quinta-feira, 1 de maio de 2014

BEATOS JOÃO XIII E JOÃO PAULO II - SÃO CANONIZADOS NO VATICANO PELO SANTO PADRE FRANCISCO I


BIOGRAFIA DO PAPA JOÃO XIII
(SÃO JOÃO XIII)



Nasceu no dia 25 de Novembro de 1881 em Sotto il Monte, diocese e província de Bérgamo (Itália), e nesse mesmo dia foi baptizado com o nome de Angelo Giuseppe; foi o quarto de treze irmãos, nascidos numa família de camponeses e de tipo patriarcal. Ao seu tio Xavier, ele mesmo atribuirá a sua primeira e fundamental formação religiosa. O clima religioso da família e a fervorosa vida paroquial foram a primeira escola de vida cristã, que marcou a sua fisionomia espiritual.
Ingressou no Seminário de Bérgamo, onde estudou até ao segundo ano de teologia. Ali começou a redigir os seus escritos espirituais, que depois foram recolhidos no "Diário da alma". No dia 1 de Março de 1896, o seu director espiritual admitiu-o na ordem franciscana secular, cuja regra professou a 23 de Maio de 1897.
De 1901 a 1905 foi aluno do Pontifício Seminário Romano, graças a uma bolsa de estudos da diocese de Bérgamo. Neste tempo prestou, além disso, um ano de serviço militar. Recebeu a Ordenação sacerdotal a 10 de Agosto de 1904, em Roma, e no ano seguinte foi nomeado secretário do novo Bispo de Bérgamo, D. Giacomo Maria R. Tedeschi, acompanhando-o nas várias visitas pastorais e colaborando em múltiplas iniciativas apostólicas:  sínodo, redacção do boletim diocesano, peregrinações, obras sociais. Às vezes era também professor de história eclesiástica, patrologia e apologética. Foi também Assistente da Acção Católica Feminina, colaborador no diário católico de Bérgamo e pregador muito solicitado, pela sua eloquência elegante, profunda e eficaz.
Naqueles anos aprofundou-se no estudo de três grandes pastores:  São Carlos Borromeu (de quem publicou as Actas das visitas realizadas na diocese de Bérgamo em 1575), São Francisco de Sales e o então Beato Gregório Barbarigo. Após a morte de D. Giacomo Tedeschi, em 1914, o Pade Roncalli prosseguiu o seu ministério sacerdotal dedicado ao magistério no Seminário e ao apostolado, sobretudo entre os membros das associações católicas.

Em 1915, quando a Itália entrou em guerra, foi chamado como sargento sanitário e nomeado capelão militar dos soldados feridos que regressavam da linha de combate. No fim da guerra abriu a "Casa do estudante" e trabalhou na pastoral dos jovens estudantes. Em 1919 foi nomeado director espiritual do Seminário.

Em 1921 teve início a segunda parte da sua vida, dedicada ao serviço da Santa Igreja. Tendo sido chamado a Roma por Bento XV como presidente nacional do Conselho das Obras Pontifícias para a Propagação da Fé, percorreu muitas dioceses da Itália organizando círculos missionários.

Em 1925, Pio XI nomeou-o Visitador Apostólico para a Bulgária e elevou-o à dignidade episcopal da Sede titular de Areopolis.

Tendo recebido a Ordenação episcopal a 19 de Março de 1925, em Roma, iniciou o seu ministério na Bulgária, onde permaneceu até 1935. Visitou as comunidades católicas e cultivou relações respeitosas com as demais comunidades cristãs. Actuou com grande solicitude e caridade, aliviando os sofrimentos causados pelo terremoto de 1928. Suportou em silêncio as incompreensões e dificuldades de um ministério marcado pela táctica pastoral de pequenos passos. Consolidou a sua confiança em Jesus crucificado e a sua entrega a Ele.

Em 1935 foi nomeado Delegado Apostólico na Turquia e Grécia:  era um vasto campo de trabalho. A Igreja tinha uma presença activa em muitos âmbitos da jovem república, que se estava a renovar e a organizar. Mons. Roncalli trabalhou com intensidade ao serviço dos católicos e destacou-se pela sua maneira de dialogar e pelo trato respeitoso com os ortodoxos e os muçulmanos. Quando irrompeu a segunda guerra mundial ele encontrava-se na Grécia, que ficou devastada pelos combates. Procurou dar notícias sobre os prisioneiros de guerra e salvou muitos judeus com a "permissão de trânsito" fornecida pela Delegação Apostólica. Em 1944 Pio XII nomeou-o Núncio Apostólico em Paris.

