sexta-feira, 11 de março de 2011

ORAÇÃO, CARIDADE E PENITÊNCIA - Degraus para santidade

Já ouvimos muito falar sobre três coisas importantes: Jejum, Oração, Penitência. Essas palavras se entendermos bem o seu significado, são como degraus que nos leva a uma experiência do amor de Deus e nos põe, como degraus diante da "porta da santidade."

Mas esses três degraus deve ser uma experiência de amor para com Deus e o próximo em nossa vida. E é Jesus que vai mostrar como o cristão deve agir quando quer realmente que os frutos da Oração, da Caridade e da Penitência cresça e possa produzir muitos frutos. Os frutos de santidade que tanto esperamos. Então precisamos entender que estes "degraus" devem ser realmente vividos por nós como uma experiência profunda que transpareça a imagem do amor do Pai que ama igual a todos de maneira desinteressada. 
Jesus dá continuidade aos seus ensinamentos sobre as bem-aventuranças, (Mateus 5), e ensina como deve ser a Oração e as boas obras do verdadeiro discípulo. 





É no Evangelho de Mateus, capítulo 6 , que vamos encontrar a maneira fácil de praticar e construir esses três degraus: Mt, 6-1-18. Os passos destes degraus são:









  1. HUMILDADE E DISCRIÇÃO NAS BOAS OBRAS - não devemos agir como os hipócritas que fazem caridade e depois esperam elogios das pessoas. No tempo de Jesus, os fariseus faziam caridade, (no Evangelho simbolizado pela esmola), para serem vistos e elogiados em público. Jesus ensina que: a caridade deve ser feita com humildade e com discrição. Não interessa que os outros saibam que praticamos a caridade, pois somente a Deus ela deve ser apresentada. E Deus está oculto, está vendo. O que é mais importante segundo Jesus não é a recompensa do elogio, mas a recompensa de Deus que é muito maior. Também esta caridade deve ser de desprendimento. Ou seja, o que não serve para nós, também não serve para os outros. Por isso é sempre bom lembramos que diante da pessoa do próximo está Jesus. Mas que a esmola em si, está a atenção com os doentes, os famintos, os flagelados pelas muitas situações da vida. O mundo hoje ensina que para que darmos esmola, mas esmola que Jesus fala é muito mais que o valor moeda mas da solidariedade. O cristão é aquele que estende a mão sempre, mas na esperança não de um agradecimento humano, mas de um agradecimento do Pai. Para Deus não há distinção entre pobres e ricos, raças cor e religião. Por isso a caridade deve ser disponível a todos. Fazer as boas obras em segredo implica observarmos nós mesmos. Qual sentido a caridade tem em minha  vida? E a caridade implica que sejamos mais humanos, mais tolerantes uns com os outros. Implica que sejamos portadores do amor de Deus, que não prejudiquemos a ninguém e sobretudo que valorizamos o sentido da vida em nós e nas pessoas.
  2. SINCERIDADE E DISCRIÇÃO NA ORAÇÃO - somente os hipócritas, isto é, na nossa linguagem vulgar, "os aparecidos", gostam de se mostrar. De fazer com que os outros percebam suas orações. Para Jesus a Oração é algo íntimo, uma conversa que só interessa você e Deus. Diferente do culto comum, a missa e as orações comunitárias, Jesus fala da Oração particular. A ninguém interessa saber o que passa em seus pensamentos senão a Deus. Quando você se expõe, seus íntimos sentimentos e desejos, pode correr o risco de ser elogiado pelos outros como os fariseus. Mas abre as portas da sua fraqueza e expõe suas limitações para os outros. Jesus explica que somente os hipócritas, gostam de ser elogiados pelos outros. Não estão interessados em que Deus pode fazer mas em se mostrar que são mais religiosos do que os outros. E por isso perdem a chance de obter as graças de Deus e preferem serem elogiados, uma mera recompensa terrestre.
