sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

JESUS CRISTO ÁGUA VIVA PARA NOSSA SALVAÇÃO


Ao lermos o evangelho de João capítulo IV,  deparamos com dois episódios:
1) O encontro de Jesus e a mulher samaritana. Jesus encontra aquela mulher que ´vai ao poço buscar água. Jesus vem ao seu encontro. Tem sede pede água para beber, mas a mulher o censura por ser um judeu. E como judeus e samaritanos não se combinavam, a mulher então fica um tanto amedrontada com a pessoa de Jesus. Mas Jesus muito mais que a sede física,  tem sede de outra coisa: - tem sede de revelar a salvação que ele portava. Salvação que chegara não só para os judeus, mas ali na figura da samaritana estava todas as nações que precisariam receber esta salvação.
                        Jesus então anuncia uma água-viva, a mulher não compreende bem as palavras de Jesus, imaginou que fosse uma água mágica, mas Jesus aos poucos vai interpretando o coração daquela mulher e revelando quem na verdade ele era. Ele mesmo era a água-viva, isto é,  por ele a salvação já chegara no mundo. Quando Jesus fala sobre o messias a mulher dá a  entender das escrituras. Mas Jesus anuncia que Deus já se faz presente, ele mesmo, Jesus, é o Messias.
                        Foi preciso uma longa conversa, olho no olho, cara a cara. No final quem foi saciado de toda a verdade foi a mulher samaritana que não se conteve de alegria. Quis espalhar logo a boa notícia, "...um profeta de verdade surgiu entre nós, não será ele o Cristo?"...
                        Essa passagem nos lembra que Jesus muitas vezes tem sede, sede de nos salvar, quer que bebamos da água-viva que é a salvação e muitas vezes nós preferimos morrer de sede ao pé desta fonte que é Jesus. O pecado, o orgulho, nos impede de chegar até esta fonte de amor que é Deus.
                        Como a samaritana, nós católicos muitas vezes duvidamos. Conhecemos as escrituras mas não aceitamos Jesus como nosso Redentor. Vamos até o monte (o Templo), mas não temos um encontro sincero com Jesus Sacramentado. A samaritana representa aquele pecador que busca reconciliar-se com Deus. Deus porém sabe de nossas fraquezas, nos perdoa. Mas quer que sejamos mais, que acreditemos de verdade em sua palavra. E que anunciemos o evangelho a todos os povos.
                         Por outro lado, a água-viva nos lembra a água do batismo pela qual nos tornamos filhso de Deus. O que podemos aprender nesses primeiros versículos? - que a slavação vem ao nosso encontro. Jesus está sedento de amor por nós, e nós nos argumentamos, fechamos por dentro com mil perguntas sem respostas. Jesus tem sede, sede de nos salvar. Jesus vem ao nosso encontro, nós é que não nos damos conta, viramos as costas para o amor de Deus. Para quem o busca com sinceridade, ele não deixa sem resposta, como aconteceu com a samaritana. Para nós ele diz a mesma coisa: "Sou eu, o Messias que falo contigo!" - você já parou para escutar sua voz. Jesus está sedento junto ao poço de nossas vidas esperando ser saciado, não de uma sede física, mas saciado da vontade de nos ver ao seu lado definitivamente, de nos salvar.
                       2) E junto a esta a segunda lição que podemos tirar deste texto é: - Os discipulos estavam preocupados por que Jesus ainda não tinha comido nada. Mas Jesus responde que o seu alimento é cumprir a vontade do Pai. Será que nós, católicos estamos preocupados em cumprir a vontade do Pai? - As vezes vemos pessoas deixarem a Igreja de Cristo para procurar um Deus milagreiro, mágico, que soluciona nossos problemas num estalar de dedos. Ou um Deus negociador que basta que o pressionemos, ou "determinemos" ele nos atenderá. E onde fica o "cumprir sua vontade". Jesus mesmo veio nos ensinar no Pai Noso, "...seja feita a vossa vontade"..., não a nossa vontade.
                      Para o cristão católico compromissado com a verdade evangélica, com a justiça e a paz, sabe que devemos cumprir a vontade do Pai como Jesus. E qual é essa vontade? - Que todos sejam salvos, que o evanagelho por nossas mãos chegue a todos, que a justiça se cumpra, que a paz se restabeleça. Que vivamos uma fé sólida, de batixados que realmente somos.
                     Jesus nos deixou a semente de sua palavra, nós devemos semear, isto é plantar a semente do evangelho nbo coração dos homens, é tarefa nossa.
                     Jesus ve falar a cada um de nós: "...se soubesses quem te fala te daria a água-viva..."
                     Essa água é o próprio Jesus, para quem o busca e bebe desta fonte permanerá vivo eternamente. Basta aceitá-lo, crer e depois viver como Ele pediu.
                    3) A última lição que tiramos desta passagem é: - que Jesus veio trazer a salvação a todos os povos, amigos e inimigos, ele veio para os simples, os fracos, os pobres e marginalizados. A estes Jesus veio trazer a salvação. Para eles Jesus traz em si a fonte da vida, para quem crê jamais morrerá.    
                                                           

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

INDIVIDUALIDADE OU INDIVIDUALISMO?