Durante os últimos meses do conflito mundial, e uma vez restabelecida a paz, ajudou os prisioneiros de guerra e trabalhou pela normalização da vida eclesial na França. Visitou os grandes santuários franceses e participou nas festas populares e nas manifestações religiosas mais significativas. Foi um observador atento, prudente e repleto de confiança nas novas iniciativas pastorais do episcopado e do clero na França. Distinguiu-se sempre pela busca da simplicidade evangélica, inclusive nos assuntos diplomáticos mais complexos. Procurou agir sempre como sacerdote em todas as situações, animado por uma piedade sincera, que se transformava todos os dias em prolongado tempo a orar e a meditar.

Em 1953 foi criado Cardeal e enviado a Veneza como Patriarca, realizando ali um pastoreio sábio e empreendedor e dedicando-se totalmente ao cuidado das almas, seguindo o exemplo dos seus santos predecessores:  São Lourenço Giustiniani, primeiro Patriarca de Veneza, e São Pio X.

Depois da morte de Pio XII, foi eleito Sumo Pontífice a 28 de Outubro de 1958 e assumiu o nome de João XXIII. O seu pontificado, que durou menos de cinco anos, apresentou-o ao mundo como uma autêntica imagem de bom Pastor. Manso e atento, empreendedor e corajoso, simples e cordial, praticou cristãmente as obras de misericórdia corporais e espirituais, visitando os encarcerados e os doentes, recebendo homens de todas as nações e crenças e cultivando um extraordinário sentimento de paternidade para com todos. O seu magistério foi muito apreciado, sobretudo com as Encíclicas "Pacem in terris" e "Mater et magistra".

Convocou o Sínodo romano, instituiu uma Comissão para a revisão do Código de Direito Canónico e convocou o Concílio Ecuménico Vaticano II. Visitou muitas paróquias da Diocese de Roma, sobretudo as dos bairros mais novos. O povo viu nele um reflexo da bondade de Deus e chamou-o "o Papa da bondade". Sustentava-o um profundo espírito de oração, e a sua pessoa, iniciadora duma grande renovação na Igreja, irradiava a paz própria de quem confia sempre no Senhor. Faleceu na tarde do dia 3 de Junho de 1963.

Fonte: (Site do Vaticano)



BIOGRAFIA DO PAPA JOÃO PAULO II
(SÂOJOÃO PAULO II)


