domingo, 21 de agosto de 2016

A HERESIA DO ARREBATAMENTO PRE-TRIBULACIONISTA E O MILÊNIO OU MILENISMO

        Essa falsa doutrina do pré-arrebatamento tribulacionista (ou tribulacional) surgiu nos E.U.A, entre as seitas protestantes pentecostais e está se alastrando pelo mundo, inclusive até mesmo dentro da Igreja Católica Apostólica Romana há alguns que a defendem contrariando o próprio Credo de Niceia que afirma que Jesus Cristo virá uma só vez.  


        Três teorias  sobre o momento do Arrebatamento surgiram:

  1. Pré-tribulacionismo (a crença de que ocorrerá antes da Tribulação)
  2. Mesotribulacionismo (a crença de que ocorrerá na metade da Tribulação) 
  3. Pós-tribulacionismo (a crença de que ocorrerá no final da Tribulação). 


          Por que é uma falsa doutrina?

        É falsa doutrina porque prega justamente o contrário do que nos diz a Sagrada Escritura. Entra em contradição com tudo que Jesus e os Apóstolos dizem sobre o verdadeiro arrebatamento.
        Aqui vamos explicar o que é o verdadeiro arrebatamento e como não podemos nos deixar enganar pelas falsas doutrinas. 
         O falso arrebatamento pré-tribulacionista que o protestantismo ensina é falso porque ensina que Deus arrebatará os escolhidos sem passar pela tribulação. 
       
      Segundo a Bíblia, podemos afirmar que isso é uma mentira, porque ela fala claramente e os eleitos passarão pela tribulação, como próprio Jesus Cristo passou. Só que: como Jesus venceu a tribulação e a morte, os eleitos também passarão e vencerão. 

   Para justificar a falsa doutrina, os protestantes afirmam que Deus não deixa padecer os que foram escolhidos. Mas, o que Jesus disse? "Se alguém quiser me seguir renuncie-se a sim mesmo, tome sua cruz e siga-me!" (Lc 9, 23) - Tomar a cruz é justamente padecer com cristo as tribulações e seguindo-o, vencê-las.

       Esse arrebatamento pré-tribulacionista prega que haverá três vindas de Cristo. Segundo eles, Jesus vai voltar e vai levar uma parte dos eleitos será levada antes da tribulação, vai voltar antes do milênio e depois a terceira no juízo final.

      Ou seja, é uma deturpação da Bíblia, onde ela mesma diz que Jesus voltará uma só vez para julgar os vivos e os mortos no juízo final. É o que a Bíblia ensina e o que professamos no Credo do Niceia. Portanto, não tem nenhum fundamento bíblico e teológico. 

         A Bíblia, no Novo Testamento, quando fala da Parusia ou Maranata (do original em hebraico מרנא תא, maranâ tâ, "vem, Senhor!"); usa o termo no singular: "naquele dia", "naquele tempo"; "no dia do juízo"; "quando o filho do homem vier"; "o dia da vinda,"  etc. Por exemplo: A Bíblia quando fala do dia do juízo não usa esse termo no plural, mas sim, No singular.

Porque será um só dia, não haverá outro. São Jerônimo quem traduziu bíblia, que chamamos de "a Vulgata", usa o termo em latim, "adventum Domini" ou "dia do Senhor", no singular para explicar que aquele dia será o dia do Senhor. 
             O grande problema dos protestantes e trocar o singular pelo plural nos textos bíblicos onde eles não existem. Muita coisa mudaria se eles usassem os termos da forma correta. Deturpam a bíblia simplesmente para pluralizar as pessoas e fazerem acreditarem naquilo que lhes interessam. Isso acontece quando eles tem interesse por exemplo de pluralizar os católicos quando se refere aos santos, à doutrina do purgatório, do uso das imagens, da Virgem Maria etc. E o grande erro dos católicos é não estudar a doutrina da Igreja e o catecismo, aí fica fácil acreditar nas heresias que eles ensinam. 
              Lá em Mt16, 18 - está escrito: Jesus disse: "eis que te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra, construirei a minha Igreja..."  - Jesus não disse "construirei as minhas igrejas" - Jesus fundou uma única igreja - eles, os protestantes fundaram várias igrejas, cada uma uma com placas diferentes. 

