domingo, 12 de março de 2017

O PECADO DE FÁTIMA - Irmã Lúcia, Impostora?

Sabemos o que aconteceu em Fátima, Portugal no dia 13 de maio e meses subsequentes do ano de 1917. Até aí tudo bem. Nada há de novidade e nenhum segredo deixou de ser revelado pela verdadeira Irmã Lúcia. O que chama atenção é que após 1960 data em que foi marcado e autorizado pela Virgem Maria para Lúcia revelar o último segredo  gera muitas dúvidas. O que está por detrás disso tudo leva-nos a acreditar uma conspiração feita pelo próprio Vaticano para impedir que o terceiro segredo de Fátima fosse revelado tal como é. A própria morte de Irmã Lúcia é um mistério. E nos leva a crer que sua morte se deu antes de 1960 e no seu lugar foi posta uma impostora.  

O fato é que as colocações feitas pelo Ir. Pedro Dimond, O.S.B são muito graves e leva-nos a ter a certeza que essa irmã Lúcia que a pouco faleceu não é a mesma Ir. Lúcia das aparições. É nítida a comprovação de que se tratava de uma uma usurpadora que  nada sabia sobre o terceiro segredo, e quando perguntava ou desconversava ou passava uma negativa daquilo que lhe era perguntado. Nas explicações do Ir. Pedro, não resta dúvida que aquela Lúcia que viu a Virgem de Fátima não é a mesma. A pergunta é: O que tem de grave neste último segredo que levou o Vaticano a colocar uma impostora se passar pela verdadeira Ir. Lúcia? O que o Vaticano teme em esconder dos fiéis a verdade.

 Até de 1960 a verdadeira Irmã Lúcia escreveu revelando os dois segredos e o contexto das aparições todos os relatos são verdadeiros. Depois de 1960 no que se refere ao terceiro segredo nada podemos dizer que é confiável, pois, o Vaticano decidiu lacrar este segredo a sete chaves e tudo que se refere a ele não passa de mera especulação.

Por isso mesmo o título "Pecado de Fátima" é muito propício porque não só cometeram um crime em fazer uma pessoa se passar por outra, como também o Vaticano esse tempo todo tem mentido e enganado os fiéis que de boa fé, fazendo o povo católico acreditar que essa mulher era a Irmã Lúcia verdadeira, não é. Vamos ler na íntegra o que diz o Irmão Pedro e tiremos nossas conclusões. Conclusões estas que não são minhas mas de um Irmão religioso entendido no assunto.                    


AS EVIDÊNCIAS QUE EXPÕEM A IRMÃ LÚCIA IMPOSTORA

 Escrito por Ir. Pedro Dimond, O.S.B.


Pergunta: O que dizer das afirmações da Irmã Lúcia após 1960? Os seus testemunhos citados parecem contraditórios. Alguns citam-na dizendo que João Paulo II consagrou a Rússia com sucesso; outros citam-na dizendo exactamente o contrário. Alguns citam-na como se dissesse que nunca foi pretendido que o Terceiro Segredo fosse revelado e que ninguém vai para o Inferno, enquanto outros citam-na a fazer referência à diabólica desorientação da Igreja.

Resposta: Após 1960, estamos sem dúvidas a lidar com uma massiva conspiração e uma Irmã Lúcia impostora. Iremos agora tratar das impressionantes evidências de que os inimigos da mensagem de Fátima, a partir do reinado do maçom, João XXIII, colocaram uma Irmã Lúcia impostora que desempenhou publicamente um papel como se fosse a verdadeira Irmã Lúcia. Nada vindo da suposta Irmã Lúcia após 1960 é confiável.

Antes de tudo, sabemos que houve uma conspiração envolvendo a Irmã Lúcia a partir de 1959. Em 1957, a Irmã Lúcia deu a sua famosa entrevista ao Padre Augustín Fuentes, postulador da causa de Beatificação de Jacinta e Francisco. Nesta entrevista, a Irmã Lúcia disse ao Padre Fuentes que a Santa Virgem Maria fê-la entender que vivemos nos últimos dias do mundo, e que há punições preparadas para o mundo. A Irmã Lúcia também disse para não esperar pela hierarquia para a chamada à penitência. Após esta entrevista, em 1959 a Diocese de Coimbra publicou uma nota. Esta nota declarava que o Padre Fuentes fabricou praticamente todas as afirmações atribuídas à Irmã Lúcia na entrevista que não tratavam especificamente de Jacinta e Francisco. Incluída nesta nota estava uma asserção alegadamente da Irmã Lúcia, na qual ela supostamente declara que as afirmações do Pe. Fuentes não eram verdadeiras. Segue-se uma porção da nota:

Nota da Diocese de Coimbra, 2 de Julho de 1959, sobre a entrevista do Pe. Fuentes:
“O Padre Augustín Fuentes, postulador da causa da beatificação dos videntes de Fátima... visitou a Irmã Lúcia no Carmelo de Coimbra e falou-lhe exclusivamente de assuntos relacionados com o processo em questão. Todavia, ao regressar ao México... este sacerdote permitiu-se fazer declarações sensacionais de carácter apocalíptico, escatológico e profético, que ele declarou ter ouvido da própria boca da Irmã Lúcia. Dada a gravidade de tais declarações, a chancelaria de Coimbra entendeu ser seu dever ordenar uma investigação rigorosa sobre a autenticidade de tais notícias... (…) a respeito de coisas que teriam sido alegadamente ditas pela Irmã Lúcia, a Diocese de Coimbra decidiu publicar estas palavras da Irmã Lúcia, dadas em resposta a perguntas feitas por quem de direito.
[Irmã Lúcia]: ‘O Padre Fuentes falou comigo na sua capacidade de Postulador das causas de beatificação dos servos de Deus, Jacinta e Francisco Marto. Falámos apenas de coisas relacionadas com este assunto; portanto, tudo o resto a que ele se refere não é nem exacto nem verdadeiro. Lamento-o, porque não compreendo que bem se possa fazer às almas que não venha de Deus, Que é a Verdade. Não sei nada, e portanto não podia dizer nada, sobre tais castigos, que são falsamente atribuídos a mim.’
A chancelaria de Coimbra está em posição de declarar que, como até ao presente a Irmã Lúcia disse tudo o que entendeu ser o seu dever dizer sobre Fátima, não disse nada mais de novo e, por conseguinte, não autorizou ninguém, pelo menos desde Fevereiro de 1955, a publicar o que quer que fosse que lhe pudesse ser atribuído sobre o tema de Fátima.” (Toda a Verdade sobre Fátima, vol. 3, pp. 550-551)