Karol Józef Wojtyła , conhecido como João Paulo II desde sua eleição em outubro 1978 para o papado, nasceu na cidade polonesa de Wadowice, uma pequena cidade a 50 quilômetros de Cracóvia, em 18 de maio de 1920. Ele era o mais novo de três filhos de Karol Wojtyla e Emilia Kaczorowska. Sua mãe morreu em 1929. Seu irmão mais velho Edmund, um médico, morreu em 1932 e seu pai, um oficial do Exército não comissionado morreu em 1941. Uma irmã, Olga, tinha morrido antes de ele nascer. Ele foi batizado em 20 de
junho, 1920 na igreja paroquial de Wadowice pelo Padre. Franciszek Zak, fez sua Primeira Comunhão aos 9 anos e foi confirmada aos 18 anos. Após a formatura de Marcin Wadowita ensino médio em Wadowice, matriculou-se na Jagiellonian University de Cracóvia em 1938 e em uma escola de teatro. As forças de ocupação nazista fecharam a Universidade, em 1939, o jovem Karol teve que trabalhar em uma pedreira (1940-1944) e depois na fábrica química Solvay para ganhar a vida e evitar a deportação para a Alemanha. Em 1942, consciente de seu chamado ao sacerdócio, ele começou a cursos no seminário clandestino de Cracóvia, dirigido pelo Cardeal Adam Stefan Sapieha, arcebispo de Cracóvia. Ao mesmo tempo, Karol Wojtyla foi um dos pioneiros da "Rapsódico Theatre", também clandestino. Após a Segunda Guerra Mundial, ele continuou seus estudos no Seminário Maior de Cracóvia, uma vez que tinha reaberto, e na Faculdade de Teologia da Universidade Jagiellonian. Ele foi ordenado sacerdote pelo Arcebispo Sapieha em Cracóvia no dia 1 de novembro de 1946. Pouco tempo depois, o Cardeal Sapieha lhe enviou a Roma, onde trabalhou sob a direção do dominicano francês Garrigou-Lagrange.Ele terminou seu doutorado em teologia em 1948 com uma tese sobre o tema da fé nas obras de São João da Cruz (Doctrina de fide apud Sanctum Ioannem um Cruce). Naquela época, durante as férias, ele exerceu seu ministério pastoral entre os imigrantes poloneses da França, Bélgica e Holanda. Em 1948, ele voltou à Polônia e foi vigário de diversas paróquias de Cracóvia, bem como capelão para estudantes universitários. Este período durou até 1951, quando ele retomou seus estudos em filosofia e teologia. Em 1953, ele defendeu uma tese sobre "Avaliação da possibilidade de fundar uma ética católica sobre o sistema ético de Max Scheler" Universidade Católica de Lublin. Mais tarde tornou-se professor de Teologia Moral e Ética Social no seminário maior de Cracóvia e na Faculdade de Teologia de Lublin. Em 4 de julho de 1958, ele foi nomeado bispo titular de Ombi e auxiliar de Cracóvia pelo Papa Pio XII, e foi consagrado 28 de setembro de 1958, na Catedral de Wawel, Cracóvia, pelo Arcebispo Eugeniusz Baziak. Em 13 de janeiro de 1964, foi nomeado arcebispo de Cracóvia pelo Papa Paulo VI, que o cardeal fez 26 de junho de 1967 com o título de S. Cesareo em Palatio da ordem dos diáconos, mais tarde elevada pro illa vice-à ordem dos padres. Além de participar do Concílio Vaticano II (1962-1965), onde fez uma importante contribuição para a elaboração da Constituição Gaudium et spes, o Cardeal Wojtyla participou de todo o assembléias do Sínodo dos Bispos. Os cardeais elegeram Papa no Conclave de 16 de outubro de 1978, e tomou o nome de João Paulo II. Em 22 de outubro, o Dia do Senhor, ele inaugurou solenemente o seu ministério petrino como o sucessor 263 ao Apóstolo. Seu pontificado, um dos mais longos na história da Igreja, durou quase 27 anos. Impulsionada por sua solicitude pastoral para todas as Igrejas e por um sentido de abertura e de caridade para toda a raça humana, João Paulo II exerceu o ministério petrino com um espírito missionário incansável, dedicando-o toda a sua energia. Ele fez 104 visitas pastorais fora da Itália e 146 no interior da Itália. Como Bispo de Roma, visitou 317 das 333 paróquias da cidade. Ele tinha mais reuniões do que qualquer um de seus antecessores com o Povo de Deus e os líderes das nações. Mais de 17.600.000 peregrinos participaram das audiências gerais realizadas às quartas-feiras (mais de 1160), sem contar outras audiências especiais e cerimônias religiosas [mais de 8 milhões de peregrinos durante o Grande Jubileu do Ano 2000 sozinho], e os milhões de fiéis que ele conheceu durante as visitas pastorais na Itália e em todo o mundo. Devemos lembrar também as inúmeras personalidades do governo que ele encontrou durante 38 visitas oficiais, 738 audiências e reuniões com chefes de Estado e 246 audiências e encontros com primeiros-ministros. Seu amor para os jovens levou-o a estabelecer as Jornadas Mundiais da Juventude. Os 19 JMJ celebrada durante o seu pontificado, reuniu milhões de jovens de todo o mundo. Ao mesmo tempo, seus cuidados para a família foi expressa nos Encontros Mundiais das Famílias, que se iniciou em 1994. João Paulo II incentivou com sucesso o diálogo com os judeus e com os representantes de outras religiões, a quem ele várias vezes convidados para as reuniões de oração para paz, especialmente em Assis. Sob sua direção a Igreja preparou-se para o terceiro milênio e celebrou o Grande Jubileu do ano 2000, em conformidade com as instruções contidas na Carta Apostólica Tertio adveniente Millennio. Então, a Igreja enfrentou a nova época, recebendo suas instruções na Carta Apostólica Novo millennio ineunte, na qual ele indicou aos fiéis o seu caminho futuro. Com o Ano da Redenção, o Ano Mariano eo Ano da Eucaristia, promoveu a renovação espiritual da Igreja. Ele deu um impulso extraordinário às canonizações e beatificações, com foco em inúmeros exemplos de santidade como um incentivo para que as pessoas do nosso tempo. Ele comemorou 147 cerimônias de beatificação, durante o qual ele proclamou 1338 beatos; e 51 canonizações para um total de 482 santos. Ele fez Teresa do Menino Jesus um doutor da Igreja. Ele expandiu consideravelmente o Colégio dos Cardeais, criando 231 Cardeais (mais um in pectore) em 9 consistórios. Ele também pediu seis reuniões plenárias do Colégio dos Cardeais. Ele organizou 15 Assembléias do Sínodo dos Bispos - seis Assembléias Gerais Ordinárias (1980, 1983, 1987, 1990, 1994 e 2001), uma Assembléia Geral Extraordinária (1985) e oito Especial Assembléias (1980,1991, 1994, 1995, 1997, 1998 (2) e 1999). Seus documentos mais importantes incluem 14 encíclicas, 15 Exortações apostólicas, 11 constituições apostólicas, 45 cartas apostólicas. Promulgou o Catecismo da Igreja Católica no luz da Tradição como autorizadamente interpretada pelo Concílio Vaticano II. Ele também reformou os códigos orientais e ocidentais de Direito Canônico, criou novas Instituições e reorganizou a Cúria Romana. como médico particular, ele também publicou cinco livros de sua autoria: "Cruzando o Limiar da Esperança" (Outubro de 1994), "Mystery Gift e , no quinquagésimo aniversário da minha ordenação como sacerdote "(Novembro de 1996)," Tríptico Romano "meditações poéticas (Março de 2003)," Levanta-te, vamo-nos "(Maio de 2004) e" Memória e Identidade "(fevereiro de 2005). À luz de Cristo ressuscitado dentre os mortos, em 2 de Abril dc 2005, às 09:37, enquanto que o sábado foi chegando ao fim e o Dia do Senhor já estava começando, a Oitava de Páscoa e Domingo da Divina Misericórdia, o amado Pastor da Igreja, John Paul II, partiu deste mundo para o Pai. Desde aquela noite até 8 de abril, data do funeral do saudoso Pontífice, mais de três milhões de peregrinos chegaram a Roma para prestar homenagem aos restos mortais do Papa. Alguns deles enfileirados até 24 horas para entrar Basílica de São Pedro. Em 28 de abril, o Santo Padre Bento XVI anunciou que o normal de cinco anos período de espera antes de começar a causa de beatificação e canonização seria dispensado para João Paulo II. A causa foi aberta oficialmente pelo Cardeal Camillo Ruini, vigário geral para a diocese de Roma, em 28 de junho de 2005.
(Fonte: Site do Vaticano)