          Todo começo de ano nos coloca diante de uma vasta possibilidade de ações, de novas experiências. O início do ano nos inspira de certa forma para a revisão de vida e o recomeço da caminhada. Para o jovem,ano novo, significa começar os estudos, o primeiro emprego, a inserção no mercado de trabalho, a possibilidade de um ralacionamento amoroso, enfim, sonhos e projetos na caçeça e no coração da juventude.
           E quando os jovens pensam nessas coisas lhes vem à mente uma palavra muito cultuada nos dias de hoje e que provoca reações inesperadas em todo mundo - COMPETIÇÃO. Isso mesmo! - se há um vocábulo do qual o mundo faz uso contínuo e que rege os relacionamentos pessoais e sociais, essa palavra é competição. E como todo substantivo, este também pode ser a causa de grandes males estendidos. Se por um lado uma sadia competição ppode melhorar a pessoa, fazê-la superar os limites e potencializar suas capacidades, uma competção que prima pela busca incenssante do poder ou do domínio sobre o outro pode ser causa de grandes misérias.
           Especialmente no caso dos jovens - ainda imaturos no que se refere aos valores fundamentais da vida   - um espírito competitivo mal direcionado pode ser razão de poutro grande mal do século, a exarcebação do invidualismo. E não há pecado mais grave do que a praga do espírito individualista. Dele nascem todas as enfermidades que destróem o coração humano, inclusive o coração dos jovens.
           Aqui há de se fazer uma ressalva: falamos do mal do individualismo e não da riqueza da individualidade. Essa última sempre foi respeitada e ensinada pela tradição bíblica e pela Igreja. Somos feitos únicos, exclusivos, amados por Deus do jeito que somos. Cada um é somente ele mesmo. Somos indivíduos, reconhecidos em nossas características pessoais. Deus nunca pensa, nem pensará em fazer seres humanos idênticos, em série, com os mesmos pensamentos e sentimentos.
            Obviamente, sendo indivíduos, somos chamados a formar uma comunidade/sociedade. reconhecendo qua na minha individualidade eu não consigo realizar todo meu potencial. É o conjunto de indivíduios com suas particularidades que formam a sociedade. Quando ma sociedade vai mal - e como vai mal ultimamente! - é porque os indivíduos não estão unindo para se ajudarem mutuamente, mas se juntam para somente sastifazer as próprias necessidades. É aqui que entra o individualismo. O individualista vive em grupo, mas não participa dele, só pensa em si. Sente-se o centro do universo, o umbigo do mundo e não quer nem saber se o outro está bem ou está mal. Fica dentro do seu mundinho construído, o que ele quer é estar melhor do que os outros.  Isolado só procura satisfazer as suas necessidades - afetivas, sexuais, pisíquicas, materiais e culturais. 
                     O outro, parao indidualista é não-ser, aquele que existe somente para ajudá-lo em realizar seus snhos e projetos. A vida do outro não lhe interessa, contanto que esteja satisfeito  no seu modo de viver! - O individualista é epicentro do egoísmo. O que podemos concluir: - que é preciso cuidar para não ser seduzidos pelos falsos atrativos e falsas oportunidades do individualismo. É preciso aprender alição do trabalho em equipe, da partilha, das conquistas, da divisão das tarefas, na escola, no trabalho, na família e na sociedade. Enfim superando a linguagem de um mundo egoísta, formal, culculista e frio. Reencotrar a palavra de Deus, tendo o amor e o respeito pelo outro, aprendendo a partilhar as coisas boas da vida. O amor pelo próximo e a humildade. Isso é o ser cristão. Você jovem aceita o desafio de seguir o Cristo? Ou prefere acompanhar a esteira do mundo que nos leva sabe lá pra onde?... 
                     Hoje em dia a internet se tornou uma ferramenta muito útil, necessária, mas tornou-se a principal causa do individualismo, cada qual quer viver fechado em seu mundinho, não há tantos relacionamentos afetivos, ois namoros virtuais tornam-se cada vez mais comum. Os jovens não estão se relacionando bem, não há diálogo na família, na escola e muitas vezes os pais não sabem o que fazer. 
                         O jovem cristão tem que buscar meios de superar essas divisões que o individualismo faz,  procurando incentivar os outros jovens a retomada dos relacionamentos. Não se trata de excluir a internet  da vida pessoal, mas de saber o ponto de usá-la sem interferir nos relacionamentos familiares e sociais. 
                           Muitas vezes o medo da frustração nos relacionamentos, a falta de interesse nas coisas, lá fora ou a falta de expectativas, faz do jovem um viciado não só na internet, mas nos games, nas drogas, etc. 
                            Para o jovem que tem fém, que tem os pés firmes no Evangelho, deve ajudar aqueles que querem buscar um modo de superação, isso se faz com: convite, análise do problema com uma boa conversa, oferecimento de novos caminhos e sobretudo a orientação sob o aspécto da palavra de Deus. Fazendo isso podemos perguntar: O que devo fazer para ajudar meus colegas a se tornarem mais participantes da comunidade? ... 
                            Para encerrar esta matéria lembro a você esta passagem do Evangelho de Lc 10, 38-42.
                          O episódio na casa de Marta, Maria e Lázaro.: Estando Jesus em viagem, entrou numa aldeia, onde uma mulher, chamada Marta, o recebeu em sua casa. Tinha ela uma irmã por nome Maria. Que se assentou aos pés do Senhor para ouví-lo falar. Marta toda preocupada na lida da casa veio até Jesus e disse: "Senhor, não te importas que minha irmã me deixe só a servir? Dize-lhe que me ajude!" - Jesus respondeu: "- Marta, Marta, andas muito inquieta e te preocupas com muitas coisas, no entanto só uma coisa é necessária e Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada." 
                           Esta passagem do Evangelho nos mostra o quanto devemos ser. Viver a palavra de  Deus, escutá-la. As preocupações da vida, a idéia de consumismo o sempre ter mais, a sede de poder. faz com que a gente se torne cada vez mais egoísta, indidualista, mesquinhos em nossa maneira de viver sem se importar com os outros ao nosso redor. Aos poucos a falta de fé, faz com que nos fechemos cada vez mais em nosso mundo de preocupações.                               

