quarta-feira, 30 de novembro de 2016

O VERDADEIRO SENTIDO DO NATAL - Celebrando o Natal com espírito e consciência cristã!

No dia 25 de dezembro, todos os anos nós católicos romanos comemoramos o Natal e no dia 7 de janeiro os católicos ortodoxos comemoram o Natal. Mas quase sempre passa-nos despercebido o verdadeiro sentido do Natal.

Bem a ideia de celebrar o natal surgiu depois de muitos anos na Igreja. Não sabemos a data exata do nascimento de Jesus, no entanto a Igreja Católica Apostólica Romana propôs que a celebrássemos no dia 25 de dezembro, uma data mais comum para o povo do Ocidente.

Já era tradição na Igreja Católica Apost. Romana Católica Ortodoxa de celebrar do Natal do dia 07 de janeiro, por ocasião da Festa da Epfania ou "Manifestação do Senhor"; também  muito conhecida como "dia de Reis". Neste dia a Igreja celebra a visitação dos Magos ao Menino Jesus. OU seja, Jesus Cristo se manifestou a todos povos, representado na figura dos magos. A tradição chama-os de "reis", mas na verdade o Evangelho não diz que eram reis e sim, magos, estudiosos dos astros. Até os dias de hoje nas comunidades rurais o Natal se volta mais para a festa da Epfania. 
  
Natal vem do vocábulo latino: Natividade, significa nascimento. Ou seja, referente ao nascimento de Jesus. Em inglês o termo é Christmas, significa "Missa de Cristo". Já na língua alemã, é Weihnachten e significa  Noite Bendita


No ano 245 d.C., o teólogo Orígenes repudiava a ideia festejar o nascimento de Jesus "como se fosse um Faraó". Há inúmeros testemunhos de como os primeiros cristãos valorizavam cada momento da vida de Jesus Cristo, especialmente sua Paixão e Morte na Cruz. 

Não era costume na época comemorar o aniversário de Jesus, e portanto, não sabiam que dia havia nascido o seu Senhor. Os primeiros testemunhos indicam datas muito variadas, e o primeiro testemunho direto que afirma que Jesus Cristo nasceu no dia 25 de Dezembro é de Sexto Júlio Africano, no ano 221.
De acordo com o almanaque romano, a festa já era celebrada em Roma no ano 336 d.C. Na parte Oriental do Império Romano, comemorava-se em 7 de janeiro o seu nascimento, ocasião do seu batismo, em virtude da não-aceitação do Calendário Gregoriano. No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adotar o dia 25 de dezembro para o Natal e o dia 6 de janeiro para Epifania (que significa "manifestação"). Nesse dia comemora-se a visita dos Magos.
A celebração do Natal -  instituída oficialmente pelo Papa Libério, em 354 d.C.

Segundo estudos, a data de 25 de dezembro não é a data real do nascimento de Jesus. A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno.
Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de dezembro foi adotado para que a data coincidisse com a festividade romana dedicada ao "nascimento do deus sol invencível", que comemorava o solstício do Inverno. No mundo romano, a Saturnália, festividade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de dezembro; era um período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de dezembro era tido também como o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude.
Assim, em vez de proibir as festividades pagãs, forneceu-lhes simbolismos cristãos e uma nova linguagem cristã. As alusões dos padres da igreja ao simbolismo de Cristo como "o sol de justiça" (Malaquias 4:2) e a "luz do mundo" (João 8:12) expressam o sincretismo religioso.

As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religiosos adotaram a festa que era celebrada pelos romanos, o "nascimento do deus sol invencível" (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer “cristã”. Para certas correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para simbolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico. Segundo esse princípio, em tese, o Natal do hemisfério sul deveria ser celebrado em junho.

Há muito tempo se sabe que o Natal tem raízes pagãs. Por causa de sua origem não-bíblica, no século 17 essa festividade foi proibida na Inglaterra e em algumas colônias americanas. Quem ficasse em casa e não fosse trabalhar no dia de Natal era multado. Mas os velhos costumes logo voltaram, e alguns novos foram acrescentados. O Natal voltou a ser um grande feriado religioso, e ainda é em muitos países.

É muito comum as pessoas se reunirem para comemorarem o Natal, até mesmo quem nunca entendeu o que significa esta palavra, pois se trata de um momento de alegria, de estar com a família e de reunir parentes e amigos. É um momento que para muitos significa uma nova oportunidade de confraternização, uma data qualquer no final calendário.

O comércio aproveita para vender a imagem do Natal e dobrar seus lucros...- (...) - "É uma época boa, dizem os comerciantes, para lucrar e vender mais, para recuperar os prejuízos"... Assim arrumam o Papai-Noel, que sai fazendo uma falsa propaganda, e em mome do lucro, atrai seus "filhos do comércio" para a idolatria do lucro e da gastança do Natal.


SÃO NICOLAU X PAPAI NOEL



São Nicolau Taumaturgo da cidade de Mira, da província de Lícia, é um santo especialmente querido pelos ortodoxos, e em particular, pelos russos. Ele ajuda rapidamente em diversas calamidades da vida e perigos das viagens. Ele nasceu na Ásia Menor no final do séc. III. E desde a sua infância, demonstrou a sua profunda religiosidade e aproximou-se do seu tio, bispo da cidade de Patara e ainda jovem foi ordenado sacerdote.

A sua vida é cercada de lendas que só aumentaram a sua fama. Uma destas lendas conta que uma família muito pobre não tinha como custear o “dote” para casar as suas filhas. O bispo Nicolau, a noite, jogou um saco de moedas de ouro e prata para ajudar a pagar o referido “dote”. E há a estória de que teria aparecido pouco depois de morto a uma menininha que teria se perdido em uma floresta na Capadócia, e pegando em sua mão diminuta, a teria levado até a porta de sua casa, não permitindo que esta morresse de frio. Muitas tem sido as suas aparições. Mas a mais famosa foi no Natal de 1583, na Espanha, quando atendendo as orações de algumas senhoras, este santo auxiliou para que nenhum só pobre deixasse de receber o seu pão bento. Os pobres, ao serem perguntados sobre a quem lhes teria dado alimento em meio a um “tão pesado inverno”, estes teriam dito que foram socorridos por “um senhor de afeições muito serenas e mãos firmes”.


A transformação de São Nicolau em Papai Noel começou na Alemanha entre as igrejas protestantes e sua imagem passou definitivamente a ser associada com as festividades do Natal e as costumeiras trocas de presentes no dia 6 de Dezembro (dia de São Nicolau). Como o Natal transformou-se na mais famosa e popular das festas, a lenda cresceu. Em 1822, Clement C. Moore escreveu o poema “A Visit from St. Nicholas”, retratando Papai Noel passeando em um trenó puxado por oito pequenas renas, o mesmo modo de transporte utilizado na Escandinávia. O primeiro desenho retratando a figura de Papai Noel como conhecemos nos dias atuais foi feito por Thomas Nast e foi publicado no semanário “Harper’s Weekly” no ano de 1866.


Nicolau passou a vida ajudando os pobres e tornou-se bispo da cidade de Myra. Ele morreu no dia 6 de dezembro de 342 e hoje é um dos santos festejados pelo cristianismo.

Esse velho barrigudo, com um gorro vermelho e um saco de ilusões, papai Noel, provoca em muitos a fome, a miséria, a sede de gastança para satisfazer o comércio.


Alguns dizem que o personagem do Papai-Noel está inspirado em um bispo católico da Idade Média, São Nicolau ou Santa Claus. Em uma parte sim, em outra não! - Pois, São Nicolau, segundo sua história, fazia caridade quando recolhia dinheiro e repartia com as moças que não tinham dote para se casar. Ao contrário do Papai-Noel que virou personagem fictício  de exploração. Se inspirássemos na caridade de São Nicolau, com certeza, o mundo seria melhor. O que o personagem Papai Noel faz é trabalhar para que o Comércio lucre cada vez mais. Ele não está preocupado com a caridade e, se por uma vez, a faz é tudo em nome da Propaganda e do consumismo. De forma diabólica instiga a sede de consumismo das crianças, pois no comércio, só perde para o comércio infantil o comércio de alimentos,  materiais e a moda para animais domésticos como cães e gatos etc. Esse papai Noel que ao invés de fazer caridade, rouba a imaginação das crianças, rouba suas fantasias e provoca em muitos lares a tristeza, porque muitos pais não podem dar a seus filhos um presente de Natal. Para esses Papai Noel não chega nem perto.   

Nós católicos temos que acabar com isso. Uma coisa é a grande devoção a São Nicolau. Outra é ensinar às nossas crianças sobre o Papai Noel que nada mais é um ídolo do comércio e uma figura diabólica da miséria e da desgraça que o Comércio produz.

Nós católicos devemos começar a olhar para nossa Fé de forma diferente, verdadeiramente ensinar aos nossos filhos o que é o Natal e qual  seu verdadeiro sentido. 

Somos filhos de Deus ou filhos do mundo? Somos filhos de Deus, portanto Jesus é nosso irmão. Ou somos filhos de papai Noel, e portanto, filhos do comércio?

Natal é  celebrar a vida nova. É Jesus que se dá de presente para todos nós, para nossa Salvação. Ele se encarnou, se fez homem para nos Salvar. Esse gesto de agradecimento a Deus que nos enviou o Salvador é que deve ser celebrado. Os abraços, a ceia, a troca de presentes, no Natal, nada disso tem sentido se não valorizarmos, se não dermos a ele o verdadeiro sentido pelo qual nós o celebramos. Caso contrário será apenas mais um feriado no calendário, uma data comemorativa qualquer, como uma festa pagã.

Para nós, o Natal não é isso, ele deve ser momento solene de agradecer a Deus, uma "Ação de Graças" por Jesus ter nascido e se tornado um de nós para nos salvar, conforme nos diz São João no seu capítulo 1. Jesus é a Luz do mundo, o Sol que veio para iluminar as Nações. Ele é o nosso Senhor e Salvador.    
     


