial da ceia de Jesus. Isto é, fazem uma lembrança daquela última ceia de Jesus, comem o pão e bebem o vinho. Mas ali não existe a Eucaristia, ou seja, a presença de Jesus Sacramenatado. Por quê?
Por que os reformadores se rebelaram contra a verdadeira Igreja de Cristo e separando-se do Corpo de Cristo foram excomungados, isto é, foram desligados da Igreja pelo Papa e perderam o direito de celebrar a Missa e consagrar as santas espécies do pão e do vinho a Eucaristia.
Nós cristãos Católicos Apostólicos Romanos, pertencemos a única Igreja verdadeira fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo, por isso não só celebramos o memorial (e esse memorial diferente do outro atualiza o sacrifício de Jesus na Cruz em todas as Missas) a Paixão  Morte e Ressurreição de Jesus, como também temos Jesus Eucarístico presente em nosso meio. 
O tema é propício por que quantos de nós saímos da verdadeira Igreja de Cristo para buscarmos as seitas que não podem oferecer a nós esse sacramento de amor?  

Não é necessário que Jesus venha de novo várias vezes para morrer e ressuscitar. A Salvação aconteceu uma vez e vale por toda eternidade. Mas ela se perpetua todas as vezes na Eucaristia. é comungando de Jesus Eucarístico, vivenciando a palavra de Deus que somos portadores desta salvação.


Jesus presente no Sacramento da Eucaristia quer e deseja que nós o comungamos, quer morar dentro de nós para que façamos sempre esta comunhão entre nós e o Pai.
Sua aliança conosco consiste que sejamos todos irmãos e que amemos uns aos outros como ele nos amou. Essa irmandade passa por dois sacramentos: O batismo e a Eucaristia. Pelo batismo nos tornamos filhos de Deus e membros da Igreja. Pela Eucaristia nos sustenta para que vivendo como verdadeiros filhos do alto possamos chegar a Igreja celeste. 

A Eucaristia tem esse objetivo: poder nos sustentar aqui na terra para vivermos definitivamente com Jesus no céu. Por isso Jesus antecipa para nós esse dia e nos dá a graça de estarmos junto dele já aqui neste mundo.


Jesus se faz nosso alimento. Ele nos sustenta para sermos vencedores contra as forças do mal que nis impedem de chegar a Deus. Jesus sabe de nossas fraquezas, por isso compadecendo-se de nós pecadores quis através da Eucaristia ser o remédio e sustento de nossa vida. Porque ela não só tem poder de nos curar fisicamente mas sobretudo espiritualmente. Por isso ela é o remédio da alma. Jesus mesmo disse: "Os sãos não precisam de médico"... , ...Eu vim não para os justos mas para os pecadores." (Mc 2,17)   - Jesus é aquele que vem nos curar através da Eucaristia, remédio e sustento do corpo e da alma.




Devemos sempre comungar, mas, se estivermos preparados.

DEVEMOS ESTAR LIMPOS PARA PARTICIPAR E RECEBER O CORPO E SANGUE DO SENHOR. (1Cr 11, 17-34) Se não estivermos preparados, a Igreja permite que façamos a comunhão espiritual. Isto é que desejemos no íntimo de nosso ser que Jesus venha ficar conosco.

Vamos pensar que o pecado é uma ferida que precisa ser tratada. É preciso limpar o local do ferimento para depois tomar o remédio eficaz não é mesmo?
O tratamento desta ferida espiritual que é o pecado começa por uma boa confissão, depois é preciso tomar o "remédio" para sarar a alma ferida, isto é, a Eucaristia.

Sabemos que ao longo dos séculos muitos eucarísticos milagres aconteceram. O mais conhecido aconteceu em Lanciano, na Itália onde Jesus quis provar ser ele a estar presente na Eucaristia quando permitiu que víssemos até hoje a olho nu o seu sangue e pedaço do miocárdio, tecido do coração que se da hóstia se transformaram diante dos fiéis a mais de treze séculos. Mas essa é um milagre a parte que na qual Jesus permitiu.   

Mas, o milagre da transubstanciação do pão e do vinho em Corpo e Sangue de Jesus acontece em todas as missas, não vemos com nossos olhos humanos senão pelos olhos da fé. Assim ninguém precisa praticar o canibalismo. Se olharmos a Hóstia Consagrada ela continuará sendo a Hóstia com a mesma substância farinha e água. E o Vinho consagrado também, mas, a Eucaristia é com os olhos da fé que O vemos e não com os olhos humanos. A esse respeito Jesus disse a Tomé: "Crerdes porque me vistes?" Bem-aventurado os que creem sem terem visto!" (Jo 21, 29) ... Ou seja, para os crentes não é necessário que vejamos Jesus em sua Carne e seu Sangue fisicamente para crer.  


