terça-feira, 12 de abril de 2011

JESUS CRISTO É O SENHOR DA VIDA, E COMO TAL NOS GARANTE A VIDA ETERNA!



Um dos textos mais belos do Novo Testamento, com riqueza de detalhes, o que faz a gente imaginar estar dentro do acontecimento é sem dúvida a passagem que fala da ressurreição de Lázaro.
Vamos ler esta passagem do Evangelho aqui dividindo o texto em partes para conhecermos a riqueza deste trecho e, no final, as explicações necessárias se darão. Vamos abrir a Bíblia em João11, 1-44. É um texto longo, mas de certa forma muito precioso que deve ser lido e estudado na íntegra. 

Precisamos entender quem era Lázaro. Ele era um dos irmãos de de Marta e e Maria. Moravam em Betânia, um povoado cerca de 3 Km de Jerusalém. Jesus era muito querido por eles e eles também gostavam muito de Jesus. Eram verdadeiros amigos.
O Evangelho descreve que Maria, na casa de lázaro, havia ungido Jesus com óleo perfumado, e enxugado os pés de Jesus com os cabelos. (Jo12, 1-8). 

Lázaro, amigo íntimo de Jesus estava muito doente. As irmãs crendo que Jesus podia fazer alguma coisa e, sabendo que Ele estava por perto manda um recado informando sobre a doença de Lázaro. E o Evangelho diz claramente que Jesus "amava" aquela gente, principalmente a Lázaro. Mas Jesus tranquiliza e diz que Lázaro não morrerá. Teria Jesus mentido naquela hora? porque Lázaro morreu. Não! Jesus falava da morte eterna. Pois a morte física já estava acontecendo. Mas Jesus precisava que fosse assim.

Jesus então, não foi lá em Betânia imediatamente. Ficou ainda dois dias e depois seguiu com  seus discípulos até Betânia. Quando Jesus chegou lá havia quatro dias que Lázaro estava morto. Então no mesmo dia em Jesus recebeu o recado sobre a enfermidade de Lázaro é que ele veio a falecer. 


E sabemos que após quatro dias um cadáver já está em processo de putrefação.
Os discípulos censuram Jesus, os judeus queriam apedrejá-lo. (Jo1031-37). E ele tinha que voltar para os arredores de Jerusalém?... Mas Jesus precisava ir lá, mesmo com Lázaro morto, porque era chegada a hora de Jesus mostrar quem Ele realmente era o Filho de Deus. E Jesus explica que aqueles que "andam na escuridão precisam ver a luz", a sua luz. Jesus é a luz do mundo. É ele quem nos guia, foi para isso que ele veio. 

Quando Jesus diz aos discípulos que Lázaro dormia, eles achavam que Lázaro estava recuperado. Mas Jesus falava da morte do amigo de forma sutil. Vendo que eles não entenderam Jesus afirmou: "Lázaro Morreu!"
Jesus disse que se alegrava, pois a morte de Lázaro tinha um propósito. Qual era o propósito de Jesus? Era fazer com que as pessoas cressem que Ele era o Filho de Deus. Mas quando Jesus disse vamos a ele, os discípulos acharam que Jesus iria morrer também e queriam morrer junto com Jesus. Veja a lealdade e a firmeza dos discípulos que mais tarde se tornariam os Apóstolos de Jesus. "Vamos também morrer com ele!" (v.16)

Quatro dias havia se passado da morte de Lázaro. Jesus chegou à Betânia. Marta correu-lhe ao encontro, enquanto que Maria estava em casa. Jesus recebe o lamento de Marta: "Senhor se estivesses aqui meu irmão não teria morrido!", podemos imaginar os olhos de Marta diante de Jesus, o qual ela sabia que tudo podia fazer para impedir aquela desgraça. Podemos imaginar nos olhos a seguinte frase: "Senhor, porque demoraste tanto, não recebestes o recado que mandei lhe dar?..." Mas ainda sim mesmo sem entender o que Jesus fosse fazer, ela confiava, esperava e acreditava no poder de Jesus, mesmo diante a dor e diz: "Eu sei que tudo que pedires a Deus, ele te concederá!" // Veja o grau e a intensidade da fé de Marta. Jesus disse: "Teu irmão ressurgirá!" - Marta logo responde "-Senhor, eu sei que ele ressurgirá na ressurreição do último dia!". Aqui um episódio interessante: os judeus não criam na ressurreição dos mortos como Jesus ensinava. Certamente Jesus havia ensinado a eles sobre a ressurreição, ponto dela afirmar que acraditava na "ressurreição dos mortos no último dia". É o que nós professamos também essa mesma fé no Creio.
Então Jesus se apresenta: "Eu sou a ressurreição e a vida, todo aquele que crê em mim, mesmo que morra viverá!" - surge uma pergunta: "Credes nisto?" - e Maria respondeu: "Sim, eu creio firmemente que tu és o Messias, aquele que devia vir ao mundo!" - este diálogo entre Jesus e Marta nos mostra que precisamos ter fé no poder e no senhorio de Cristo. Crer só em Jesus é simples demais, mas crer, aceitar e confiar no senhorio de Jesus é a chave para realizarmos grandes milagres.