             Acontece que Jesus fundou a Igreja Católica e não uma igreja de placas como se fosse um comércio. Jesus é claro e usa o termo no singular. Uma só Igreja. A Bíblia us o artigo definido para dizer "O" Juizo Final. Quando em Mc6, 3 - se referindo a Jesus diz: "o filho de Maria" - e não um dos filhos de Maria. Mas eles colocam o termo no plural para dizer que Maria teve mais filhos depois de Jesus. Heresia pura. Então haverá uma segunda vinda única, Verbum Domini.

            Em 1Ts4, 15 - diz: "Nós que ficamos vivos até o dia do Senhor". perceba o artigo "O" no singular. 
           
     Jesus no evangelho de São Marcos e São Mateus fala da segunda vinda de Jesus como um acontecimento único. Essas seitas são tão audaciosas que querem afirmar até o dia e a hora do juízo final.

Sendo que Jesus deixa claro que nem ele mesmo sabe o dia e a hora, caberá a um ser humano usar de falsas profecias, cálculos matemáticos e falsas adivinhações saber aquilo que nem mesmo a Jesus lhe foi revelado? 

       Nos E.U.A isso é muito comum. Todas as vezes que tentam "caem do cavalo", mas continuam afrontando a Deus com essas falsas profecias.

           É uma heresia muito grande, uma afronta muito grande a Deus, vocês não acham?             Mas, isso é a base do pentecostalismo norte-americano. Aproveitam até das profecias que não são deles, como Nostradamus para difundir suas heresias. Com essas falsas profecias eles assustam o povo. Um povo assustado pode dar mais doações, como que: "Aproveitem pois este é o último dia!" Para vender falsas curas e falsos milagres.

       Mas, Jesus disse: "Minha casa será chamada casa de oração e vocês a transformaram num covil de meretrizes!" Mt21, 13

         Como que quem dar mais terá um lugar privilegiado no céu. Ora, se fosse verdade Jesus ia dar um destino a todos, ou o céu, ou o inferno segundo os desígnios de cada um, para quê eles precisariam de dinheiro. A resposta é uma só. Eles sabem que isso é uma farsa, mas isso dá lucro. Jesus não vem e suas igrejas e seus pastores ficam cada vez mais ricos.

             Mt24, 36 (Mc13,32) - Nem Jesus, nem os anjos sabem o dia e a hora do juízo final. Só Deus Pai sabe.
              Outra coisa que vemos muito, escutamos muito no meio do protestantismo é a famosa frase "Jesus voltará!"; claro que Jesus disse que vai voltar e voltará, é promessa de Deus; como não sabemos o dia e a hora ele mesmo pede para que estejamos vigilantes.

      Pode ser agora, amanhã, semana que vem, daqui a cem anos ou mil anos. Devemos ficar atentos. Mas, não podemos fechar em nosso mundinho, em nossos templos, casas e retiros esperando sua volta. É preciso trabalhar para que o reino de Deus aconteça. Os O cristão não pode ser acomodado. Não podemos fazer como os apóstolos Pedro, Tiago e João que quiseram fazer uma tenda no Monte Tabor, (se acomodar) depois de ver a glória de Deus manifestar em Jesus, vamos armar nossas tendas, tá tudo muito bom, vamos ficar por aqui. E o povo lá em baixo esperando por eles. (Lc9, 33). 