Até o apostolado do “Padre” Gruner defende que a entrevista de Fuentes é autêntica, e que esta declaração da Diocese de Coimbra, na qual a Irmã Lúcia supostamente repudia grande parte da entrevista de Fuentes, é uma mentira. Logo, estamos a lidar com uma conspiração envolvendo a Irmã Lúcia que já vem desde 1959 — a diocese a atribuir e publicar falsas declarações em nome da Irmã Lúcia para repudiar importantes avisos ao mundo. Ao mesmo tempo, foi convenientemente declarado que a Irmã Lúcia “disse tudo o que entendeu ser o seu dever dizer sobre Fátima”; por outras palavras, a Irmã Lúcia não tem mais nada a dizer sobre Fátima. O Frade Michel também nota que após a entrevista do Pe. Fuentes, tornou-se cada vez mais difícil ter acesso à Irmã Lúcia; ela tornou-se “invisível.”

Frère Michel de laSainteTrinité, Toda a Verdade sobre Fátima, vol. 3, pp. 748-749: “A partir desse momento [após a entrevista do Padre Fuentes e a nota diocesana repudiando-a], ela passou a estar submetida a um silêncio muito mais rigoroso sobre qualquer coisa acerca de Fátima, e especialmente sobre os grandes temas do Segredo... Como vimos, nessa nota de 2 de Julho de 1959, a chancelaria de Coimbra declarou autoritariamente que ‘a Irmã Lúcia não tem mais nada a dizer sobre Fátima’! Também se tornou incrivelmente difícil vê-la e, durante anos, nenhum dos seus escritos foram publicados. O seu testemunho estava a tornar-se enfadonho. Em 1962, Maria de Freitas observou que ‘cada vez mais, visitas à Irmã Lúcia são proibidas; cada vez mais ela torna-se invisível.’”

Bem, nós cremos que as seguintes fotografias (para além de outras evidências) revelam o porquê de, após a entrevista do Padre Fuentes, a Irmã Lúcia ter sido submetida a um silêncio rigoroso, o porquê de ela ter se tornado “invisível.” O motivo é que a partir desse ponto não era definitivamente a Irmã Lúcia, mas uma impostora a fazer-se de Irmã Lúcia. Seguem-se fotos da verdadeira Irmã Lúcia de 1945 quando ela tinha 38 anos de idade:

A verdadeira Irmã Lúcia em 1945 com 38 anos de idade



Agora segue-se a foto da “Irmã Lúcia” em 1967, com 60 anos de idade!


Irmã Lúcia impostora em 1967, com 60 anos de idade!
“Irmã Lúcia” em 1967, com 60 anos de idade

Você pode julgar por si mesmo, mas a mulher nesta foto não é a mesma da foto anterior. Primeiro, esta fotografia é de 1967. Logo, esta é supostamente a “Irmã Lúcia” vinte e dois anos mais tarde, com 60 anos! Mas esta mulher parece ser tão nova quanto, ou até mais nova que a Irmã Lúcia quando tinha 38 anos!

Em segundo lugar, a verdadeira Irmã Lúcia (a primeira imagem) tem uma estrutura nasal diferente desta “Irmã Lúcia.” O nariz desta “Irmã Lúcia” é muito mais largo; é outra mulher. Claro que, enquanto uma pessoa pode (e frequentemente acontece) envelhecer notavelmente entre a meia idade e o seu fim, a nossa aparência mantém-se essencialmente a mesma — o que não acontece neste caso.

Em terceiro lugar, uma leitora do nosso trabalho chamada Bárbara Costello observou que a Irmã Lúcia tem uma cova característica no seu queixo e nas suas bochechas. Vemo-lo na seguinte fotografia da Irmã Lúcia em 1945, novamente com 38 anos de idade (tal como na primeira foto acima, a imagem à direita de 1945):

A verdadeira Irmã Lúcia. Note a cova característica nas bochechas e no centro do seu queixo.
Note a cova característica nas bochechas e no centro do seu queixo.


No entanto, esta “Irmã Lúcia” abaixo não tem as covas características nas bochechas e no centro do queixo.



Esta “Irmã Lúcia” tem um queixo que caracteriza-se predominantemente por ser sobressaído, projetado para frente, que a verdadeira Irmã Lúcia não tem (para além da diferente estrutura nasal).

(À esquerda a verdadeira Ir. Lúcia; à direita a Irmã Lúcia Impostora)


Esta mulher não é a Irmã Lúcia, mas uma falsa Irmã Lúcia que foi implantada e especialmente selecionada para servir os propósitos da falsa linha de Fátima e da religião do Vaticano II incutida ao mundo após a entrevista com o Padre Fuentes. O facto de a “Irmã Lúcia” pós-Vaticano II não ser a verdadeira Lúcia não é provado apenas pelas evidências fotográficas, mas também por uma inumerável e flagrante quantidade de outras evidências.

Francis Alban, The Fatima Priest, página introdutória: “Em 11 de Outubro de 1990, Carolina, a irmã de sangue da Irmã Lúcia, disse ao Padre Gruner que ela tinha visitado a Irmã Lúcia no Carmelo de Coimbra por mais de 40 anos e nunca lhe tinha sido permitido falar sozinha com a sua irmã na mesma sala. Elas estavam sempre separadas por uma grelha e muitas outras irmãs do convento estavam presentes em todas as visitas.” (GoodCounselPublications, Pound Ridge, NY, 1997)

Por mais de 40 anos, até à sua irmã de sangue foi proibido ver a “Irmã Lúcia” de outro modo que não através de uma grelha e com outras freiras presentes! Isto explicaria o porquê de a sua irmã não ter descoberto a fraude — nunca lhe fora permitido ver a “Irmã Lúcia” excepto por detrás de uma grelha e completamente coberta pelo hábito, e nunca lhe era permitido falar intimamente com ela por causa da constante presença de “muitas” outras freiras! Esta estranha quarentena da “Irmã Lúcia” não foi, como o “Padre” Gruner sugeriu, porque ela diria ao mundo a verdade sobre Fátima. Foi porque os conspiradores no Vaticano não queriam que a sua falsa “Irmã Lúcia” fosse denunciada como a impostora que ela era, o que teria ocorrido se ela tivesse sido sujeita a qualquer exame ou escrutínio sério. (E isso aconteceu nos poucos casos em que o Vaticano permitiu que ela fosse entrevistada, tal como nas notórias Duas Horas com a Irmã Lúcia de Carlos Evaristo, como veremos.)

