terça-feira, 29 de maio de 2012

O ADOLESCENTE, a ética e o Psicanalista

A adolescência passa primeiramente por duas questões:  Uma delas ligada à maturação sexual, a possibilidade de se ter uma relação sexual. E a outra ordem da gestalt do corpo, ou seja, a vivência das transformações corporais, um novo corpo.

A crise se dá então no encontro com o sexo, ou melhor dizendo, com o desencontro pois não existe simetria nas relações. 
A adolescência se caracteriza com um período de transição entre a puberdade e o estado adulto do desenvolvimento. As mudanças corporais e psicológicas advindas desta fase trazem angústia e diversas dúvidas sobre como lidar com as mudanças e estabelecer relações com o mundo que o  cerca.

Muitas vezes esse incômodo, ou melhor dizendo, mal estar, é que faz com que o adolescente necessite de análise. Quando isto acontece é justamente pelo fato de não suportar o sofrimento produzido fazendo com que busque uma resposta à incógnita que o sintoma traz. 

É uma busca de saber que sendo atribuída ao analista se espera que ele venha ao alívio para o seu sofrimento. Quais as dificuldades que o adolescente vivencia?
A dificuldade maior está em lidar com o próprio corpo não sabendo se servir dele. Daí o aparecimento da angústia e o receio de cometer faltas para com o proibido. Não existe um bem soberano, não existe um bem estar completo. O que existe é uma falta.

Falta esta que pode ser preenchida de muitos modos, tanto positivos, como as religiões, os grupos de auto-ajuda; como pode ser preenchido pelo lado negativo, o sexo que gera a gravidez precoce, as drogas, tanto lícitas quanto ilícitas. Por isso os pais devem sempre estar atentos ao comportamento dos filhos, e quando perceber estas mudanças devem procurar ajudá-los da melhor forma para que saibam lidar com a situação de modo que evitem erros que depois dificilmente vão ser revertidos, como é o caso das drogas e do álcool.
Como no ditado popular, nessa época o jovem passa de adolescente para "aborrescente". E muitas coisas que fazem, os fazem para chamar atenção de quem está ao redor, quase que um estímulo involuntário do comportamento, para que notem suas dificuldades. É nessa hora que deve entrar o  carinho e o entendimento dos pais de modo a buscar ajuda para esta ou aquela situação, este ou aquele conflito. Não os prendendo dentro de casa, o jovem precisa de espaço, mas dentro deste espaço saber crescer e entender seus limites. Pois embora crescidos no tamanho, não estão crescidos psicologicamente psara enfrentar o mundo. O jovem precisa de discernimento e espaço para expressar suas idéias. Quando ele usa seu espaço e se deixa "aparecer" é neste momento que se pode buscar situações e momentos onde pelo seu envolvimento busque o crescimento tanto emocional, quanto sociológico.   

O poder da cura está na palavra, no a saber entender, no participar da situação em que o jovem se sente. É através dela que o discurso inconsciente é veiculado e faz aparecer o sujeito enquanto sujeito.

Ser analisado é diferente de ser paciente exatamente por não esperar passivamente as respostas , mas possibilitar se situar em relação à própria fala e produzir um saber que é da ordem da verdade. Ser um adolescente desejante é poder intervir nele. Ser autor de sua própria história e estar implicado em sua constituição enquanto sujeito.

Existe todo tipo de adolescente: dos mais moralistas aos menos, dos que praticam esportes, os que integram movimentos populares, religiosos, políticos, enfim, várias maneiras de expressar algo que muitas vezes não se compreende muito bem.
Sabemos com a modernidade, muitas coisas mudaram, os professores não são mais tão rígidos, os pais sentem dificuldades para lidarem com os limites em relação aos filhos, os sintomas persistem, o número de casos de depressão, suicídios, abusos sexuais, uso de drogas e gravidez aumentam. Mas as dificuldades subjetivas não terminam. O homem, diz Freud, não tende nem à harmonia, nem à integração das pulsões em nem tampouco a uma síntese.

Como a psicanálise pode lidar com todas essas questões específicas deste sujeito e com a demanda criada principalmente pelos pais destes adolescentes?
Lacan nos indica que a psicanálise não é nem uma "Weltanschauung" (visão do mundo) nem uma filosofia que pretende dar a chave do Universo. Ela é comandada por uma visão particular.

Tanto a teoria quanto a prática clínica tem que ser dinâmicas, vivas, buscando sempre acompanhar a singularidade daqueles que se escuta. O sujeito só é sujeito dentro da cultura, ele feito da construção de seu contexto.

Hélio Pellegrino buscou romper com a dogmatização da ciência inserida em um contexto sócio-político-cultural e aproximá-la das diversas camadas da sociedade. Seu ideal era transformar sua ciência em um instrumento acessível a todos aqueles que desejassem buscar o entendimento  de si mesmos, do seu sofrimento, independente de sua posição sócio econômica.

O lugar da clínica é definido a partir de sua relação com o outro e não a partir de regras prévia e rigidamente estabelecidas. A legislação, o código de ética serve como um relevante norteador para as atividades profissionais, pois trata-se de direitos, deveres e responsabilidades pertencendo à ordem da objetividade. Já a Psicanálise trata-se da subjetividade, do particular. O que pauta  a atuação do psicanalista é a sua ética, entendendo-a como uma ação, uma atitude, uma forma de encontrar-se com o mundo. Não existe "a forma" , existem múltiplas maneiras de encontro.

A ética não é ensinada, cada um a descobre em sua própria pessoa. Ser ético não implica cumprir o que manda a lei, mas refletir criticamente sobre as normas morais vigentes, sejam elas sustentadas por hábitos, normas ou leis regulamentadas pelo Estado ou Órgão regulador da categoria profissional.

O homem é um ser ético por excelência surgido a partir do próprio desejo do Outro (a mãe, o pai, as instituições, etc), desejo este que não deixará de determinar sua própria demanda.

Chauí diz que "a ética é a reflexão crítica da moral, ou seja, pensar naquilo que se faz, repensar costumes, normas e regras vigentes na sociedade". 