  3. DAR ESMOLA SEM ESPERAR RETORNO DE QUEM RECEBEU - já ouvimos muitos conselhos: "ah! eu não dou esmola porque fulano, siclano vai beber ou jogar, não vai comprar nada com a esmola que eu der!" - é verdade! há muita exploração por aí, mas a caridade não pode de forma alguma se limitar a esses detalhes. Quem dar esmola a um pedinte deve estar ciente que cumpriu seu dever. A consciência de quem recebeu é que vai ser julgada por Deus, não cabe a nós julgar ninguém. Além do mais a Caridade podemos fazê-la de várias formas. Quando Jesus fala da esmola, Ele está se referindo à caridade como um todo. Esta caridade é a disponibilidade de sempre servir. Inclusive a tolerância, o respeito dentro de casa, o amor pelo próximo passa pelo crivo da educação entre nós mesmos. Dar esmola é muito fácil. Dar compreensão, amor, ser solidário com os que nos acorrem, o respeito pelos mais velhos, o respeito pelos direitos humanos. Sobretudo com os doentes de nossa família, etc. São misérias que todos nós temos. Jesus pede discrição na caridade, primeiro, porque a caridade está ligada à Oração, ela não precisa ser anunciada, elogiada. Quem faz a caridade não vai esperar nunca a gratidão de que a recebeu, mas deve esperar de Deus. Pois do contrário estará se frustrando ainda mais. Há uma passagem bíblica que diz: "maldito o homem que confia no outro homem!". Os fariseus não se preocupavam em esperar a recompensa de Deus, e sim, eram prepotentes, gostavam de serem vistos fazendo boas obras para serem elogiados. Será que isso não acontece com a gente? ...
  4. A ORAÇÃO DEVE SER ALGO QUE BROTA DO CORAÇÃO - tem gente que acha que para conversar com Deus é preciso decorar um longo discurso. Quanto que Deus, precisa ouvir o que você precisa. O que sai do coração. Ele quer ouvir da sua boca, embora já saiba o que passa no seu pensamento. Suas necessidades, seus problemas e dificuldades. É por isso que a oração não é um jogar de muitas palavras, mas é uma conversa pouca, sincera. Port isso Jesus diz que devemos entrar em nosso quarto, fechar a porta e falar com Deus. Que ouve e está à nossa disposição. Fechar a porta do quarto para abrir a porta do coração para Deus. Jesus sempre se retirava para um local a sós, quando precisava conversar com Deus, seu Pai. E é Jesus que vai dizer: "Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração!" - A Oração é uma conversa de filho e pai, assim, não precisamos que os outros saibamo que queremos de Deus. Se realmente estivermos dispostos a abrirmos o nosso coração, sinceros, confiantes na misericórdia de Deus, somente Ele deve saber e nos dar (recompensar), nas graças que precisamos. Os fariseus gostavam de orar em de pé nas sinagogas para que os outros dissessem: "olha lá fulano, veja como ele é religioso!" - queriam ser elogiados mas nunca estavam dispostos a praticar a caridade.São Paulo vai nos dizer que: "a fé sem obras é morta!" - Se não praticarmos a caridade e não tivermos o coração sensível e disponível para Deus. De nada adianta. Deus não está interessado nos elogios em quanto você é religioso, observante cumpridor da Lei, "se" você não pratica o amor e a misericórdia. Por outro lado, não devemos forçar à vontade de Deus, com nossas muitas palavras, Deus quer apenas que você seja sincera e peça o que necessitar. Jesus vai continuar, (v.9-15), e e ensinar na Oração do Pai-Nosso,  que é preciso: 1) Chamar a Deus de Pai é reconhecer que todos somos irmãos, portanto todos somos responsáveis pela caridade fraterna. 2) devemos reconhecer a Santidade de Deus, santidade essa que é refletida no próximo. 3) Só podemos crer e aceitar o reino de Deus, se, este reino for uma realidade. O reino de Deus deve ser construído com amor, justiça e paz. 4) Desejar que o reino de Deus aconteça no nosso meio é ser comprometido com ele, fazer com que a Palavra de Deus chegue a todos. 5) Buscando o pão nosso de cada dia, isto é a força da palavra de Deus, alimento e sustento da alma, Deus dará o alimento necessário do corpo com o suor de nosso trabalho. Deus não quer que seus filhos sejam vagabundos. 6) Mais uma vez a caridade do perdão, se chamarmos a Deus de Pai, devemos ter todos como irmãos e a maior caridade é o perdão. um perdão desinteressado. 7) E por fim "livrar do mal" significa que não sejamos maus com nossos irmãos, mas sejamos portadores do amor do Pai. E a maior caridade é a disponibilidade em servir com amor. O respeito pela vida e pelo ser humano. Sabendo que "todos" somos imagem e semelhança de Deus.
