terça-feira, 13 de setembro de 2011

NOVA ARMA DOS ESTADOS UNIDOS AMEAÇA O PLANETA

Segundo o Jornal "FOLHA UNIVERSAL" - de 11 de setembro de 2011; edição  2366500; no. 1014, de responsabilidade da   IURD. Cujo traz a seguinte matéria com o título da capa: "A Arma do Apocalipse?":

DIZ A 'FOLHA UNIVERSAL':

Dez anos após os ataques de 11 de setembro, os Estados Unidos desenvolveram armas capazes de manipular a natureza e colocar em risco o futuro da humanidade.

Imagine um planeta onde algumas pessoas e países podem controlar o tempo e o clima. Nesse lugar diversos povos já foram devastados por essas nações, detentora do poder de criar enchentes ou fortes secas em terras vizinhas. Quando o ataque acontece tudo que é vivo morre.
De nuclear, a guerra tradicional passou para biológica, até chegar na climática. Dez anos após sofrer os ataques de 11 de setembro, os EUA já tem armas para manipular a natureza e assim destruir inimigos. Se você acha que isso é ficção científica se enganou. Embora pareça absurdo, o projeto Haarp - sigla para The High Frequency  Active Auroral Rearch Program ou Programa de Investigação de Aurora de Alta Frequência, em português -, controlado pela Força Aérea dos Estados Unidos e Marinha de Guerra, tem essa capacidade. A manipulação do clima chegou ao extremo e coloca em risco a sobrevivência da humanidade. O Haarp é bastante polêmico e obscuro. Com sede no Estado Norte-americamo do Alasca, o projeto, que existe desde 1990, tem como objetivo oficial ampliar o conhecimento sobre as propriedades físicas e elétricas da Ionosfera terrestre. 

A Ionosfera é a parte mais externa da Atmosfera, que reflete vários tipos de sinais. Com essa manipulação das ondas de baixa frequência na Ionosfera, seria "EU NÃO SEI DIZER SE O HAARP PODE GERAR TERREMOTOS. MAS MUDANÇAS COMO SECAS E INUNDAÇÕES SIM", possível segundo o Governo Norte-americano, melhorar o funcionamento de vários sistemas de comunicação e navegação, tanto civis quanto militares. Essa justificativa não convence muitos especialistas que acreditam que o Haarp pode se tornar uma arma de destruição em massa.

Luís Fernando de Mattos, pesquisador do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais / (CPTEC/Inpe), explica que a manipulação feita pelo Haarp na Ionosfera pode afetar o tempo e o clima em todo Planeta. "Eu não sei dizer se o Haarp pode gerar terremotos, mas mudanças como secas e inundações em outras regiões sim". Afirma.

Segundo Mattos, a América do Sul possui uma anomalia magnética na parte da Ionosfera que cobre o continente. "Para afetar o clima daqui o Haarp teria que funcionar em pleno vapor, o que é complicado. Por isso podemos dizer que a América do Sul está protegida quanto ao efeito do projeto", completa  o pesquisador. 


Estudos  relacionados à manipulação da Ionosfera com as ondas de rádio não são novos: o inventor sérvio Nicola Tesla fez as primeiras experiências em 1899 e foi o gênio inspirador de Dennis Papadopoulos, o físico que dirigiu a construção da Haarp nos Estados Unidos. No início dos anos 60, a antiga União Soviética. Mattos, cita o artigo publicado em julho de 2010 no site Global Research, Organização de Pesquisa Idependente, com sede no Canadá, para destacar a manipulação do clima com fins militares: "Em um episódio internacional realizado em maio de 2010 em Ghent, na Bélgica, cientistas afirmaram que 'a manipulação do clima por meio da modificação das nuvens não é nenhuma brincadeira, nem teoria da conspiração'. É um fato 'totalmente operacional', com uma sólida história de 60 anos. Apesar da modificação 'hostil' ambiental ter sido proibida pela Convenção das Nações Unidas em 1978 o seu uso 'amigável' hoje está sendo saudado como um novo salvador frente às alterações climáticas e à escassez de água e alimentos.