Maria Aparecida Nascimento

Psicanalista e Especialista em adolescência






Pois é! Eu e você já passamos pela adolescência. É um momento muito especial nas nossas vidas, um período de descobertas. Nem sempre podemos contar com a ajuda de nossos pais que, não por incompetência, mas porque também não dispunham de recursos ou de tempo, e, tivemos que fazer nossas descobertas com outras pessoas, com nossos professores e com alguns amigos. Há uns tempos atrás falar de certas coisas com os filhos, como por exemplo falar sobre sexualidade não era tarefa fácil. Mas hoje vemos claramente que se a criança e o jovem não aprende o correto em casa vai aprender o incorreto na rua.  Mas, hoje em meio a tantas influências, com tantas informações como a internet e a TV, como será que nossos jovens estão buscando suas informações? Será que é de maneira certa ou errada? Se buscam na escola com os professores podemos dizer que são corretas, mas se buscam pela mídia, aprendem muitas coisas erradas.


Ouço sempre o velho ditado "os pais são os últimos a saber"... sim é verdade! e sabe por que isso acontece? Porque falta tempo e dedicação dos pais para com os seus filhos. Muitas vezes a falta de respostas acaba por descobertas não muito agradáveis. A moda o estilo de vida do jovem é diferente, ele precisa mostrar que está presente, precisa mostrar que é útil para alguma coisa e quando não consegue, vai buscar alternativas para chamar a atenção de todos que lhe rodeiam ou da família. E quando percebe que não está alcançando suas metas, frustrado tenta se esquivar de seu "mundinho" que embora grande em expectativas é pequeno demais para descobrir que há outras possibilidades. Diante desta frustração e de outros problemas que, sozinho o jovem não é capaz de resolver é que ele entra em revolta, com uso excessivo de álcool, o sexo precoce e as drogas. As drogas e a gravidez precoce chega na vida dos jovens cada vez mais cedo, quando ainda são crianças e muitas vezes por influências de pessoas que ocupam lugares que os pais deveriam ocupar.


Por isso os pais devem se fazer cada vez mais presentes na vida de seus filhos. Muitas vezes um pouco de carinho de atenção se faz necessário. O jeito "aborrecente" do jovem é um sintoma de que ele não está sendo ouvido, ou seja, não está tendo a atenção necessária que deveria. Os pais jogam sobre a escola, sobre a Igreja, sobre os empregados da casa a tarefa de "cuidar", "tutelar"  ou de aconselhar os filhos e isso é muito ruim. Não que tais pessoas não tenham competência para cuidá-los, para orientá-los, mas porque o carinho, a atenção e o diálogo não existem em casa.

Se os pais não possuem capacidade para ajudar, e se o problema fugir da situação normal, aí entra o trabalho do psicanalista que é o profissional adequado para ajudar a entender e melhorar o problema. O que não se pode é omitir. Uma boa ajuda psicológica dos pais faz parte  da educação dos filhos, uma mente, uma consciência bem formada, faz do sujeito um adulto responsável e pronto para enfrentar as diversas situações da vida.Muitas vezes quando não se acha respostas é necessário ajuda de um  profissional da área de psicanálise.   


Existem pais que nem sabe como anda a saúde mental e espiritual dos filhos. Pagam os melhores colégios, dão os melhores brinquedos, as melhores roupas, o celular da ano, o computador mais sofisticado. Mas não dão amor, nem sabem qual é o seu boletim da escola e quando percebem seus filhos estão acarretados de problemas, físicos e emocionais, e aí, só lhes restam buscar ajuda em companhias que muitas vezes as levam para o caminho sem volta das drogas. Quando os pais se dão conta disso? Quando chão chamados na delegacia por que o seu filho já se tornou um menor ou um jovem infrator.


O jovem precisa de atenção, de carinho e de cuidados. Talvez ele pela sua "rebeldia" nem se dê conta do que se passa ao seu redor e consigo mesmo. Mas os pais precisam se interessar por essa fase da vida, que é o melhor momento e oportunidade do jovem se tornar um adulto, seguro em suas ações, sadio e responsável naquilo que faz. 

O que os pais devem saber é: a curiosidade faz parte do ser humano desde quando nasce até quando morre. É através da curiosidade, da busca de informações que grandes descobertas e invenções são feitas. Ela não é de maneira nenhuma prejudicial ao ser humano, pelo contrário o ajuda a entender os diversos mundos tanto na religião, quanto na ciência, ela abre as portas do conhecimento.

O jovem, sobretudo entre as crianças e os adolescentes há uma profunda necessidade de se entender as coisas, de procurar respostas para seus anseios. É nessa hora que aflora o desejo de experimentar coisas novas e buscar chamar atenção pelo aquilo que ainda não está ao seu alcance. E isto tanto pode ser bom, quanto pode ser ruim, pois é nessa etapa da vida que surgem boas e más oportunidades. Por exemplo, as drogas, as experiências sexuais e o vício do álcool. Aí os pais devem estar atentos ao primeiro sinal de comportamentos que venham a mostrar que algo não vai bem: falta as aulas, sonolência demais durante o dia, saídas inexplicáveis e demoradas, comportamento violento com os familiares, fuga das conversas, temperamento eufórico ou exaustivo, conversas desconexas, o não olhar nos olhos, etc. São sintomas de que algo não está bem. 

O jovens precisam aparecerem, eles fazem de tudo para mostrarem que estão presente na sociedade e na família, e que desejam de atenção e é por isso que os pais devem sempre dar atenção aos filhos, mesmo que algo não seja tão importante. Pois a atenção que eles não recebem em casa, vão ter de certas amizades, e cujas podem nem sempre ser boas. É aí que começa, experimentar uma dose aqui, um cigarro ali, logo se vê viciado em entorpecentes e aí será muito difícil para recuperá-los. Por isso a atenção dentro da família é muito importante.