  5. DISCRIÇÃO NO JEJUM - para que serve o Jejum? ele serve para que possamos nos educar espiritualmente, para nos por diante de nossas fraquezas. O Jejum não é uma imposição, mas é uma maneira de mortificar em nós os maus desejos. Nos educar espiritualmente sobretudo, quando temos tudo e muitos não tem nada, inclusive o que comer. Por isso Jesus vai dizer que o Jejum deve ser acolhido com alegria. Devemos fazer do jejum uma oração e não um sacrifício sem noção só para cumprir a lei. É o que os fariseus faziam. Ficavam tristes, verdadeiros artistas só para mostrar que eram religiosos, bons cumpridores da lei, mas a humildade passavam-lhes longe. Só faziam isto para serem reconhecidos como bons. Mas Jesus vai dizer, se o jejum não servir para Deus agir em você, se não te educar espiritualmente, pra que jejuar? até os pagãos faziam isto... O jejum só interessa para Deus, não para os homens. Ele é um exercício que devemos praticar não para Deus, mas para nós mesmos. Esta é a forma certa de praticar a Caridade, a Penitência representada pelo Jejum e a Oração. Aquele que espera de fora sua recompensa neste mundo está perdendo a chance de receber a recompensa  sublime de Deus que é o céu. Pense nisto e viva de modo intenso sua quaresma, não deixe para depois. Comece a rever  como anda seu relacionamento com Deus, com a família e com os irmãos.   Jejum aqui não é só deixar de comer algo, mas principalmente, o jejum da língua, nossa língua afiada produz muitas desgraças para os outros, esse jejum deve ser feito todos os dias. Ter o cuidado para não agredirmos as pessoas no que elas mais precisam, a dignidade. Também é caridade. Se nossa língua não servir para proclamar a santidade de Deus e dizer coisas boas, palavras de conforto, insentivo e glorificar o nome do Senhor. Não deverá servir para fazer discórdias pela fofoca, pela provocação, pelo puxasaquismo e provocar a desunião. Pense nisto!                                                               
Quem procura orar, fazer boas obras para buscar elogios e recompensas externas está perdendo duas chances: A primeira é poder experimentar a grandeza de estar bem perto do coração do Pai, de ter a experiência de ser amado por Ele, algo que só a verdadeira Oração nos dá. Estar "a sós" com o Pai significa poder estar bem pertinho dele e falar-lhe ao ouvido, como uma criança que pede ao Pai um presente. A segunda é a chance de poder exercitar a sua fé, lançar-se na misericórdia e nos braços da Providência Divina, sabendo que nada somos sem Deus.
Jesus vai dizer que fazer as coisas por fazer, só para alcançar elogios das pessoas, o cristão age como o homem tolo, imprudente, que construiu sua casa sobre a areia. Veio o vento, as tempestades e a casa caiu.
De que casa Jesus está falando? do nosso coração. Daí porque tantas tempestades da vida consomem e tiram a fé de muitas pessoas. Porque suas boas obras, suas orações não servem pra mais nada a não ser a busca de um orgulho e uma recompensa ou satisfação externa. Importa para eles o que os outros pensam, a formação de opinião e não o que Deus pensa de deles. Jesus vai chamar estas pessoas de "insensatos", ou seja, aquele que não usa a sensibilidade, não tem amor, se enche de um orgulho besta. Está longe de Deus.

Mas aquele que age segundo a vontade de Deus, que observa as palavras de Jesus, é como o homem, sensato, inteligente que construiu  sua casa sobre a rocha. Veio a tempestade, a chuva, a enchente, mas ela não caiu.  
Esta casa é o nosso coração, o alicerce que sustenta essa casa é a fé, os tijolos desta casa são as nossas boas obras, o reboco a nossa Oração, o morador principal é o Espírito Santo. Por isso Jesus nos chama a atenção, não sejamos hipócritas, falsos em nossa fé diante de Deus. Mas deixemos agir com nosso coração no coração de Deus.
       




           

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, em breve será respondido.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.