Marta foi chamar a irmã, no meio de tanta gente, ela usa a discrição,e, baixinho diz a irmã: "O Mestre está aí e te chama!", conta o Evangelho que ela se levantou-se e correu ao encontro de Jesus. Pois Jesus estava ainda um pouco distante da casa deles.
Outro fato interessante: Os judeus que ali estavam fazendo-lhe visita acharam que ela tinha ido ao túmulo chorar, mas não, ela correu ao encontro de Cristo e lamentou com ele a morte do irmão: "Senhor se estivesses aqui meu irmão não teria morrido!" - parece combinada a lamentação de Maria com a lamentação de Marta. Mas, o mais importante, ela Lançou-se aos pés de Jesus, com o fez da última vez em que enxugara-lhe com os cabelos.


Chorou e Jesus também chorou com ela a morte do amigo. Aqui se vê a humanidade de Jesus. Jesus chora, ao ver a dor daquela família. Sabemos muito bem que Deus precisa que digamos a ele que precisamos da sua misericórdia. E a admiração dos judeus, "vede como ele o amava!" - esta frase nos lembra que talvez os discípulos estivessem decepcionado com Jesus porque prontamente não foi à Betânia, ficou ainda dois dias no local onde pregava. Mas foi justamente esse amor que Jesus mandou que seus discípulos "amar como Ele nos amou!" Esse amor de Jesus por nós, assim como foi por Lázaro é um amor incondicional.
Uma pergunta é feita: "Ora, Ele que fez muitos milagres, curou um cego de nascença, não podia também impedir com este não morresse?"
Jesus ficou comovido mandou tirar a pedra, "está fendendo!", disseram, "já faz quatro dias que foi sepultado!" - Disse Jesus. "Eu não disse que se crêsseis veriam a glória(poder) de Deus?" e foi tirada a pedra. Conta-se que era uma caverna, selada com uma enorme pedra onde era o sepulcro de Lázaro. 

E assim, Jesus faz uma oração: "Pai eu te dou graças porque sempre me escutais, eu bem sei que me escutas. Mas digo isto por causa do povo que me rodeia para que creiam que tu me enviaste!" - esta oração penetra em nós, mexe com nosso ser, não resta nenhuma dúvida que precisamos crer, que Jesus é o nosso Salvador. Que ele é nosso Senhor e confiar no seu poder. Assim as vida, as doenças, os problemas se tornarão muito mais leve. Os milagres acontecerão e seremos muito mais felizes, porque é isto que Deus quer para nós, que vivamos felizes, que sintamos o seu amor por nós! Devemos fazer com que Jesus seja nosso Salvador e Senhor.
E por fim, o milagre: Jesus chama o morto, "Vem para fora!" e ele saiu. Naquele tempo era costume enrolar os defuntos com faixas depois de preparar o corpo com ervas  aromáticas. Ele saiu assim, todo enfaixado. Tiraram-lhe as faixas. E o propósito de Jesus foi cumprido. Manifestou-se a glória, o poder de Deus naquele momento. Naquele dia muitos se converteram e acreditaram em Jesus.  

O que precisamos fazer hoje se quisermos ser verdadeiramente felizes. Colocar Jesus como nosso Senhor e Salvador é estar ligado a ele com esse laço de amizade profunda, como teve Marta, Maria e Lázaro. 
Precisamos escutar a voz de Jesus que nos chama de nosso comodismo, "Vem para fora!", vem para fora de nossa falta de amor, de fé, de compreensão. A mesma proposta de vida que Jesus ofereceu aos seus amigos de Betânia, nos oferece hoje. Jesus quer visitar nossa casa e fazer manifestar ali seu amor.
          