 IMPORTANTE DIZER

Lembremos também da Antiga Aliança de Deus com o povo de Deus através de Moisés. Deus Mandou construir uma ARCA, onde nela guardaria os Dez Mandamentos. Mas, a ARCA DA ALIANÇA como foi chamada, também Deus estava presente e manifestava seu poder através dela. 
Quando o povo de Deus precisava falar com Ele, eles iam se prostravam.
Através dos sumos-sacerdotes Deus sempre atendia. (Cf. Ex 25, 10.22); Com a construção do Templo em Jerusalém, Ela foi posta em um lugar chamado Santo dos Santos. E ali só entrava os sumo-sacerdotes. Mas depois de muitas invasões de Jerusalém a ARCA DA ALIANÇA foi roubada e desapareceu. 
Também na Nova Aliança existe a nova "ARCA DA NOVA ALIANÇA", estamos falando do SACRÁRIO onde se guarda a Eucaristia e onde Jesus está vivo, presente na hóstia consagrada, por isso em todas as Igrejas Jesus está presente a nossa espera. Mas ... e os dez Mandamentos? ... esse Jesus resumiu em um só, o AMOR - (Cf. Jo 15,9-11.12). Quem ama a Deus e ao próximo na verdade cumpre todos os Mandamentos. O Sacrário também é uma arca, porém, nele está o tesouro dos tesouros, Jesus presente na Hóstia Consagrada, isto é, na Eucaristia. Em muitos lugares, sobretudo nas igrejas maiores o Sacrário com Jesus Eucarístico se encontra em um lugar especial, uma capela à parte, que chamamos de "Capela do Santíssimo Sacramento" - e em outras igrejas onde não existe esta capela o Sacrário com Jesus Eucarístico se encontra logo na frente ou no "Altar-mor".
Quando há adoração do Santíssimo, o Padre retira o corpo do Senhor do Sacrário e o coloca no ostensório (lugar onde se coloca o Santíssimo Sacramento para exposição e adoração). Ou então o padre pode retirar a âmbula de dentro do Sacrário e expor a Eucaristia para adoração no altar. 

OBSERVAÇÃO: O Sacrário não é a Eucaristia, a Eucaristia que é guardada no sacrário. Portanto, na hora da comunhão é comum deixar o sacrário aberto de forma que todos percebam que Jesus não está lá, foi levado para que seja dado em comunhão. É importante observar isso porque já vi muitos católicos se ajoelharem diante do Sacrário vazio. Assim como depois de comungar Jesus na Eucaristia não é necessário se ajoelhar novamente em frente ao Sacrário, pois, recebendo Jesus na Eucaristia ele está dentro de você.   

Na benção do Santíssimo, comum em todas as adorações, é dada pelo sacerdote, momento de muito respeito, baixamos a cabeça para recebê-la. Assim como ao entrarmos em uma igreja devemos manter o silêncio em sinal de respeito, pois,  está ali, presente Jesus Sacramentado.

POR QUE ADORAMOS JESUS NO SANTÍSSIMO SACRAMENTO?  Por que Jesus é Deus em primeiro lugar. Ele é a segunda pessoa da Santíssima Trindade. A adoração é feita não diretamente às espécies pão e vinho, mas à Eucaristia, isto é ao Corpo e Sangue de Cristo, e no qual, Jesus está presente em Corpo, Sangue, Alma e Divindade. Não adoramos os santos, nem a Virgem Maria porque eles não são deuses. Adoramos sim, a um único Deus em três pessoas  distintas, a Santíssima Trindade: O Pai, o Filho (Jesus) e o Espírito Santo. Por isso que volto a repetir: A Deus, somente se deve adorar os demais como os santos devemos venerar. Não podemos nos ajoelhar diante da estátua de um santo, mas ajoelhamos diante de Jesus Sacramentado porque ele está ali, presente na Eucaristia. Portanto, se a Eucaristia fosse apenas um memorial, ou seja, uma lembrança, também não podíamos ajoelhar. Diante o sacerdote, do bispo também quando na liturgia ao passar em frente do Altar baixamos a cabeça em sinal de respeito, pois o Altar representa o calvário e é a mesa da ceia, onde se celebra a Eucaristia (Jesus se torna sacerdote, altar e cordeiro sem pecado por nós), o Ambão (também conhecido como mesa da Palavra), onde se lê e transmite a Palavra de Deus; e o sacerdote o bispo (sucessor dos apóstolos) representa Jesus. Mas e quando as pessoas ajoelham diante do Santo Padre, isso não é idolatria? - Não! quando ajoelhamos diante do Papa, na verdade estamos reconhecendo a própria divindade e a presença de Cristo ali (e não a pessoa do Papa diretamente), onde ele é o (Chefe da Igreja) representante de Jesus Cristo na Terra e o sucessor de São Pedro. Quando se ajoelha diante do Papa nós estamos reconhecendo Jesus como único Senhor  e Salvador. A  Cabeça da Igreja que é Cristo, e cujo o Papa é pela autoridade de Cristo seu legítimo chefe. A EUCARISTIA NÃO É UM MEMORIAL SIMPLESMENTE MAS ELA É O PRÓPRIO JESUS EM CORPO, SANGUE, ALMA E DIVINDADE.              






TÃO SUBLIME SACRAMENTO ADOREMOS NESTE ALTAR,
POIS O NOVO TESTAMENTO DEU AO NOVO SEU LUGAR.
VENHA A FÉ POR SUPLEMENTO OS SENTIDOS COMPLETAR.

AO ETERNO DEUS CANTEMOS, E A JESUS O SALVADOR,
AO ESPÍRITO EXALTEMOS NA TRINDADE ETERNO AMOR.
AO DEUS UNO E TRINO DEMOS A ALEGRIA DO LOUVOR.