SOBRE A CANONIZAÇÃO
  
Sua Santidade o Papa Francisco I, em cerimônia realizada na Praça São Pedro no Vaticano, no último dia 27 de abril, de 2014, proclamou santos o italiano Angelo Roncalli (Papa João XXIII) e o Polonês Karol Wojtyla ( Papa João Paulo II). 

Papa Francisco I, declarou:

"Em honra a Santíssima Trindade, pela exaltação da fé católica e pelo incremento da vida cristã, com autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e nosso, após uma longa reflexão e invocações de ajuda divina, escutando o parecer de muitos de nossos irmãos do episcopado, declaramos  e definimos como santos os beatos: João XIII e João Paulo II, e estabelecemos a toda Igreja que sejam devotamente horando entre os santos. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo". 

A proclamação foi recebida por um longo aplauso pelos gritos exaltados por mais de 500.000 fiéis na Praça São Pedro. Logo após foram apresentado os relicários com as relíquias de S. João XIII e S. João Paulo II (uma ampola contendo um pedaço de pele e sangue), foram colocadas sobre o altar.

Em homilia o Papa Francisco fez questão de afirmar que os Santos: ."..João XIII e João Paulo II, foram homens corajosos que não tiveram "medo" de contemplar Jesus Cristo e viveram os desafios do século XX. Eles tiveram a coragem de olhar as feridas de Jesus e tocar suas mãos. Não tiveram vergonha da carne de Jesus, não se escandalizaram dele, da sua cruz, não tiveram vergonha da carne do irmão..." ..."Foram sacerdotes bispos e Papas do século XX, conheceram as tragédias desse século, mas, não foram sobrecarregados por elas. O mais forte neles era a fé em Jesus Cristo Redentor e Senhor da História".

O Santo padre o Papa Francisco disse que João XIII e João Paulo II colaboraram para a recuperação da Igreja em sua fisionomia original, principalmente João XIII através do Concílio Vaticano II. João XIII foi para a Igreja um pastor e guia. Guiado pelo Espírito Santo ficou conhecido como o"Papa da docilidade do Espírito Santo" e João Paulo II, o "Papa da Família". Uma vez ele disse que gostaria de ser lembrado como o "Papa das famílias", lembrou sua Santidade o PP. Francisco.
Esteve também presente na cerimônia o Papa emérito Bento XVI.

Tão logo o Papa Francisco terminou a Missa de canonização, o arcebispo de Salvador na Bahia, D. Murilo Krieger, assinou um decreto acrescentando à Paróquia N. Sra. dos Alagados-BA, para o nome de: Paróquia Nossa Senhora dos Alagados e São João Paulo II. Essa é a primeira igreja dedicada a ele, construída em 1980 por ocasião de sua visita ao Brasil. Uma celebração eucarística ocorreu na igreja para marcar a assinatura do decreto. Na época  da visita em 1980, o Bairro dos Alagados recebeu infraestrutura como asfalto e iluminação para receber o Pontífice. Na paróquia atualmente funciona uma creche onde atende crianças pobres da região.

      Paróquia N. Sra. dos Alagados e S. João Paulo II-BA-Brasil. 

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, em breve será respondido.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.