Não podemos agir como os fariseus que mesmo vendo a manifestação de Jesus, seus feitos e seus milagres. Seu poder e sua autoridade de Filho de Deus, ficaram endurecidos a ponto de tramarem a morte de Jesus. (Jo11, 45-53)
Quem é Jesus? 
O que Ele representa em minha vida?
Será que eu acredito realmente que Jesus é o Filho de Deus?
Eu aceito Jesus como meu Senhor e salvador?
Será que deixamos nos guiar pela luz de Jesus?


São perguntas que nos fazem refletir. Porque muitas vezes deixamos o evangelho de lado, nos acovardando, deixando de lado nosso testemunho cristão diante das autoridades deste mundo. Somos fariseus de nosso tempo. Jesus se manifestou como Senhor da vida. O episódio da morte de Lázaro, a princípio era uma situação de morte. Mas Jesus mudou aquela situação. Tornado aquela celebração de morte em uma celebração de vida.
Às vezes queremos fazer de nossa vida situações de morte, impedindo que a Luz de Cristo entre em nossa vida. Tramamos a morte de Jesus em nosso coração.
É preciso que mudemos nosso modo de agir. De que forma eu vejo Jesus? De que forma eu estou levando este testemunho cristão aos meus irmãos? como Jesus fez ou como os fariseus?


Betânia era um lugar onde Jesus ia para descansar. Na companhia de Marta, Maria e Lázaro, Jesus encontrava ali uma nova família. Eram seus melhores amigos. Precisamos fazer de nossa família esta "Betânia", um local onde Jesus seja o Senhor, onde possa manifestar o seu poder. E onde ele seja ouvido antes de tudo. Jesus precisa ser nosso Senhor. Ocupar os espaços de nossa vida que foram tomados pela influência da TV, dos que pensam que são melhores do que Deus. Dos que defendem a morte e não a vida. Jesus é nosso fiel amigo, o que precisamos é sermos fiéis amigos de Jesus. Você crê nisto? Crês que Jesus é a Ressurreição e a vida?// A mesma pergunta feita à Marta de Betânia, Jesus faz para você.  Responda a ele: "sim, Senhor eu creio que tu és o meu Senhor e Salvador, creio que tu és verdadeiramente o Filho de Deus!         


                                                                                              

    sexta-feira, 8 de abril de 2011

    OS EXERCÍCIOS DE PIEDADE CRISTÃ - E o Por que das Procissões?

    Neste tempo, em especial na Quaresma é muito comum a prática dos exercícios de piedade. São vários os exercícios de piedade que a Igreja coloca, de forma especial para que possamos meditar e viver de forma mais intensa o momento da Quaresma.

    Mas se engana que eles podem substituir a Missa, eles são apenas um complemento a mais. Não é obrigatório nem é pecado, por exemplo, a um cristão católico praticante não participar de uma procissão, mas é pecado se o católico participa da procissão e não participa da missa. Pois assim ele peca contra o primeiro Mandamento da Igreja que é: "participar das missas aos domingos e nos dias santos em que se estabelece a Santa Madre Igreja." 