O Complexo militar-industrial está preparado para capitalizar e controlar a vida no mundo. Diz o artigo.

Clique sobre imagem para ampliar.


Segundo a 'Folha Universal', no Tsunami da Indonésia, os EUA teriam utilizado o Haarp para pressionar o governo local a participar da dita "guerra ao terror". As ondas gigantes teriam sido provocadas de maneira artificial.   
Ainda diz que o Tsunami que assolou o Japão teria sido resultado do Haarp, na Internet, diz o Jornal que o sistema ficou desligado por uma semana e foi religado à meia noite de 09/03/2011.
Ainda afirma que Hugo Chávez, presidente da Venezuela diz que o terremoto no Haiti, foi causado por testes dos EUA para um futuro ataque contra o Irã.    

Continua o artigo: ...e ainda, o cientista e pesquisador acrescenta: "Eu não duvido que o Haarp possa ser usado como manipulador de clima. Faz 20anos que estudo ondas de baixa frequência e sabemos que, em se tratando de ressonância, essas ondas podem movimentar as placas tectônicas abaixo da terra e causar grandes terremotos". "Uma vez fazendo uma experiência próximo a Portland, no Oregon (EUA), ligamos transmissores dessas frequências e imediatamente a terra começou a tremer. Isso pode acontecer; o que não pode acontecer são as pessoas utilizarem esta tecnologia para ameaçar nações, ou durante uma guerra", completa.

DEZ ANOS DO 11 DE SETEMBRO, O QUE APRENDEMOS?...

Os ataques de 11 de setembro completam-se 10 anos. Naquela manhã 19 terroristas ligados a Al-Qaeda sequestraram 4 aviões. Dois foram lançados sobre as Torres Gêmeas, Word Trade Center, um jogado contra o Pentágono, o outro caiu em campo aberto. Foram quase três mil mortos ao todo. A autoria dos ataques foi atribuída a Osama Bin Laden - que foi capturado e morto pela inteligência Norte-Americana em maio deste ano.
O que veio depois pelas mãos do presidente dos EUA, George W. Bush, foi chamado de "Guerra ao Terror", uma série de ataques violentos com forte tendência anti-islâmica. Ainda em 2001, o Afeganistão foi invadido. Em 2003, foi a vez do Iraque e Saddam Russeim. 
"Os atentados deixaram o mundo inteiro mais complexo. Na verdade, a complexidade aumentou com o fim da guerra fria. Até aquele momento os conflitos se encaixaram de um lado ou de outro, e pronta a ação das superpotências emprestava certo equilíbrio. Era a barbárie sob controle. Hoje temos a barbárie incontrolável e fortemente marcada pelo fundamentalismo de todos os naipes", define o historiador Marco Antônio Villa, da Universidade Federal de São Carlos. No fim, a guerra chamada Guerra ao Terror assumiu toques fundamentalistas e virou um terrorismo de estado, cujo ápice seja a criação de armas de manipulação climática.

CONCLUSÃO: Ou seja... embora os EUA tenha sofrido muito com o atentado às Torres Gêmeas, seus governantes, transformaram-se igualmente ou pior aos que fizeram os atentados.


Pois ódio gera vingança e a vingança gera a guerra. Não conformados com a violência sofrida, procuraram em nome de seu ódio matar milhões de inocentes no Iraque e no Afeganistão, inocentes afegãos e iraquianos que nada tinham a ver com Osama Bin Laden e a Al-Qaeda, e somando estes 10 anos da chamada Guerra ao Terror, superam a lista dos mortos no Word Trade Center. Será que por algum momento o governo Bush fez uma pesquisa para saber se todos os Norte-Americanos concordavam com esta guerra? 
Gastaram bilhões de dólares no combate ao "terrorismo". Terrorismo que os EUA levaram para milhões de inocentes no Afeganistão e em tantos outros lugares que são contra a política de intervenção Norte-americana. Com isso, o governo de Bush sufocou a economia Norte-americana que passou de um país rico para um país endividado. Basta ver os noticiários dos jornais, onde, o presidente Obama tenta  a todo custo superar a crise financeira que se instalou nos EUA pós-guerra, até agora só tem fracassado. 