AMÉM! 





     



domingo, 11 de maio de 2014

A IMPORTÂNCIA DE SER BEM EDUCADO


"É NOS PEQUENOS GESTOS E ATITUDES PRATICADAS NO DIA A DIA QUE DAMOS EXEMPLO DE BOA EDUCAÇÃO".

No tempo em que vivemos parece estranho lembrar do modo que fomos criados, aprendemos regras e boas maneiras de nossos pais, num mundo cada vez mais corriqueiro onde todos tem pressa de alguma coisa é bom lembrar que tais regras não caíram em desuso.

Isto é, ter boas maneiras é tão importante quanto almoçar ou jantar não podemos ficar sem elas nem deixar de praticá-las seja em nosso lar, seja em nosso ambiente familiar. Sem elas será muito difícil manter nossas relações interpessoais sobretudo em ambiente coletivo: trabalho, escola, lazer, igreja, etc.

Me lembro a trinta anos atrás de meus professores do primário e depois no fundamental nos cobrava sempre de ter boas maneiras ou seja de ser bem educado e até hoje procuro exercê-las.
Mas, como é importante ser educado e como é bom encontrar e conviver com pessoas educadas. Parece que isso caiu em desuso hoje quando as pessoas só se lembram de ser educadas para seus interesses próprios e não por uma formação familiar ou escolar. Ou seja, os patrões exigem dos funcionários uma boa educação, um bom atendimento aos clientes, mas quando sai do ambiente aquelas regras passam a não ser seguidas lá fora. A pessoa esquece de manter as regras de boa educação, isso vemos claramente até no trânsito nas grandes metrópoles. 
E na família mantém-se as aparências para os outros lá fora, mas, dentro das quatro paredes esposo, esposa e filhos parecem todos estranhos, selvagens brigando entre si disputando a casa, os filhos e até mesmo um espaço. "Lobo em pele de cordeiro". E não chegam a nenhum acordo e tudo vira uma guerra sem saber quem tem razão.
Aqui não falo nem em regras de etiqueta. Saiba que uma pessoa educada (aqui não falo de formação escolar) pode vencer na vida. Isso acontece porque a boa educação não está ligada a status mas a uma profunda experiência de vida. Mas também está ligada à cultura e aos laços familiares profundos, ou seja "a educação vem de berço".
É bom que pensemos nisso todas as vezes que vamos nos por diante das pessoas e dos lugares dentro de nossos relacionamentos interpessoais. Ou até mesmo no namoro, noivado, casamento... As regras de boa educação devem nos acompanhar a  vida toda.Por isso vamos listar aqui algumas coisas que devemos observar e praticar no dia a dia:



CUMPRIMENTAR, ACOLHER -  Dar o aperto de mão, o abraço, o beijo, é dizer bom dia, boa tarde, boa noite, como vai, seja bem-vindo, vai com Deus, bom descanso, bom feriado, feliz aniversário, ... Sempre dando um sorriso. Isso faz com que a pessoa se sinta bem e até melhore seu humor. Não custa nada dizer e faz muito bem.

SER AGRADECIDO E GENEROSO - Dizer muito obrigado não deve ser uma regra apenas, não deve ser uma prestação de serviço, mas, deve ser um gesto de gratitude. Se somos gratos para com Deus, devemos ser gratos com aqueles que de certa forma contribuem com nossa vida em qualquer coisa. O gesto da gratitude fará com que o outro sinta valorizado e ao mesmo tempo incentiva a pessoa a continuar sendo assim. Por outro lado, devemos ser generosos a exemplo de Jesus Cristo que veio para servir. Devemos ajudar as pessoas não por interesse mas porque nos faz bem e nos aproxima de Jesus o servo dos servos.