Muitas vezes a maior dificuldade em um diálogo com os filhos começa porque o jovem (que não está preparado para ser questionado)não aceita perguntas, não aceita ser questionado em seu comportamento, (quer ser o dono da verdade), mas ainda não tem conhecimento desta verdade, que pode ser muitas ou nenhuma, ele não quer ser questionado porque pode se sentir constrangido, envergonhado, ou até subjugado em suas atitudes. É aí que os pais devem agir, não impondo questionamentos, mas mostrando a ele qual o melhor caminho a seguir, é preciso mostrar a verdade sem questioná-la e fazê-lo aprender com esta ou aquela situação. E para isso é preciso entrar no mundo do jovem. Falar a sua língua, ao invés de criticá-lo, deixar expor suas idéias. 

A maior dificuldade dos pais é muitas vezes se preocupar em exercer o poder pátrio, dar comida, alojamento, presentes, ou ainda xingar, por de castigo, usar muitas vezes (de forma errada) o jeito violento, mas se esquecem de ser amigos de seus filhos, de compreender, de amar e dar carinho, de respeitar seus sentimentos. Com isso o jovem se sente frustrado e angustiado, quer mostrar e provar para si mesmo que é útil, quer chamar atenção, muitas vezes não conseguindo expor suas idéias e seus sentimentos, começam a fugir da  verdadeira realidade para buscar outras em caminhos nem sempre seguros.   

       


          


segunda-feira, 14 de maio de 2012

A MEDIAÇÃO DE MARIA - "A mediação de Maria é especial, tendo em vista seu lugar no mistério de Cristo e da Igreja"

D. Murilo S. R. Krieger, scj
Fonte: Revista Brasil Cristão - edição n. 178; de maio/12 

Tendo diante de si as palavras do Apóstolo Paulo: "Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem que se entregou como resgate por todos" (ITm2, 5-6). Muitos perguntam: "Como é que os católicos ousam falar em mediação de Maria?"

Já nos primeiros tempos da Igreja havia o costume de se invocar Maria. Prova disso é a oração: "Sob tua proteção, ó Mãe de Deus...", que é aproximadamente do ano 200 d.C. O título de mediadora, referente a Ela, começou a ser usado no século VI d.C, e tornou-se mais popular no século XII d.C.

O único mediador entre Deus e o homem é Jesus: "Ninguém vai ao Pai a não ser por mim" (Jo14,6); é preciso estar atento, porém, ao seguinte: toda vez que usamos uma mesma palavra referindo-nos a Deus e a nós, seu sentido é totalmente diferente. Pensemos, por exemplo, na palavra santidade. Mas o significado, num e no outro caso, é totalmente diferente. Deus é santo, no sentido absoluto, original. 
Podemos até dizer que Deus é "a" Santidade. Os santos, ao contrário são santos no sentido relativo, isto é, limitados e dependentes. Eles participam, por um Dom especial da Santidade Divina. Jamais poderíamos dizer que os santos "são" a Santidade. Entendendo esses diferentes usos para a palavra "santo" é legítimo continuar dizendo que os santos são "santos". 

O mesmo poderemos dizer da bondade, da misericórdia ou da perfeição "Sede perfeitos como o Pai celeste é perfeito!" -  {aqui, nota-se que, se for atribuída a Perfeição absoluta ou de Deus, ninguém alcançaria tal Perfeição, mas os atributos relativos de que se referem Jesus, à pureza e à busca da santidade, da vida correta e leal diante de Deus que todos devem ter}. Referindo-se a Deus trata-se de atributos originais. Referindo-se a pessoas, trata-se de uma participação nos atributos divinos - participação limitada e dependente.

Assim quando dizemos que Jesus é o mediador, que é o único mediador, entendemos essa palavra no sentido absoluto, original e exclusivo. Já quando dizemos que Maria é mediadora, essa palavra é usada no sentido relativo e subordinado, como participação na única mediação (absoluta) de Cristo.
É o critério que vale para todos os atributos divinos. Assim a palavra "mediadora" não causa mais problemas, já que não se tira nada da Mediação de Cristo, e passa a ser compreendida em seu sentido exato.

Nesse sentido, poderemos ir além e dizer que há outros mediadores: os Apóstolos, os missionários e todos os que pregam o Evangelho. São também mediadores os párocos e catequistas, bem como os pais que educam seus filhos segundo a fé cristã. Cada batizado é chamado a ser um mediador: "Sereis minhas testemunhas!"... (At 1,8) - E é tão importante essa mediação que o Evangelho só chegará a muitas pessoas e lugares através dela:  
"Ide pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo quando vos prescrevi". (Mt 28, 19-20a). "Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros". (Jo13, 35)

Em síntese, toda mediação está sempre subordinada e dependente a Cristo, que é o único Mediador entre nós e o Pai. Ele não perde essa prerrogativa pelo fato de deixar que os outros participem de Sua mediação.
A mediação de Maria é especial, tendo em vista seu lugar (principal) único no Mistério de Cristo e da Igreja. 

(Aliás a Igreja começou a caminhada, à partir de Pentecostes, com a presença e participação de Maria - At1, 4.12-14). 

Basta pensar em sua colaboração para que acontecesse a Encarnação. Mais: levou Jesus, que nela havia se encarnado, à sua prima Isabel e a João Batista; colocou-O nos braços de Simeão; intercedeu em Caná quando na festa, o vinho acabou.

(Como não seria diferente?) No Céu Maria não é mediadora junto ao Mediador, mas n'Ele e por Ele; ela está em comunhão total com Cristo. Assim a mediação universal de Maria, no sentido que temos hoje, nada mais é que sua maternidade universal em relação aos homens. (cf. Jo 19, 25-27). Logo, quando o povo de Deus, iluminado pelo Espírito Santo, recorre à Maria em suas necessidades, sabe que a mediação de Maria depende da única mediação de Cristo, e que todas as graças tem a mesma fonte: o Coração aberto de seu Filho.  


POR ISSO - com essa belíssima explicação de D. Murilo, podemos entregar com confiança e suplicante nos braços de Maria, podemos sempre lembrar as palavras de São Bernardo:

"Ó Santa Mãe de Deus, Maria Santíssima, que nunca se ouviu dizer que alguns daqueles que tenha recorrido à vossa proteção fosse por vós desamparado!" ...