A uma passagem bíblica que fala que o Senhor Deus, não castigaria a terra ainda que houvesse 1 só justo nela, por causa desse justo não castigaria. Porque temos que matar milhões de inocentes em nome de poucos?... Deus que nos criou por amor também nos ensinou através de Jesus Cristo que devemos amar nossos inimigos. Nem sempre é fácil, mas é preferível. Pois, as chagas abertas não se cicatrizam sem o remédio amor.
Agora surge uma pergunta: Até quando o mundo terá de ver nações se matando por não respeitar os direitos de cada país?

O "ódio" dos radicais islâmicos só se tornou possível porque os EUA armou Osama Bin Laden e o exército extremista na luta da independência do Afeganistão  contra os domínios russos no passado.
No passado foram amigos... dependeram-se igualmente de forças militares, agora, essas mesmas armas voltaram-se contra eles... dois pesos duas medidas. 

Agora atentam as suas pesquisas não só contra os terroristas, mas, contra o mundo inteiro. Não aprenderam o que Jesus disse: "Quem com a espada fere, com a espada será ferido". Quantos inocentes ainda precisarão ainda morrer para pagar os que morreram no atentado do Word Trade Center? ... fica-nos uma reflexão: os reinos cairão, muitos se foram, como o Império Romano, o Maxismo e o comunismo, etc. Muitos líderes e ditadores caíram, reis, governadores e presidentes. Nada é para sempre. Um dia quando os EUA acordar irão passar pela história como uma nação que mais deu incentivo à vingança e a guerra. 

Dez anos da chamada: "Guerra ao Terror" já se sabe que não adiantou muito a não ser a morte de milhões de inocentes. Diz o ditado: "rei morto rei posto". Logo que capturaram e mataram Osama Bin Laden e Saddam Russeim, surgiu outro extremista islâmico para o ocupar o seu lugar. O que a morte destes inocentes, e de seus possíveis culpados trouxeram de benefício para o mundo? Nada! além de provocar ainda mais o ódio daqueles que os EUA perseguiram. Recentemente vimos a Cerimônia do dia 11 de setembro em homenagem às vítimas do Word Trade Center, agora só uma lembrança na mente dos seus familiares. Uma bonita homenagem, mas ficará vazia e sem sentido se os que sobreviveram e os familiares dos que se foram, não fizer dela um momento de reflexão interior e se perguntarem para si mesmos: o que é que estou fazendo para contribuir com a paz mundial? - e, ao mesmo tempo fazer com que esta paz aconteça; caso contrário não passará de uma cerimônia vazia e egoísta. Se tal não servir para mover os corações na busca pela paz.    

Entendo que cada país deve ter a sua forma de governar, e a guerra só vai parar, quando os os governos dos países ricos deixarem de meter o nariz aonde não é chamado. Na década de 90, Os EUA, tentou certa vez fechar um acordo com o Brasil  para ocupar parte da Amazônia para quem sabe, construir ali no futuro uma base militar. Me lembro bem que a Igreja Católica através da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), convocou a todos os cristãos brasileiros e fez um abaixo-assinado que todos assinaram e foi enviado ao Congresso Nacional Brasileiro dizendo, não!... não queremos intervenção dos EUA na Amazônia.  