NÃO FAÇA AOS OUTROS O QUE VOCÊ NÃO GOSTARIA QUE ACONTECESSE COM VOCÊ - Não temos o direito de prejudicar ninguém, nem com palavras, gestos ou ações. Isso vale em qualquer situação da vida, sobretudo, quando vamos conseguir um emprego, uma promoção. Evite entregar a cabeça de alguém por dinheiro ou por status social.
CORDIALIDADE - É importante ser cordial na hora de receber uma pessoa. Ser cordial é colocar-se à disposição para ajudar, para acolher, para informar. Isso vale na hora de atender o telefone, a porta, o balcão da loja etc. Estar à disposição do outro, sempre que puder requer de nós um gesto de amor e cordialidade. Disponibilizando-nos estamos sendo generosos assim como é generosa a graça de Deus através de Jesus. Não custa nada ser gentil, amigo e companheiro.
PONTUALIDADE - É bom poder contar com a pontualidade das pessoas. Relógio foi feito para nos ajudar na pontualidade. É bom ser pontual também e também é bom contar com pessoas que chegam em seu trabalho e compromissos pontualmente.
ORGANIZAÇÃO - Molhou? seque! - Sujou? limpe - Bagunçou? arrume! - seja organizado. A organização nos ajuda e tornar avida mais fácil para a gente e para os outros.
RESPONSABILIDADE - Uma pessoa responsável é aquela cumpridora de seus deveres, se você recebe uma tarefa, uma missão é porque foi digno de desempenhar aquele papel ou aquele serviço. Seja responsável no que diz, nas atitudes que toma agindo com fidelidade e coerência. Uma pessoa responsável é uma pessoa que honra os seus compromissos.
SOLIDARIEDADE - A solidariedade faz parte da boa educação, não é apenas sensibilizar-se, nem gestos de comoção. Mas é estar a disposição. É um gesto cristão nobre de quem presta a solidariedade. A exemplo de Jesus que não só se compadeceu, mas, ajudou a todos que o procurava, devemos ser solidários com todos sem distinção. Uma pessoa educada é capaz de ser solidário porque compreende que todos merecem uma atitude, um gesto de amor.
EVITAR FOFOCAS e BOATOS - A intriga, a fofoca não faz bem pra ninguém, não devemos falar mal das pessoas, nem dos nossos vizinhos. Ter cuidado com o que falamos por aí pode evitar muitos problemas. Saiba que a maioria do crimes acontece por causa fofocas e boatos.
RESPEITO COM AS PESSOAS IDOSAS E OS DEFICIENTES FÍSICOS - Como é bom ver pessoas que respeitam o direito dos idosos e dos deficientes físicos. Aqui também se aplica o mesmo respeito com as gestantes. Lembre-se que vamos ficar um dia idosos, e qualquer um de nós pode um dia por algum problema ficar deficiente. Então você vai querer ter o mesmo respeito. Portanto, uma pessoa educada ajuda, da lugar, ao idoso ao deficiente físico, à gestante. Ajuda o velhinho a atravessar a rua, a empurrar a cadeira de rodas, não estaciona nas vagas preferenciais dos deficientes, etc... 
USAR O BOM SENSO -Usar o bom senso é o mesmo que não querer participar de situações em que você pode se expor à brigas e ao ridículo. É preciso contar até 1.000 antes de tomar alguma atitude. Quantas vidas se perdem porque as pessoas não usam do bom senso na hora das decisões, sobretudo aquelas mais difíceis. Isso vale até para evitar uma briga ou na hora de fazer uma negociação. A pergunta nesses casos é: Será que vale a pena esta minha decisão? será que não vou me arrepender mais tarde?
AGIR COM JUSTIÇA E FALAR VERDADE - Implica que falemos sempre a verdade custe o que custar. A verdade deve ser dita por mais que doa, ela pode no momento nos fazer sofrer,mas, não mata. Já a mentira mata sem dói não tem razão alguma. Por outro lado está a Justiça. Praticar a justiça pois, o justo merece o reino de Deus. Devemos dar a chance do outro se defender, se explicar. Reconhecer o direito das pessoas também é forma de praticar a justiça. Lembre-se que o meu direito termina onde começa o do outro.
SER COMPREENSÍVEL - saber compreender o outro é "colocar-se no sapato do outro" e entender as diversas situações, estar presente, estar do lado, saber ouvir o que a pessoa tem a dizer e não apenas escutar.
SE PROMETER CUMPRA - ninguém é obrigado a prometer, mas, se prometer cumpra. Seja uma pessoa de que cumpre a sua palavra. Lembre-se que Deus sempre cumpre as promessas para conosco. Talvez a falta de cumprir o que promete seja o erro mais comum nos dias de hoje.
SORRIR - Sorria sempre, como é bom encontrar pessoas que mesmo diante das dificuldades estampam um sorriso no rosto. O sorriso faz um bem enorme a pessoa que sorri, mas também faz muito bem a pessoa que recebe o sorriso. O sorriso transmite a felicidade. Levando a você e ao outro a ter um dia produtivo.
BOA CONVERSA - Devemos evitar palavras de baixo calão, gírias etc. Como é bom conversar com alguém que possui palavras sadias e francas. Evite piadas de mal gosto, evite também comentários e chacotas.
EVITAR ESCÂNDALOS- Jesus Cristo criticou os fariseus porque eles se escandalizavam e faziam os outros se escandalizarem. Uma pessoa escandalosa além de assustar os outros também causa um mal estar no ambiente. Os escândalo incomodou até Jesus Cristo. Isso vale também quanto ao pudor. Saber se portar, como vestir. A falta de pudor das pessoas é como um câncer que a moda espalha hoje em dia. Jesus disse que não temos o direito de nos escandalizarmos nem ser causa de escândalo, pois, dentro de nós habita o Espírito Santo de Deus que merece ser respeitado.
HUMILDADE - A pessoa humilde não é aquela pessoa boba, que aceita tudo, que apanha e não reclama... pessoa humilde é aquela que reconhece seu lugar e age com temperança, ela age com paciência, com calma, mansidão e mansidão. A pessoa humilde embora pareça estar por baixo em certas situações, sempre está por cima porque conseguirá obter um equilíbrio para a sua vida. Jesus disse que para entrarmos no reino de Deus devemos ser mansos e humildes. Ser humilde não é estar desatento, ser bobo, ou baixar a cabeça, mas é agir mais com o coração do que com o físico, é temperar a razão e a emoção. Não é quele que aceita tudo ou se conforma com tudo mas é aquele que age com sobriedade. Dentro da humildade é saber reconhecer seu lugar, seu erro, é aquele ser humano com erros e acertos,mas que procura sempre se corrigir.
EVITAR USO DE APELIDOS - Tem gente que gosta de ser chamado pelo apelido. Mas tem gente que não gosta. Então,uma pessoa educada sempre chama o outro pelo nome. Lembre-se que todos possuem um nome de batismo e é pelo seu nome que a pessoa deve ser chamado. A menos que a pessoa aceite ser chamada por seu apelido. Se você não sabe o nome, informe, pergunte: como devo tratá-lo(a)? senhor, senhora, senhorita, você?... em caso de autoridade sempre usar a forma de tratamento nos casos em que se exige, por exemplo: Vossa Excelentíssima (doutores, políticos), Vossa Reverendíssima (para padres). Vossa Eminência (para bispos, cardeais), Sua Santidade (para o Papa); Vossa Meritíssima (para juízes), etc. Como é bom tratar as pessoas pelo nome a quem de direito lhe pertence . Evitar as piadas, conversas de mal gosto pois tem pessoas que não aceitam.