   

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

TEMPO DOS HOMENS TEMPO DE DEUS


O pensamento racional grego distinguia no conceito de tempo: "krónos" e "kairós"; é o fluxo quantitativo dos momentos cósmicos (estações) e históricos (eventos) medidos pelo cronômetro. Kairós é o momento oportuno qualitativo; é ocasião favorável; é a chaence de ser aproveitada iluminando a distinção com visão cristã nós dizemos: "Krónos" é o tempo dos homens e Kairós é o tempo de Deus. Tudo depende do tempo cronológico; um trabalho, uma viagem, a cura de uma doença, a vida toda. Aí o salmista alerta: "nossos anos de vida são 70. Para os mais robustos 80" (Sl 90, 10). A vida é um prazo de tempo mas não se identifica com ele. Passa por ele e vai além dele. Logo, viver spó para o mundo é esvaziar-se de sentifdo de uso de tempo. Deus, origem e fim da vida, está fora do tempo. Ele é eterno. É transcedental ao que é temporário. Quis, porém, fazer história conosoco na criação. Criou o homem no tempo em Cristo o redimiu para que ele seja o autor de si. As primeiras palavras de Jesus no evangelho de Marcos anunciam o tempo de Deus: "completou o tempo, o reino de Deus está próximo de vós." (Mc1, 15); é o tempo messiânico. A hora da graça a chance da salvação. São Paulo entende e rupção do divino no humano assim: "Quando chegou a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu filho nascido de uma mulher... a fim de recebermos a adoção filial." (Gl4, 4). O dinheiro-símbolo do tempo dos homens-torna-se facilemente veículo de ambição e corrupção.
A graça - o Kairós de Deus - prserva a vida em dignidade. No mundo globalizado, cada vez mais técnico e materialista, ter sucesso é imperativo social. Realizar os desejos pessoais ao máximo e no mesmo tempo o mais breve possível. Ganhar dinheiro!
A comunicação televisiva projetam figurinos que encantam e seduzem. Princípios e valores éticos são trocados pela febre de consumo, da ambição, e pela disputa de vaidades. Esse esquema tem contaminado a prática religiosa. Muda-se de religião, culto e igreja conforme a chamariz, o impacto emocional. Ele é mais um ítem na puta de consumo imediato.
Alcançar graças é sinônimo de resolver problemas. É o que importa. Não viver em graça! // Aí a quantia do donativo é o critério da ggraça maior ou menor. Não pode estar nisso o tempo de Deus. A conversão para a sua justiça. Santificamos a vida e usamos o tempo no sentido de graça dizendo sim à eternidade divina. Nosso tempo é muito precioso para ser perdido!
Coloquemos em Deus anseios e esperanças de mais um ano. Saber discernir o sinal do eterno no que passae procurar os tesouros do Céu ocultos nas coisas terrenas é questão de viver na fé.