     Não! é preciso fazer a obra, não podemos esquecer que a fé sem obras é morta e que seremos justificados por elas. Hoje a gente não vê a piedade que que os santos e os apóstolos viveram e praticaram. Por isso que é muito importante que imitemos os santos também neste aspecto. Outra coisa que os protestantes não aceitam, a imitação dos santos. Mas São Paulo diz em 1Cr11, 1 "sede meus imitadores como eu sou de Cristo". 
        O Reino de Deus que Jesus vem instalar não é um reino de direita e esquerda, é uma Monarquia celeste, cheia de amor pleno. Em Ap 21, 4 Jesus nos diz que no reino de Deus ele enxugará toda lágrima, e não, haverá nem pranto, nem luto, (porque não existirá mais a morte), nem grito (porque não haverá mais sofrimento) porque passou a primeira condição, isto é, Jesus já arrebatou (uma vez) seus eleitos. 
      É a glória de Deus completa. Só irá fazer parte desse reino aquele que praticar na vida essas virtudes Fé, Esperança e Caridade. São Paulo diz que a maior de todas é a caridade, porque somente quem tem fé e esperança Deus pode amar de verdade, sem interesse o seu semelhante. E a fé sem as obras, sem amor (simbolizado pela caridade) é morta. Mas, praticada com amor leva ao Céu

            Voltando ao arrebatamento... São João e evangelista, em Ap6, 9-11 - ele diz que os santos eleitos, que já estão no céu, (os santos),  estão aguardando os irmãos que ainda vão morrer pelo testemunho de Cristo, e portanto, estes ajuntarão a eles no Céu. Ora, São João deixa claro que pela morte passarão os escolhidos na tribulação antes do Juízo Final, sem sombras de dúvidas, o texto é bem claro. Então como pode as seitas pregarem que existirá três vindas de Jesus e que haverá um arrebatamento pre-tribulacionista?
             Ap 7, 14 - "Esses são os que receberam as vestes brancas sobreviventes da tribulação". Ora como pode sobreviver se foram mortos? Mas  que São João quer dizer é que eles passaram pela tribulação e venceram em nome de Jesus. Tendo sido mortos agora no Céu foram lavados e receberam as vestes brancas, isto é, suas almas estão limpas de toda impureza. São os santos. Os Mártires que deram sua vida em prol do Evangelho. O versículo 15 diz :"Por isso estão diante do Trono", isto é, diante de Deus.
                 Ah! meus irmãos como é bom aprender as coisas da forma correta.
             Então a falsa doutrina do arrebatamento pre-tribulacionista cai por terra, é uma aberração e um atentado contra a Sagrada Escritura.
          Os Apóstolos, São João e São Pedro usam o termo no singular para se referir à vinda do Senhor. 2Pd 3, 10 ele chama "o dia do Senhor" e Jo 6, 44 - São João chamou esse dia como "o último dia". É apenas o dia da volta do Senhor. 
           2Tm 4, 8 São Paulo diz: "A coroa da justiça me está guardada, que o Senhor, justo Juiz me dará naquele dia". São Paulo não diz, "me dará naqueles últimos dias". Mas ele usa o termo no singular para expressar o Dia do Senhor.  
                  Outra coisa, os protestantes dizem que o seu povo será arrebatado sem a tribulação. Mentira. Em Mt24, 20-22 - "Se aqueles dias fossem abreviados criatura alguma escaparia, mas por causa dos escolhidos, aqueles dias serão abreviados". Ou seja, Jesus não disse que pouparia os escolhidos do sofrimento, mas ele disse que abreviaria os dias, para aliviar o sofrimento dos eleitos. É uma prova de que os escolhidos passarão pela tribulação. Não serão arrebatados antes. Isso foi uma heresia dos mesmos inventores do milenarismo. 
                  Tudo isso por causa de uma visão que uma jovem norte-americana teve. Margarete Donalds. Daí os pastores acreditaram e virou doutrina entre eles. Uma heresia, sem fundamento bíblico. E assim que nascem as heresias. Sem base bíblica, no puro achismo, no egoísmo humano. Sem base na Tradição apostólica, sem fé, sem pesquisa... apenas movida por um ímpeto, um sonho. Nem é adivinhação, é achismo puro. 
                 Lc21, 26-28 - "Quando começarem a acontecer estas coisas, reanimai-vos. Levantai vossas cabeças porque aproxima a vossa libertação." Jesus até consola os escolhidos que passarão pela tribulação. Tão real como muitos passaram por ela nos primeiros séculos do cristianismo. Então essa vinda de Jesus será única e definitiva; não existe a vinda pré-milênio, nem vinda pré-tribulacionista. No Credo de Niceia rezamos: "E de novo há de vir em sua glória para julgar os vivos e os mortos".  A doutrina da Igreja é clara e de acordo com  Evangelho.