Então, nunca foi permitido à Irmã Lúcia falar com a sua família excepto por detrás de uma grelha, mas quando eles precisaram da “Irmã Lúcia” para que ela aprovasse publicamente a seita do Vaticano II, os seus antipapas e a falha destes em revelar o Terceiro Segredo, ela foi convenientemente apresentada ao mundo em Fátima em 1967, de maneira que ela pudesse ser vista em intimidade com o seu companheiro conspirador, o Antipapa Paulo VI.

A falsa Irmã Lúcia trazida detrás da grelha para ser vista pelo mundo em Fátima em 1967.
A falsa Irmã Lúcia trazida detrás da grelha para ser vista pelo mundo em Fátima em 1967 com o seu companheiro conspirador, o Antipapa Paulo VI — para aprovar a nova religião, a sua destruição da Tradição, a sua promulgação do Vaticano II, e a sua falha em publicar o Terceiro Segredo.


A falsa Irmã Lúcia a confraternizar com João Paulo II.
A mesma coisa aqui: a falsa Irmã Lúcia posta perante o mundo
para ser vista a confraternizar em intimidade com João Paulo II.

Outra questão que vem à mente após ver estas fotografias é: quando foi que a Irmã Lúcia ajeitou a dentição? Segue-se uma foto da verdadeira Irmã Lúcia; os seus dentes frontais eram caracteristicamente irregulares.


Quando foi que a Irmã Lúcia ajeitou a dentição?
“Quando começou a surgir a segunda dentição de Lúcia... Os dentes grandes, salientes e irregulares levantavam-lhe o lábio superior, enquanto o inferior era grosso e um tanto caído.” (William Thomas Walsh, Nossa Senhora de Fátima, pág. 18)

Mas nas fotografias da falsa Irmã Lúcia acima, vemos que a sua dentição era homogénea e bem arranjada, e não larga, saliente e irregular. Claro, é possível que a Irmã Lúcia tenha sido sujeita a uma significativa cirurgia dental ou que os seus dentes tenham sido substituídos para que parecessem homogéneos e bem arranjados, como os da Irmã Lúcia impostora, mas é mais provável que seja apenas outra prova do facto de que a mulher apresentada acima não é a verdadeira Irmã Lúcia.

Àqueles que têm dificuldade em aceitar isto, peço que se foquem em duas coisas: 1) Nosso Senhor disse que nos últimos dias o engano será tão profundo que até os eleitos seriam enganados se isto fosse possível (Mateus 24), e uma Irmã Lúcia impostora foi crucial para os planos do Demónio de enganar o mundo sobre Fátima; 2) todo o tradicionalista que não aceita a versão do Vaticano do Terceiro Segredo de Fátima (publicado no ano 2000) já aceita, por sua vez, que havia uma “Irmã Lúcia” impostora, mas simplesmente ainda não se apercebeu ou não é honesto ou lógico o suficiente para o admitir. É incontestável que a falsa Irmã Lúcia aprovou na íntegra a versão e interpretação anexa do Terceiro Segredo fabricado pelo Vaticano que afirma que o Segredo refere-se a João Paulo II. O conhecimento deste facto não é obtido mediante cartas que possam muito bem ter sido forjadas, mas através de inegáveis evidências em vídeo da “Irmã Lúcia” em Fátima no ano de 2000 para as “Beatificações” de Jacinta e Francisco.

Neste evento, o “Cardeal” Sodano, (sendo observado pela “Irmã Lúcia”) anunciou que o Vaticano iria revelar o Terceiro Segredo de Fátima, e que este concerne à tentativa de assassinato do antipapa João Paulo II. Todos os que estavam a ver este evento (como nós) puderam ver a reacção da “Irmã Lúcia,” tornando assim a teoria de ela ter sido escondida para que não contasse a verdade sobre o assunto (como os “gruneritas”1 afirmam) indubitavelmente insustentável. A “Irmã Lúcia” fez claros sinais que significam que ela aprovou e concordou completamente com o “Cardeal” Sodano, que o Terceiro Segredo de Fátima refere-se à tentativa de assassinato de João Paulo II! Para qualquer um que é honesto e lógico, isto é prova absoluta de que esta não pode ser a verdadeira Irmã Lúcia, mas uma impostora e uma agente da seita do Vaticano II.

Na seguinte citação, note que até um “grunerita” reconhece o problema. Ele admite o quão “quase inquietante” foi ver a “Irmã Lúcia” a aprovar a interpretação do “Cardeal” Sodano do Terceiro Segredo — sim, eu diria o mesmo! — mas falha em chegar à conclusão apropriada.

Mark Fellows, Fátima em Crepúsculo, pág. 327: “De facto, a sua exuberância [da Irmã Lúcia] em Fátima em 2000 foi quase inquietante. Certamente que a causa da sua radiância, e da sua nova graciosidade para com João Paulo, foi a beatificação dos seus dois primos. No entanto, ela manteve-se exuberante até perante a versão do Terceiro Segredo do Cardeal Sodano, a ponto de fazer largos e estranhos gestos para a plateia.”

Aqui temos: a falsa “Irmã Lúcia” aprovou completamente a versão e interpretação do Vaticano do Terceiro Segredo de Fátima. A única maneira pela qual poderíamos chegar a considerá-la como sendo a verdadeira Irmã Lúcia é aceitando completamente a versão do Terceiro Segredo do Vaticano, e a sua interpretação de que este se refere à tentativa de assassinato de João Paulo II. Porém, quase todos os tradicionalistas concordam que a versão (e interpretação) do Vaticano do Terceiro Segredo não foi autêntica, mas outra mentira — outra conspiração. A “Irmã Lúcia” impostora é da mesma laia. É por isso que os gruneritasvêem-se forçados a fazer de tudo para desculpar as inúmeras afirmações provenientes da Irmã Lúcia impostora que contradiz a posição deles.