É com essa confiança que lançamos nos braços de nossa Mãe Maria, pois dentre todas ela é a Cheia de Graça, e como amada por Deus Pai, nunca deixou de atender e distribuir sobre nós as graças de seu Filho Jesus.
Maria é medianeira e ao mesmo tempo ela ela é co-redentora da humanidade junto de Jesus, pois ela pelo seu "sim" foi favorável ao mistério da Encarnação do Filho de Deus, isto é, Jesus.
Anunciada e escolhida por Deus, Maria é aquela que se fez a mais humilde de todas, mas diante de Deus é a criatura mais sublime, porque somente uma pessoa tão pura na alma e no corpo poderia conceber o Filho de Deus, que quis vir a este mundo nascido de uma mulher.
Se Jesus com sua obediência até a morte, conforme mesmo disse São Paulo, veio para recuperar e trazer para nós a graça que Adão, o primeiro homem tinha perdido por causa do pecado e da desobediência, e por isso, é também, Jesus é chamado simbolicamente de o "Novo Adão", Maria Santíssima , igualmente veio como co-redentora, sendo obediente, aceitando ser a Mãe do Filho de Deus e estando com Ele até a Cruz, essa serva obediente trouxe para nós Jesus o autor da graça; ao contrário de Eva, (primeira mulher) que também pecou desobedecendo a Deus, Maria Santíssima é chamada simbolicamente de a "Nova Eva" - sendo ao contrário, fiel a Jesus e a Deus em tudo.

Maria Santíssima ainda é chamada de um outro título ainda mais belo, a "Arca da Aliança". Como todos sabemos, a Arca da Aliança era uma caixa, ornamentada de ouro, onde era guardado os 10 Mandamentos, escritos por Deus na pedra e dado à Moisés. E sobre a Arca estavam dois querubins de ouro um de frente pro outro, donde Deus manifestava seu poder.
Assim, o ventre materno de Maria trouxe para nós Jesus, autor da Nova Aliança e todo o Novo Testamento passou pelo ventre santo de Maria, porque trouxe ao mundo o Filho de Deus. Por isso ela é chamada Arca da Aliança, porque guardou no seu ventre o autor da Nova Aliança que é Jesus.

E por fim, dos inúmeros títulos que Maria Santíssima recebeu e recebe, o mais importante e significativo foi o de Mãe de Deus, porque concebeu em seu ventre o Filho de Deus, Jesus Cristo, conforme fora anunciado pelo Anjo Gabriel: "Eis que conceberás e darás a luz a um filho e lhe porás o nome de Jesus, ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo". ( Lc 1, 31-32. )     

terça-feira, 8 de maio de 2012

MARIA, Mãe de Deus e Nossa


Texto de Cássio Abreu - (Coordenador de Comunicação e escritor)
Revista Brasil Cristão, ed. no. 178 de 05/12

Maio é um mês especial. Além de celebrarmos o dia das mães no segundo domingo do mês, (dia 13), a Igreja Católica dedica o mês à Maria, mãe de Deus e nossa. Você sabe por que?

A primeira referência sobre o mês mariano é da Idade Média, com as Cantigas de Santa Maria, de Afonso X (1221-1284), rei de Castela e León. Ele cantava a abundância dos bens que o mês de maio trazia com a chegada da primavera na Europa. O rei cristão convidava a invocar Maria, para que as bênçãos materiais e espirituais fossem ainda maiores (Dicionário de Mariologia, Paulus, 1995, p. 887). No Paganismo antigo, neste mês se honrava a deusa "Flor Mater". Porém, quem merece ser venerada por "todas as gerações" (Lc1, 48) é Maria, a Imaculada Mãe do Filho de Deus!

Em 13 de maio de 1917, época da I Guerra Mundial, a Santíssima Virgem se manifesta ao mundo através de três humildes pastorinhos: Lúcia, Francisco e Jacinta. Eles viviam em Fátima, Portugal. Nas suas aparições Maria nos convidava a rezar diariamente o Terço, pedindo pela paz no mundo e pela conversão dos pecadores.

Pio VII foi o primeiro Papa a conferir indulgências especiais no mês de maio, em 1815 e, seus sucessores confirmaram essa devoção mariana. O Papa Leão XIII assim se expressou na Encíclica "Augustíssima Virgem Maria", de 1897: "Depois de havermos dedicado a esta divina Mãe o mês de maio com o dom das nossas flores, consagremos-lhe também , com afeto de singular piedade, o mês de outubro, que é mês dos frutos. De feito, parece justo dedicar estes dois meses do ano àquela que disse de si: "As minhas flores tornaram-se frutos de glória e riqueza". (Eclo 24, 23)

Os santos também souberam honrar Maria no mês de maio. Em seu diário espiritual, Santa Faustina Kowalska e propunha, em 1937, a colocar uma flor aos pés da imagem de Nossa Senhora com a prática da mansidão.

"A aproximar o mês de maio, consagrado à Maria Santíssima pela piedade dos fiéis, o nosso espírito exulta ao pensar no espetáculo comovente de fé e de amor que, dentro em breve, será oferecido em todas as partes da terra em honra a Rainha do Céu. Na verdade, é um mês em que, nos templos e entre paredes domésticas, sobe dos corações até Maria, a homenagem mais ardente e efetuosa da prece  e da veneração. E é também o mês em que mais copiosos e mais abundantes descem até nós, do seu trono, os dons da misericórdia divina".

Com estas palavras o Papa `Paulo VI inicia sua Encíclica  "Mense Maio" (mês de maio), de 1965, dedicado à Nossa Senhora. No documento, Paulo VI mostra como Maria é o caminho seguro que nos leva a Cristo:
"Muito nos agrada e consola este piedoso exercício, tão honroso para a Virgem e tão rico de frutos espirituais para o povo cristão. Maria é sempre o caminho que leva a  Cristo. Nenhum encontro com ela pode deixar de ser um encontro com o próprio Cristo".