 QUAL É O VERDADEIRO SENTIDO DO NATAL?

A Revista "Brasil Cristão" - N. 16, Edição 185 - de Dezembro de 2012, nos traz o seguinte artigo escrito pelo Pe. Francisco Sehmen, scj:




O que é o Natal para você? - O que significa desejar Feliz Natal? Uma volta de Jesus ao mundo, às famílias? Você desejaria paz, alegria, vida nova, ou muitos presentes, festas banquetes, Papai Noel?


No passado, Papai Noel era sempre relacionado ao Menino Jesus. Nos dias atuais, infelizmente, andam separados. Sempre que o velhinho aparece, o Aniversariante é posto fora de cena. (Isto é Jesus o aniversariante fica de fora de sua própria festa). Perdeu-se no tempo, a figura original do Papai Noel como mensageiro do Menino Jesus. Para Igreja o "Papai-Noel" não é mais tido como símbolo natalino, ele pode ser usado como símbolo natalino dentro do comércio. São Nicilau sim, por ser um santo e exemplo de caridade cristã e pode ser venerado e considerado um símbolo do Natal. Nós não temos o costume de celebrar o dia de São Nicolau mas na Rússia ele é muito venerado e é um santo popular e querido dos russos cristãos ortodoxos. 

Papai-Noel se  transformou-se num "Velho propaganda" comercial  do consumismo.

Este  Papai Noel moderno só pensa numa coisa e só trabalha por uma causa: vender, vender e vender. E como hoje ele não tem dinheiro, só traz presentes para crianças de pais ricos.

Para as crianças pobres costuma levar só brinquedos usados. Alheio ao sofrimento dos outros, nunca é visto chorando, mas sempre sorridente. Não gosta muito de caminhar pelas favelas,( a não ser por este ou aquele ser "caridoso" que pensa que pobre só come no Natal e e na Páscoa) nem de visitar as casas onde crianças não colocam os sapatinhos ao pé da cama, lá onde andam descalças e dormem no chão. Bom seria se houvesse pessoas que durante o ano visitasse as comunidades carentes levando amor, carinho, educação, cultura e principalmente ajudando as pessoas a lutar contra as drogas. Que visse em cada criança a figura de Jesus que precisa de ajuda, que precisa de saúde, escola e lazer decente...


Onde ficou aquele velhinho de barbas brancas, faces iluminadas de carinho, sorriso e ainda mais abertos dos nossos tempos de criança, que vinha carregado de presentes para o Menino Jesus do Presépio? Onde está o Papai Noel que distribuía presentes a todos, à família da empregada que passava este dia da fraternidade conosco?


Era o Menino Jesus que repartia os presentes. Costume que ainda perdura em algumas famílias. Papai Noel traz os presentes e os entrega em nome do recém-nascido de Belém.


Revivia-se o pleno sentimento da profecia de Isaías: "Um menino nasceu entre nós" 


( Is 9, 5 ); Ele é o presente de Deus à humanidade, o motivo de nossa confraternização, manifestada na troca de presentes nesta Noite Feliz e de Paz.

Mas o Papai Noel dos tempos da internet não é mais aquele. Não sabe mais que um dia sua missão foi parecida com a de João Batista, o precursor. Ele "não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz" ( Jo 1, 27). João alertou com severa advertência, válida para hoje: "No meio de vós há alguém que não conheceis" ( Jo 1, 26).


A alegria do Natal seria mais completa se Papai Noel testemunhasse como João Batista, a respeito de Jesus: "É necessário que Ele cresça e eu diminua" ( Jo 3, 30 ).


A tradição do Papai Noel é ligada a São Nicolau ( ou Santa Claus) , bispo da Turquia entre os anos 280 e 345. Sua vida é cercada de lendas que o retratam como uma pessoa bondosa, que dava muitos presentes. Após sua morte, começou a ser cultuado por toda Europa. Os reformadores nórdicos no séc. XVI, contrários à devoção aos santos, substituíram S. Nicolau pela figura ( fictícia ) do Papai Noel. Segundo a tradição, ele parte do Pólo Norte em um trenó cheio de presentes, puxado por renas, e passa de casa em casa para entregar presentes às crianças que foram obedientes durante o ano.


Há menos de 50 anos quem trazia os presentes era o Menino Jesus. Passava de casa em casa com seu burrinho. Ao lado do presépio, cada um colocava um chapéu, e dentro dele grãos de milho. Era o alimento para o burrinho ter forças para seguir viagem. No dia seguinte, o milho desaparecia e lá estavam os presentes. Talvez não resolva brigar com o Papai Noel, mas seria muito bom lembrar que o Natal celebra o nascimento de Jesus. Paralelo aos presentes pode nascer uma onda de fraternidade, capaz de levar a solidariedade e vida mais digna às crianças que apenas sonham com o Papai Noel e nunca tiveram a ventura de sua visita.


A grande virtude deste tempo é a esperança. O Menino que nasce é o "Sol Nascente", é a "Luz das Nações". Não podemos celebrar um natal pagão, sem Deus sem o Menino Jesus - um Natal só com Pai Noel - com árvore de natal, compras, presentes caros, com sentido de festa mundana. O Natal que celebramos deve começar no dia 25 de dezembro, entrar pelo novo no até o próximo chegar. É Deus que se doa, que se revela na pessoa de seu Filho Jesus por amor aos homens. É Jesus que desce da Glória e se veste sob véus de humildade para estar com os pobres, humildes e sofredores. É Jesus que se apresenta diante da fraqueza humana o mais robusto e mais belo dos homens. É Jesus o Deus-Conosco que veio, o Emanuel, Salvador do mundo! 


Podemos celebrar o Natal com alegria Cristã, com luzes e presentes, mas com a simplicidade que a festa exige. Se o Menino não nasce no nosso ser, em nossa vida, no nosso coração não há Natal. 

Se a palavra Natal significa "nascimento", então temos que deixar o menino Jesus nascer em nosso coração. Papai Noel não precisa desaparecer. Mas precisa mudar. Reconhecemos que ele faz gestos humanitários nos hospitais, nas fábricas e escolas, mas precisa fazer mais. Faça como o velho Simeão, no Templo e ajude            -nos a levar o Menino Jesus às crianças. Que o Menino seja conhecido, amado e seguido por todos nós.  


A realidade do Evangelho nos mostra que:

O Natal é o momento de celebrar o nascimento do Verbo de Deus. Ou seja, Jesus, que nasceu, veio para nos salvar.

Então, o filho de Deus, nasceu humilde, se sujeitou aos pequeninos. Nasceu pobre, numa fria gruta e foi posto numa manjedoura (lugar em que os animais comiam), mesmo sendo Ele o Rei dos reis.

Não recebeu em primeiro lugar os nobres, porque os nobres, assim como hoje procuravam um Deus das alturas, soberbo, longe, aquém da realidade do seu povo, no entanto, eis que o Rei dos reis desce à mais profunda humildade e confunde a cabeça daqueles que viviam no poder.


Ele se contentou em receber a visita dos humildes pastores, gente sofrida pelos preconceitos, pois eram tidos como sujos e fedidos. Depois sim, recebeu os nobres sábios do Oriente que lhe trouxeram presentes: ouro, incenso e mirra. Ao mesmo tempo que foi acolhido, também foi odiado pela sede de poder de Herodes. Tudo isso aquele Menino de Belém experimentou. E depois de tudo, já em sua vida pública disse que "o Filho de Deus não tinha onde reclinar a cabeça" e de fato, morreu pregado na Cruz despido até de suas vestes.   

Ainda aqui nos recordamos de sua palavra no Evangelho: "Quando fizerdes uma ceia, não convides amigos, irmão se outros mais... (porque se fizerdes assim que recompensa tereis?)
Pelo contrário ide às ruas e praças chamai os pobres ... eis a recompensa

É esse o sentido do Natal. Deve ser uma festa de acolhida, uma festa do repartir onde possa acontecer sempre a colhida do irmão e aqui ganha um sentido ainda maior porque Jesus precisa renascer no nosso dia a dia. Será que aqueles tempos é diferente de hoje? Não a realidade é a mesma, como então podemos viver o nosso Natal. Como enxergar Jesus na pessoa do pobre marginal, drogado, do pobre, do sem teto, sem casa, sem lar e sem comida ? ... Como resgatar a dignidade desses irmãozinhos que tanto precisam de nós? 

É isso que Jesus quer e deseja de nós cristãos. E não que nos empaturremos com nossas Ceias, nossa externidade. Um Natal feito de luz de muitos presentes e ilusões mas carente do amor de Deus.   

O Natal tem seu verdadeiro sentido quando olhamos para o Papai do Céu que, ao invés de nos vender ilusões, nos dá de graça seu amor. Fez com que seu filho assumisse a nossa natureza e se igualasse a nós, exceto no pecado.

Ele nos entrega Jesus como presente. E não exige nada em troca senão amor. Amor tão grande a ponto de se entregar na Cruz e nos salvar. Como escrevia Santo Afonso de Liguori, em sua música: "Eis que lá das Estrelas", uma frase que toca:


 "Meu Divino Pequenino,

eu te vejo aqui tremer.
Ó Deus Encarnado, 
Oh quanto te custou me ter salvado." (Sto. Afonso de Liguori)



O NATAL DESCRITO POR SÃO LUCAS

Lucas foi discípulo de Paulo, detalhista nos seus escritos. Seu Evangelho relata os principais acontecimentos do nascimento de Jesus. Desde a Anunciação do Anjo à Maria, a visita de Maria à Isabel, o nascimento de João o Batista até o estado do nascimento de Jesus. (Lc1, 1-80: 2,1-21).

O nascimento de Jesus começa com um decreto político. Quando Otaviano, o Imperador de Roma, também chamado de César Augusto resolve fazer um censo para saber quantos súditos havia em seu Império. Otaviano foi muito famoso e respeitado, o nome César Augusto se deve ao título que o equiparava a um deus. Tão era a veneração que o povo tinha para com ele. O mês de agosto ou augustus recebeu este nome em sua homenagem. Foi a partir de Otaviano que os demais sucessores do Império Romano recebeu o título nobre de " divinus Augustus", todos os governantes de Roma queriam ser um "Augustus".