EVITAR O PRECONCEITO - O preconceito hoje é crime pela Lei Federal. Independente disso uma pessoa educada é aquela que reconhece que todos são iguais. Que merecem respeito não importa cor, raça ou credo.
Uma pessoa deve ser medida pelo caráter e não pela cor da peleou razão social.
PRESERVAR O MEIO AMBIENTE - Uma pessoa educada preserva o meio ambiente, não jogando lixo no chão, nem contaminando a água, o ar e o ambiente em que se vive. Evita o desperdício e contribui para o bem da natureza dando o fim que se deve ao lixo doméstico, industrial e hospitalar. Sempre possível separando os materiais recicláveis. Se você for educado com a natureza ela também será educada com você.

DIÁLOGO - Uma pessoa educada está sempre aberta ao diálogo, a briga deve ser evitada porque não leva a nada; você pode até discutir desde que a discussão for sem brigas feita com respeito. Por trás de todas as boas decisões está um bom diálogo.

Aí estão algumas das ferramentas para praticar uma boa educação. Que tal começar agora?
É nos pequenos gestos e atitudes que praticamos no dia a dia que damos exemplos de boa educação.
   

quinta-feira, 1 de maio de 2014

BEATOS JOÃO XIII E JOÃO PAULO II - SÃO CANONIZADOS NO VATICANO PELO SANTO PADRE FRANCISCO I


BIOGRAFIA DO PAPA JOÃO XIII
(SÃO JOÃO XIII)



Nasceu no dia 25 de Novembro de 1881 em Sotto il Monte, diocese e província de Bérgamo (Itália), e nesse mesmo dia foi baptizado com o nome de Angelo Giuseppe; foi o quarto de treze irmãos, nascidos numa família de camponeses e de tipo patriarcal. Ao seu tio Xavier, ele mesmo atribuirá a sua primeira e fundamental formação religiosa. O clima religioso da família e a fervorosa vida paroquial foram a primeira escola de vida cristã, que marcou a sua fisionomia espiritual.
Ingressou no Seminário de Bérgamo, onde estudou até ao segundo ano de teologia. Ali começou a redigir os seus escritos espirituais, que depois foram recolhidos no "Diário da alma". No dia 1 de Março de 1896, o seu director espiritual admitiu-o na ordem franciscana secular, cuja regra professou a 23 de Maio de 1897.
De 1901 a 1905 foi aluno do Pontifício Seminário Romano, graças a uma bolsa de estudos da diocese de Bérgamo. Neste tempo prestou, além disso, um ano de serviço militar. Recebeu a Ordenação sacerdotal a 10 de Agosto de 1904, em Roma, e no ano seguinte foi nomeado secretário do novo Bispo de Bérgamo, D. Giacomo Maria R. Tedeschi, acompanhando-o nas várias visitas pastorais e colaborando em múltiplas iniciativas apostólicas:  sínodo, redacção do boletim diocesano, peregrinações, obras sociais. Às vezes era também professor de história eclesiástica, patrologia e apologética. Foi também Assistente da Acção Católica Feminina, colaborador no diário católico de Bérgamo e pregador muito solicitado, pela sua eloquência elegante, profunda e eficaz.
Naqueles anos aprofundou-se no estudo de três grandes pastores:  São Carlos Borromeu (de quem publicou as Actas das visitas realizadas na diocese de Bérgamo em 1575), São Francisco de Sales e o então Beato Gregório Barbarigo. Após a morte de D. Giacomo Tedeschi, em 1914, o Pade Roncalli prosseguiu o seu ministério sacerdotal dedicado ao magistério no Seminário e ao apostolado, sobretudo entre os membros das associações católicas.

Em 1915, quando a Itália entrou em guerra, foi chamado como sargento sanitário e nomeado capelão militar dos soldados feridos que regressavam da linha de combate. No fim da guerra abriu a "Casa do estudante" e trabalhou na pastoral dos jovens estudantes. Em 1919 foi nomeado director espiritual do Seminário.

Em 1921 teve início a segunda parte da sua vida, dedicada ao serviço da Santa Igreja. Tendo sido chamado a Roma por Bento XV como presidente nacional do Conselho das Obras Pontifícias para a Propagação da Fé, percorreu muitas dioceses da Itália organizando círculos missionários.