            Percebe-se e uma pobreza teológica  do Pré-tribulacionismo; o seu desenvolvimento relativamente recente como uma "invenção" de doutrina das Igrejas´protestantes Seu ponto ponto fraco é que o Pré-tribulacionismo divide o retorno de Jesus Cristo em duas "fases" - o Arrebatamento e a Segunda Vinda. Sabemos  que a Bíblia não fala tais fases. Pelo contrário, ela mostra claramente que Jesus Cristo, sendo ele o Justo, o Santo, o Filho de Deus passou pela tribulação antes de vencer a morte. E como é que os cristãos eleitos vão ficar de fora? 

            Outra dificuldade enfrentada pela teoria pré-tribulacional é o fato de que certamente haverá santos na Tribulação (Apocalipse 13:7, 20:9). Os pré-tribulacionistas respondem a isso distinguindo os santos do Antigo Testamento e da Tribulação dos santos da igreja do Novo Testamento. Só que a Igreja ensina que os santos do Antigo Testamento já foram salvos quando Jesus consumou na Cruz o Antigo Testamento e tendo ele mesmo instituído a Nova Aliança, esse mesmo povo aguarda em comunhão com a Igreja o Juízo final. É o que professamos no Credo: "Creio na Comunhão dos Santos". Por esse mesmo Credo nós professamos aquilo que  diz em At 1, 11 - "E de novo há de vir em sua glória".  "Esse mesmo Jesus que vistes subir, voltará do mesmo modo que vistes subiu para o céu", disse os anjos aos Apóstolos no dia da ascensão. Voltará sim, Jesus voltará, uma única vez.   

                 Para os defensores dessa falsa doutrina, os crentes vivos durante o Arrebatamento serão removidos antes da Tribulação, mas haverá aqueles que virão a Cristo durante a Tribulação. Isso é uma contradição bíblica e uma audácia sem tamanho, sem fundamento algum.  Deus não poupará nenhum escolhido de passar pela tribulação, pelo contrário, a Bíblia diz que Deus protegerá os escolhidos para que eles possam passar por ela e vencer.

                Os protestantes para justificar esse heresia usa muito uma passagem do N. T. de Lc17, 34-35 que diz: "Eu vos digo que nesta noite, estarão dois numa cama, um será arrebatado, outro será deixado. Duas mulheres estarão no moinho, uma será arrebatada, outro será deixada". Para eles aqui Jesus está falando do arrebatamento pré-tribulacionista. Mas, Jesus já está falando do Juízo final. Se lermos uns versículos antes vamos entender.  (Vs. 28-30).  "Como aconteceu no dias de Lot, os homens compravam e vendiam, plantavam e edificavam. No dia em que Lot saiu de Sodoma, choveu fogo e enxofre do céu e exterminou todos eles". Ele faz uma analogia com o dia de Lot com os que ficaram e foram salvos. Essa analogia de fogo e enxofre para explicar a condenação eterna. "Choveu fogo e enxofre do céu que exterminou todos eles. Assim será no dia em que se manifestar o filho do homem".  
       