Então, Otaviano ou César Augusto decretou que todos fossem com suas famílias para se alistarem nas cidades de origem. E como José   era da família do rei Davi, e portanto judeu, também teve sair de Nazaré na Galileia, com sua esposa Maria, já grávida, e ir até Efrata ou Belém da Judeia para também se alistar. Nazaré ficava cerca de 120 Km de Belém. No extremo Norte da Palestina quase em divisa com a Síria. 


Mas você pode se perguntar: o que tem haver o nascimento de Jesus com um ato político de Otaviano? - Pela lógica humana nada, pela lógica de Deus, tudo! - Pois o profeta Miqueias  setecentos anos antes de Cristo já havia profetizado que o Messias deveria nascer em Belém. (Miq 5, 2) - "E tu Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as cidades de Judá, porque de ti sairá o chefe que governará Israel meu povo!" - Deus age na história dos homens.

Assim sendo Deus escolhe Maria e José, ambos de Nazaré, na Galileia, para serem os pais de Jesus. José era descendente do rei Davi, da raiz de Jessé. Casado com Maria assumiu ser o pai adotivo de Jesus, e como seu pai e para que se cumprisse a profecia e a promessa divina, aquela santa Família se dirigiu para Belém... Assim diz o texto de São Lucas (Lc2, 4 - 7): 

 ... (4)Também José subiu da Galileia para Nazaré, na Judeia, a cidade de Davi, chamada Belém. (5) Para alistar com sua esposa Maria, que estava grávida. (6) Estando ali, completaram-se os dias  dela. (7) E ela deu à luz a um filho primogênito, e, tendo envolvido em faixas colou-o num presépio, porque não encontraram lugar para eles em uma hospedaria.  

... Maria estava grávida, com seus nove meses, a viagem foi difícil, cansativa, tendo que pernoitarem pelo caminho. E quando chegaram à Belém, Maria já se encontrava em trabalho de parto. A cidade cheia, os hotéis cheios, não encontraram um lugar decente para Maria dar a Luz.


Tiveram que se contentar em se estabelecer em uma estrebaria, e ali, no meio dos animais, Jesus nasceu!


Segundo o Evangelho (apócrifo) de Tiago (Tiago o Gêmeo), também chamado de "Proto Evangelho de Tiago",  ele relata que o  nascimento de Jesus aconteceu de forma divina sem que Maria sofresse as dores do parto. Assim como sem relação sexual Jesus foi encarnado, também sem rompimento carnal Jesus teria nascido. Narra o texto que José, achando-se necessário, foi procurar uma parteira, mas, a mulher viu quando uma nuvem envolveu Maria e ela deu a luz de forma divina. Tanto que a mulher disse a José  o que viu acontecer. Mais detalhes desse acontecimento está no artigo desse mesmo blog, onde descrevo os evangelhos apócrifos dentre eles o "Proto Evangelho de Tiago". Daí o fato de a Igreja proclamar a Imaculada conceição de Maria e também declará-la sendo Virgem, antes, durante e após o parto.     

Parece um tanto estranho, Deus querer que seu Filho nascesse em tamanha pobreza... mas é na humildade que Deus se manifesta, como Jesus mesmo virá mais tarde a dizer: "Quem se humilha será exaltado e quem se exalta, será humilhado". Jesus se rebaixou desde o nascimento até a morte, se humilhou e com a vitória sobre o pecado e a morte foi exaltado. São Paulo nos diz que por causa disso todo joelho se dobra diante do nome de Jesus, ta terra, no céu, e nos infernos. Pois ele veio estar com os pecadores, os doentes, os marginalizados, os oprimidos, os pobres... Ele veio resgatar toda humanidade suja e condenada pelo pecado. 

Como nos diz São João: (Jo1, 3-4.9)

Tudo foi feito por ele, sem ele nada foi feito. Nele havia vida e a vida era a luz dos homens, luz que resplandece nas trevas... O Verbo que vindo ao mundo ilumina todo homem... 

Jesus é o verdadeiro Sol que dissipa toda a treva do pecado. Ele é o farol que nos guia.

Continuando....

Mas, para o Filho de Deus naquele momento bastava  o carinho de sua mamãe Maria e o terno sorriso de seu pai adotivo José. Jesus não veio buscar a glória dos palácios, mas se sujeitou à humildade. Ele não veio para ser servido mas para servir.


No entanto, Jesus foi acolhido pelos pastores, pelos anjos e pelos magos. Ali, no frio da gruta, em tamanha pobreza podia contar com o amor de seus pais. João o evangelista descreve que Ele veio para os seus e os seus não o receberam.

Jesus foi perseguido e logo, seus pais tiveram que sair de Belém e ir para terras distantes, até o Egito. Assim narra Mateus completando o clico dos acontecimentos.
Hoje talvez ao celebrar o Natal, será que Jesus também encontrará lugar para nascer nos nossos corações? 

Será que não estamos dando valor demais às coisas do mundo: às festas, às ceias, a nossa sede de gastar, e estamos esquecendo de deixar Jesus nascer em nossos corações?


Será que nossas famílias vivem com amor e simplicidade e celebram com amor esse dia?...  é a pergunta que fica...


O Natal não pode ser apenas uma data comemorativa, uma lembrança, mas deve ser o momento de pararmos para pensar:


Como posso fazer para que Jesus nasça em meu coração? Será que meu coração recebe, acolhe de verdade Jesus? - Será que como Jesus também sabemos acolher em primeiro lugar Jesus na pessoa dos pobres, dos doentes, dos desamparados? 


Em nossas casas ao cear e celebrar o natal, lembramos de  convidar também aqueles que por algum motivo não podem celebrar o natal, ou porque não tem condições ou porque estão na solidão sem o carinho das pessoas? ... Sabemos acolher bem os de casa e os de fora?


 - No natal recebemos muitos presentes, mas você já se lembrou de dar um presente para Jesus, afinal a festa é d'Ele e Ele é o aniversariante!  - Tenho certeza de que o presente que Jesus queria ganhar de cada um de nós é um coração renovado, convertido e amoroso. Aberto aos valores evangélicos.           


 O verdadeiro sentido do Natal está presente quando celebramos esse amor de Deus por nós, e o presente maior que o Pai do Céu nos dá é seu próprio Filho. 

João Evangelista nos diz que: porque Jesus veio e se encarnou, todos os que creem no seu nome se tornam Filhos de Deus. (cf. Jo1, 12-14) 

- Ele traz a glória do Pai para junto de nós. Ele veio para tirar o pecado do mundo, (Cf. Jo1,29) - Ele é o Senhor e existia desde a eternidade - (Cf. Jo1, 1.30) - Natal também é o momento de agradecermos a Deus por nos enviar seu Filho e por Ele e Nele sermos salvos. A maior festa do Natal é o louvor e o agradecimento a Deus que tanto amou o mundo, que nos deu seu Filho unigênito para que nos salvasse na Cruz, como nos afirma São João.

Então, não podemos celebrar o Natal simplesmente como um dia comemorativo qualquer, pois assim até os ateus comemoram, mas devemos celebrar o Natal, com verdadeiro espírito de solidariedade, onde devemos entender a profundidade do valor que esta palavra significa: Deus que veio, que se encarnou e nos resgatou. Deus que por amor quis estar conosco, mesmo sendo grande experimentar nossa pequenez. Ao nascer numa gruta, ele se iguala aos pobres, aos que sofrem, aos perseguidos e marginalizados. E também o Natal é o momento de praticarmos a solidariedade.
De que adianta celebrar o Natal com mesa cheia, se fartar de comida enquanto Jesus passa fome lá fora na pessoa do pobre. 

Não é nas festas luxuosas, nem nos maiores banquetes, nem nos melhores presentes que está o verdadeiro sentido do Natal. Mas, olhemos na humilde pequenez do presépio, onde Jesus agora quer fazer morada. Ele é o nosso coração; o coração de cada um de seus filhos(as); Jesus quer que abramos nosso coração para Ele. 

O mundo hoje traz um Natal frio, calculista onde as pessoas só pensam em comprar, comprar, comprar. Falta solidariedade, amor, abraço, ternura, compreensão e o mais importante de tudo,  falta JESUS.

Quantos lares enfeitados com luzes, árvores-de-natal, decorações pelas paredes. Presentes, ceias, velas, vinhos, etc. - (...) Mas, nada disso tem valor sem Jesus, pois, Ele mesmo quer morar em seu coração,  e para isso devemos cuidar, enfeitar preparar nosso ser para sua morada. É nosso coração, a sua manjedoura, que deve estar preparado para recebê-lo. Do contrário de nada valerá todos os símbolos do Natal externo que se faz de ano em ano, pois, Jesus precisa entrar no coração de cada um. Não vamos só enfeitar nossas casas, nosso exterior, vamos primeiro enfeitar nosso coração para que Jesus renasça sempre sem dentro de nós. Tirar de nós tudo aquilo que impede que Jesus venha ao nosso ser e fixe verdadeira morada. Sejamos verdadeiros cristãos promotores da paz, do amor. 

Natal também é tempo de perdão, de misericórdia. Jesus não quer morar em nossos corações se eles estiverem sujos pelos pecados que cometemos. 
O Natal é uma festa linda, mas deve ser celebrada de dentro para fora e não de fora para dentro como muitos pensam.   

Celebrar o Natal também é viver este espírito de pobreza, e ter desapego, e acreditar na graça; acolher Jesus na pessoa do pobre e do excluído, do viciado, do marginalizado, do sem casa, do mendigo,  do trabalhador, do vagabundo, do amigos e inimigos. O Natal quer nos reunir numa só família onde Jesus seja o centro da nossa vida e  todos nós somos irmãos.

As vezes esquecemos que pela graça da salvação dada por Jesus, todos tornamos-nos filhos de Deus e portanto, não há distinção de raça, cor, condição social, todos, ricos e pobres, santos e pecadores, todos somos filhos de um mesmo Pai, Deus e Jesus é nosso irmão.  