Em 1925, Pio XI nomeou-o Visitador Apostólico para a Bulgária e elevou-o à dignidade episcopal da Sede titular de Areopolis.

Tendo recebido a Ordenação episcopal a 19 de Março de 1925, em Roma, iniciou o seu ministério na Bulgária, onde permaneceu até 1935. Visitou as comunidades católicas e cultivou relações respeitosas com as demais comunidades cristãs. Actuou com grande solicitude e caridade, aliviando os sofrimentos causados pelo terremoto de 1928. Suportou em silêncio as incompreensões e dificuldades de um ministério marcado pela táctica pastoral de pequenos passos. Consolidou a sua confiança em Jesus crucificado e a sua entrega a Ele.

Em 1935 foi nomeado Delegado Apostólico na Turquia e Grécia:  era um vasto campo de trabalho. A Igreja tinha uma presença activa em muitos âmbitos da jovem república, que se estava a renovar e a organizar. Mons. Roncalli trabalhou com intensidade ao serviço dos católicos e destacou-se pela sua maneira de dialogar e pelo trato respeitoso com os ortodoxos e os muçulmanos. Quando irrompeu a segunda guerra mundial ele encontrava-se na Grécia, que ficou devastada pelos combates. Procurou dar notícias sobre os prisioneiros de guerra e salvou muitos judeus com a "permissão de trânsito" fornecida pela Delegação Apostólica. Em 1944 Pio XII nomeou-o Núncio Apostólico em Paris.

Durante os últimos meses do conflito mundial, e uma vez restabelecida a paz, ajudou os prisioneiros de guerra e trabalhou pela normalização da vida eclesial na França. Visitou os grandes santuários franceses e participou nas festas populares e nas manifestações religiosas mais significativas. Foi um observador atento, prudente e repleto de confiança nas novas iniciativas pastorais do episcopado e do clero na França. Distinguiu-se sempre pela busca da simplicidade evangélica, inclusive nos assuntos diplomáticos mais complexos. Procurou agir sempre como sacerdote em todas as situações, animado por uma piedade sincera, que se transformava todos os dias em prolongado tempo a orar e a meditar.

Em 1953 foi criado Cardeal e enviado a Veneza como Patriarca, realizando ali um pastoreio sábio e empreendedor e dedicando-se totalmente ao cuidado das almas, seguindo o exemplo dos seus santos predecessores:  São Lourenço Giustiniani, primeiro Patriarca de Veneza, e São Pio X.

Depois da morte de Pio XII, foi eleito Sumo Pontífice a 28 de Outubro de 1958 e assumiu o nome de João XXIII. O seu pontificado, que durou menos de cinco anos, apresentou-o ao mundo como uma autêntica imagem de bom Pastor. Manso e atento, empreendedor e corajoso, simples e cordial, praticou cristãmente as obras de misericórdia corporais e espirituais, visitando os encarcerados e os doentes, recebendo homens de todas as nações e crenças e cultivando um extraordinário sentimento de paternidade para com todos. O seu magistério foi muito apreciado, sobretudo com as Encíclicas "Pacem in terris" e "Mater et magistra".

Convocou o Sínodo romano, instituiu uma Comissão para a revisão do Código de Direito Canónico e convocou o Concílio Ecuménico Vaticano II. Visitou muitas paróquias da Diocese de Roma, sobretudo as dos bairros mais novos. O povo viu nele um reflexo da bondade de Deus e chamou-o "o Papa da bondade". Sustentava-o um profundo espírito de oração, e a sua pessoa, iniciadora duma grande renovação na Igreja, irradiava a paz própria de quem confia sempre no Senhor. Faleceu na tarde do dia 3 de Junho de 1963.

Fonte: (Site do Vaticano)



BIOGRAFIA DO PAPA JOÃO PAULO II
(SÂOJOÃO PAULO II)