Em 1992, sucedeu-se a infame entrevista intitulada Duas Horas com a Irmã Lúcia, conduzida pelo “Cardeal” Padiyara de Ernakulam, da Índia, “Sua Excelência” Bispo Francisco Michaelappa de Mysore, da Índia e pelo “Padre” Francisco V. Pacheco, de Fortaleza Ce., Brasil. O Sr. Carlos Evaristo, um jornalista, também estava presente na entrevista, e foi o tradutor oficial. Nesta entrevista, a “Irmã Lúcia,” entre outras coisas, disse que o Terceiro Segredo nunca foi suposto ser revelado em 1960, e que não deveria ser revelado. Isto contradiz totalmente tudo o que sabemos sobre o assunto que foi dito pela Irmã Lúcia pré-Vaticano II. Na entrevista, esta “Irmã Lúcia” também disse que a consagração da Rússia de João Paulo II foi aceite pelos Céus. Segue-se uma porção da entrevista.

“Cardeal Padyiara: ‘E esta consagração [da Rússia] foi realizada por João Paulo II no dia 25 de Março de 1984?’
‘Irmã Lúcia’: ‘Sim, sim, sim.’ (Com uma voz grave e afirmativa que, além disso, parece mostrar que ela já estava a espera da questão)...
Carlos Evaristo: ‘Então esta consagração foi aceite pela Nossa Senhora?’
‘Irmã Lúcia’: ‘Sim.’
Carlos: ‘A Nossa Senhora está contente e a aceitou?’
‘Irmã Lúcia’: ‘Sim.’...
Cardeal Padyiara: ‘Deus e a Nossa Senhora ainda querem que a Igreja revele o Terceiro Segredo?’
‘Irmã Lúcia’: ‘Não é pretendido que o Terceiro Segredo seja revelado. Foi apenas destinado ao Papa e a hierarquia imediata da Igreja.’
Carlos: ‘Mas a Nossa Senhora não disse que esse deveria ser revelado ao público no mais tardar em 1960?’
‘Irmã Lúcia’: ‘A Nossa Senhora nunca disse isso. A Nossa Senhora disse que o segredo era destinado ao Papa.’
Carlos: ‘O Papa pode revelar o Terceiro Segredo?’
‘Irmã Lúcia’: ‘O Papa pode revelá-lo se assim o pretender, mas eu aconselho-o a não o fazer. Se ele assim o quiser, eu sugiro-lhe grande prudência. Ele precisa ser prudente.’”

Os gruneritas tentaram desesperadamente desacreditar esta entrevista, uma vez que esta devasta completamente a sua posição; mas o Ir. Miguel Dimond (superior do Mosteiro da Sagrada Família) teve a chance de falar com o “Pe.” Pacheco quando ele veio uma vez visitar o Mosteiro por causa de uma conferência na década de 90. O “Pe.” Pacheco disse ao Ir. Mguel que havia algo de muito errado com a Irmã Lúcia, e que ela não era capaz de responder a questões simples sobre a sua vida. É bastante óbvio que os entrevistadores estavam a ir demasiado a fundo em questões com as quais a impostora não estava familiarizada.

Os gruneritas tentam desacreditar esta entrevista de 1992 afirmando que a “Irmã Lúcia” esteve sempre atrás da grelha, mas nesta entrevista ela supostamente estava no exterior, e até de mãos dadas com pessoas. Mas isto faz sentido: o Vaticano permitiu uma entrevista selectiva a um grupo independente — com a Irmã Lúcia no exterior e não por detrás da grelha — na qual ela iria dizer-lhes (e logo, também ao mundo) que João Paulo II consagrou a Rússia com sucesso de modo que assim ficasse registado com um grupo independente. Mas quando a suposta “Irmã Lúcia” encontrava-se com a sua irmã (que podia mais facilmente identificá-la como impostora), ela foi sempre mantida atrás da grelha e junta de muitas outras freiras.

Para além da entrevista de 1992, Duas Horas com a Irmã Lúcia, há muitas outras afirmações da falsa Lúcia nas quais ela aprova a linha da seita do Vaticano II sobre Fátima, assim provando que ela era uma impostora. Em 2001, num artigo impresso no L'Osservatore Romano, a “Irmã Lúcia” foi especificamente questionada sobre a consagração da Rússia e até o “Padre” Gruner tenta dar uma explicação. A entrevista foi noticiada por todo o mundo:

CIDADE DO VATICANO, 20 de DEZ. de 2001 (Serviço de Informação do Vaticano): “Em referência à terceira parte do segredo de Fátima, ela [“Irmã Lúcia”] afirmou que leu atentamente e meditou sobre um livreto publicado pela Congregação para a Doutrina da Fé e confirmou tudo que lá estava escrito. A qualquer um que pense que alguma parte do segredo foi escondida, ela respondeu: ‘Tudo foi publicado; nada mais permanece em segredo.’ Para aqueles que falam e escrevem sobre novas revelações, ela diz: ‘Não há verdade nisso. Se eu tivesse recebido novas revelações não teria contado a pessoa alguma, mas as teria comunicado directamente ao Santo Padre.’ A Irmã Lúcia foi questionada: ‘O que responderia às persistentes afirmações do Padre Gruner que está a recolher assinaturas para que o Papa finalmente consagre a Rússia ao Coração Imaculado de Maria, que nunca foi feita? Ela respondeu: ‘A Comunidade Carmelita rejeitou todas as formas de recolha de assinaturas. Eu já disse que a consagração que a Nossa Senhora desejava foi cumprida em 1984 e foi aceita pelo Céu.’”

Claro, os gruneritas irão dizer que esta entrevista foi fabricada ou distorcida, mas então estarão a admitir que há uma conspiração! Se o Vaticano pode chegar a este ponto, é certamente concebível que eles pudessem implantar uma impostora; e, como vimos, o argumento de que todas estas afirmações da “Irmã Lúcia” a aprovar o falso Terceiro Segredo são apenas fabricações é destruído pela evidência em vídeo na qual todos puderam ver a sua aprovação da versão do Vaticano do Terceiro Segredo de Fátima em 2000.