Só assim viveremos  o verdadeiro sentido do Natal. Deus-Conosco, Jesus permanecerá em nosso meio. 


COMO SURGIU A CELEBRAÇÃO DO NATAL?

Assim explica D. Murilo Krieger, scj - Arcebispo de Salvador-BA e Primaz do Brasil:

[Se procurássemos no Evangelho alguma indicação sobre o dia do nascimento de Jesus, nada encontraríamos. Na visão dos apóstolos e evangelistas, não se tratava de um fato digno de registro; no centro de sua pregação estava a ressurreição do Senhor. A preocupação que tinham, ao apresentar Jesus para quem não o conhecia, era clara: apresentar uma pessoa viva, não alguém do passado. É o que notamos, por exemplo nos dez discursos querigmáticos (querigma=primeiro anúncio-apresentação das verdades centrais do cristianismo) que encontramos nos Atos dos Apóstolos. A idéia fundamental desses discursos é a mesma: "A este Jesus, Deus o ressuscitou; disso todos nós somos testemunhas". (At, 2, 32)


Voltemos ao Natal. No tempo do Papa Júlio I, que dirigiu a Igreja do ano 337 a 352, é que foi introduzida esta solenidade no calendário da Igreja.  Até então celebrava-se apenas a festa da Epifania - isto é a manifestação do Senhor aos povos pagãos, representados pelos magos do Oriente. Com essa festa ficava claro que Jesus era o Salvador de todos os povos, e não apenas de um só povo. Por que, então, 25 de dezembro como dia do Natal?


O Império Romano havia decidido que todos os povos deveriam comemorar a festa do "sol invicto", o renascimento do sol invencível. Era invencível uma vez que caía (morria) de noite e renascia a cada manhã, eternamente.

Esse renascimento diário era celebrado no dia 25 de dezembro. O sol era também símbolo da verdade e da justiça, igualmente consideradas invencíveis, uma vez que, por mais que muitos tentassem destruí-las, sempre renasciam vitoriosas. O sol, considerado um deus, era uma luz poderosa, que iluminava o mundo inteiro. Igualmente a verdade e a justiça eram luzes poderosas para todos os povos.

Em vez de simplesmente combater essa festa pagã, os cristãos passaram a apresentar Jesus Cristo, nascido em Belém, como o verdadeiro sol, já que nos veio trazer a verdade e a justiça. Também ele passou pela morte, mas dela ressurgiu, mostrando que era invencível. Seu nascimento-isto é, seu natal-, já que não sabiam em que dia havia ocorrido, passou a ser celebrado no dia do sol invicto.


A Tradição - louvável tradição! - dos presépios é posterior: Na noite de Natal do ano de 1223, em Greccio - Itália, S. Francisco de Assis fez o primeiro presépio. Ele maravilhava-se que Jesus, o Filho de Deus, havia-se encarnado para que pudéssemos conhecer o rosto de Deus. Com Jesus passamos a ter em nosso meio um Deus que "trabalhou com mãos humanas, pensou com inteligência humana, agiu com vontade humana, amou com o coração humano.  Nascido da Virgem Maria, tornou-se verdadeiramente um de nós em tudo exceto no pecado (Conc. Vat. II, GS, 22).


Como não representar, então, seu nascimento, ocorrido numa gruta de Belém?

Ao longo  dos tempos e dos lugares, cada povo foi deixando suas próprias marcas nos presépios. Como é importante em cada lar tenha seu presépio, feito inclusive com a colaboração das crianças!
Eles servem para nos lembrar do anúncio que os Anjos fizeram em Belém: "Eu vos anuncio uma grande alegria... nasceu para vós o Salvador!" - Lc 2, 10.

O nascimento de Jesus é o fato central da história da humanidade; tanto assim que contamos os anos a partir desse acontecimento. Na proximidade do Natal, caminhemos ao encontro do Menino que nos é dado, para contemplá-lo e lhe dizer:



"Vimos te adorar, Menino Jesus. Estamos maravilhados diante da grandeza e da simplicidade do teu Amor! Tu agora estás conosco para sempre!
Tu pobre, frágil, pequeno... para nós, para mim! Em ti resplende a divindade e a paz. Tu nos oferece a vida da graça. Teu sorriso volta -se para os simples. Por isso, depositamos a teus pés nossas orações, nossa vida e tudo que somos e temos. 
Olha com especial carinho, contudo, para aqueles que não te conhecem, não te adoram e não te amam. Amém!" ]   

Fonte: Revista Brasil Cristão, ASJ - Ano 16-N. 185/ Dez. de 12    

-----------------------------------------------------------------------  

Embora a Ressurreição de Jesus seja a festa mais importante da Igreja, o Natal fica como em segundo lugar, pois, nos permite celebrar a Encarnação do Verbo, seu Nascimento cumpre as Escrituras.

Toda Escritura se cumpre em Jesus Cristo, desde a promessa do Pai no início, até as profecias, a paixão e morte de Jesus na Cruz e sua Ressurreição até à Parusia. Por isso celebrar o Natal é muito importante. O verdadeiro sentido natalino ganha um aspecto ainda maior quando nos remete a relembrar o grande amor que Deus tem pela humanidade. Com o nascimento de Jesus, a humanidade inteira é colocada aos pés de Jesus na obra da redenção nos fazendo merecedores da graça que a Nova Aliança, trazida por Ele nos dá. Somos em Jesus, chamados a ser filhos de Deus. Somos introduzidos de novo na vida celeste e é Jesus que sobe ao Pai na ascensão para nos dar o Espírito Santo que nos faz novas criaturas. Então o Natal não pode ser para nós cristãos apenas uma data festiva qualquer, mas um momento de agradecer a Deus por Jesus ter se encarnado, nos salvado e nos devolvido a graça do Céu.



O profeta Isaías assim disse: "... eis que uma virgem conceberá e dará a luz um filho que se chamará Emanuel" ( Cf. Is 7, 14) ... que significa Deus-Conosco. 500 anos antes de Cristo, os profetas já anunciavam a chegada de Jesus. No princípio achava-se que seria o filho do Rei Acaz, que era descendente de Davi. Mas como reinos daquela época em situações de decadência e por diversas situações, não poderia ser ele o Messias. A palavra foi se moldando até se encaixar em um descendente de Davi, Jesus de Nazaré. E foi Mateus que descobriu em primeiro lugar que o profeta Isaías se referia a Jesus de Nazaré. E depois de tudo que ele fez, sua vida, sua obra salvífica. Depois de verem e darem testemunho do que Jesus realizara, Mateus então descreve a passagem de Isaías 7, 14 para indicar que a virgem de quem falava o profeta era Maria e o Deus-Conosco era Jesus Cristo.    

Assim, vamos conhecer um pouco o que significa o nome de Jesus:


SIGNIFICADO DO NOME DE JESUS

JESUS OU YESHUA - na tradução hebraica, significa: salvador- aquele que salva.O nome "Yeshua" deriva-se de uma raiz hebraica formada por quatro letras – ישוע (Yod, Shin, Vav e Ayin) - que significa “salvar”, sendo muito parecido com a palavra hebraica para “salvação” 


CRISTO - na tradução grega, significa: consagrado, ungido. Cristo é o termo usado em português para traduzir a palavra grega Χριστός (Khristós) que significa "Ungido".1 O termo grego, por sua vez, é uma tradução do termo hebraico מָשִׁיחַ (Māšîaḥ), transliterado para o português como Messias.1

A palavra geralmente é interpretada como o sobrenome de Jesus por causa das várias menções a "Jesus Cristo" na Bíblia. A palavra é, na verdade, um título, daí o seu uso tanto em ordem direta "Jesus Cristo" como em ordem inversa "Cristo Jesus", significando neste último O Ungido, Jesus. Os seguidores de Jesus são chamados de cristãos porque acreditam que Jesus é o Cristo, ou Messias, sobre quem falam as profecias da Tanakh (que os cristãos conhecem como Antigo Testamento). A maioria dos judeus rejeita essa reivindicação e ainda espera a vinda do Cristo (ver Messianismo judaico). A maioria dos cristãos espera pela Segunda vinda de Cristo quando acreditam que Ele cumprirá o resto das profecias messiânicas.

A expressão "Jesus Cristo" surge várias vezes nos escritos gregos da Bíblia, no Novo Testamento, e veio a tornar-se a forma respeitosa como os cristãos se referem a Jesus, Homem Judeu que, segundo os evangelhos, nasceu em Belém da Judeia e passou a maior parte da sua vida em Nazaré, na Galileia, sendo por isso chamado, às vezes, de Jesus de Nazaré ou Nazareno. O título Cristo, portanto, confere uma perspectiva religiosa à figura histórica de Jesus.

A área da teologia cujo foco é a identidade, vida, e ensinamentos de Jesus é conhecida como Cristologia.

Khristós no grego clássico poderá significar coberto em óleo, sendo assim uma translação literal de Messias.

EMANUEL - na tradução hebraica significa: Deus-Conosco ou Deus está conosco. (em hebraico: עמנואל , Deus conosco; em latim: Emanuel ) é um nome profético citado em Mateus 1:23 ("E ele será chamado Emanuel, que quer dizer, Deus conosco") para se referir a Jesus, por este ter cumprido dezenas de profecias que anunciavam a vinda do Messias, segundo traduções cristãs da Bíblia Hebraica, por estes chamadas de Antigo Testamento. Dentre as traduções, há uma muito conhecida do profeta Isaías, que diz: «Portanto o mesmo YHWH vos dará um sinal: Eis que a moça conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel» (Isaías 7:14).

Esses dois nomes dados a Jesus não foram inventados por mentes humanas. Salvador e Cristo, Jesus é assim chamado pelos Anjos no momento de seu nascimento, (Cf, Lc 2, 11) - e Emanuel ou Deus-Conosco, é o nome dado à Jesus por inspiração divina pelo profeta Isaías séculos atrás quando já anuncia vinda de Jesus.