Karol Józef Wojtyła , conhecido como João Paulo II desde sua eleição em outubro 1978 para o papado, nasceu na cidade polonesa de Wadowice, uma pequena cidade a 50 quilômetros de Cracóvia, em 18 de maio de 1920. Ele era o mais novo de três filhos de Karol Wojtyla e Emilia Kaczorowska. Sua mãe morreu em 1929. Seu irmão mais velho Edmund, um médico, morreu em 1932 e seu pai, um oficial do Exército não comissionado morreu em 1941. Uma irmã, Olga, tinha morrido antes de ele nascer. Ele foi batizado em 20 de
junho, 1920 na igreja paroquial de Wadowice pelo Padre. Franciszek Zak, fez sua Primeira Comunhão aos 9 anos e foi confirmada aos 18 anos. Após a formatura de Marcin Wadowita ensino médio em Wadowice, matriculou-se na Jagiellonian University de Cracóvia em 1938 e em uma escola de teatro. As forças de ocupação nazista fecharam a Universidade, em 1939, o jovem Karol teve que trabalhar em uma pedreira (1940-1944) e depois na fábrica química Solvay para ganhar a vida e evitar a deportação para a Alemanha. Em 1942, consciente de seu chamado ao sacerdócio, ele começou a cursos no seminário clandestino de Cracóvia, dirigido pelo Cardeal Adam Stefan Sapieha, arcebispo de Cracóvia. Ao mesmo tempo, Karol Wojtyla foi um dos pioneiros da "Rapsódico Theatre", também clandestino. Após a Segunda Guerra Mundial, ele continuou seus estudos no Seminário Maior de Cracóvia, uma vez que tinha reaberto, e na Faculdade de Teologia da Universidade Jagiellonian. Ele foi ordenado sacerdote pelo Arcebispo Sapieha em Cracóvia no dia 1 de novembro de 1946. Pouco tempo depois, o Cardeal Sapieha lhe enviou a Roma, onde trabalhou sob a direção do dominicano francês Garrigou-Lagrange.Ele terminou seu doutorado em teologia em 1948 com uma tese sobre o tema da fé nas obras de São João da Cruz (Doctrina de fide apud Sanctum Ioannem um Cruce). Naquela época, durante as férias, ele exerceu seu ministério pastoral entre os imigrantes poloneses da França, Bélgica e Holanda. Em 1948, ele voltou à Polônia e foi vigário de diversas paróquias de Cracóvia, bem como capelão para estudantes universitários. Este período durou até 1951, quando ele retomou seus estudos em filosofia e teologia. Em 1953, ele defendeu uma tese sobre "Avaliação da possibilidade de fundar uma ética católica sobre o sistema ético de Max Scheler" Universidade Católica de Lublin. Mais tarde tornou-se professor de Teologia Moral e Ética Social no seminário maior de Cracóvia e na Faculdade de Teologia de Lublin. Em 4 de julho de 1958, ele foi nomeado bispo titular de Ombi e auxiliar de Cracóvia pelo Papa Pio XII, e foi consagrado 28 de setembro de 1958, na Catedral de Wawel, Cracóvia, pelo Arcebispo Eugeniusz Baziak. Em 13 de janeiro de 1964, foi nomeado arcebispo de Cracóvia pelo Papa Paulo VI, que o cardeal fez 26 de junho de 1967 com o título de S. Cesareo em Palatio da ordem dos diáconos, mais tarde elevada pro illa vice-à ordem dos padres. Além de participar do Concílio Vaticano II (1962-1965), onde fez uma importante contribuição para a elaboração da Constituição Gaudium et spes, o Cardeal Wojtyla participou de todo o assembléias do Sínodo dos Bispos. Os cardeais elegeram Papa no Conclave de 16 de outubro de 1978, e tomou o nome de João Paulo II. Em 22 de outubro, o Dia do Senhor, ele inaugurou solenemente o seu ministério petrino como o sucessor 263 ao Apóstolo. Seu pontificado, um dos mais longos na história da Igreja, durou quase 27 anos. Impulsionada por sua solicitude pastoral para todas as Igrejas e por um sentido de abertura e de caridade para toda a raça humana, João Paulo II exerceu o ministério petrino com um espírito missionário incansável, dedicando-o toda a sua energia. Ele fez 104 visitas pastorais fora da Itália e 146 no interior da Itália. Como Bispo de Roma, visitou 317 das 333 paróquias da cidade. Ele tinha mais reuniões do que qualquer um de seus antecessores com o Povo de Deus e os líderes das nações. Mais de 17.600.000 peregrinos participaram das audiências gerais realizadas às quartas-feiras (mais de 1160), sem contar outras audiências especiais e cerimônias religiosas [mais de 8 milhões de peregrinos durante o Grande Jubileu do Ano 2000 sozinho], e os milhões de fiéis que ele conheceu durante as visitas pastorais na Itália e em todo o mundo. Devemos lembrar também as inúmeras personalidades do governo que ele encontrou durante 38 visitas oficiais, 738 audiências e reuniões com chefes de Estado e 246 audiências e encontros com primeiros-ministros. Seu amor para os jovens levou-o a estabelecer as Jornadas Mundiais da Juventude. Os 19 JMJ celebrada durante o seu pontificado, reuniu milhões de jovens de todo o mundo. Ao mesmo tempo, seus cuidados para a família foi expressa nos Encontros Mundiais das Famílias, que se iniciou em 1994. João Paulo II incentivou com sucesso o diálogo com os judeus e com os representantes de outras religiões, a quem ele várias vezes convidados para as reuniões de oração para paz, especialmente em Assis. Sob sua direção a Igreja preparou-se para o terceiro milênio e celebrou o Grande Jubileu do ano 2000, em conformidade com as instruções contidas na Carta Apostólica Tertio adveniente Millennio. Então, a Igreja enfrentou a nova época, recebendo suas instruções na Carta Apostólica Novo millennio ineunte, na qual ele indicou aos fiéis o seu caminho futuro. Com o Ano da Redenção, o Ano Mariano eo Ano da Eucaristia, promoveu a renovação espiritual da Igreja. Ele deu um impulso extraordinário às canonizações e beatificações, com foco em inúmeros exemplos de santidade como um incentivo para que as pessoas do nosso tempo. Ele comemorou 147 cerimônias de beatificação, durante o qual ele proclamou 1338 beatos; e 51 canonizações para um total de 482 santos. Ele fez Teresa do Menino Jesus um doutor da Igreja. Ele expandiu consideravelmente o Colégio dos Cardeais, criando 231 Cardeais (mais um in pectore) em 9 consistórios. Ele também pediu seis reuniões plenárias do Colégio dos Cardeais. Ele organizou 15 Assembléias do Sínodo dos Bispos - seis Assembléias Gerais Ordinárias (1980, 1983, 1987, 1990, 1994 e 2001), uma Assembléia Geral Extraordinária (1985) e oito Especial Assembléias (1980,1991, 1994, 1995, 1997, 1998 (2) e 1999). Seus documentos mais importantes incluem 14 encíclicas, 15 Exortações apostólicas, 11 constituições apostólicas, 45 cartas apostólicas. Promulgou o Catecismo da Igreja Católica no luz da Tradição como autorizadamente interpretada pelo Concílio Vaticano II. Ele também reformou os códigos orientais e ocidentais de Direito Canônico, criou novas Instituições e reorganizou a Cúria Romana. como médico particular, ele também publicou cinco livros de sua autoria: "Cruzando o Limiar da Esperança" (Outubro de 1994), "Mystery Gift e , no quinquagésimo aniversário da minha ordenação como sacerdote "(Novembro de 1996)," Tríptico Romano "meditações poéticas (Março de 2003)," Levanta-te, vamo-nos "(Maio de 2004) e" Memória e Identidade "(fevereiro de 2005). À luz de Cristo ressuscitado dentre os mortos, em 2 de Abril dc 2005, às 09:37, enquanto que o sábado foi chegando ao fim e o Dia do Senhor já estava começando, a Oitava de Páscoa e Domingo da Divina Misericórdia, o amado Pastor da Igreja, John Paul II, partiu deste mundo para o Pai. Desde aquela noite até 8 de abril, data do funeral do saudoso Pontífice, mais de três milhões de peregrinos chegaram a Roma para prestar homenagem aos restos mortais do Papa. Alguns deles enfileirados até 24 horas para entrar Basílica de São Pedro. Em 28 de abril, o Santo Padre Bento XVI anunciou que o normal de cinco anos período de espera antes de começar a causa de beatificação e canonização seria dispensado para João Paulo II. A causa foi aberta oficialmente pelo Cardeal Camillo Ruini, vigário geral para a diocese de Roma, em 28 de junho de 2005.
(Fonte: Site do Vaticano)