A falsa Irmã Lúcia a beijar a mão de João Paulo II depois da 'Comunhão'.
Uma bizarra fotografia da falsa Irmã Lúcia a beijar a mão de João Paulo II depois de ter recebido a “Comunhão”

Outro ponto que vale a pena mencionar é a actividade bizarra da “Irmã Lúcia” enquanto recebia a “Comunhão” de João Paulo II na anteriormente tratada cerimónia de “Beatificação” em 2000, Fátima (a mesma na qual ela aprovou patentemente a versão do Terceiro Segredo do Vaticano). A “Irmã Lúcia” primeiro estendeu as suas mãos, como que quisesse receber a “Comunhão” na mão. Sendo muito mais astuto que isso, e sabendo que iria destruir todo o esquema, João Paulo II hesitou e estendeu a mão para dar-lhe a “Comunhão” na língua. Mas imediatamente após ter recebido “Comunhão,” a “Irmã Lúcia” segurou a mão de João Paulo II e beijou-a (como mostra a imagem acima). Isto é totalmente bizarro, pois a “Irmã Lúcia” teve muitas oportunidades de fazer a sua reverência ao Antipapa, mas aparentemente ela não podia nem esperar até depois da sua acção de graças pela “Comunhão” ou até a “Missa” ter acabado! A verdadeira Irmã Lúcia nunca teria feito isto — interrompendo desta forma a sua Comunhão e acção de graças. É claro que a Irmã Lúcia impostora foi simplesmente demasiado zelosa no desempenho de seu papel de filial devoção ao Antipapa, e precipitou-se ao segurar a sua mão imediatamente após a “Comunhão.”

Pergunta: Então o que pensais que aconteceu com a verdadeira Irmã Lúcia?

Resposta: Ela foi claramente em algum momento eliminada. Independentemente de quando isto possa ter ocorrido, não há duvida de que esta mulher que fazia o papel de “Irmã Lúcia” desde o Vaticano II não era a verdadeira. Os leitores podem dar a isto a importância que quiserem (e o que segue não é de forma alguma essencial ao factos acima, que provam que houve realmente uma Irmã Lúcia impostora), mas há alguns anos atrás nós recebemos uma carta inquietante. Esta carta foi enviada por uma mulher (uma católica tradicional convertida) cuja família estava envolvida com altos graus dos Illuminati e da Maçonaria. Além disso, nós falámos com esta mulher tanto antes como depois de ela ter enviado a carta. Havia muito mais na carta e nas conversas por telefone que acrescentam contexto e credibilidade à sua afirmação, mas só podemos fornecer abaixo uma porção da carta. Mesmo sendo difícil de acreditar, é verdade que nós realmente recebemos a seguinte carta e falamos por longos períodos com esta mulher (ela pediu que omitíssemos o nome dela por razões óbvias):

“Caros irmãos do Mosteiro da Sagrada Família... Como vos contei ao telefone, eu tenho alguns parentes muito obscuros... [um maçom mundialmente conhecido] é o irmão de [x- nome removido para preservar o anonimato da autora] que era casado com a minha tia-avó. Todos os meus parentes do lado da minha mãe eram maçons Illuminati de grau 33. Os meus avós estiveram na Estrela do Oriente2… Eu sei que devo, neste momento, parecer uma esquisita aos gritos. Não sou... Quando eu tinha cinco anos, a minha mãe organizou um encontro. Houve várias coisas que aconteceram que são demasiado horríveis para se pôr no papel sobre estes encontros. Em poucas palavras, eles basicamente fazem sacrifícios a Satanás. Eu tive um novo irmão bebé chamado [x]... A Minha mãe não sabia antecipadamente [que x] faria parte das ‘cerimónias.’ Eles iam pô-lo dentro do que parecia ser uma larga panela de lata [e torturá-lo] de forma a saber o futuro... [felizmente, isto não aconteceu por causa dos eventos intervenientes]... [Mas] Uma das coisas que foram ditas nesse terrível dia foi que eles tinham acabado de matar a Irmã Lúcia (eu pensava que eles estavam a falar de uma irmã que eu não sabia ter que eles mataram). Quando eu perguntei, eles disseram ‘Não, estúpida... ela é uma freira.’ O significado disto só se tornou claro anos depois. Estávamos em 1958, fins de Outubro quando isto aconteceu. (Eu lembro-me disto porque o meu irmão tinha acabado de nascer.) Eu sei que pareço uma mulher maluca mas é a verdade...”

Nós falámos com esta mulher durante muito tempo; ela é uma católica tradicional convertida, e nós cremos que está a contar a verdade. Mas independentemente de se aceitar ou não este testemunho como verídico, o facto é que houve uma Irmã Lúcia impostora. Não há dúvidas acerca disto; as evidências são inegáveis. O Vaticano manteve-a convenientemente viva até os 97 anos de idade, até revelarem o falso Terceiro Segredo e ela ter terminado o seu papel; então, alguns anos depois ela “morreu” e a sua cela foi selada por ordens do “Cardeal” Ratzinger.

Há tantas almas que desprezam as evidências contra a apostasia do Vaticano II e contra a Nova Missa simplesmente porque a “Irmã Lúcia” aceitou-as. Nós sempre as informámos que não podem rejeitar os factos da fé baseando-se naquilo que pensam que uma outra pessoa crê.

Gálatas 1:8-9 — “Mas ainda quando nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie um evangelho diferente do que nós vos temos anunciado, seja anátema. Assim como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo: Se algum vos anunciar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema.”

Mas infelizmente, faltando-lhes a verdadeira fé, escolheram seguir homens ao invés de Deus, e estavam na realidade a seguir uma completa impostora.

A FALSA MENSAGEM DO “PADRE” NICHOLAS GRUNER

'Padre' Nicholas Gruner

Antes de examinar esta questão em detalhe, como quase todos, nós também sustentávamos a posição popular sobre a consagração da Rússia: de que a conversão da Rússia significa necessariamente que a nação Russa será convertida à fé católica, resultando no fantástico reino de paz universal e na renovação católica. Assim pensávamos porque era o que todas as pessoas que escreviam sobre Fátima diziam, e não havia realmente razão alguma para questioná-lo. No entanto, como dito neste artigo, após termos estudado esta posição à procura do seu fundamento, chegámos à conclusão que esta não tem qualquer fundamento, e que não há provas para esta nas palavras de Nossa Senhora; pelo contrário, uma posição bastante diferente e muito mais plausível tem as suas evidências fundadas nas palavras de Nossa Senhora.