Jesus também é chamado nas Escrituras de o Messias, ou seja o libertador ou escolhido de Deus, aquele que seria o libertador de Israel. 



NATAL, UMA FESTA RURAL  - OS TERNOS DE REIS - FOLCLORE BRASILEIRO


CELEBRANDO O NATAL NAS COMUNIDADES RURAIS
UM GESTO SIMPLES DO POVO RURAL EM EXPRESSAR A ALEGRIA DO NATAL 


O Natal é uma festa tipicamente rural porque Jesus nasceu em uma estrebaria, onde as pessoas abrigavam os animais nos arredores de Belém. Ele gozou da companhia dos animais, do rebanho de ovelhas, do calor das palhas que cobriam a manjedoura. Ele presenciou a alegria da visita dos pastores que naquela noite viram no campo descer dos céus um coro de anjos louvando a Deus, dando glórias pelo Salvador que "das estrelas" desceu sobre a humanidade naquela gruta fria. Como Deus transformou coisas simples e ao mesmo tempo belas, rústicas e ao mesmo tempo confortáveis aquela situação... 
Naquela cena rude, pobre e ao mesmo tempo rica de tanto amor, surgiu as figuras notáveis dos sábios do Oriente, conhecidos como os 03 Reis Magos simbolizando as Nações que haveriam de se render ao fato de que Deus cumpriu sua promessa e enviou um Salvador, mas, não agiu nas riquezas nem nas falsas glórias dos palácios.

Deus se volta à humanidade, ao seu povo, aos simples e humildes, aos explorados.

Deus-Conosco, o Emanuel, veio para os sofridos e marginalizados e sobrepõe a nobreza de qualquer reino terrestre. Somente um Deus,  apaixonado pela sua obra pode fazê-lo assim porque nos ama ... e ainda hoje os homens senão confusos, não conseguem absorver ao seu amor de Pai.  

Pensando nisto depois de muito séculos, surgiu as chamadas "folias de reis" ou "ternos de reis". A data do surgimento é imprecisa, mas se sabe que elas tenham surgido na Europa, mais precisamente em Portugal onde os padres precisavam catequizar as pessoas analfabetas. Mas ao mesmo tempo fazer disso uma comemoração do Natal. E assim criaram grupos de homens que iam de casa em casa visitando as famílias entre dia 01 de janeiro ao dia 06 de janeiro cujo dia se celebrava a Festa da Epifania (ou manifestação) do Senhor. 
A Festa da Epifania, também chamada Festa de Reis é muito antiga e bem anterior a celebração do Natal, pois a Igreja Católica celebrava a manifestação do nascimento de Cristo, o verdadeiro Sol que ilumina as nações no lugar da festa romana do deus sol. 

Os ternos de reis iam visitar as famílias e os presépios cantando versos que falavam do nascimento de Jesus e da visita dos reis magos. Era comum que esses grupos recebessem prendas e no dia 06 faziam uma festa chamada "FESTA DE REIS" 

Com a colonização do Brasil os portugueses trouxeram esta tradição que  faz parte do nosso folclore, mas não deixa de ser uma bela representação artística cultural e religiosa.
De início a Igreja no Brasil via com maus olhos  os ternos de reis assim, como os ternos de congada dos negros, por isso ficavam escondidas no meio rural, mas depois de algum tempo com o êxodo rural, essa tradição foi trazida para as cidades e depois de conhecerem o fundamento passaram a aceitar e em muitas paróquias esses grupos se apresentam para o povo em ocasiões próprias principalmente no dia que celebra a Epifania (06 de janeiro).
Ao contrário de muitos grupos folclóricos como o "bumba-meu- boi" que faz parte dos muitos mitos e lendas africanas e indígenas, os Ternos de Reis possuem fundamentos bíblicos pois celebra a comemoração que os Magos do Oriente tiveram ao encontrar o rei Jesus, em adorá-lo e oferecer seus presentes. Podendo voltar pra casa com a certeza da missão cumprida e que encontraram o Salvador da humanidade.

Eis alguns símbolos e objetos usados nos ternos de reis:   

 A BANDEIRA segue à frente com o ícone dos Reis Magos - O TERNO DE REIS representa os 03 Reis, os magos do Oriente que ofereceram a Jesus especiarias (OURO, INCENSO E MIRRA) dadas somente no nascimento dos reis. Os magos foram a Jesus seguindo uma estrela guia. 
A CANTORIA E OS INSTRUMENTOS - Caixa ou surdinho, pandeiro, cavaco, violão, rebeca ou violino, sanfona, viola caipira, triângulo, fitas coloridas, flautas, apito, danças, ritmos..., tudo louva o Menino Jesus pelo seu nascimento, como a alegria que os magos tiveram ao encontrar o recém-nascido em Belém. Como o próprio Salmo diz: Louvai o Senhor ao som da trombeta, louvai-o com a cítara e com a lira... com a harpa e com a flauta ... com tímpanos e com as danças ... com címbalos sonoros ... com címbalos retumbantes ... (Sl150, 1-5)
Na verdade esses povos do Oriente viajavam em comitiva, com eles iam os criados, os artistas pessoas de confiança... Para que a viagem não se tornasse cansativa esses povos usavam da alegria das danças e dos artistas para animar a viagem. Com essa ideia surgiu também os palhaços nos ternos de reis. Por isso em algumas regiões brasileiras é comum a gente denominar os ternos de reis de pelo nome de "Folia de Reis" é a mesma coisa. De região para região a gente encontra os grupos ou usando mais instrumentos de percussão com ritmos próprios ou então um conjunto de como descrito acima com melodias e harmonias próprias. OS PALHAÇOS - (em alguns ternos)  também representam a guarda do rei Herodes que queriam matar o Menino Jesus logo após a notícia do nascimento. O Evangelho conta que os  Magos sabendo das intenções do rei Herodes desviaram do caminho original e não passaram por Jerusalém na volta. Mas conta a tradição que Herodes mandou os soldados seguirem os Magos disfarçadamente mas estes não obtiveram êxito porque Deus assim proveu em defesa de Jesus.  

Esse costume que é passado de pai para filho; recebe os ensinamentos dos mais velhos também chamados de "mestres-foliões" em outras regiões "embaixador de reis",  no qual tem a função de coordenar o grupo e puxar toda a cantoria. É ele que tem a incumbência de ensinar os mais novos deixando seu legado ou "testamento de reis" para as futuras gerações. 
Os ternos de Reis são Patrimônio imaterial do nosso País e está sumindo em determinados lugares por falta de incentivo e ajuda do poder público que deveria cuidar da cultura e não o faz.


A visita dos ternos acontece a qualquer hora do dia ou da noite e o anfitrião recebe a bandeira com o ícone dos santos Reis e a comitiva todos com muita alegria e devoção. Cantos, os costumes e  danças, as músicas, almoço, cantoria e muitas alegrias louvando o nascimento de Jesus. O costume varia de região para região e são as mais variadas entre os grupos, isso faz parte da cultura do povo brasileiro, embelezando ainda mais o Natal Rural.






SÍMBOLOS NATALINOS

ÁRVORE-DE-NATAL - a árvore-de-natal é um símbolo muito importante. Ela não foi criada pela Igreja Católica, e sim, pelos protestantes.

Mas a Igreja a incorporou como símbolo natalino. Quando montamos uma árvore-de-natal nem sempre damos conta, ou percebemos o valor de seu significado. Ela representa o próprio Cristo. Pois Ele mesmo disse no exemplo da videira: "Eu sou a videira, vós sois os ramos"... Assim, na árvore de natal encontramos este simbolismo: a) O tronco é Jesus é ele quem sustenta esta árvore. b) Os galhos somos nós que dependemos de Jesus para nossa salvação e ao mesmo tempo nossa santificação. c) Os enfeites são nossas boas obras. Em nossa vida devemos sempre enfeitar nossa árvore com bons exemplos, boas atitudes e muito amor. Quanto mais enfeitar essa árvore com nossos bons exemplos mais ela será bonita. d) As bolas representa os frutos de nossas boas obras, cada bola possui uma cor na árvore de natal, assim, Jesus quer que nossa vida seja cada vez mais colorida e cheia de vida com os valores que o seu Evangelho nos ensina. e) A estrela na ponta da árvore representa o Espírito Santo, cujo é a grande estrela que ilumina e santifica nosso ser. f) Os presentes em baixo da árvore significa o grande presente de Deus por nós, Jesus que veio para nos salvar. Pode haver presente maior do que esse?  


*******************************

O PRESÉPIO - presépio, significa: lugar onde se reúne os animais. Foi em um lugar onde os animais dormiam, em uma gruta que Jesus nasceu. Quem teve a ideia de representar o nascimento de Jesus pela primeira vez foi São Francisco de Assis. E conta-se que ele teve a visão do próprio Menino Jesus deitado na manjedoura. O Presépio retrata o nascimento de Jesus de acordo com o que foi narrado no Evangelho e mostra a singularidade, mas ao mesmo tempo a especialidade do momento do Natal. Embora fosse criado para evangelizar, (já que naquele tempo muitos eram analfabetos e não conheciam a Bíblia), hoje ele é usado com a mesma importância e é um dos símbolos mais perfeitos do Natal.



********************

AS VELAS - significa nossa fé e nossa Esperança. Jesus é quem nos realiza e nos transforma. Pois Ele mesmo disse: "Eu sou a Luz do mundo, quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida!" - Nossa fé deve sempre ser cada vez mais iluminada, a chama dessa fé recebida pelo Batismo não pode apagar. Essa luz que é Jesus deve sempre nos iluminar e nos guiar.  


OS SINOS - Na noite de Natal dos sinos das Igrejas dobram com sons vibrantes e alegres, sinal de alegria, um convite alegre se juntam ao louvor dos anjos para celebrar o nascimento de Jesus. No alto dos campanários os sinos convidam para a Missa festiva em homenagem ao Deus Criador e a seu filho Jesus que nasceu por nós, para nos salvar. É alegria, é o misturar dos repiques com o cantar do glória pelo côro anunciando as maravilhas que Deus realiza em nós através de Jesus. Vinde! Adoremos o Senhor!