SOBRE A CANONIZAÇÃO
  
Sua Santidade o Papa Francisco I, em cerimônia realizada na Praça São Pedro no Vaticano, no último dia 27 de abril, de 2014, proclamou santos o italiano Angelo Roncalli (Papa João XXIII) e o Polonês Karol Wojtyla ( Papa João Paulo II). 

Papa Francisco I, declarou:

"Em honra a Santíssima Trindade, pela exaltação da fé católica e pelo incremento da vida cristã, com autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e nosso, após uma longa reflexão e invocações de ajuda divina, escutando o parecer de muitos de nossos irmãos do episcopado, declaramos  e definimos como santos os beatos: João XIII e João Paulo II, e estabelecemos a toda Igreja que sejam devotamente horando entre os santos. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo". 

A proclamação foi recebida por um longo aplauso pelos gritos exaltados por mais de 500.000 fiéis na Praça São Pedro. Logo após foram apresentado os relicários com as relíquias de S. João XIII e S. João Paulo II (uma ampola contendo um pedaço de pele e sangue), foram colocadas sobre o altar.

Em homilia o Papa Francisco fez questão de afirmar que os Santos: ."..João XIII e João Paulo II, foram homens corajosos que não tiveram "medo" de contemplar Jesus Cristo e viveram os desafios do século XX. Eles tiveram a coragem de olhar as feridas de Jesus e tocar suas mãos. Não tiveram vergonha da carne de Jesus, não se escandalizaram dele, da sua cruz, não tiveram vergonha da carne do irmão..." ..."Foram sacerdotes bispos e Papas do século XX, conheceram as tragédias desse século, mas, não foram sobrecarregados por elas. O mais forte neles era a fé em Jesus Cristo Redentor e Senhor da História".

O Santo padre o Papa Francisco disse que João XIII e João Paulo II colaboraram para a recuperação da Igreja em sua fisionomia original, principalmente João XIII através do Concílio Vaticano II. João XIII foi para a Igreja um pastor e guia. Guiado pelo Espírito Santo ficou conhecido como o"Papa da docilidade do Espírito Santo" e João Paulo II, o "Papa da Família". Uma vez ele disse que gostaria de ser lembrado como o "Papa das famílias", lembrou sua Santidade o PP. Francisco.
Esteve também presente na cerimônia o Papa emérito Bento XVI.

Tão logo o Papa Francisco terminou a Missa de canonização, o arcebispo de Salvador na Bahia, D. Murilo Krieger, assinou um decreto acrescentando à Paróquia N. Sra. dos Alagados-BA, para o nome de: Paróquia Nossa Senhora dos Alagados e São João Paulo II. Essa é a primeira igreja dedicada a ele, construída em 1980 por ocasião de sua visita ao Brasil. Uma celebração eucarística ocorreu na igreja para marcar a assinatura do decreto. Na época  da visita em 1980, o Bairro dos Alagados recebeu infraestrutura como asfalto e iluminação para receber o Pontífice. Na paróquia atualmente funciona uma creche onde atende crianças pobres da região.

      Paróquia N. Sra. dos Alagados e S. João Paulo II-BA-Brasil.