Há muitas pessoas que mantiveram, e mantêm, de boa fé a posição errónea sobre a consagração e conversão da Rússia. (E, estritamente falando, uma pessoa é livre para adoptar qualquer opinião que se sinta mais inclinada neste assunto, uma vez que não é uma questão de doutrina católica — apesar de as evidências apresentadas neste artigo demonstrarem que a posição de Nicholas Gruner sobre esta questão é falsa.) Aqueles que sustiveram esta posição de má fé seriam aqueles que rejeitaram os factos do ensinamento católico sobre a actual apostasia, e mantiveram-se na seita do Vaticano II ou na Nova Missa, simplesmente porque criam que um dos “Papas” do Vaticano II teria de consagrar a Rússia.

Dito isto, creio que o empreendimento de Fátima do “Padre” Nicholas Gruner tornou-se colossal pela assistência do Demónio. O seu empreendimento tem sido altamente importante para o Demónio em distrair as almas das verdadeiras questões da fé, desviando-lhes a atenção para a tentativa de fazer com que um antipapa consagre a Rússia. Mesmo se a Rússia ainda não tivesse sido consagrada, é um facto que os antipapas do Vaticano II não são católicos e, portanto, não têm de qualquer forma autoridade para realizar a consagração. Logo, o apostolado massivo do “Padre” Gruner que tenta conseguir que os antipapas do Vaticano II consagrem a Rússia é um desperdício duplo: 1) ele está a tentar que antipapas não-católicos e manifestamente heréticos realizem a consagração, quando não o podem fazer; e 2) toda a sua posição sobre a consagração da Rússia é errónea. Pense em todo o tempo, recursos e esforços perdidos! Pense — o mais importante — nas almas que têm sido enganadas e distraídas, e aceitaram obstinadamente os antipapas do Vaticano II porque (por sua própria falta de amor pela verdade) rejeitaram os factos do Magistério, e que mantiveram-se sob os antipapas do Vaticano II porque criam que um deles precisa consagrar a Rússia.

Somos muito frequentemente contactados por estas pessoas, e sempre as asseguramos que não podem rejeitar os factos do ensinamento do Magistério baseando-se na sua dúvida sobre quem irá cumprir a profecia. Nós sempre dissemos-lhes que contra um facto não há argumento (hereges não podem ser papas), e que verdade não pode contradizer verdade, e que, portanto, há uma boa resposta para as suas perguntas sobre a consagração, mesmo que não a tivesse naquela altura. Mas infelizmente, estas pessoas rejeitaram todos os factos do ensinamento do Magistério, aceitaram os apóstatas do Vaticano II por causa da sua falsa ideia de que um deles tem de consagrar a Rússia. Agora estas pessoas podem ver não somente que a posição sedevacantista não contradiz a mensagem de Fátima de forma alguma, mas que a sua posição é na verdade um engano que as têm mantido aprisionadas nas trevas sobre a actual situação. O “Padre” Gruner tornou-se o quarto maior empregador em Fort Erie, Ontário, por causa do seu apostolado!

O facto de o apostolado do “Padre” Gruner ser feito sob a assistência de Satanás é corroborado pela sua demoníaca mistura de verdade com erro — de catolicismo com apostasia. E isso vemo-lo bastante claro na seguinte citação sobre a apostasia na Igreja.

“Padre” Gruner, “Que Deus tenha piedade de todos nós,” A Cruzada de Fátima (The Fatima Crusader), ed. nº71: “‘No Terceiro Segredo está predito, entre outras coisas, que a grande Apostasia na Igreja começará pelo cimo.’ Estas são as palavras do Cardeal Ciappi (o Teólogo Pontifício pessoal do Papa João Paulo II). O resultado da ‘grande Apostasia’ que começará ‘pelo cimo’ é a corrupção do clero e dos leigos em questões de doutrina, de moral e da liturgia. (...) Deus está muito irado com o Seu povo, porque não só nos envia maus padres, como também, aparentemente, nos envia também maus Bispos e maus Cardeais. Em 13 de Maio de 2000, o Papa João Paulo II disse-nos em Fátima que: ‘A Mensagem de Fátima é um apelo à conversão, alertando a Humanidade para não fazer o jogo do ‘dragão’ cuja ‘cauda arrastou um terço das estrelas do Céu e lançou-as sobre a terra.’ (Apoc. 12:4) Esclareçamos esta declaração. O Papa João Paulo II disse o seguinte: Não sigais a terça parte dos Cardeais, a terça parte dos Bispos católicos, e a terça parte dos padres católicos que foram arrastados pelo demónio para fora da sua posição exaltada de conduzir os fiéis para o Céu. Por outras palavras, o Santo Padre diz-nos o aviso que a Mensagem de Fátima nos faz para os dias de hoje. Ou seja, que a terça parte do clero (que são as estrelas do Céu) foi arrastada pelo demónio e os seus sequazes — os maçons, os comunistas, a organizações de homossexuais — e estão agora a trabalhar para o próprio demónio; não para Deus, não para a Igreja de Cristo, mas para o demónio.” (fatima.org)

Isto realmente resume os métodos e apostolado malignos do “Padre” Gruner. Aqui vemos Gruner a discutir a verdade de como é predito que a apostasia na Igreja começará “pelo cimo.” E a quem isto estaria a referir-se? Obviamente isto aplicar-se-ia primariamente a João Paulo II, o homem que reclamava ser o papa (reclamava ser o cimo da Igreja) e que guiou toda a apostasia pelos seus encontros idólatras de oração em Assis, o seu falso ecumenismo massivo em todo o mundo, etc. Porém, enquanto conta esta verdade às pessoas (de que a apostasia irá começar pelo cimo, ou por aquilo que parece ser o cimo da Igreja), será que ele depois alerta as pessoas acerca do homem em relação ao qual devem ficar mais apreensivas? Não; ao invés disso, ele faz exactamente o contrário: ele depois encaminha-asdirectamente a João Paulo II — aquele cujos actos no contexto da apostasia deveriam ser expostos às pessoas — citando-o como se ele fosse o seu aliado contra a apostasia dos bispos e dos padres! Isto é totalmente perverso, e ainda mais, em certos sentidos, que outras formas de perversão mais explícitas, uma vez que mistura verdade com erro (apostasia com catolicismo) e é mais efectiva em trazer os conservadores de volta às fontes da apostasia, os antipapas do Vaticano II. É por isso que ele tem sido capaz de iludir e distrair tantas pessoas com a falsa mensagem sobre Fátima.