    Mas associados com Missa é uma forma de viver mais intensamente a Oração. Os exercícios de piedade cristã mais comuns são:
    1. As procissões e caminhadas  - participar de uma procissão, seja ela um momento de você meditar sobre sua vida, sobre a vida daquele santo(a), ou mesmo do próprio Jesus Sacramentado. Rezar e também meditar como deveria ser diferente se a minha vida fosse feita de santidade, como gostaria de seguir as mesmas virtudes que aquele(a) santo(a), ou Nossa Senhora, ou até mesmo Nosso Senhor praticou e viveu aqui na Terra. De nada adianta uma procissão que nos leva a caminhar simplesmente acompanhando uma imagem em um andor, (imagem que é apenas um símbolo), do verdadeiro santo(a) que está no Céu. Mas sem nos levar a uma profunda meditação, à oração em si e à prática das virtudes, que chamamos virtudes teologais : a fé, a esperança e a caridade. De nada adianta acompanhar uma procissão, simplesmente por achar bonito ou uma forma de encontrar amigos e conversar com as pessoas. A procissão é um momento de caminhada e de oração, deve ser feita com respeito, aproveitando ao máximo aquele momento especial que o momento oferece para a Oração, seja meditando seja acompanhando uma oração devocional.
    2. As Orações Marianas e a devoção aos Santos(as) - toda Oração que você faz direcioanada à intercessão de um santo(a) deve-se levar em conta que ela é voltada diretamente para Deus pela intercessão dos santos que acreditamos na intercessão secundária deles. Veja bem! - a intercessão dos santos é uma intercessão secundária, isto é recorremos a eles e eles intercedem por nós. A quem? A Jesus que é o único Mediador primário, pela graça da salvação. Porém esta intercessão secundária dos santos acontece em virtude dos méritos da salvação de Cristo e nunca por si próprios. Isto inclui também a devoção Mariana ou à Nossa Senhora. Uma devoção aos santos(as) implica que você procure a intercessão, mas procure viver de acordo com os valores do Evangelho, imitando-os no que for possível e se esforçando para viver uma vida de santidade como os mesmos frutos que eles viveram. Isto é, testemunho de vida cristã, renegando a tudo que nos afasta do amor de Deus, prática dos valores evangélicos, vida Eucarística e buscar enriquecer ainda mais a fé fazendo-a crescer sempre.  Isso inclui as novenas e trezenas que fazemos etc.  
    3. A Via Crucis ou Via Sacra - A Via Crucis é uma forma de Oração penitencial muito antiga, mais comum feita na Quaresma como exercício penitencial.  Mas pode ser feita em outras épocas do ano. Ela consiste em meditar sobre a paixão de Nosso Senhor. Consiste em rezar os 14 passos principais da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, como fruto de meditar principalmente os mistérios da nossa Salvação e o amor de Deus por nós. Ela pode ser feita dentro da Igreja, nas ruas, em forma de caminhada, etc. Desde que o objetivo seja o mesmo rezar e meditar sobre a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo. Algumas Vias Crucis são elaboradas pela Diocese e aplica também que meditemos quanto Jesus ainda padece e sofre crucificado na pessoa do mais excluído. É uma forma de meditar associar os sofrimentos de Cristo aos sofrimentos dos "Cristos" de hoje. Pois Jesus mesmo disse: "Todas as vezes que fizerdes alguma coisa a um desses *pequeninos, foi a mim que o fizeste!" - pequeninos não quer dizer apenas às crianças, mas ao pobre, ao mais humilde, ao sem direito, ao sem teto, ao sem salário, enfim aqueles que de alguma forma estão excluídos pela sociedade e precisam ser incluídos nela novamente com dignidade de filhos)as) de Deus. De nada adianta um exercício de piedade, ou uma caminhada penitencial se a mesma não nos leve a tomar atitudes concretas em favor dos nossos irmãos.  
    A Oração está ligada à ação. São Paulo nos diz em sua carta que: "A fé sem obras é morta", isto é de nada adianta uma fé que não tem compromisso com a realidade. Precisamos descer de nosso "monte" e por os pés na realidade deste mundo. Quando a Oração é praticada os frutos dela são maiores para o nosso crescimento. Nossa fé é alimentada e nossa oração não foi em vão.
    É como uma pessoa que ora, ora, ora para obter a graça da saúde mas não vai ao médico, não se trata, está acomodado no seu "mundinho", a doença vai se agravar, vai gerar um quadro de depressão e quando se vê, a pessoa morre. De que adiantou tanta oração? é preciso prática!
    É muito comum ouvir certas pessoas dizerem: "Eu sou muito católico(a), eu rezo todos os dias na minha casa..." Ai quando se pergunta: -"mas você vai à Igreja, participa da Missa?" a resposta é outra. Ora, Jesus criou sua Igreja e instituiu os sacramentos não foi pra gente ficar em casa. A Oração particular é importante, mas nada se compara em celebrar a Eucaristia, estar na Casa de Deus juntos participando dela como Comunidade Cristã e batizados que somos.      
    É como passar fome com o prato cheio de comida, mas não fazer esforço para levar a comida até a boca. A comida só tem valor se estiver no estômago.
    Assim são as orações  e os exercícios de piedade se não tem prática não tem valor. 
    Por isso os exercícios de piedade só tem valor se for associado a uma vida cristã de verdade, de compromisso com Jesus, com sua Igreja e com os irmãos. Do contrário de nada vale a Oração e os sacrifícios que fazemos.


    Texto de: Elmando V. de Toledo