A Encíclica é um convite dirigido a todos os cristãos. Devemos rezar com mais intensidade no mês de maio, pedindo a intercessão de Maria, uma vez que nossas súplicas encontram mais fácil acesso ao coração misericordioso da Virgem durante esse mês. E o apelo do Papa é atualíssimo:

"Se considerarmos as necessidades presentes da Igreja e as condições em que se encontra a paz no mundo, temos sérios motivos de crer que a hora atual tem especial gravidade, e mais do que nunca urge dirigir a todo povo cristão um apelo para que se forme um coro de orações".

Através da Encíclica, o Papa Paulo VI pedia pelo êxito do Concílio Vaticano II (1962-1965); a reunião dos bispos terminava e dava um novo capítulo à História da Igreja, que vivemos até nos dias de hoje. Muitas idéias e propostas ainda precisam serem implantadas em nossas comunidades.

Sabiamente o Papa também pedia pela paz no mundo, que vivia o período da "guerra fria", uma disputa entre as grandes potências militares da época: Estados Unidos e Rússia: "Isto faz que os habitantes das Nações inteiras estejam sujeitos a sofrimentos indizíveis causados por agitações, guerrilhas e ações bélicas, que se vão sempre estendendo e intensificando , e poderão constituir de um momento para o outro, a centelha de um novo conflito pavoroso", dizia Paulo VI.

O mundo hoje não está tão diferente em relação aos conflitos entre países. Não corremos o risco de uma guerra mundial, mas os conflitos, ainda pequenos, a crise econômica em vários países ao mesmo tempo, e a ameaça de terrorismo, deixam uma sensação de insegurança e temor. Porém, o Santo Padre nos lembra, em sua carta dirigida também ao mundo de hoje, que a paz é um Dom de Deus, que devemos pedi-la por intercessão da Rainha da Paz:
"Mas a paz, veneráveis irmãos, não é pura sequência de esforços humanos, é também, sobretudo, Dom de Deus. A paz desce do Céu; e reinará de verdade entre os homens, quando chegarmos a merecer que ela nos seja concedida pelo Deus Onipotente, que tem em Suas Mãos, tanto a felicidade e a sorte dos povos como os corações dos homens. Por isso nós, com a oração, continuaremos a procurar e conseguir este dom insuperável; com a oração constante e vigilante, com os sempre fez a Igreja desde os primeiros tempos; com a oração que recorrerá de modo particular à intercessão e proteção da Virgem Maria, Rainha da Paz".

O Papa Paulo VI termina a Encíclica "Mense Maio" fazendo um apelo à oração do Santo Rosário. Este documento não tem prazo de validade e deve atingir nossos corações nos dias de hoje.O mundo precisa de paz e nosso apelo precisa chegar ao coração da Mãe de Misericórdia.
Neste mês em que a Igreja, sabiamente, dedica à Nossa Senhora, reúna sua família, seus vizinhos, parentes e amigos, reze o Santo Rosário, pedindo pela paz em nossas famílias, em nossa comunidade, em nossa cidade, em nosso Estado, País, continente, e em todo mundo.

Peça também, pela Santa Igreja de Cristo, para que as inspirações do Espírito Santo sopradas no Concílio Vaticano II sejam implantadas na Igreja, para o bem do povo de Deus.  

AFETIVIDADE E COMBATE À VIOLÊNCIA - conhecer para superar

Texto de: Dr. Ivan Roberto Capelatto
Fonte: Revista Brasil Cristão - ed. no. 178 de 05/12 

FAMÍLIA ESCOLA E VIOLÊNCIA

       A violência na família vai ser mostrada na escola, aonde professores, pais e alunos vão confrontar por "não aceitarem regras", e escola e pais ainda não se definiram qual "pedaço" do aluno/filho pertence a cada um. 
Assim o professor, impotente para controlar o comportamento ou para desencadear o desejo de aprender em seus alunos, torna-se violento, com aulas perversamente difíceis e com provas punitivas. O aluno, sem o desejo de aprender e impotente contra a instituição, criando regras informais e fomentando o aparecimento de gangues - que é o sinal social básico da impotência. E os pais divididos entre o desejo de ver a escola como parceira, agridem os filhos com castigos e penas, e a escola com queixas contra professores e a organização.

A MÍDIA E A SUA INFLUÊNCIA NA EDUCAÇÃO

  A função mais importante do educador - pais e professores - é de mediar a constituição simbólica da criança, fazendo com ela uma parceria para facilitar, promover e motivar a aprendizagem, assim como permitir o aparecimento de um EU que pensa, que deseja, que distingue, que sente. Quando esses adultos junto com seus filhos e seus alunos, se tornam reféns de um jogo onde a meta da vida é o PRAZER, sem consequências ou sentido, temos a morte do mediador, e com ele morre a possibilidade de uma criança tornar-se um EU, um sujeito com desejos e pensamentos próprios. O que torna o adulto e a criança reféns de uma "linguagem do prazer" é o conjunto de mensagens sedutoras, mentirosas e violentas que a mídia joga para dentro das instituições fundamentais de vida: família e escola.
  Falando somente de prazer e poder, a mídia constrói, no imaginário dos consumidores, imagens contraditórias: "Quem é o bandido, quem é o mocinho? O que é bom e o que é mau?, onde o 'belo' toma o lugar do 'bom' e o 'estético' destrói o 'ético ".
  Aquele que quebra as regras é aplaudido, o outro que "venceu" na vida sem estudar é supervalorizado, o violento aparece em todas as reportagens, vídeos e capas.

AFETIVIDADE, SUA EVOLUÇÃO E SEU PREJUÍZO

  Lembrando que a estruturação da afetividade se dá em fases - oral, anal, fálica, latência, adolescência e genital - e essas fases têm como condição de realização a presença da educação e do educador, e lembrando que vivemos um momento histórico-social de profunda impotência e enorme violência, é lógico que pensemos que a evolução saudável da afetividade será prejudicada.
  O prejuízo fundamental é a não evolução psicológica do sujeito de uma fase para outra, evoluindo somente fisiologicamente. Essa distância que vai aparecer entre a maturidade do corpo e a imaturidade do psiquismo pode produzir doenças psicológicas profundas, e a maior consequência é o aparecimento da compulsão ao prazer imediato, a impotência para se tornar um EU, e o desencadear de uma ação violenta contra tudo aquilo que não significa prazer.                     



