quarta-feira, 9 de junho de 2010

SACERDOTE - MISSÃO E CELIBATO

Poderíamos aqui citar várias passagens bíblicas sobre o significado do sacerdócio, mas nada se compara melhor para explicar o tema que vamos refletir, do que a celebração de um casamento.
O Sacerdote ou presbítero, é aquele homem que dentre outros é tirado do seio de uma determinada Comunidade para servir esta Comunidade. Não é simplesmente o "tirar" mas sim, reinserir aquele que chamado à uma vocação especial estará disposto a gastar o seu tempo unicamente a serviço da mesma. 

Por isso o sacerdócio é um casamento, onde a noiva é a Igreja e os filhos a Comunidade na qual ele passa a pertencer. Esse casamento assim como o Matrimônio entre homem e mulher deve ser livre e ao mesmo tempo comprometido numa adesão radical eterna. 
Quando Jesus chamou os doze, muitos estavam fazendo suas ocupações do dia a dia, Pedro, André e Tiago eram pescadores, deixaram tudo e seguiram Jesus. Levi ou Mateus cobrava impostos, (Mt8, 9), no entanto acreditando nEle o seguiu, assim João, Felipe, Bartolomeu, Judas Tadeu, etc.

Sempre as mesmas palavras "Vem e segue-me!" ... esse "seguir" era pra toda vida, eles sabiam disso. Quando Jesus fez o discurso sobre "o Pão da Vida" e muitos se escandalarizaram pensando que seria aquelas palavras, muitos discípulos O deixaram. Jesus fez uma pergunta: ..."Vocês também querem ir?"... E Pedro logo percebendo a seriedade do que Jesus dizia disse: "A quem iremos Senhor?" "Tu tens palavras de vida eterna!" (Jo 6, 66-70)

Então o sacerdote é aquele que vai conduzir esta Palavra de vida Eterna que é o próprio Cristo.    
Por isso o sacerdote é alguém especial, deve ser preparado para assumir total responsabilidade, pois seu casamento é um só, sua família passa ser uma só a Comunidade Cristã onde representa. Cumprindo o que disse Jesus: "Aquele que deixa, pai, mãe, irmão, esposa, por causa de mim e do evangelho receberá a recompensa no seu Reino!"

O Sacerdócio ao mesmo tempo é um chamado a viver o sagrado no humano exigindo-se a renúncia de si mesmo e das oportunidades do mundo. Para aquele que abraça o sacerdócio nunca mais será a mesma coisa, pois ele viverá em prol de um bem maior, a Igreja de Cristo. E junto abraçará as dores, alegrias e dificuldades desta Igreja, fazendo perpetuar a missão de Cristo já neste mundo até que ele venha. O sacerdote abraça  a cruz renúncia suas "liberdades" para santificar a Comunidade.  Por isso ser sacerdote é tão importante, mas não é uma profissão, pois o sacerdote deve ser aquele sempre disponível, mas sempre posto com o cajado na mão, pronto para ir à qualquer lugar, a qualquer hora em nome do Evangelho. 

E neste contexto que entra o CELIBATO, isto é, o sacerdote é aquele homem que não pode casar-se com mulher, não por imposição da Igreja, mas porque a sua missão já é um Matrimônio total, sua consagração deve ser única e exclusivamente a Cristo. O sacerdote é aquele que ao fazer os votos de castidade, pobreza e obediência deve estar unicamente ligado a um único laço, "o amor a Cristo", à sua Igreja, e a sua "Palavra" de modo integral e radical.

Então quando vemos por aí muitas críticas sobre o celibato, devemos lembrar as palavras de Cristo: "Quem é minha mãe? Quem são os meus irmãos"? ... "Quem ouve as minhas palavras e as põe em prática estes são minha mãe e meus irmãos!" (Mt3, 35); ...... Aqui Jesus explica, aquele que cumpre a vontade de Deus já tem uma família. Certo é que assim como Jesus após ter iniciado sua missão não teve mais domicílio, estava indo de aldeia em aldeia a pregar o Evangelho. (Lc5, 58). Para Jesus quem o segue também não tem lugar fixo e todo tempo deve ser bem aproveitado. Não há compromisso mais importante do que evangelizar. Não há tempo para despedidas, nem para cerimônias, a família do evangelizador é o mundo. (Lc5,61), e nem mesmo a morte de um ente querido é mais importante que a causa do Evangelho a ser anunciado. (Lc5, 59-60). Nada de arrependimentos, nada de olhar para trás, pois saudades, lembranças, nada disso interessa o Reino de Deus, o que interessa para Jesus é o seguimento, a firmeza e o propósito. Estar apto (no sentido de prontidão), para é importante para quem não quer perder tempo no anúncio do Evangelho. (Lc5, 62) Pois aquele que fica preso às coisas do passado, a lembranças, a mediocridade, e até a laços familiares, este não está pronto para seguir Jesus.       