A cultura dos países da antiga Palestina é uma cultura de milênios onde diversos conceitos civis e religiosos são abordados. Isto é até bíblico. Quando nós brasileiros e os norte-americanos nem existia Israel já existia e cheios dos mesmos conflitos. Basta você lê a Bíblia para entender que aquela nação embora seja judia, passou a ser a "terra de ninguém". Será que a ONU ou mesmo os EUA vai conseguir consertar um problema de mais de 4.000 anos? Claro que não. Até mesmo Jesus Cristo  disse que aquele povo tem uma cabeça dura. Talvez porque passaram por tantas opressões que se esqueceram de viver... depois, há tantas divergências religiosas entre eles que nem eles mesmos se entendem.     

 Penso que: os árabes e judeus, enfim, todos os povos devem ser respeitados, pois cada País possui sua forma de governo e sua religião dominante. Bin Laden  morreu assim como morreu Nero, Júlio César, Hitler, os Faraós, e tantos outros... logo, surgirão pessoas, lideranças melhores ou piores do que eles. Penso ainda que: os povos do Oriente Médio é que devem se entender sem a interferência de leis, culturas ou credo religioso de outros países. O respeito dos direitos humanos que até hoje ainda não foi verdadeiramente posto em prática está em reconhecer e respeitar sobretudo o direito à vida.
Imagine se em cada casa, por qualquer problema que tiver, haver a interferência de um vizinho, e se um ao lado do outro começarem a se matar... logo, a cidade vai ficar destruída. O sujeito não vai à Igreja porque o outro seu inimigo está lá, o outro mata, se vinga porque não gosta do sujeito que mora em frente... o outro não paga os impostos porque vai beneficiar um certo grupo de gente que ele odeia... e assim, haverá uma guerra no bairro, logo se estenderá o caus pela cidade, e,  começarão conflitos que ninguém saberá a verdadeira causa... é assim que está acontecendo lá fora.

Os EUA é tido como um país que tem a maior porcentagem de cristãos evangélicos, e no entanto, seus governantes esqueceram-se que Jesus Cristo nos ensinou que não devemos aplicar a "lei de Talião", isto é, "olho por olho, dente por dente", que significa, pagar o mal com o mal. Pois quando revidamos a uma ofensa, o que podemos conseguir senão a vingança?... Jesus aplica a lei do amor, deixar para Deus (que vê tudo) os julgamentos, e, ao invés da vingança devemos orar por aqueles que nos ofendem. Está em Mt5, 38-47.
Esqueceram também que nossa justiça deve ser maior, mais inteligente do que as dos governantes, se quisermos ser felizes. (Mt5, 20). E que Deus nos proíbe de matar. E quem não respeita seu irmão não é digno nem de se dirigir a Deus como Pai. (Mt5, 21-26). Porque Jesus nos ensinou a chamar a Deus de Pai, SE, formos capazes de nos perdoar, perdoar ao nosso irmão, para depois santificar o nome de Deus. (Mt6, 9-14)

O exemplo dos EUA como um país que não dá oportunidade do outro se defender, que quer matar e destruir, que quer abarcar tudo com as mãos parte de um egoísmo, de uma cultura embora "cristã", diga-se de passagem, tão longe está de Deus e das leis cristãs. Embora os EUA, seja um País "cristão", o ateísmo está dominantemente exercendo suas  forças.

Ninguém pode negar que houve e haverá muita dor com as percas do atentado ao Word Trade Center. Mas essa dor não pode ultrapassar os limites da consciência de achar que "todos" os islâmicos, ou outras pessoas são responsáveis por ela e achar que todos são terroristas. Muita gente luta em uma guerra, não porque querem, mas porque são forçados a participar dela por diversas situações. Porque tanto ódio?, por que tanta vingança?... talvez a resposta esteja em um país que procura mais enriquecimento do que amor para si e para seus irmãos à distância.  Procura mais guerra do que esperança de paz. Não possuem a capacidade de diálogo com as outras nações a não ser resolver as coisas sob o domínio das armas. Enfim, não tem esperanças em si mesmo. Prova disso é a insegurança que explodiu entre os norte-americanos após o atentado.           