          

terça-feira, 1 de maio de 2012

ESPIRITUALIDADE - Liturgia Eucarística

Texto de: Elmando V. de Toledo - tirado do estudo de: Fr. Francisco ferreira, OFM.

A Liturgia Eucarística, é a segunda parte mais importante da Santa Missa. Jesus Cristo instituiu o sacrifício cristão na última ceia, no contexto de uma ceia pascal dos judeus (Jesus era judeu), que daí em diante tornou-se a ceia pascal dos cristãos.
Por isso, no altar do sacrifício cristão tem uma forma de mesa. E nela Jesus se apresenta como Cordeiro Pascal sem mancha que se entregou por nós, e por isso repete-se a mesma entrega de Jesus no Calvário e sua Ressurreição. Mas o que temos na ceia fraterna, uma ceia pascal? - Temos a mesa, as alfaias, os vasos sagrados, os elementos essenciais para a ceia, que são o alimento sólido (o pão) e o alimento líquido (o vinho) e a água. O pão sem fermento (como o pão ázimo dos judeus) e o vinho puro (sem álcool de cana-de-açúcar) e a água. O pão e o vinho misturado com a água, representa o Corpo de Cristo misturado com todos nós sua Igreja. Que se tornam o Corpo e Sangue de Jesus, sinais da graça santificante, água e sangue que jorraram do coração aberto de Jesus pela lança do soldado. Jorram para nós na Eucaristia as graças da salvação: alimento, sustento e remédio para o corpo e para  alma. É o mesmo sacrifício de Jesus na Cruz, porém de forma incruenta. Isto é, não há crueldade. Ninguém poderia comer carne e sangue humana - o que seria canibalismo. Jesus não precisa manifestar-se visivelmente em carne e sangue vivos. Mas pelo Espírito Santo ali se torna o Sacramento Eucarístico, onde ali estão presentes: seu Corpo, Sangue, alma e divindade. 
Pelas mãos do sacerdote e pela ação do Espírito santo, Jesus se faz presente nas espécies de pão e vinho que se tornam seu corpo e seu sangue. Não podemos ver, enxergar tal mistério, senão com os olhos da fé.

A Ceia Pascal de Cristo, a Eucaristia, também significa "jantar de amigos", (Jo15, 13-15) pois promove encontro, comunhão, amizade, diálogo, amor, conhecimento, etc. Se agora procurássemos tudo o que dissemos da ceia fraterna da missa, descobriremos a sua riqueza, na linguagem do comer e beber juntos, no Senhor e tendo como alimento o próprio Senhor.
Não se trata de um memorial apenas, trata-se da renovação da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor Jesus, onde Ele mesmo se faz presente quando o sacerdote eleva o pão e o vinho pronunciando as mesmas palavras de Jesus na última ceia: "Isto é o meu Corpo" e "Isto é o meu Sangue" ... "derramado por vós para remissão dos pecados!" e quando termina diz aos Apóstolos: "Todas as vezes que fizerdes isto, fazei-o em minha memória!" - portanto, é  Jesus que está ali presente na Eucaristia. Não apenas as espécies que vemos mas agora o próprio Jesus Ressuscitado.

Os elementos essenciais de uma refeição fraterna, ou da Ceia, são sólido e líquido. Ora, na Ceia do Senhor, a Missa, temos esses dois elementos: o pão e o vinho com água. O pão e o vinho, são sem dúvida, o alimento sólido e o alimento líquido mais universais, tanto assim que se apresentam com os seus símbolos. O vinho é o símbolo do líquido nobre do encontro humano. A água símbolo da vida, também está presente.
O pão e vinho significam ou simbolizam a vida do homem e toda criação da obra de Deus. Afinal, quem poderia viver sem comer e beber? Por isso é claro o texto, quando Jesus disse: "Tomai e comei!" - aqui, não só representa o gesto físico de comer e beber apenas, mas o gesto de participar da própria vida do Senhor Jesus, ter parte com Ele no mistério da Redenção, que se perpetua a cada Missa, até que Ele venha. Também significam aquilo que o homem é: Sua vida, sua existência co mo dom de Deus. 

Se o pão e o vinho na Missa significam o que o homem é, e o que o home faz na dimensão do amor de Cristo que no mistério da sua Paixão, Morte e Ressurreição trouxe nova vida aos homens, então o rito da preparação das oferendas adquire um significado muito importante.

"É louvável que os fiéis apresentem o pão e o vinho, que o sacerdote recebe em lugar conveniente e dispõe sobre o altar, proferindo as fórmulas estabelecidas. Embora os fiéis já tragam de casa, como outrora, o pão e o vinho destinados à liturgia, o rito de levá-los ao Altar conserva a mesma força e significado espiritual". (n.49). 

O rito da preparação das oferendas como é previsto na instrução geral sobre o Missal Romano, consta de três momentos: 1 - Preparação do Altar, 2 - Procissão das oferendas, 3 - Apresentação das oferendas a Deus:
O Sacerdote recebe as oferendas (pão e vinho) e as apresenta ao Senhor dizendo:
"Bendito sejais, Senhor Deus, pelo pão que recebemos de vossa bondade, fruto da terra e do trabalho humano, que agora vos apresentamos e que vai se tornar o Pão da Vida!" - isto é o Corpo de Jesus.
E depois: "Bendito sejais, Senhor Deus, pelo vinho que recebemos de vossa bondade, fruto da videira e do trabalho humano, que agora vos apresentamos e para nós  vai tornar-se o vinho da salvação!" - Isto é o Sangue de Cristo. No sacrifício eucarístico da Santa Missa, Jesus se torna: Sacerdote, Altar e o Cordeiro Imolado. (Em cada Santa Missa se atualiza o sacrifício pascal de Cristo, é por isso que nenhuma missa pode substituir a outra.)  