Para além da sua mortífera mistura de verdade com erro, uma das maneiras pelas quais o apostolado do “Padre” Gruner tem se tornado tão influente é através da propaganda. Seguem-se algumas das coisas que podemos encontrar na página da Internet do seu apostolado (fatima.org): esta chama a sua revista de “revista de Nossa Senhora.” Esta afirma: “Clique aqui para ler mais sobre a revista de Nossa Senhora...”! Eia, quem ousaria discordar ou não apoiar “a revista de Nossa Senhora” — a revista da própria Nossa Senhora!

Ele chama o seu Serviço de Livros de “Serviço de Livros de Nossa Senhora”! Carambas, queríamos nós ter o privilégio de ser o “Serviço de Livros de Nossa Senhora.” Ele chama o seu programa de rádio de “O Programa de Rádio de Nossa Senhora”! E — sim, você adivinhou — ele chama o seu Apostolado não apenas de Apostolado de Fátima, mas de “Apostolado de Nossa Senhora”! A sua página na Internet afirma: “Pouco depois da formação do Apostolado de Nossa Senhora, o Padre Gruner começou a publicar a revista A Cruzada de Fátima. Em 1980, o Papa João Paulo II encorajou directamente o Padre Gruner no seu trabalho sobre Fátima e o periódico cresceu...”

Uau, ele deve ser um “padre” e tanto para administrar o “Apostolado de Nossa Senhora” — o Apostolado da própria Virgem Maria — assim como o Programa de Rádio dela, a revista dela e o Serviço de Livros dela. Haverá alguém que não consiga ver o quão presunçoso — e argumentavelmente blasfemo — isto é? Ah, esqueça... está tudo bem... eu quase esqueci... Gruner é, segundo o seu Apostolado (isto é, o Apostolado de “Nossa Senhora”), “o Padre de Fátima”!

Na verdade, isto é simplesmente propaganda de um falso profeta, e é por isso que o “Padre” Gruner tem tido tanta influência no que as pessoas pensam sobre Fátima e a situação presente. A definição de “propaganda” é “... esquema organizado, para a propagação de uma doutrina ou prática.” Rotular como sendo “de Nossa Senhora” quase todos os aspectos do seu apostolado é um esquema organizado por parte do seu apostolado para se auto-elevar como se fosse a própria voz de Nossa Senhora.

Para além de ser perversamente presunçosa, esta propaganda faz lavagem cerebral às pessoas tal como a propaganda feita pelos grandes meios de comunicação. Quando estas pessoas ouvem isto vezes sem conta — isto é o “Apostolado de Nossa Senhora” e a “revista de Nossa Senhora” e o “Serviço de Livros de Nossa Senhora” — uma lavragem cerebral está a ser feita de forma que estas sigam tudo que ele diz sobre Fátima, o apoiem vigorosamente (pois, quem não quereria apoiar a Nossa Senhora?) ou considerem Gruner como o representante pessoal de Nossa Senhora. Pelo facto de as pessoas serem tão ingénuas, isto tem sido uma das mais importantes causas de quão grande o seu apostolado se tornou. É por isso que o seu apostolado continua a utilizar este tipo de propaganda tão frequentemente. É por isso que muitos sofreram uma lavagem cerebral ao ponto de não considerarem nada sobre o assunto que não esteja em conformidade com as visões do “Padre” Gruner.

A propósito, Gruner afirmou em uma de suas cartas que queria enviar o livro “Padre de Fátima” (que é a história da sua vida) para todos os “bispos” do país! Que completo desperdício. O Livro Padre de Fátima — que é repleto de imagens de várias fases da vida de Gruner, inclusive como bebé — que é basicamente sobre ele próprio e sobre o herói que supostamente é — tem sido traduzido para várias línguas de forma a espalhar “A Boa Nova” de Nicholas Gruner por todo o mundo.


Tudo isto explica o porquê de Gruner promover imagens do antipapa João Paulo II em sua revista consistentemente durante anos (de uma forma positiva) depois de estar a par da apostasia de João Paulo II. Para Gruner, o objectivo não era dizer a verdade; o objectivo era manter-se popular e ser visto como um herói por uma audiência supostamente “católica” — promovendo João Paulo II e Fátima ao mesmo tempo. Só um homem muito perverso não teria denunciado João Paulo II a partir do momento que estivesse a par da sua apostasia, e isto é exatamente o que Nicholas Gruner é.

CONCLUSÃO
(Elmando V. Toledo)

Este ano de 2017, a Igreja celebra os 100 anos da aparição de Nossa Senhora de Fátima aos três pastorinhos, Lúcia, Francisco e Jacinta. Francisco e Jacinta morreram ainda jovens, e o Papa João Paulo II os beatificou. Já Ir. lúcia, caminha pelo mesmo processo pelo Papa Francisco. A pergunta é: Vamos ter uma imagem em nossos altares lembrando a pessoa que foi Ir. Lúcia, mas, a imagem de uma impostora? 
O Vaticano sabe que essa Ir. Lúcia dos últimos tempos não é a verdadeira, isto é notório e não dá para contestar mediante as provas apresentadas. Além de ser uma enorme contradição é um atentado à fé dos católicos que venerarão a imagem de uma impostora?

O culto aos santos(as) sim, este se dará a Ir. Lúcia verdadeira, mas estará em nossos altares a imagem de alguém que nem sonhando era da Ir. Lúcia verdadeira? Recuso-me aceitar essa hipótese. 

Por outro lado, agora se torna muito mais claro observar a cinzânia de satanás se espalhar de cima para baixo como já se previa está acontecendo. Em todo mundo bispos corruptos da Igreja deixaram de pregar o verdadeiro Evangelho para pregar o deus dinheiro. No Brasil vemos claramente o escândalo de Aparecida, aonde a Igreja permitiu que a Imagem da Santíssima Virgem saísse em uma escola de samba; e para piorar introduzem no santo ofício da Liturgia elementos do espiritismo, de terreiros de macumba, como nós assistimos na Novena oficial de Aparecida. Missas que parecem teatros com encenações e danças, zombando do Calvário de Nosso Senhor. São movimentos Carismáticos que fazem das missas um verdadeiro show de rock. Sem falar dos casos assustadores de pedofilia. 