Padre Marcelo Rossi e D. Fernando Figueiredo escrevem:


Fonte: Jornal Super Notícias - Dez/2011. 



MARIA REPLETA DO ESPÍRITO SANTO




Amados, neste Natal celebramos a chegada de nosso Salvador Jesus Cristo e, com ele, celebramos também a presença do Espírito Santo em nossas vidas terrenas.Assim que Maria recebeu a mensagem de Deus, trazida pelo arcanjo Gabriel informando que ela seria a mãe do Filho de Deus, Maria recebe a notícia de que sua prima Isabel, que até então era estéril, esperava igualmente uma criança. 

Repleta do Espírito Divino, ela se dirige imediatamente à casa de sua prima, com alegria de servir e a piedade cumprir seu dever de parente festejando e louvando com Isabel o recebimento desta grande graça.

O dom do Espírito ignora toda e qualquer demora! Ela parte para a casa de Isabel com prontidão de caridade. Ao chegar, ela saúda Isabel e a criança que a prima trazia em seu seio da mesma forma que Maria. "Isabel fica cheia do Espírito Santo". Maria é portadora de Jesus, assim como também é aquela que comunica a existência do Espírito Santo, que ela recebeu na visitação do anjo.


Orígenes, por volta do ano de 254 d.C., escreveu que "a voz de saudação de Maria, que chega aos ouvidos de Isabel, plenificou também João com o Espírito Santo. Por isso João estremeceu e sua voz profética ecoou ao exclamar: "Tu és bendita entre todas as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre". 

Em preparação para o Natal do Senhor, rogamos a Mãe de Jesus, o Filho de Deus, que interceda por nós para que também sejamos repletos do Espírito Santo e possamos permitir que cresça em nós o amor por Jesus.


Como o grande professor do século XII, S. Anselmo, nós dizemos: "Sem o Filho de Deus nada existiria, sem o Filho de Maria nada seria redimido". Unidos a São Francisco de Assis vamos todos repetir no silêncio de nossos corações: "Meu Senhor e meu tudo!"
Por isso, neste Natal, vamos fazer com que o Ágape de Jesus esteja totalmente presente em nossos lares.
Não deixe de doar um livro Ágape ou um CD Ágape Musical a quem você ama. Lembre-se que além de marcar a dessa pessoa com um presente que é muito mais do que uma "mera lembrancinha", você estará fazendo parte da construção do nosso santuário, além de estar espalhando as maravilhas de nosso Senhor Jesus. Deus abençoe!  


D. Fernando Figueiredo
& Padre Marcelo Rossi 



segunda-feira, 14 de novembro de 2016

O MAIS NOVO MILAGRE DE LOURDES CONFIRMADO CIENTIFICAMENTE E APROVADO TEOLOGICAMENTE - Mulher conta como recebeu um milagre por intercessão de Nossa Senhora de Lourdes

     
Desde  as aparições de Nossa Senhora de Lourdes à menina Bernadette Soubirous, em Lourdes, na França, em 1858, que Deus por intermédio da Virgem Santíssima vem concedendo aos que visitam o santuário e sobretudo a gruta das aparições milagres extraordinários. Mostra a presença maternal de Nossa Senhora que desde então atende às súplicas dos seus filhos e filhas que ali recorrem com diversas enfermidades para se banharem nas águas milagrosas da gruta. 
       Nunca em diversos lugares do mundo houve tantos milagres como em Lourdes. São vários testemunhos de curas, milagres comprovadamente atestados pela medicina.
         
         Ao contrário das outras instituições a Igreja Católica só atesta um milagre depois de esgotadas todas as explicações científicas. Depois que os médicos juntamente com uma junta investigadora da Igreja recebe da ciência a palavra final sobre a cura que a medicina não pode explicar como ocorreu. Isso pode levar anos.

    Completa-se portanto o número de 69 milagres comprovados pela Igreja e cientificamente atestados, realizados por intermédio de Nossa Senhora de Lourdes. Foi o milagre que a Italiana Danila Castelli, esposa de um médico ginecologista recebeu quando ela tinha 43 anos. O milagre ocorreu no dia 04 de maio de 1989. Ao banhar-se nas piscinas de do Santuário de Lourdes seu corpo enfraquecido sentiu-se um inexplicável alívio. Diz Danila:

         
(Foto de Danila Castelli)

"Eu não aguentava mais. Meu esposo me disse: 'arrume as malas'. Quando você sabe que está para morrer, pensa as coisas mais estranhas. 'Deve ser uma viagem romântica', pensei." 
        "Eu não podia ficar de pé. Ele me disse: "Vamos à Lourdes". Conta Danila. 
         A cura foi reconhecida pelo bispo de Pávia, (Itália). Giovanni Giudici, e também foi certificada pela Comissão Científica Internacional em Paris.

        A Declaração chegou depois da avaliação médica e teológica para certificar a certeza da senhora Castelli. Viveu como mulher e mãe de família por 34 anos. Em 1980 começou a ter crises de hipertensão, desmaios e crises neuro-comportamentais" - contou o médico Di Franciscis, presidente da Comissão em Loures.

           "Nas piscinas eu me curei. Eu apenas queria que o Senhor me levasse, que fosse o fim. Eu já não suportava mais, nem os outro. O sacerdote me disse: 'Se você vai pedir a morte, lembre que irá com todos os seus pecados. Porque eu não te a absolvo se você fizer esse pedido'. Todos devemos sempre pedir a vida'. Me envergonhei, porque havia pessoas em estado pior do que o meu. Então pedi a vida, pelo menos um pouco mais, para que pudesse dedicar aos meus filhos". Conta a senhora Danila Castelli.

            No ano de 1982, a senhora Castelli iniciou os procedimentos cirúrgicos para que pudesse retirar parte do útero e do pâncreas. Em 1983, o diagnóstico severo, e males físicos haviam atingido várias partes do seu corpo. Depois de sete anos as operações e tratamentos à espera de organizar uma viagem aos Estados Unidos, o esposo decidiu levá-la até Lourdes.
              
             Seu esposo é um médico italiano que também foi tocado pelo milagre. Ela, desde pequena teve desejo de visitar Lourdes, mas, seu esposo mesmo convertido não concordava achando absurda a viagem por causa da doença. 
            'O banho não foi rápido. Meu marido veio chamado por uma voz a me ver. Esse dia em maio, de 1989, ela recebeu o segundo milagre: a fé do marido que lhe disse: 'Sei que tudo já passou, você tinha razão'. O terceiro milagre foi o perdão. "Você tem razão, eu o perdoo". 
            A família passava por problemas de enfermidade, mas estava abalada por uma disputa judicial contra alguns médicos. O perdão foi parte do milagre. Finalmente depois de uma  enfermidade longa e dolorosa, quando ela regressou ao hotel e percebeu que tinha sido curada.
            
             Poucos meses depois ela regressou a Lourdes para falar conosco", contou o Dr. Di Franciscis. O reconhecimento do milagre durou décadas. No ano de 2010 a comissão Médico-científica de Lourdes decretou por unanimidade a cura definitiva e duradoura no tempo. Assim se constatava que os males que por mais de 21 anos afligiam aquela senhora tinham desaparecido sem explicação científica. Um ano depois, outra comissão internacional a avaliou novamente e o diagnóstico foi o mesmo, foi confirmada a cura.


             Depois o Bispo de Pavia criou outra comissão diocesana para estudar a cura. Foi constatado o inexplicável. "O bispo reconheceu a cura prodigiosa como 'sinal' da cura realizada por Jesus nos Evangelhos" - afirmou o Dr. Di Franciscis.   
               
              "Antes seu amava Jesus junto dele pela cruz, agora Ele me pedia para amá-lo curada. Retirada da morte para começar a caminhar... senti-me livre para dizer sim ou não. Ainda peco. O milagre me deixou normal como uma criatura com suas misérias e debilidades. Jesus não trai seus amigos" - conta Castelli. "Estou feliz por comunicar esta alegria , quando venho a Lourdes sinto a alegria de comunicar Deus". Acrescentou.

               Em Lourdes aos pés dos Pirineus, uma Jovem apareceu a uma adolescente chamada Bernadette Soubirous. Bernadette tinha seus 14 anos. As aparições duraram cinco meses entre fevereiro e junho de 1858. Em uma das aparições ela se apresentou como a Imaculada Conceição. Convidando a todos a penitência e a conversão. Também pediu que fosse construído ali um santuário.     