A ORAÇÃO EUCARÍSTICA - Outro grande momento antes da Comunhão. A Oração Eucarística lança a assembléia celebrante no âmago do mistério pascal de Cristo celebrado na Missa.
A Oração Eucarística é o centro e ápice de toda celebração, é prece de ação de graças e a santificação de todo o povo de Deus. Unindo a terra e o Céu em um só ato de louvor em uma só voz. O sacerdote convida o povo a elevar os corações ao Senhor na oração de ação de graças, unindo à terra e os céus na multidão dos anjos e dos santos que se dirige a Deus Pai por Jesus Cristo em favor da Igreja. O sentido dessa oração é que toda a assembléia se una a Cristo na proclamação das maravilhas de Deus e na oblação do sacrifício. Vejamos os elementos da Oração Eucarística : a) O fato maravilhoso; b) Admiração; c) Exclamação; d) A proclamação dos benefícios; e) Pedido e intercessões; f) Louvor final.
Concluindo com a elevação do Corpo e Sangue de Cristo, onde o sacerdote oferece ao Pai, por Cristo e em Cristo, todo louvor, toda honra e glória por Jesus Cristo ter nos redimido na Cruz e se tornado o Pão da Vida por amor a nós. A assembléia responde com o amém, bem forte, que deve ser do fundo do coração a Jesus Sacramentado, pode ser cantado ou não, para expressar que aceita esse amor de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo tem por nós.  

O terceiro momento mais importante da Liturgia Eucarística é a Comunhão. Jesus quer fazer morada em nós. Ele mesmo ressuscitado se dá em alimento. E aqui recordamos as suas palavras: "Eu sou o Pão vivo que desceu do Céu, quem come deste Pão viverá eternamente!"- Jesus se torna o sustento de nossa caminhada. E Jesus acrescenta: "E o pão que hei de vos dar é minha carne pela salvação do mundo!" (Jo6, 50-51) E na última Ceia, Jesus diz claramente: "Isto é o meu Corpo!" ... "Isto é o meu Sangue!" - Jesus diz: é, ele não diz: "Isto será", ou "isto vai ser... Ele diz que é o seu corpo, é o seu sangue. Esta palavra, "é" também prefigura o nome  de Deus no Antigo Testamento, quando Moisés perguntou ao Senhor como ele se chamava ele disse "Eu Sou!" ou Javeh, e agora, Jesus o filho de Deus, usa o mesmo termo "Eu Sou" o pão da vida!   - Notaram a semelhança?  

"Sendo a celebração eucarística, a Ceia Pascal, convém que, segundo a ordem do Senhor, o seu corpo e Sangue sejam recebidos como alimento espiritual pelos fiéis devidamente preparados. (Que ninguém participe do Corpo e Sangue do Senhor indignamente, {Cf. 1Cr11, 23-29}). Esta é a finalidade da Fração do Pão, (Pão  repartido), e os outros ritos preparatórios, pelos quais os fiéis são imediatamente encaminhados à Comunhão. (n.56)

Antes da participação da Comunhão Eucarística, entra-se dentro de uma dinâmica de preparação para acolher o Senhor na Eucaristia. Assim temos: o Pai-Nosso, o momento da Paz, a Fração do Pão (Jesus partiu o pão); o canto do Cordeiro de Deus, a partícula da Hóstia no Cálice (representa nossa comunhão com o Corpo e Sangue de Jesus Cristo) - a distribuição da Eucaristia.


 ****************************************
PARA LHE AJUDAR:  

De preferência, ao se dirigir para receber a Eucaristia, esteja trajando uma roupa decente,(em sinal de respeito evite o escândalo), ao comungar dê preferência em receber a Eucaristia na boca, (o recomendado pela Igreja), se for receber na mão, ao dirigir ao sacerdote, coloque a sua mão esquerda sobre a mão direita, e comungue retirando a Eucaristia com a mão direita. Observe se na sua mão não ficou fragmentos da Eucaristia, fragmentos podem cair no chão.


APRENDA!

Quando sacerdote lhe entregar a Eucaristia dizendo:


"Corpo de Cristo!", ou, quando há distribuição das duas espécies diz: "Corpo e Sangue de Cristo!" - a sua resposta deve ser alta e em bom tom: "AMÉM!". Essa resposta que não é dada apenas ao sacerdote, mas ao próprio Jesus Eucarístico que você irá receber e comungar.




Ou seja, com o Amém (significa assim seja) está a sua expressão e o seu desejo: "Sim! eu quero, eu aceito que Jesus venha morar em mim, eu aceito seu Corpo e Sangue como vida para meu corpo e minha alma". Por isso esse "Amém" não pode ser uma resposta preguiçosa, mas viva, intensa e alegre.
E depois de recebê-Lo, num momento, em silêncio, você deve conversar com Jesus que agora está em você para ser o sustento e remédio em sua caminhada.    
Agora que você sabe o verdadeiro significado da Liturgia Eucarística da Santa Missa, que tal se perguntar:
Você participa ou assiste a Santa Missa?
É nosso dever participar da Santa Missa, não só porque o mandamento da Igreja exige, mas porque a cada celebração estamos celebrando mais uma Páscoa do Senhor. E também mais uma vez querendo buscá-lo no Sacramento da Eucaristia: vivo, presente e Ressuscitado.   


APRENDENDO SOBRE O SIGNIFICADO DA HÓSTIA (pão sem fermento) e do VINHO

A raiz do significado está lá no Antigo Testamento, os pães consagrados  a Deus pelos sumos sacerdotes do Templo eram pães sem fermento. Por quê? - Porque assim Deus pediu que os israelitas fizessem  no dia da passagem da páscoa, (lá nos tempos do Êxodo no Egito) - quando Deus deu a libertação ao povo de israel, os tirou da da escravidão. "Naquela noite, (disse Javeh) comerás pão sem fermento!" ... "Pois é a páscoa do Senhor"... (Ex12, 8.11) - Por que pães sem fermento? Porque o fermento leveda a massa, isto modifica a estrutura do pão.