Transformam a celebração eucarística em um salão de baile. São movimentos protestantes, pentecostais disfarçados de catolicismo. Ritos maçons dentro das celebrações nas igrejas. É isso quando o texto acima se refere à "falsa missa". Já há muito Santo Padre Pio já alertava sobre esse acontecimento.       

Tudo isso Nossa Senhora já tinha alertado a Humanidade o que aconteceria. A cinzânia de satanás se espalhando e contaminando os membros Igreja de Jesus. Não há mais regras para se canonizar. Canonizaram recentemente João Paulo II e bem sabemos que ele não era tão santo quanto parecia, pois mantinha confidências com uma mulher casada por anos; nesse caso não houve sequer uma preparação por trás, como cautela,  como acontece com quem aos quais a Igreja deve investigar antes de fazer uma canonização.
No Brasil a Igreja que pregava o "amor incondicional pelos pobres" é aliada de partidos corruptos como o "PT" - e não levanta mais sua voz para defender as questões sociais como fez  tantos bispos no passado, como foi por exemplo, Dom Elder Câmara; não existe mais envolvimento dos movimentos eclesiais de base. O que há no Brasil principalmente é uma Igreja surda, muda e descompromissada que só diz alguma coisa quando ameaça seus direitos políticos. Uma Igreja que tendo o Estado de São Paulo o maior pólo de fé que é Aparecida, não consegue parar o avanço das seitas protestantes. 

Agora o próprio arcebispo de São Paulo Dom Odilo Pedro Scherer, e Aparecida do Norte , Dom Orlando Brandes, autorizou o "escândalo de Aparecida" permitindo que Nossa Senhora fosse ultrajada saindo em uma escola de samba. Dói saber que padres de renome como Padre Joãozinho e até o padre Zezinho, Scj, quem diria, apoiou esse ultraje à Virgem Maria no carnaval.  

E para piorar a situação, quem vai à Aparecida percebe que ali se tornou uma casa de comércio vendendo de tudo que se pode vender, uma Igreja que consome milhões enquanto nas periferias o povo passa necessidade. "Está escrito: minha casa é uma casa de Oração, mas vocês a transformaram em um covil de salteadores". (Mt21, 13-14) - "Este Templo, onde meu Nome é invocado, será porventura que se tornou um covil de ladrões para vos reunirdes? Muito cuidado! Eis que Eu mesmo estou observando tudo isto!” Palavra do SENHOR". (Jr7, 11).

Nossa Senhora em Fátima faz um apelo e ao mesmo tempo um alerta, satanás está travando nesses tempos do fim uma guerra contra a Igreja de Jesus. Para isso ele procura espalhar suas ideias contaminando a Igreja, como uma fruta que começa a apodrecer de dentro pra fora. É isso que está acontecendo. Não se escandalizem, o caso da falsa irmã lúcia é apenas mais um dentre os muitos escândalos que virão acometidos pelos falsos papas, bispos e padres.   

Enganam-se aqueles que pensam que os maiores inimigos da Igreja são os protestantes ou muçulmanos. Os inimigos da Igreja estiveram presentes dentro dela desde o início, a começar de Judas Iscariotes até leigos, padres, papas e bispos. Irmã lúcia talvez tenha direcionado a última parte do segredo aos bispos, porque pode se referir aos tempos sombrios que virão. Uma Igreja que como previsto passará por uma enorme tribulação.
Não é a fruta de fora da cesta que estraga as outras que estão no cesto, são frutas que apodrecem dentro do cesto que contaminam as outras sadias e as fazem perder. 

Existe duas correntes dentro do Vaticano. Uma de padres e bispos realmente comprometidos com a verdade, que estão realmente dispostos à causa do Evangelho. Mas, se acovardam quando por uma simples questão de obediência não denunciam não levantam a voz para defender a Igreja.
A outra parte são os mercenários do evangelho que se infiltraram na Igreja e seguem a linha satânica da maçonaria ou iluminatis, estão apenas preocupados com o luxo, vaidade, riquezas e de encher seus cofres. Não estão nem aí com a palavra de Deus muito embora fale dela aos fiéis. São como os antigos friseus do tempo de Jesus. Essa gente é capaz de tudo. Foi esta linha de falsos bispos que estiveram envolvidos com o escândalo do Banco do Vaticano. Outros envolvidos em pedofilia e muitas outras podridões. Vemos uma Igreja rica com muitos miseráveis passando fome e diversas necessidades. 
Satanás está peneirando a Igreja e dessa peneira poucos vão ficar. 

Graças a Deus temos um Papa santo que é Francisco, coerente e que dá exemplo, embora possa ser humano e limitado, mas, está fazendo um ótimo trabalho para fazer com que a Igreja Católica recupere sua imagem tão desgastada por esses que se julgam sacerdotes e bispos mas não são. Precisamos orar muito meus irmãos. Jesus não está de olhos fechados à todas essas coisas. Talvez seja por isso que a Mãe de Deus em Fátima tenha alertado sobre o pecado da própria Igreja, mas eles não querem ouvir, como Moisés um dia não foi ouvido pelo Faraó.  

Hoje falta vocações, falta amor. Qualquer um que se candidata entra em um seminário se torna padre mas não é cristão de verdade. Por isso vemos cada vez mais as paróquias vazias. Onde existe uma catequese fraca. Não há movimentos. Não há assistência aos pobres. Não há comprometimento com as  causas sociais. Jesus disse: "De graça recebeis, de graça dais". 
Só pensam em pedir dinheiro. Mas esquecem da assistência espiritual. Estão preocupados com a reforma dos seus templos, mas não na reforma do ser humano. Poucas confissões, poucos batismos...  São sacerdotes que ao invés de estarem salvando almas, atendendo o povo católico, administrando os sacramentos, estão mais preocupados com o exterior, com a fama, os shows. Cobram caro para dar uma palestra evangelização. Tudo isto é a cinzânia de satanás.

O povo padece espiritualmente e por isso recorrem às seitas que cada dia surgem no nosso país e no mundo. Lá eles são enganados, mas preferem ficar lá do que na Igreja Católica porque lá recebem palavras de conforto coisa que alguns maus sacerdotes deixaram de fazer. Nossa Senhora como Mãe da Igreja não estará preocupada? Pensemos e oremos pela Igreja, para que Deus tenha piedade e nos ajude a sermos verdeiros cristãos.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, em breve será respondido.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.