(fonte: www.nossoprotetor.com.br - blog "Eu e Deus", anunciando a boa nova!)
__________________________________________________________________
                     

Bernadete era pobre em tudo: social, intelectual e até fisicamente falando. A história de sua família começa com as dificuldades de seu pai em sustentá-la. Em um acidente no moinho, o pai de Bernadete, perde a visão de um dos olhos e já não é capaz de produzir farinha de boa qualidade. Não bastando isso, a crescente industrialização aprimora o processo de produção de farinha, tornando o instrumento da família Soubirous obsoleto e insuficiente. Por fim, uma seca de dois anos faz com que o trigo diminua e insta Francisco Soubirous a vender o seu trabalho braçal para girar os moinhos de outrem. O preço de seu trabalho chega a valer menos que o de um animal, que, por possuir mais músculos, consegue girar o engenho com mais força. Episódios trágicos seguem-se, um após o outro, e chegam a desabrigar a família, que se vê obrigada a morar favor na casa de um parente. Eles vão, então, para um pequeno espaço, apelidado de "cárcere" (" le cachot", em francês).
Ali, vivendo todas as dificuldades de uma vida humilde, Bernadete contrai uma cólera – doença epidêmica, à época – e, talvez vítima dos desajustados métodos para o tratamento da doença, acaba contraindo uma asma, que não a abandonará até a sua morte.
Bernadete também era analfabeta. Um ano antes das aparições, vivendo na casa de sua ama-seca, esta tentou ensinar-lhe o Catecismo, mas teve muitas dificuldades, pois Bernadete só sabia falar o dialeto. Constantemente maltratada por sua ama, ela voltou para a casa de seus pais.
E foi saindo dali, em fevereiro de 1858, que a Virgem Santíssima lhe apareceu. Estando ela em casa, no cachot, a lenha acaba. Então, ela, sua irmã mais nova e uma amiga vão buscar um pouco de lenha. Chegando perto do córrego, as duas meninas atravessam-no, mas Bernadete, temendo entrar na água fria, por causa de sua asma, fica. Ao tirar as suas meias, para atravessar o riacho, ela percebe uma rajada de vento sobrenatural e, quando olha para a gruta, do outro lado, vê uma jovem, vestida de branco, com uma faixa azul, um rosário e duas rosas douradas nos pés. Instintivamente ela se ajoelha e tenta fazer o sinal da cruz, mas seu braço está como que morto. A Virgem, então, faz o sinal da cruz. Ela imita-a e põe-se a rezar o Terço, "desfiando ela mesma as contas. Esta gruta tornou-se, assim, a sede de uma admirável escola de oração, onde Maria ensina a todos a contemplar com um fervoroso amor o rosto de Cristo".
   Papa Bento XVI, comentando o relato dessa primeira aparição em Lourdes, ressalta o fato de Nossa Senhora saudar Bernadete com o sinal da cruz:
"É significativo que, na primeira aparição a Bernadete, Maria inicie o seu encontro com o sinal da Cruz. Mais do que um simples sinal, é uma iniciação aos mistérios da fé que Bernadete recebe de Maria. O sinal da Cruz é de alguma forma a síntese da nossa fé, porque nos diz quanto Deus nos amou; diz-nos que, no mundo, há um amor mais forte do que a morte, mais forte do que as nossas fraquezas e os nossos pecados. A força do amor é maior do que o mal que nos ameaça. É este mistério da universalidade do amor de Deus pelos homens que Maria veio revelar aqui, em Lourdes. Ela convida todos os homens de boa vontade, todos aqueles que sofrem no coração ou no corpo, a levantar os olhos para a Cruz de Jesus a fim de encontrar nela a fonte da vida, a fonte da salvação."
De fato, Bernadete sai daquele primeiro encontro revigorada, tal foi o amor no qual esteve imersa durante a visita da Santíssima Virgem. Justo ela, " la friolera", não sentia fria a água do riacho; ela, a mais fraca de todas, conseguia carregar os feixes de lenha para casa, sem ofegar e sem dificuldades. E ardia nela o desejo de rever a Senhora.
É interessante: a mensagem de Lourdes dá ênfase à pobreza, mas também fala da oração. Durante várias aparições, nada aconteceu entre Nossa Senhora e Bernadete senão, pura e simplesmente, oração. Enquanto ela se detinha de joelhos, em oração, abstraída de tudo o que estava ao redor, os médicos examinavam o seu pulso; e ele estava absolutamente normal. Até velas colocaram, queimando a pele de Bernadete, mas ela não reagia, compenetrada que estava diante da Virgem, rezando.
Em Lourdes, "Maria vem recordar-nos que a oração, intensa e humilde, confidente e perseverante, deve ter um lugar central na nossa vida cristã. A oração é indispensável para acolher a força de Cristo"[6]. Como diz Santa Teresa de Ávila, a oração é a porta do castelo de nossa alma. Trata-se de uma atitude indispensável a quem está disposto a amar generosamente ao Senhor.
A terceira mensagem de Lourdes é a penitência. Na oitava aparição, Bernadete, que sempre parecia tão tranquila, ficou triste, sombria. "Esse dia Aqueró tinha pronunciado uma palavra nova. ‘Penitência!’ E disse: ‘Rogai a Deus pela conversão dos pecadores!’ Logo lhe pedira que ‘se ajoelhasse e beijasse o solo como penitência pelos pecadores’."
Nesse ponto, todas as aparições marianas encaixam-se. Todas, sem exceção, pedem à humanidade que faça penitência, que se mortifique. Infelizmente, nem sempre esse pedido de Nossa Senhora é levado a sério. Muitas pessoas – chamadas "aparicionistas" – costumam colecionar informações sobre aparições, preocupam-se exageradamente com previsões do futuro, mas se esquecem de fazer penitência. As mesmas "Martas", agitadas, que ficam procurando novidades, que são capazes de ir ao outro lado do mundo para procurar a previsão de Maria Santíssima para a próxima semana, deveriam fazer um exame de consciência: Estamos realmente praticando mortificações? As realidades antevistas por Nossa Senhora para o futuro são sempre condicionais: acontecerão, se não se fizer penitência. Então, estamos realmente empenhados em acolher as palavras da Virgem Maria? Penitenciar-se pela conversão dos pecadores é, de fato, muito mais eficaz do que se preocupar orgulhosamente com as realidades futuras, como que em uma "vontade de poder sobre o tempo, sobre a história e (...) sobre os homens".
Na terceira aparição a Santa Bernadete, Nossa Senhora fará uma promessa importantíssima, cujo conteúdo deve ser levado muito a sério por todos os católicos: " Non proumeti pas deb hé urousa en este mounde, mès en aoute – Não prometo fazer-lhe feliz neste mundo, mas no outro".
Essas palavras ajudam a desfazer em nós qualquer ilusão de felicidade ou conforto neste mundo. E insuflam-nos um ânimo para verdadeiramente fazermos penitência. Afinal, não é possível amar neste mundo, com a nossa carne manchada pelo pecado, sem passar pela senda da mortificação. Há uma lei dentro de nós que diz: "foge da dor, busca o prazer". E os cristãos precisam lutar contra essa lei, se querem amar generosamente. Quem quer amar de verdade não pode fazer o juramento de não sofrer. Se formos parar para pensar, as pessoas que realmente nos amam são aquelas que sofreram por nós. Isso acontece porque o amor é uma aliança de sangue, que diz: "Eu derramo o meu sangue, mas não desisto de você". Na Igreja, que é a comunhão dos santos, os efeitos de nossa penitência atingem membros que até nos podem ser desconhecidos. O sofrimento dos santos pode salvar a vida eterna de muitas pessoas.
Na nona aparição, Nossa Senhora manda Bernadete escavar o chão e ali, na gruta de Massabielle, surge uma fonte de água. Trata-se de um convite aos fiéis para renovarem o seu batismo e, ao mesmo tempo, de uma oportunidade para comprovar a veracidade das aparições: são muitíssimos os milagres operados por Deus nas águas de Lourdes, milagres rigorosamente avaliados e amplamente respaldados pela ciência. Em um desses eventos extraordinários, uma mulher tuberculosa, com os pulmões completamente prejudicados, esquelética, já no último grau da doença, tendo passado por vários hospitais especializados, encontrou sua última esperança em Lourdes: ela foi miraculosamente curada, depois de ser imersa na água fria da gruta de Massabielle.
O primeiro milagre da gruta aconteceu pouco depois da décima segunda aparição: uma mulher, de nome Catherine Latapie, que teve "um ombro deslocado, o punho quebrado e os dedos retorcidos" por conta de um acidente, decide ir à fonte, às 3h da madrugada, em busca da cura. Após imergir o braço na água, o membro fica curado e ela vai para casa, para dar à luz o seu filho – que, no futuro, se tornaria padre.
Outro ponto foco da mensagem de Lourdes foi a Imaculada Concepção da Virgem Maria. O Papa que reinava à época das aparições, o beato Pio IX, tinha um método de evangelização bastante ousado: diante da resistência anticlerical vindo principalmente de uma França afetada pela Revolução de 1789, ele decide, com coragem, proclamar os dogmas da Imaculada Conceição e da infalibilidade papal. Na condução de uma Igreja internamente desunida e externamente atacada por todos os lados, o Santo Padre escolhe um remédio de bravura: ser exageradamente católico, reforçar ainda mais a fé cristã, dando ênfase a Nossa Senhora e ao Papa.
De fato, o dogma da Imaculada Conceição de Maria – segundo o qual "a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, (...) foi preservada imune de toda mancha da culpa original" – foi proclamado no ano de 1854, quatro anos antes de a Virgem aparecer na cidade de Lourdes. Tal proximidade entre os dois acontecimentos fez com que São Pio X dissesse: "Apenas Pio IX definira de fé católica que desde a origem Maria foi isenta de pecado, a própria Virgem começava a operar maravilhas em Lourdes".
No entanto, a pequena Bernadete, que não sabia nem que a "bela Senhora" que tinha visto na gruta era a Virgem Maria, muito menos sabia que o dogma da Imaculada Conceição havia sido proclamado por Pio IX.
Então, no dia 25 de março de 1858, festa da Anunciação, Nossa Senhora apareceu-lhe e disse: "Que soy era Immaculada Councepciou – Eu sou a Imaculada Conceição". Bernadete, que nunca tinha ouvido aquela expressão, saiu da gruta, repetindo para si mesma aquela frase, para contá-la ao padre, que tinha pedido uma comprovação da veracidade das aparições. O sacerdote ficou perplexo, pois conhecia aquela menina, que não tinha feito a primeira Comunhão e, portanto, não sabia o que era a Imaculada Conceição. A partir desse momento, o crédito das aparições aumentou: a Santíssima Virgem acabava de confirmar o método pastoral de Pio IX. Contra os lobos que devoram o rebanho, a solução não é uma conversa tímida e covarde, mas uma paulada na moleira.
Ao mesmo tempo, a realidade da Imaculada Conceição é algo que nos poderia deixar um pouco perplexos. Por que, de tantos títulos, Nossa Senhora decide manifestar-se como "imaculada", "sem pecados"? Não seria isso desestimulante para nós, tão cheios de pecados e defeitos? Na verdade, não. Maria aparece com toda a sua pureza e santidade para dar ao homem uma notícia: é possível ser santo e amar a Deus perfeitamente, com amor sobrenatural! Os santos "de sétima morada" confiaram na graça de Deus e viveram assim, de forma extraordinária. Além disso, explicava o Papa Bento XVI, em visita a Lourdes:
"Este privilégio concedido a Maria, que A distingue da nossa condição comum, não A afasta antes, pelo contrário, aproxima de nós. Enquanto o pecado divide e nos afasta uns dos outros, a pureza de Maria torna-A infinitamente próxima dos nossos corações, atenta a cada um de nós e solícita do nosso verdadeiro bem. Podeis constatá-lo tanto aqui em Lourdes como em todos os santuários marianos: multidões imensas acorrem aos pés de Maria para Lhe confiar aquilo que cada um tem de mais íntimo, aquilo que cada um tem particularmente a peito. (...) Diante de Maria, precisamente em virtude da sua pureza, o homem não hesita em mostrar-se na sua debilidade, em manifestar as suas interrogações e as suas dúvidas, em formular as suas esperanças e os seus desejos mais secretos. O amor materno da Virgem Maria desarma toda a forma de orgulho; torna o homem capaz de se olhar como é, e inspira-lhe o desejo de se converter para dar glória a Deus."
Quando as aparições terminaram, a família Soubirous conseguiu melhorar um pouco de vida, mas apenas através do seu trabalho. Repugnava-lhe pensar em ganhar dinheiro à custa da fama das aparições.
Bernadete, que então vivia uma vida de doação aos mais pobres, entrou, com 22 anos, no convento de Nevers, onde passou o resto de sua vida. Tratada com severidade pela mestra de noviças – madre Thérèse Vauzou –, Bernadete viveu, com amor, o recolhimento e a humilhação. Vítima de uma tuberculose, nasceu para o Céu com 35 anos. Trinta anos após a sua morte, exumaram o seu corpo e ele estava incorrupto. O seu crucifixo estava corroído, o terço, oxidado – ou seja, havia umidade –, mas, ela mesma estava intacta. Após a enterrarem e exumarem de novo, o seu corpo continuou intacto. Finalmente, hoje o seu corpo está exposto na igreja de Saint Gildard, em Nevers.
Bernadete Soubirous é a grande pobre de Deus, escolhida para uma vida de profunda humildade. Não se pode ser santo sem ser humilde, sem se recordar pequeno e miserável diante do Senhor. Por isso, a grandeza de Lourdes está justamente na escolha dos pobres.
"Não prometo fazer-lhe feliz neste mundo, mas no outro". Com os olhos voltados para o alto, imitemos esta grande serva de Deus e busquemos amá-Lo com cada vez mais generosidade. A vida de Bernadete pode não ter sido rodeada de grandes glórias, mas como não invejá-la, agora, que ela goza da verdadeira vida, no Céu?       