Assisti em uma reportagem na TV, onde uma velha mulher iraquiana chorava por ser vitimada pelos ataques dos soldados, que destruíram sua casa, mataram seus filhos e seu marido. Ela não tinha mais ninguém. Nem mesmo um ombro amigo para chorar. Estava só, desesperada, somente com a roupa do corpo, sem água, sem comida, sem esperança, chorava e implorava por ajuda... Assisti várias vezes as denúncias de violação dos direitos humanos onde os chamados: "presos da coalizão extremista", os quais eram capturados pelo exército dos EUA, sofriam inúmeros abusos, torturas físicas e morais. O que a guerra faz com as pessoas senão tirar-lhes o direito de viver em paz? são feridas na alma e no corpo, feridas que nunca serão cicatrizadas. Crianças, jovens e adultos violados no seu direito principal, o direito a viver com dignidade! Esqueceram que ali está Cristo presente na figura destas pessoas, como Ele mesmo disse: "Todas as vezes que fizerdes alguma coisa a um desses pequeninos,  foi a mim que o fizeste".        

Enquanto  financiam a guerra, há uma guerra muito maior para vencer, o desemprego, a fome, a miséria, a seca, as doenças contagiosas que ficam após a guerra. Milhões de sem- casas, órfãos, gente mutilada no corpo e na alma, sem rumo sem expectativa de vida... jogados à mercê do destino.

Até hoje os EUA e os países aliados não definiram, nem implantaram um plano de reconstrução no Iraque e do Afeganistão. Agora que o Presidente Palestino pede que a ONU reconheça aquele estado como Nação e como parte integrante da ONU, agora que surge um possível passo para instalar a paz no Oriente Médio, os EUA já afirmaram que irá votar contra.  
  
A paz só se constrói com o amor, não se pode construir a paz com o ódio. Se somos filhos de Deus, todos somos irmãos, independente de cor, religião e partidos políticos.

Muçulmanos, Indus, Cristãos, Budistas, Espíritas, Evangélicos, e tantas outras crenças devem estarem unidos lado a lado pela união dos povos, pela paz e pela concórdia. É isso que Deus quer de nós, espera de nós! 
O amor está no respeito de uns para com os outros. A guerra que devemos fazer é bombardear o mundo com amor. Como já catava Amado Batista: "Vamos plantar muitas flores pra fazer munições e com botõezinhos de rosas carregar aviões, vamos plantar muitas flores pra fazer munições e com botõezinhos de rosas carregar os canhões..."

LEMBREMOS SEMPRE QUE:
     
Não somos ninguém além de pó, e somente o Senhor Deus é eterno.    
          
         
É PRECISO E URGENTE PLANTAR UMA CULTURA DE PAZ, PAZ QUE NÃO SIGNIFICA SOSSEGO MAS A LUTA POR UM MUNDO MELHOR, MAIS HUMANO E FRATERNO!

      NÃO HÁ MAIOR TESOURO QUE VIVER EM PAZ!

disse Jesus:


"QUEM AMA DÁ A VIDA PELOS SEUS AMIGOS", "JÁ NÃO VOS CHAMO SERVOS, MAS CHAMO-VOS DE AMIGOS"

"SE ME AMAS, GUARDAREIS MEUS MANDAMENTOS"
"E O MEU MANDAMENTO É ESTE:"
"AMAI-VOS UNS AOS OUTROS COMO EU VOS AMEI!"
  E O AMOR CONSISTE EM AMAR A DEUS E AO PRÓXIMO

"SE NÃO AMARES O PRÓXIMO QUE VOCÊ VÊ, COMO PODERÁS DIZER QUE AMA A DEUS QUE VOCÊ NÃO VÊ?"

     


                  

      

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, em breve será respondido.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.