O pão sem fermento representa toda a santidade e perfeição de Deus Pai. E Depois Deus instituiu a ceia pascal como memorial daquele dia, para que nunca se esquecessem do que o Senhor fez por eles no Egito. "Conservareis a memória daquele dia..." (Ex12, 14) E assim, os judeus conservam esta memória até hoje.     
Tendo Jesus, o Filho de Deus celebrado a Ceia Pascal dos judeus com seus apóstolos, e nela atribuiu os elementos da sua "Nova Páscoa", Jesus utilizou também o pão puro, isto é, sem fermento como manda a Lei do Senhor. E é provável que tenha utilizado também todos os outros elementos da ceia pascal judáica. Isto se vê claramente, uma menção do acontecido no Evangelho segundo São Lucas, (Lc22,7-13): Vamos ler?


"Raiou o dia da festa dos pães sem fermento, em que se devia imolar a Páscoa. Jesus enviou Pedro e João, dizendo: 'Ide e preparai a ceia da Páscoa!' - Perguntaram eles: Onde quer que preparemos? - Jesus respondeu: 'Ao entrardes na cidade, encontrareis um homem carregando uma bilha com água; segui-o até a casa que ele entrar, e direis ao dono da casa: o Mestre pergunta-te: Onde está a sala em que comerei a Páscoa com meus discípulos? Ele vos mostrará o andar superior uma grande sala mobiliada e ali fazei os preparativos.' - Eles foram,pois, e acharam tudo como Jesus dissera; e prepararam a Páscoa.



Mas, Jesus simplificando apenas utilizou o pão puro sem fermento da Ceia Pascal judáica e o vinho puro para que se tornassem Sacramento perpétuo,  o seu Corpo e seu Sangue, ou seja, a Eucaristia. Agora o pão puro, sem fermento e o vinho puro da ceia judáica não só era um simples símbolo, mas era o elemento principal pelo qual Jesus instituíra a Eucaristia, compreendem?. E quando falamos de Eucaristia, não podemos esquecer que estamos falando do Corpo e Sangue de Cristo. Mas ... uma pergunta: os pães ázimos eram de forma quadrada?! Como pode a hóstia (mesmo pão sem fermento) ser redonda. A resposta é simples:
  
A Igreja conserva até hoje o uso do pão sem fermento, isto é a hóstia,  como deve ser. Apenas por um detalhe, depois de algum tempo, esse pão ou a hóstia passou a ser de forma redonda, por quê? - Porque ela também enquanto hóstia, (mesmo ainda sem ser consagrada), possui um grande significado:


O branco da hóstia simboliza Jesus Ressuscitado, o círculo da hóstia representa a união da Santíssima Trindade, o Pai com o Filho e o Espírito Santo, um só Deus em três pessoas. O círculo ainda representa a eternidade de Deus, assim como não podemos distinguir onde está o início, meio e fim de um círculo, Deus é eterno, não tem início meio e fim. Ele existiu e sempre existirá.  


É por isso que não fazemos como nossos irmãos crentes fazem. Eles utilizam de qualquer pão, (às vezes, até mesmo suco de uva), para a "Ceia do Senhor". Nós, não! - Nós seguimos os mesmos preceitos da primeira Ceia Pascal de Cristo, (primeira de muitas outras).


Depois há uma grande diferença: Nas igrejas protestantes e evangélicas não se celebra a Missa e nem possuem a Eucaristia. Na verdadeira Igreja de Jesus Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana existe a celebração da Santa Missa, o pão (a hóstia) e o vinho consagrados se tornam verdadeiramente Corpo e Sangue de Cristo, ou seja, a Eucaristia, Jesus presente no meio de nós pelo Sacramento da Eucaristia. Portanto ali não é uma representação, nem tampouco um teatro que o padre faz. Mas é a atualização todos os dias do sacrifício redentor de Jesus. Por que digo isto? - Porque é muito comum vermos, principalmente em vésperas ou após a celebração de Corpus Christi em matérias da imprensa alguns jornalistas (desinformados da catequese da Igreja) dizerem ao se referir a Eucaristia: "para os católicos representa o Corpo e Sangue de Cristo!"... Não! para nós não é uma representação, é, como Jesus disse o seu Corpo e seu Sangue que ali está.
(O vinho da Santa Missa não é um vinho qualquer, é um vinho especial feito somente de uva, licoroso e  sem álcool de cana-de-açúcar, apenas álcool vinítico, ou seja do próprio vinho como na verdade era feito antigamente, também conhecido como "vinho canônico").


O vinho também tem seu significado, antes mesmo de ser consagrado ele representa o gesto de amor que Deus tem pela humanidade e simboliza a bênção de Deus pela nossa vida, pela nossa colheita, pelo nosso trabalho. E significa também o gesto de generosidade de Jesus, quando aceitando se entregar por nós na Cruz, quis se tornar Sacramento para nossa redenção.
Enquanto que nas outras "igrejas protestantes e evangélicas", há apenas um memorial (ou lembrança) da Santa Ceia. Então nesse caso, pode-se usar o pão comum e suco de uva ou vinho comum mesmo.   


OS ELEMENTOS UTILIZADOS PARA A EUCARISTIA

VINHO E PÃO - utilizados para transformação da Eucaristia.  


MANUSTÉRGIO OU TOALHA - pequena toalha de linho usada para purificar as mãos do sacerdote. 


CORPORAL - pequeno pano de linho puro, usado para colocar os vasos sagrados: o Cálice Sagrado, a patena com a hóstia grande e a(s) ambula(s) com as hóstias menores, que serão depois de consagrados a Eucaristia. Representa o Santo Sudário.


PALA - um tipo de tampa (em forma quadrada) que serve para tampare proteger as espécies que serão consagradas


SANGUÍNEO - pequena toalha de linho puro usada para purificar o cálice após a consagração. 


CÁLICE - tipo de taça especial, feito em metal nobre em cerimônias importantes utilizado para tomar bebidas, foi utilizado por Jesus e por nós hoje para consagrar o vinho. Este cálice utilizado na missa também é chamado Cálice da Bênção.


PATENA - tipo de prato especial feita de metal nobre onde se coloca a hóstia grande.


ÂMBULA - tipo de vasilha com uma tampa, especial para guardar a Eucaristia. 


BACIA E JARRO COM ÁGUA - usada para purificar as mãos do sacerdote, também representa o gesto de humildade de Jesus em lavar os pés dos Apóstolos.