A missão sacerdotal é como um casamento; e, esse "casamento" que o sacerdote tem com a Igreja é eterno, portanto, o celibato não é uma norma mas sim uma condição, uma escolha, de quem renuncia sua casa, sua família, seus bens e passa a ter uma vida de inteira doação, para com toda a Igreja. (essa primeira é exigência do próprio Cristo como lemos acima).
O sacerdote é um pai zeloso que  está sempre de braços abertos para acolher os que lhe acorrem na alegria, na tristeza, na saúde e na doença, na vida e na morte, e como tal os respeita e os ajuda a caminhar na fé e na luz da graça de Deus pelos Sacramentos.

Dentro desse "casamento" está a escolha, o sacerdote é aquele homem escolhido a dedo por Deus, chamado por Jesus, formado pela Igreja, para ser intermediário na Terra direto entre Deus e os homens em nome de Cristo. Ele é uma ponte que liga o homem a eternidade e na eternidade ao Eterno. Sua finalidade é facilitar o encontro mais rápido do homem com Deus e possibilitar meios para isso. Quais são esses meios? São os Sacramentos aos quais Jesus mesmo o confiou. Através dos Sacramentos (sinais visíveis da graça de Deus), o sacerdote viabiliza pela presença do Espírito Santo estabelece ação santificadora de Jesus Cristo sobre o homem a fim de que no mesmo possa realizar a obra da Redenção de Jesus Cristo.

São Paulo escreve sobre o sacerdócio dizendo que ele é um "pontífice" , isto é uma ponte, um meio de ligação entre Deus e os homens:
"Em verdade, o "pontífice" é escolhido entre os homens e constituído a favor dos homens como mediador nas coisas que dizem respeito a Deus. Para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados. Sabe-se compadecer dos que estão na ignorância e no erro, porque ele está cercado fraqueza. Por isso ele deve oferecer sacrifício tanto pelos  próprios pecados quanto pelos pecados do povo. Ninguém se aproprie desta honra, senão somente aquele que é chamado por Deus como Aarão". Hb 5, 1-4.

Essas palavras selam a função da missão sacerdotal, elas são claras.

O sacerdote é sempre um grande dom, um precioso bem que Jesus dá à Comunidade. São João Maria Vianey, o Santo Cura D'Ars, que assim escreveu:
"Um bom pastor, um pastor segundo o coração de Deus., é o maior tesouro que o bom Deus pode conceder a uma Paróquia, e um dos mais preciosos da misericórdia divina!" E mais... para São João M.Vianey, o sacerdote é grande no ministério que recebeu. Assim ele escreveu: "Como é grande o padre! Se lhe fosse dado compreender-se a si mesmo, morreria. Deus obedece-lhe, pois ele pronuncia duas palavras e, à sua voz, Nosso Senhor desce dos Céu e encerra-se numa pequena Hóstia!"

De fato toda nossa vida e santificação deve passar um dia pelas mãos do sacerdote, pois é ele em suma que nos amparará desde o nascimento, pelo batismo, até nosso fenecer com a extrema unção. Quem mais poderia nos explicar melhor sobre isto senão São João M. Vianey que assim escreveu em um de seus sermões:
"Sem o Sacramento da Ordem, o qual gera o sacerdote, não teríamos a presença do Senhor Jesus. Quem o colocou ali naquele sacrário?... o sacerdote! - Quem pelo batismo, acolheu a vossa alma no primeiro momento do ingresso à vida?... o sacerdote! - Quem o alimenta pela Eucaristia, para lhe dar a força de realizar a sua peregrinação? ...o sacerdote! - quem há de preparar as pessoas para comparecerem diante de Deus após a morte, lavando-as pela última vez no Sangue de Jesus Cristo?..o sacerdote... sempre o sacerdote! - E se uma alma chega a morrer pelo pecado, quem a ressuscitará, quem lhe restituirá a graça, a serenidade e a paz?...Ainda o sacerdote. Depois de Deus, ele é tudo! Ele próprio na se entenderá bem a sim mesmo senão no Céu!"


Ele ainda nos diz: "Se compreendêssemos bem o que um padre é sobre a Terra, morreríamos não de susto, mas de amor. Sem o padre a paixão e morte de Nosso Senhor não serviria para nada. É o padre que continua a obra de Redenção sobre a terra. Que aproveitaria termos uma casa cheia de ouro, se não houvesse alguém para abrir a porta?... Pois bem: o padre possui a chave dos tesouros celestes: é ele quem abre a porta; é o ecônomo do bom Deus; o administrador dos seus bens".