Essa analogia feita com os dias de Lot, já se refere a uma condenação, e não esse povo que ficou vai ser arrebatado na segunda vinda de Jesus. De forma alguma. Esses que ficarão vão para o castigo eterno, já estão condenados; onde haverá choro e ranger de dentes. Como Jesus dizia em Mt8, 10-12, mostra que os que ficarão não vão ter outra chance. A chance é agora, nesse tempo com a sua Igreja. Sem ela não pode haver salvação porque ela detém todos os meios dados por Jesus para isso. Pelos Sacramentos a Igreja nos oferece uma vida reta diante de Deus. Os Sacramentos instituídos por Jesus e deixados à sua Igreja são portais, canais e pontes para a Salvação. Pois Jesus mesmo afirmou: "Bem-aventurado é não é aquele que me diz senhor, senhor; mas aquele que ouve a Palavra de Deus e a põe em prática."       

             Então, esse falsos pregadores usam de uma grande malícia para pregar, dizendo que os eleitos não vão passar pela tribulação. Em Ap3, 10 - se cortarmos o versículo como eles fazem vai ficar assim: "Eu lhe guardarei na hora da prova". Eles interpretam assim; para eles convém que seja à sua maneira. Pois, assim ganha a ideia de que serão arrebatados sem a tribulação. Mentira! - e muitos que são leigos e não estudam vão com eles e acreditam dessa mesma forma. O próprio Jesus peneirou a Pedro, sem dó para que ele fosse o papa. Não fará a mim e a você? Porque Deus agiria diferente conosco?
             Mas a "guardar" no sentido bíblico correto é "proteger" mesmo passando pela tribulação. Não é assim que Deus age conosco nos dias de hoje? Há um ditado que diz: "depois da tempestade vem a bonança". A tribulação é a tempestade, mas, Deus manda a bonança em nossa vida, neste mundo e na eternidade. Voltando lá, se lermos o versículo todo, está assim: "Há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam  na terra, e eu te guardarei na hora da prova"; perceba meu irmão(ã) a diferença. Os protestantes costumam decorar apenas o que lhes interessam. Até na hora de falar da palavra de Deus.
       São João Maria Vianey, o Santo Cura d'Ars nos diz que há de vir sobre todo o mundo, então ninguém será poupado e não apenas sobre uma parte.
        A doutrina Milenista é outra heresia inventada pelo protestantismo. Onde se diz que: "Depois que completar mil anos satanás será solto da prisão"

        Que  tempo é esse que se refere? É o nosso tempo, o agora. São João Maria Vianey ensina que esse tempo compreende desde a Encarnação do Verbo, passando pelos dias de hoje até a Parusia, segunda vinda de Jesus Cristo.
                 Na Bíblia mil anos, séculos, milênio engloba um todo. Jesus chama de século futuro ou vindouro quando se refere a eternidade. Então não é cem anos, mil anos matematicamente falando expresso no calendário, mas, ele fala de gerações. Uma geração inteira pode ser chamado de século. Isso compreende desde a Encarnação do Verbo até os últimos dias na Terra. Mc10, 30 é chamado de "esse século". Já em Sl 90/91diz: "Mil cairão a tua direita". Não quer dizer que seja exatamente mil, mas significa mil exatamente, mas, uma quantidade ou muitos cairão. Is 30, 17: "Mil fugiram" - não significa mil exatamente, mas, muitos fugiram

             São João Maria Vianey, na sua homilia do primeiro dimingo da quaresma, explica: que o demônio está preso: "O demônio é um cão encadeado que persegue e faz muito ruido, mas, ele somente morde aqueles que se aproximam demasiadamente dele". Isto é, pelo o pecado é que nos aproximamos do demônio, sobretudo o pecado mortal. Existe um limite da corrente, ele não pode vir até nós se nós respeitarmos este limite. Mas nós podemos ir até ele ultrapassando esse limite até sermos mordidos. Isso acontece quando pecamos.
                   Peçamos a Deus que nos afaste dessas falsas doutrinas. Que o Espírito Santo nos ilumine e a Santa Mãe de Deus nos proteja. Porque somente a verdadeira Igreja de Cristo possui a verdadeira doutrina. Ela é o sustentáculo de nossa fé.    
                       
        

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, em breve será respondido.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.