(Fonte: Site do Padre Paulo Ricardo "CHRISTO NIHIL PRAEPONERE")   

O RECADO DOS MILAGRES       

Lendo esta bonita matéria podemos tirar a seguinte mensagem para refletirmos mais intimamente: Qual é o recado que os milagres não dão?

Nos Evangelhos encontramos muitos milagres realizados por Jesus. Todas as vezes que Jesus curou e expulsou demônios foi não só só para manifestar seu poder mas, para que as pessoas cressem que ele era o Filho de Deus. Isso aconteceu desde seu nascimento até sua entrega na cruz, e continua acontecendo ainda hoje.
   
Jesus faz um milagre, ou permite que ele aconteça seja por intermédio  de Nossa Senhora ou pela intercessão de algum santo para que através deles possamos crescer ainda mais a nossa fé. 
Ao lermos o testemunho desta senhora que conseguiu não só a cura física, mas ainda mais a graça da conversão, inclusive, a de seu esposo que numa última tentativa levou-a até Lourdes para que através de Nossa Senhora lhe fosse possível o restabelecimento da saúde.
Aquela mulher sem nenhuma expectativa desejava morrer porque não suportava mais os sofrimentos. Nas palavras dela, a mesma chegou a um profundo desespero físico e espiritual e pode perceber que ali também estavam pessoas com problemas maiores do que o dela. Percebam o drama...

Amados, muitas vezes nós nos queixamos de muitos problemas sem perceber ao nosso redor quanta gente sem expectativa, sem oportunidade, doentes, jogados nas sarjetas, moribundas e contaminadas pelo pecado do orgulho e  da vaidade não somos capazes de estender a mão ou simplesmente oferecer uma palavra amiga, porque estamos ocupados demais com nossa vida e com nossas mazelas. 

Esse é o recado de Lourdes. Nossa Senhora faz um convite a não só nos banharmos da água milagrosa, mas percebermos que devemos buscar a Água Viva que é seu Filho Jesus. O que Bernadette teve de extraordinário em seu caminho foi mesmo em frente às chacotas e perseguições, ela teve uma confiança total e sua fé e obediência aos planos de Deus levou-a a cavar com as próprias mãos a terra de onde saiu esta água milagrosa.

Deus quer e deseja que seus filhos volvam o olhar e o coração para as coisas do alto, que o busquem com amor e sinceridade. Jesus disse: "Vinde a mim vós que estais cansados e fatigados que eu vos aliviarei, pois, meu julgo é suave e o meu fardo é leve!" - Muitas vezes nós estamos em busca somente do exterior, do conforto momentâneo desta vida e nos esquecemos de que somos carne e espírito e que necessitamos cada vez mais do amor de Deus.  

As vezes reclamamos demais, murmuramos demais com pequenos problemas. Nos esquecemos até de Deus e só lembramos de sua existência quando estamos no cume de nossos sofrimentos e dificuldades. Será que não falta aí um gesto de reconhecimento de nossa parte. É preciso buscar a Deus todos os dias de nossa vida e sermos agradecidos a ele por cada dia que recebemos. 

Quando nós depositamos nossa confiança no amor de Deus sentimos o braço do Pai que nos acolhe. O que impede de percebermos esse amor de Deus em nossa vida é o pecado, é a ingratidão é a falta de amor.
Nossa Senhora não disse à Bernadette: "Agora porque me viste seus problemas vão acabar". Pelo contrário, ela disse: " Não posso prometer-te felicidade neste mundo, mas prometo-te que no céu serás feliz". Deus não engana ninguém, esse mundo é um calvário cada um deve carregar a sua cruz com amor até o fim. Mas quando estamos com Deus, fiéis a ele, passamos em cima de tudo, superamos a queda e seguimos em frente. Jesus disse: "Quem quiser me seguir, renuncie-se a sim mesmo; tome sua cruz de cada dia e depois me siga!" 

Outra lição que o milagre de Lourdes nos dá?

As pessoas compram e vendem milagres. As seitas estão cheios de falsos milagres e falsas curas. A Igreja de Jesus é mesma a mais de 2000 anos e não damos conta de que Jesus está com ela todos os dias. O milagre dos milagres a Eucaristia. Nós vamos atrás de outros milagres e esquecemos que o maior milagre Jesus realizou por nós que é a Eucaristia. Jesus presente e ressuscitado. Nós nem paramos para agradecer a Jesus por ele ter nos devolvido a vida eterna que perdemos um dia. Não paramos apara agradecer pela salvação que ele nos deu, pelos sacramentos que nos fortalece e nos conduzem a esta vida eterna. Somos cegos espiritualmente. 

Aquela senhora desejava morrer, acabrunhada pelo peso de seus sofrimentos, no entanto o milagre só aconteceu porque o sacerdote mostrou-lhe que Deus não queria a sua morte, mas queria sua vida e isso que ela devia pedir. A vezes falta-nos confiança, lançar-se nos braços do Pai. Crer somente não basta, porque até o diabo crê. É preciso confiar e depender de Deus em nossa vida. Quando você crê, confia e depende de Deus com certeza Deus não deixa de dar uma resposta cedo ou tarde de acordo com sua vontade. 

Não é preciso muitas palavras, para Deus basta abrir o coração. Nossa Senhora sendo serva fiel, confiava, amava e dependia de Deus em tudo. Com isso ela nos ensina que se quisermos ser felizes devemos ser servos humildes.

Não é a água de Lourdes que cura, é Jesus. Aquela água representa o próprio Cristo a Água Viva que liberta, cura e salva. Nossa Senhora como nossa Mãe, quer e deseja que seus filhos busquem antes essa Água Viva que é Jesus. Se aquela mulher não confiasse e não dependesse de Deus o milagre não teria acontecido. Por isso o sacerdote disse: "Se pedires a morte, seu não posso absolver-te dos pecados, o levarás consigo!" - Foi uma exortação. Muitas vezes as pessoas vão atrás dos milagres físicos, mas esquece que antes de tudo é necessário esvaziar-se o coração diante de Deus, é preciso buscar o perdão não só das ofensas, mas do próprio ser. Perdoar-se a si mesmo, perdoar aos outros. Buscar vida nova. Assim age a misericórdia de Deus para quem busca o perdão. E aquela mulher reviveu. Pois é Jesus quem disse: "Aquele que crê em mim, ainda que estiver morto, viverá!" - Ela creu. Talvez era sua última opção mediante os sofrimentos, estava morta pra vida interiormente e espiritualmente, mas ao ser tocada pelo milagre ela teve a chance de ver que quem crer em Deus pode muito mais.  

No Evangelho vemos que Jesus utilizava de sinais para as curas: a água, a lama, os pães e os peixes, etc. Nossa Senhora utilizou desse sinal da água. Água que representa o batismo, a vida e também o próprio Jesus Cristo. Por isso o que acontece em Lourdes não foi uma invenção de Nossa Senhora. Ela utilizou da água assim, como Jesus fazia como sacramental para mostrar aos homens que Jesus seu filho deseja que cada um busque-o. Jesus é Água Viva quem bebe desta água tem a vida eterna.
E no final o recado da Mãe Santíssima: Oração e penitência. Não fiquemos só nos milagres mas busquemos viver nossa vida ligados ao seu Filho pela Oração e pela penitência pela conversão dos pecadores. Assim fez Bernadette por toda sua vida.