Portanto, ser sacerdote é muito mais que um chamado mas, é uma nobre missão confiada por Deus. Portanto para aqueles que ainda tentam em criticar o celibato, ainda não aprenderam nada sobre o sacerdócio e  a que ele se destina. O sacerdote não é um homem qualquer mas é um consagrado, um escolhido um enviado de Deus aos homens e, por isso,não constitui nenhuma família para si a não ser a família dos filhos de Deus,  que aos quais Ele mesmo lhe confiou, sendo esta a sua única.          
O sacerdote também participa do sacerdócio eterno de Cristo, exercendo seu ministério como o "Bom Pastor": "Eu sou o Bom Pastor, eu conheço as minhas ovelhas e elas me conhecem!" "Eu vim para que elas tenham vida, e vida em abundância!" (Jo10, 11-15)

Da mesma forma o padre é este bom pastor que pastoreia as ovelhas de Jesus e à sua voz, faz com que elas conheçam a voz do Pastor Eterno que é Jesus, e assim, dando a vida por elas comunicando-lhes a Vida Plena.

Mas você deve estar se perguntando? ...
Porque é que os pastores das igrejas protestantes, (que hoje se dizem evangélicas), são casados, e porque lemos na Bíblia que alguns dos Apóstolos eram casados, como por exemplo, Pedro?

A resposta e simples. O Celibato, é uma consagração, uma regra de vida não uma Lei bíblica, é uma maneira de ser especial que alguns Apóstolos e os santos padres desde os primeiros séculos obedeceram. Pois o celibato não é uma Lei em si importante, mas uma importante forma de amar e servir a Cristo e seu ministério. Também se explica pelo fato de que São Paulo foi celibatário, isto é não se casou.
O celibato não mutila ninguém pois é uma vocação que está diretamente aliada a uma descoberta.

ATENÇÃO!


Os escândalos sexuais recentes cometidos por alguns "maus" sacerdotes da Igreja nada tem a ver com o celibato, e sim, com uma má formação religiosa, desvio de comportamento e  falta de amor e zelo pelo Evangelho. Como em todas organizações religiosas existem bons e maus intencionados. Haja vista que até mesmo entre os Apóstolos houve um que traiu o Cristo.

É bem verdade que Pedro e outros foram casados, tanto é que lemos no evangelho que Jesus curou a sogra de Pedro. Mas quando Jesus chamou os seus Apóstolos em missão o Evangelho diz que eles largaram tudo, por causa do chamado de Jesus. E nada mais os Evangelhos comentam se eles tiveram ou não contatos com seus familiares, provavelmente sim, mas não com a mesma intensidade, pois, abraçaram um outra missão, seguir o Cristo.

O que a Igreja faz é adotar o celibato como uma "total fiel consagração do presbítero" de modo que ele passe a ter uma só família. A Comunidade. Comunidade esta que, quando Jesus foi interrogado onde ele morava, ele havia respondido: "vem e vê!", mas há uma interrogação (?...), pois o evangelho não diz mais nada onde morava o Mestre, o silêncio do evangelista faz explicar como se Jesus dissesse: "o mundo é minha casa e os homens, todos meus irmãos!"  .... Logo mais adiante Jesus vai dizer: "Os pássaros têm seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça!" em outras palavras, Jesus não tem lugar para morar, não enquanto estiver fora do coração humano.  E o celibato é isso, através do Sacramento da Ordem, cujos pastores protestantes não têm, o sacerdote ou o padre é esse segundo Cristo, e como legítimo representante também despoja-se de si mesmo, renega a vida de "casado" para "se casar" com sua Comunidade, onde ele deve se dedicar a vida inteira com amor e zelo apostólico ao rebanho cujo lhe foi confiado.

Por isso há uma grande diferença entre o verdadeiro pastor, o sacerdote, cujo é o legítimo representante de Cristo, pelo Sacramento da Ordem. E do "falso pastor", isto é aqueles que não têm nenhuma autoridade do Cristo para tal. Este segundo pode se casar, ter bens, levar uma vida normal, porque eles sobrepõem a  família no lugar principal que é o Evangelho e a Igreja. Ao passo que o primeiro o verdadeiro sacerdote, é alguém totalmente consagrado e enviado para cuidar das "ovelhas" que Jesus lhe confiou, e para elas a exemplo de Jesus o Bom Pastor, dedica a sua vida de modo que, não venha perder por sua vontade nenhuma ovelha de seu redil.  



     
            

        

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, em breve será respondido.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.